quinta-feira, 31 de agosto de 2023

O INIMIGO

 Meditação Diária

31 de agosto

O INIMIGO

Você era perfeito nos seus caminhos, desde o dia em que foi criado até que se achou iniquidade em você. Ezequiel 28:15

Lúcifer foi criado perfeito e era “o mais elevado de todos os seres criados” (O Desejado de Todas as Nações, p. 610 [758]). Porém, ele escolheu se afastar de Deus e enveredar no mal. Pela revelação que nos foi dada, sabemos que desde sua rebelião até sua aniquilação, ele passará por vários estágios, ficando cada vez mais limitado em suas ações.

Quando ele se rebelou contra Deus (Ap 12:7-9), houve a primeira limitação: Ele foi expulso do Céu. Não pôde mais residir ali. Perdeu suas funções de confiança junto ao trono. Mas teve permissão para entreter conversa com os anjos de Deus, fora dos portões do Céu e andar pelo Universo tentando os habitantes dos mundos (História da Redenção, p. 20 [27]). O nosso mundo foi o único a pecar.

Uma segunda limitação aconteceu quando Cristo morreu na cruz. Referindo-Se a esse evento, Jesus afirmou: “Chegou o momento de este mundo ser julgado, e agora o seu príncipe será expulso” (Jo 12:31). Paulo, ao explicar o que ocorreu, afirmou que Jesus, “despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando sobre eles na cruz” (Cl 2:15). Ali, Satanás foi desmascarado. Ele mostrou quem ele realmente é, embora ainda não completamente, e perdeu o acesso a outros mundos. Mas continuou com a permissão para tentar a humanidade (Ap 12:12).

A próxima limitação acontecerá com o fechamento da porta da graça (Ap 7:1-3). Todos os remidos estarão selados, e Satanás não conseguirá mais afastá-los dos caminhos de Deus, mas terá permissão para exercer completo domínio sobre os ímpios, o que é simbolizado pela soltura dos quatro ventos.
Depois disso, haverá uma nova limitação por ocasião da segunda vinda de Cristo (Ap 20:1-6), a qual perdurará durante o milênio. Não haverá nenhum ser humano vivo na face da Terra a quem ele possa tentar. Terá a permissão de viver na Terra e contemplar o caos que ele mesmo causou.

Ao se encerrar o milênio, com a ressurreição dos ímpios, ele terá uma breve permissão para enganá-los. Então, sua última limitação será definitiva: ele será destruído no lago de fogo (Ap 20:3, 7-10). Alegre-se! O inimigo está com seus dias contados. Aceite a vitória de Cristo sobre Satanás. Apodere-se da força de Deus. 

https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-inimigo/

https://youtu.be/nYYudzXYTR0

Salmos 117 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 117
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 117 – É a riqueza da bondade, tolerância, paciência e misericórdia de Deus que leva-nos ao arrependimento, diz Paulo em Romanos 2:4. Este princípio está claro também neste minúsculo Salmo.

Este “é o mais curto dos Salmos, um hino em honra ao cuidado de Deus. Todos devem louvar ao Senhor por dois motivos: Seu amor constante e Sua fidelidade. Deus ama com altruísmo, é fiel à aliança e cumpre Suas promessas. Os seres humanos O louvam por reconhecerem Seus feitos extraordinários e Sua bondade”, destaca a Bíblia Andrews.

Este tão pequenino Salmo revela uma teologia da adoração e da salvação que é tanto universal quanto exclusivista. O Salmo convoca todas as nações e povos a adorarem ao Deus verdadeiro, reconhecendo Sua imensurável misericórdia e fidelidade. Ao mesmo tempo, o salmo enfatiza que somente em Deus há salvação, e que essa salvação é exclusiva para aqueles que creem nEle. Isso revela uma teologia que celebra a diversidade das nações e povos, mas também reconhece a singularidade e superioridade de Deus como o único caminho de salvação.

• Jesus, que declarou ser o único caminho, verdade e vida, “antes de deixar o cenáculo... dirigiu os discípulos num hino de louvor. Sua voz se fez ouvir, não nos acentos de uma dolorosa lamentação, mas nas jubilosas notas da aleluia pascoal... o Salmo 117”, informa Ellen White.

• Além de Jesus, o grande teólogo e apóstolo “Paulo cita as palavras deste verso [Salmo 117:1], mostrando que em Cristo a misericórdia de Deus foi ampliada aos gentios e aos judeus (Rm 15:11” (CBASD).

Em Apocalipse 14, as três mensagens angélicas convocam todas as pessoas a se arrependerem e a voltarem para Deus. Elas são mensagens para o tempo do fim e exortam as pessoas a temerem a Deus, dando-Lhe glória e adorando-O como o Criador do Céu, da Terra, do mar e de tudo o que neles há. Essas três mensagens apocalípticas destacam a universalidade do propósito de Deus, e revelam-nos que Deus é o Deus de todas as nações e povos; e que, a adoração e o louvor a Ele devem ser oferecidos por todos. Evidenciando assim que, a mensagem do evangelho é para todos, independentemente de sua origem étnica ou cultural.

Então, reavivemo-nos vivendo a mensagem do Salmo 117 – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quarta-feira, 30 de agosto de 2023

O IMPACTO DAS PALAVRAS

 Meditação Diária

30 de agosto

O IMPACTO DAS PALAVRAS

Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e remédio para o corpo. Provérbios 16:24

Já aconteceu, um dia cedo, de alguém lhe dizer algo que o afetou profundamente? Você ficou tão triste e preocupado que, na hora do almoço, não teve fome e, à noite, o sono não veio. Então pensou: “Como podem poucas palavras ferir tanto? Magoar tanto?” Felizmente, há manhãs em que pessoas nos dizem boas palavras que iluminam nosso dia e nos abençoam grandemente.

Nossas palavras, faladas ou escritas, têm o poder de impactar a vida de outros para o bem ou para o mal. Elas podem entristecer e angustiar, mas também podem animar, alegrar, convencer, persuadir, provocar mudanças e fazer as coisas acontecerem.

O poeta Olavo Bilac nasceu em 1865. Desde cedo, dedicou-se ao jornalismo e à literatura. Participou ativamente na política e em campanhas cívicas. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e é o autor da letra do Hino à Bandeira. Em seus dias, foi considerado um dos poetas mais populares, conhecido como o “príncipe dos poetas brasileiros”.

Conta-se que, certa vez, ele caminhava em uma rua quando foi abordado por um amigo, dono de um pequeno comércio. O homem lhe disse que precisava de um favor. Estava pensando em vender o sítio, que era bem conhecido por Olavo, mas não sabia como redigir o anúncio que seria veiculado no jornal. Então, prontamente, Olavo Bilac apanhou um papel e escreveu: “Vende-se encantadora propriedade onde cantam os pássaros, ao amanhecer, no extenso arvoredo. É cortada por cristalinas e refrescantes águas de um ribeiro. A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes na varanda.”

O homem agradeceu, e eles se despediram. Meses depois, encontraram-se novamente. O poeta, então, perguntou ao amigo se havia vendido o sítio. O outro respondeu: “Nem pensei mais nisso! Quando li o anúncio, percebi a maravilha que tinha.” O sítio ainda era o mesmo, mas aquelas poucas palavras, tão bem redigidas, haviam feito com que seu dono o encarasse de outra maneira.

Embora não tenhamos o talento de Olavo Bilac para manejar as palavras, procure hoje usar palavras agradáveis que transmitam bênção àqueles que as recebem.

https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-impacto-das-palavras/
https://youtu.be/GkcYp3nFTRU

Salmos 116

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 116
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 116 – A vida pautada na gratidão cheia de satisfação será a resposta apropriada à infinita misericórdia divina demonstrada em situações críticas em que nos envolvemos.

O salmista reage desta forma na escrita do Salmo 116. As palavras inspiradas ali descritas são mais que expressões de fé. Refletem a lealdade e amor de alguém que obteve uma correta compreensão de Deus e desfrutou de Sua soberana intervenção.

• Deus resgata-nos dos maiores problemas e perturbações que geralmente enfrentamos. Isso nos enche a alma de alegria (Salmo 116:1-11).

• Deus merece nosso compromisso fiel resultante da gratidão por Sua graciosa intervenção, especialmente pelo precioso e maravilhoso plano da salvação (Salmo 116:12-17). Nesse contexto, o pavor da morte é substituído pela por outra visão: A morte do santo é preciosa. “Santos não são pessoas que não pecam, muito embora odeiem o pecado. São totalmente consagradas ao Senhor e, por isso, espirituais ou piedosas. Aos olhos de Deus, a morte de uma pessoa assim é preciosa, porque os fieis morrem acreditando nEle (ver Ap 14:13). O Senhor nunca se esquecerá deles” (Bíblia Andrews).

• Deus ouve nossas orações quando estamos em aflição; Ele age e nos restaura trazendo alívio ao nosso coração. Por conseguinte, merece nosso louvor e compromisso, e nossa adoração e devoção constantemente (Salmo 116:18-19).

Salmo 116:12 contém uma pergunta retórica que deve levar-nos incansavelmente à reflexão. “Não existe maneira de retribuir Sua bondade; podemos somente aceitá-la, ser gratos por ela e viver em agradecimento e respeito, segundo a vontade divina, tendo em mente a grande misericórdia que recebemos”, argumenta a Bíblia Andrews.

Sobre esse mesmo versículo, Ellen White comenta:

“Se grandes resultados podem ser alcançados por grandes esforços e grandes sofrimentos, quem dentre nós, que seja súdito da divina graça, pode recusar o sacrifício [de servir a Cristo]? O evangelho de Cristo inclui em seus reclamos toda alma que tenha ouvido a mensagem das novas de grande alegria. Que daremos a Deus por todos os Seus benefícios para conosco? Sua incomparável misericórdia jamais pode ser retribuída. Somente pela voluntária obediência e servido de gratidão podemos testificar de nossa lealdade e coroar com honra nosso Redentor”.

Diante disso, reavivemo-nos no evangelismo! Sacrifício em servir a Deus e obediência ao Seu chamado são respostas naturais pelas imensuráveis graças recebidas! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

terça-feira, 29 de agosto de 2023

O GRANDE CONFLITO

 Meditação Diária

29 de agosto

O GRANDE CONFLITO

Então ouvi uma voz forte no céu, proclamando: “Agora veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do Seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos [...].” Apocalipse 12:10

visão que o apóstolo João apresenta em Apocalipse 12 é altamente simbólica e descreve algumas das principais cenas do grande conflito entre o bem e o mal. Inicialmente, o capítulo mostra os principais personagens do drama. Primeiro, João vê uma mulher envolta por muita luz, com uma coroa na cabeça e grávida, já em trabalho de parto (v. 1, 2). Essa figura representa a igreja, o povo de Deus. Ela é usada dezenas de vezes na Bíblia (cf. Is 54:5, 6; Ef 5:25).

Logo aparece ao lado dela um dragão, grande e vermelho. Suas ações e intenções são más. Sua cauda se movimenta e derruba a terça parte das estrelas, que caem na Terra. Ele aguarda o nascimento do Bebê para devorá-Lo (Ap 12:3, 4). O dragão é Satanás (v. 9), e as estrelas caídas são os anjos que o seguiram em sua rebelião contra Deus (cf. Ap 1:20). Por meio do Império Romano, na pessoa de Herodes, ele quis impedir que a Criança crescesse e cumprisse Sua missão neste mundo.

Então, nasceu o Menino prometido ao povo de Deus (Ap 12:5). Quem é Ele? Em toda a Bíblia, o único homem nascido em Israel que terá completo domínio sobre as nações (Ap 19:11-16) e que foi aos Céus e Se assentou junto ao trono de Deus é Cristo (Hb 7:22, 25; 8:1).

Os versos seguintes apresentam as batalhas entre o bem e o mal ao longo dos séculos e milênios, iniciando com a inimizade de Satanás contra o Filho de Deus e destacando a vitória alcançada por Cristo na cruz (Ap 12:7-9). Ali, as forças do mal foram vencidas de modo que uma voz forte proclamou: “Agora veio a salvação” (v. 10). Essa é uma animadora mensagem para nós. Sempre que Satanás lutou contra Cristo, ele sofreu amarga derrota. Isso ocorreu no Céu, no deserto e, especialmente, na cruz. Porque Cristo morreu em nosso lugar, a salvação nos pertence.

Além disso, quando o inimigo se insurge contra nós, podemos contar com a presença e o poder de Cristo em nossa vida, derrotando-o tantas vezes quantas forem necessárias. Confie hoje na promessa de Deus: “E eis que estou com vocês todos os dias até o fim dos tempos” (Mt 28:20). 

https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-grande-conflito/
https://youtu.be/riiqAOe1Z24

Salmos 115

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 115
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 115 – Existem vários deuses. O próprio Deus da Bíblia reconhece a existência deles. Embora muitos neguem a existência de outros deuses, na Bíblia, Deus reconhece que eles existem. Tanto que Ele proíbe aos Seus servos terem outros deuses diante dEle num de Seus Dez Mandamentos à humanidade (Êxodo 20:3).

Comentando o Salmo 115, Lawrence Richards faz a seguinte observação: “A Páscoa relembra eventos que separam o Deus de Israel de todas as divindades das outras nações. Os pagãos zombam, porque Deus não pode ser visto, mas os seus ídolos de prata e de ouro são massas inanimadas”.

É interessante saber que este Salmo “foi composto nos primeiros dias após o retorno da Babilônia, quando os pequenos grupos de colonizadores eram importunados pela zombaria e escárnio de seus inimigos. Essa era sua réplica, pondo em relevo o contundente contraste entre os ídolos de seus vizinhos e a majestade do Senhor. Ele nos lembra a descrição que Isaías faz da confecção de um ídolo. Os ídolos tinham uma forma sólida, mas não possuíam poder. O Senhor não tinha aparência externa, mas [possuía] todo o poder”, acrescenta F. B. Meyer.

Interessante que aqueles que têm deuses inferiores se gabam e se acham no direito de atacar a crença dos que creem num Deus superior. Os adoradores de deuses insignificantes são atrevidos em sua ousadia de confrontar ao povo do Deus verdadeiro. No entanto, o Salmo 115 é uma resposta apologética aos zombadores dos seguidores do verdadeiro Deus.

A falta de conhecimento torna a ignorância atrevida, que leva os arrogantes a práticas estúpidas. A visão tacanha da religião torna as pessoas intolerantes, desrespeitosas e abusadas. Tais pessoas precisam saber da verdade, mas devem ouvi-la com profundo amor e bondade.

O Salmo 115 ressalta o conceito de que a verdadeira divindade não precisa ser materializada em ídolos, como é comum nas religiões forâneas à Bíblia. Em vez disso, a transcendência do Deus bíblico é valorizada, enfatizando Sua natureza além do físico e Sua superioridade sobre as divindades representadas por ídolos.

Diferentemente dos ídolos, “jamais poderemos esgotar os recursos de Deus, por maiores que sejam nossas petições”, declara Meyer sobre o Salmo 115.

Então, todos são convidados a desfrutar das bênçãos advindas do compromisso com o verdadeiro Deus. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

segunda-feira, 28 de agosto de 2023

O GOVERNO DIVINO

 Meditação Diária

28 de agosto

O GOVERNO DIVINO

Depois destas coisas, ouvi no céu o que parecia ser a voz forte de uma grande multidão, dizendo: “Aleluia! A salvação, a glória e o poder são do nosso Deus, porque verdadeiros e justos são os Seus juízos.” Apocalipse 19:1, 2

desagrado e a indignação de Deus frente ao pecado se revelam por meio de Sua ira. Ela indica a natureza viva e pessoal de Deus. É uma expressão justa e própria da natureza divina, absolutamente santa. Se, diante do pecado, Deus deixasse de mostrar Sua ira, seria injusto com Ele mesmo. Estaria negando Sua própria santidade. Também seria injusto com os seres humanos, uma vez que não lhes daria o que merecem. Além disso, mostraria falta de caráter por ser indiferente para com o pecado.

Às vezes, o governo divino não parece ser justo. Quem vive em pecado nem sempre é punido, e os justos com frequência parecem não ser recompensados. No Antigo Testamento, nem sempre as coisas iam bem para os justos ou iam mal para os ímpios. Tanto o Pentateuco quanto os Salmos, os profetas e o livro de Jó atestam o contrário. O Novo Testamento também relata que os fiéis a Deus foram muitas vezes perseguidos e até mortos. O clamor dos mártires por vingança não é atendido prontamente (Ap 6:10, 11).

A compreensão da ira de Deus tem como pano de fundo o conceito da justiça divina. Mas não uma justiça ministrada por um princípio impessoal, de efeito automático. Essa justiça advém de um Deus que tem fortes emoções e que está pessoalmente interessado. Em razão disso, a justiça divina não deve ser avaliada no curto espaço de uma vida. Aqui é frequentemente incompleta ou imperfeita. Como nossa vida aqui não é tudo, essa justiça precisa ser vista na perspectiva da eternidade quando então será completa (Is 9:7; 11:4; 42:1; 56:1; Jr 23:5; Os 2:19).

Deus é o Legislador e o justo Juiz. Somente no juízo final, quando Ele apresentar um veredito sobre cada ser humano, é que todos, mesmo aqueles que serão amaldiçoados, saberão que Deus é plenamente justo. Nenhuma criatura encontrará a menor falha em Sua perfeição. Nessa vindicação do caráter de Deus, residirá a segurança e a liberdade do Universo por toda a eternidade. Por isso, confie nas decisões que Ele está tomando.


https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-governo-divino/
https://youtu.be/MsOWMrloo3c

Salmos 114 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 114
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 114 – A reflexão espiritual precisa piamente pautar-se na correta compreensão de Deus e em Seu real e verdadeiro caráter. Qualquer perversão implica em deterioração e corrupção de Seu ser. Precisamos tomar muito cuidado para não criar um deus que não existe – seja materialmente, ou mentalmente.

• O Salmo 114 está dentro de uma estrutura teológica sólida, ampla e profunda. Perdemos muito em nossa compreensão de sua mensagem sem considerar seu contexto.

Paul House sintetiza auxiliando-nos em sua compreensão, ao afirmar que “as obras de Deus (Sl 111) e Sua bênção sobre os justos e sábios (Sl 112) merecem louvor, da mesma forma como o merecem a incomparabilidade de Yahweh (Sl 113) e o livramento de Israel do Egito (Sl 114). Em outras palavras, esse Deus é vivo, real. Por outro lado, ídolos não passam de imagens, sem qualquer capacidade de ver, ouvir, andar ou pensar. Todos os que os adoram são tolos (Sl 115:3-7). Os adoradores do Senhor possuem um Deus que sabe (115:12), ouve (116:1) e ama (117:2). Possuem um Deus que, de uma forma que imita o êxodo, é capaz de restaurá-los à sua pátria (118:10-14). Mais uma vez a singularidade de Yahweh torna os deuses tão comuns, sem nada de especial, que eles claramente não existem”.

A mensagem dos Salmos nesse contexto é relevante para nós tanto quanto foi para Jesus. A Bíblia Andrews argui que os Salmos 113-118 são uma “antologia de salmos conhecida como Hallel, usada na adoração judaica por ocasião das grandes festas anuais (Lv 23; Nm 10:10) e cantada na noite de Páscoa, durante o culto. Os Salmos 113 e 114 eram recitados antes da celebração da refeição pascoal. Já os Salmos 115 e 118 eram cantados após a refeição. É muito provável que Jesus Cristo tenha cantado esses Salmos após comer o cordeiro pascoal e celebrar a Última Ceia (Mt 26:20-30)”.

• O Salmo 114 ensina que Deus controla a natureza, provê libertação da escravidão, Se faz presente entre Seu povo; por tudo isso, Ele merece nossa reverência e total devoção.

A maior libertação, tirando-nos das garras do pecado e do diabo, foi paga por Cristo ao entregar-nos Sua vida na cruz. Por conta disto, podemos aguardar o maior êxodo – retirados deste mundo para o Céu. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

domingo, 27 de agosto de 2023

FRUTO DO ESPÍRITO

 Meditação Diária

27 de agosto

FRUTO DO ESPÍRITO

O fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Gálatas 5:22, 23

tema da carta de Paulo aos gálatas é a doutrina da justificação pela fé. Ele a explica e mostra como ela nos transforma radicalmente. Em seu argumento, o apóstolo usa as expressões carne EspíritoCarne é uma referência à natureza pecaminosa. É o que somos por nascimento, por natureza e hereditariedade. É nossa condição caída. Espírito é o Ser divino que produz em nós o novo nascimento e nos dá o desejo e a capacidade para servir a Deus.

carne e o Espírito estão em constante conflito. A carne produz obras, e o Espírito produz fruto. As obras da carne abrangem quatro áreas. A primeira é a área sexual. Ela inclui prostituição, impureza (comportamento anormal) e lascívia (atrevido desprezo pelo decoro). Essas três palavras abrangem todo tipo de comportamento sexual ilegítimo, de casados e solteiros, públicos ou particulares. Em segundo lugar, é mencionada a área religiosa, sendo citadas as idolatrias e feitiçarias (ou bruxarias, que consistiam no uso de drogas com propósitos mágicos). Na sequência, vêm males sociais: as inimizades, rixas, ciúmes, iras, discórdias, divisões, facções e invejas. Eles retratam o colapso nos relacionamentos. Finalmente, há a área da alimentação: bebedices e glutonarias – pecados que predominavam no mundo pagão. Quem pratica as obras da carne será excluído do reino de Deus (Gl 5:19-21).

Deus envia Seu Espírito ao pecador para que este receba a Cristo como Salvador e Senhor, crucifique a carne com suas paixões (v. 24) e passe a andar segundo os ditames do Espírito (v. 16, 25). Em contraste com as obras da carne, o Espírito produz o fruto composto de “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão [e] domínio próprio” (Gl 5:22, 23). Essa mudança é tão grande que é comparada a uma nova criação: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2Co 5:17).

Hoje, diga “não” à carne e “sim” ao Espírito de Deus. Permita que Ele transforme sua vida e faça com que ela frutifique. 

https://mais.cpb.com.br/meditacao/fruto-do-espirito-4/
https://youtu.be/ql1mnRtXJ3Q

Salmos 113 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 113
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 113 – Para muita gente, religião é sinônimo de regras; há também quem a considera como um Deus severo, intolerante, frio e calculista. O desequilíbrio na religião, espiritualidade e fé são obstáculos para a verdadeira adoração.

A motivação do consagrado salmista, inspirado pelo Espírito Santo, no Salmo 113 difere da de muitas pessoas que advogam conhecer a Deus e Seu caráter. Muitos têm criado conceitos depravados, deturpados e adulterados de Deus, corrompendo assim Seu gracioso caráter que motiva a uma adoração sincera, saudável e alegre.

Pessoas azedas, amargas, carrancudas, justiceiras, legalistas, perfeccionistas, moralistas, acusadoras, negativistas, ferinas, críticas, etc. na igreja precisam muito renovar seu conceito de Deus. Urgentissimamente!

A verdadeira essência do Salmo 113 brilha como farol através das névoas distorcidas de concepções equivocadas sobre Deus. O salmista apresenta-nos uma perspectiva que ultrapassa em muito as imagens frias e distantes que alguns têm projetado acerca do Deus da Bíblia.

A importância de compreender e abraçar o conceito correto de Deus não pode ser subestimada. Enquanto muitos veem a religião como um conjunto de regras rígidas ou pintam um retrato de Deus como um Juiz Implacável, o Salmo 113 convida-nos a enxergar a verdadeira natureza do Criador. Ele não é apenas o Legislador, mas o Pai que Se inclina em direção aos necessitados e almeja alcançar os corações quebrantados.

Se mantivermos uma visão errônea de um Deus intransigente, perderemos a beleza de Sua maravilhosa misericórdia. Se enxergarmos um Deus frio e calculista, ignoraremos Sua graça abundante e Seu amor infinito e incondicional.

• É somente quando reconhecemos a magnitude da verdade bíblica sobre Deus – Sua majestade incomparável e Sua compaixão indescritível – que poderemos responder com uma oração sincera, um louvor cheio de alegria e uma adoração reverente.

• Aqueles que permanecem enredados em seus emaranhados conceitos errados de Deus, limitam a profundidade de sua fé e transformam a comunidade de fé em um terreno de julgamento e acusação.

• A renovação do conceito de Deus é necessária caso queiras revitalizar tua espiritualidade, permitindo que o verdadeiro caráter de Deus te inspire a amar, servir e viver de maneira que reflitas Sua graça e Sua compaixão.

Segundo o Salmo 113, Deus ouve o clamor dos humildes, ergue ao necessitado, concede esperança ao desesperado... Portanto, conheçamos esse Deus, e reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sábado, 26 de agosto de 2023

O FRACASSO DE ISRAEL

 Meditação Diária

26 de agosto

O FRACASSO DE ISRAEL

Eu lhes digo que o reino de Deus será tirado de vocês e entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos. Mateus 21:43


plano de Deus de anunciar a salvação à humanidade mediante Israel não se concretizou conforme o ideal de Deus, mas foi alcançado de outra maneira. Isso foi exposto por Jesus na parábola dos lavradores maus (Mt 21:33-43). As causas básicas do fracasso de Israel em ser a luz do mundo foram duas. A primeira foi a atitude de tentar conservar as bênçãos de Deus somente para si. Ellen G. White afirmou: “De forma egoísta, guardaram para si mesmos aquilo que teria levado cura e vida espiritual a incontáveis multidões”, e “os pagãos foram olhados como estando fora do alcance de Sua misericórdia. A luz da verdade foi retida, e as trevas prevaleceram. As nações foram cobertas com o véu da ignorância; o amor de Deus era pouco conhecido, e o erro e a superstição floresceram” (Profetas e Reis, p. 415, 218 [705, 371]).

A segunda causa do fracasso de Israel foi a rejeição do Filho de Deus. As profecias anunciavam dois aspectos da obra do Messias: como sofredor e como rei. Os israelitas desconsideraram o primeiro e se concentraram apenas no segundo. Assim, quando o Messias veio, humilde, pobre, manso e sofredor, não O receberam (Jo 1:11) e se encarregaram de matá-Lo. “Tropeçaram na pedra de tropeço”, e isso ocorreu porque foram “descrentes” e “desobedientes” (1Pe 2:6-8; Rm 9:30-33).

O fracasso de Israel trouxe resultados. Primeiramente, eles receberam os resultados do que estava previsto na aliança aos desobedientes (Dt 28:15-68). Em segundo lugar, Israel deixou de ser o povo peculiar incumbido de evangelizar o mundo. Os judeus, individualmente, podem crer no evangelho, ser salvos e participar da missão (Mt 21:43; Rm 11:1, 2). Deus, porém, escolheu a igreja cristã para dar continuidade à missão de Seu povo. A igreja deve ser a luz do mundo. Ela é o Israel espiritual, do qual fazem parte judeus e gentios (Ef 2:11-22; Rm 10:12, 13; Gl 3:28, 29; Mt 28:19, 20).

Hoje, você e eu pertencemos ao povo missionário de Deus. Façamos nossa parte. Deus conta conosco.

https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-fracasso-de-israel/
https://youtu.be/dQbgEt-70PA

Salmos 112 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 112
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 112 – Os mandamentos são frutos da graça de Deus. Eles são maravilhosos e visam alegria, bem-estar, sucesso, paz e prosperidade dos que se submetem piedosamente a esses preciosos preceitos divinos.

O Salmo 112 é um hino inspirado pelo Espírito Santo, que contempla o leitor judeu, cristão e gentio. Sua mensagem é útil a todos os religiosos e, inclusive é importante para ateus e incrédulos. Todos precisam saber que “Bendito o homem, bendita a mulher que teme ao Eterno, que aprecia e tem prazer em Seus mandamentos”, como reza o verso 1 na versão A Mensagem.

O teor do conteúdo do Salmo 112 é um retrato da bênção e prosperidade que aguarda aqueles que vivem de acordo com os sublimes princípios divinos. Este impactante Salmo retrata a felicidade e a estabilidade dos fieis a Deus, enfatizando que eles serão rica e divinamente abençoados, e suas gerações posteriores também desfrutarão destas maravilhosas bênçãos. Entretanto, a mensagem sagrada enfatiza mais que a observância dos mandamentos, ela trata da importância de temer a Deus e viver ao Seu lado; pois, isso resultará em recompensas inigualáveis e imensuráveis, tanto nesta vida quanto na futura vida eterna. Quais são alguns destes benefícios:

• Os fieis são felizes, satisfeitos e contentes.
• Os filhos dos pais consagrados a Deus são poderosos e abençoados.
• Os justos prosperam em seus empreendimentos, planos e propósitos.
• Os crentes representam a Deus na compaixão e generosidade tendo recursos para compartilhar com os necessitados.
• O coração dos fieis é firme, resoluto em sua confiança no poder de Deus.
• Os que temem a Deus não têm medo das más notícias, nem focam a vida nelas.
• Os fieis são honrados e respeitados por possuírem caráter honesto e leal.
• O legado dos justos perdura para sempre.
• Apesar de estar numa sociedade ímpia, injusta e perversa, Deus recompensará com prosperidade a retidão dos fieis.
• Os que confiam em Deus encontram segurança e paz em um mundo inseguro tomado de conflitos.

Em contraste, a tudo “o ímpio observa e se enfurece, faz barulho e acaba mudo. Não sobra nada para os sonhos dos ímpios. Nada”. Assim encerra o Salmo 112 na versão A Mensagem.

Enfim, o contraste entre o fiel e infiel será mais nítido no final da história mundial. Portanto, reavivemo-nos agora! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sexta-feira, 25 de agosto de 2023

EVANGELHO

Meditação Diária

25 de agosto

https://mais.cpb.com.br/meditacao/evangelho/

EVANGELHO

Sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a insensatos. Por isso, quanto a mim, estou pronto a anunciar o evangelho também a vocês que estão em Roma. Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. Romanos 1:14-16

Embora Paulo não conhecesse Roma, a capital do império, desejou muitas vezes viajar para lá e abençoar os cristãos mediante seu ministério, mas sempre foi impedido. Principalmente por seu propósito de pregar primeiro nos lugares em que Cristo era desconhecido (Rm 15:20-24). Então, enquanto estava empenhado em sua terceira viagem missionária, escreveu-lhes uma carta. Nela, encontramos o texto de hoje. Destaco três declarações que merecem consideração.

A primeira delas é “sou devedor”. Paulo se opusera tenazmente à igreja e ao evangelho, mas Deus interferiu em sua vida e o iluminou para que ele entendesse e aceitasse o evangelho. Ele também lhe enviou uma mensagem, orientando-o para que fosse “testemunha Dele diante de todos” (At 22:15). Desse modo, ele sentia ter uma dívida de evangelização para com todo tipo de gente: civilizados, incivilizados, cultos e ignorantes.

A segunda afirmação é “estou pronto a anunciar o evangelho”. Paulo sabia que Deus o havia capacitado para a tarefa de evangelizar e estava disposto a cumpri-la, mesmo na sofisticada Roma, com seus estadistas, poetas, historiadores, oficiais e homens da ciência e da literatura. Quando a oportunidade chegasse, ele a aproveitaria.

A terceira declaração é “não me envergonho do evangelho”. Paulo reconhecia quão tola parecia aos sábios do mundo essa história de salvação pela fé em Alguém que morreu e ressuscitou, mas isso não o envergonhava. Ele sabia, inclusive por experiência, que o evangelho é poderoso para salvar. Em realidade, a expressão “não me envergonho” é uma figura de linguagem que afirma algo por meio da negação. Assim, ele está de fato declarando que se orgulha do evangelho e considera um grande privilégio poder proclamá-lo.

Sentir-se devedor, orgulhar-se do evangelho e estar pronto a anunciá-lo pode ser nossa experiência. Viva, hoje, o poder do evangelho! 

https://youtu.be/9I2iaE-Tbr4

Salmos 111 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 111
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 111 – Estude com oração os 10 versículos deste Salmo. Analise cada frase, e faça anotações. Busque ao Deus descrito nesse precioso texto, e tenha hoje uma profunda experiência espiritual.

Para te auxiliar, considere:

• O Salmo 111 trata do louvor a Deus declarando a alegria de quem procura compreender Suas obras maravilhosas.
• O Salmo 111 ressalta a grandiosidade e a glória de Deus, com ênfase em Sua justiça e retidão.
• O Salmo 111 menciona as obras poderosas e maravilhosas de Deus, revelando assim Sua providência e fidelidade em relação ao Seu povo.
• O Salmo 111 lembra aos leitores das ações de Deus em favor de Seu povo ao longo da história, incentivando-nos à prática da gratidão e o reconhecimento das bênçãos divinas.
• O Salmo 111 revela que o temor do Senhor (respeito reverente) é o princípio da sabedoria e do verdadeiro entendimento, senda a base sólida para a vida justa e reta.
• O Salmo 111 afirma que as obras de Deus são confiáveis e duradouras, estabelecendo uma fundação segura para a fé e a confiança no Criador.

Nós, crentes do Novo Testamento, podemos encantar-nos com verdades extras baseados na história e na mensagem do Salmo 111. Reflita atentamente:

• As obras majestosas e gloriosas de Deus podem incluir a morte e a ressurreição de Jesus que provê a futura glorificação dos crentes fieis, como é frequentemente aludido em textos escatológicos (Romanos 8:18-39; I Coríntios 15:1-58; I Tessalonicenses 4:13-17).

• A ênfase na justiça de Deus pode ser vista como um prenúncio do julgamento final, um dos importantes eventos escatológicos (Mateus 25:31-46; Apocalipse 19:11-20:15).

• A conexão entre o “temor do Senhor” e a sabedoria também pode ser interpretada num sentido profético ou escatológico (Apocalipse 14:6-7; 13:18).

• A ideia de que Deus dá herança das nações ao Seu povo como parte de Suas obras poderosas é mais ampla no contexto apocalíptico (Daniel 7:21-27; 1 Pedro 1:3-5; Apocalipse 21:1-22:6).

• O Salmo 111 também fornece um vislumbre de um tempo futuro em que todas as nações e povos se reunirão para adorar a Deus em unidade (Isaías 66:22-23; Apocalipse 7:9-17; 15:1-8).

O Salmo 111 fornece base segura para estudos amplos e profundos. Aprofundemos em seu magnífico texto a fim de que sejamos reavivados com a revelação provida em sua mensagem! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quinta-feira, 24 de agosto de 2023

O ESPÍRITO NOS GUIA

 Meditação Diária

24 de agosto

O ESPÍRITO NOS GUIA

Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Romanos 8:14

Espírito de Deus é quem nos mostra o caminho que devemos seguir. Mostra-nos aonde ir, o que dizer e o que fazer. Está pronto a nos orientar não apenas nas questões espirituais, mas também nos estudos, nos negócios, no trabalho e nos relacionamentos. Sua guia acontece especialmente por meio da Bíblia, pois aqueles que a escreveram “falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (2Pe 1:21). Por isso, o salmista escreveu: “Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra; ela é luz para os meus caminhos” (Sl 119:105).

No entanto, a guia do Espírito não se limita ao que pode ser encontrado na Escritura Sagrada. Quando precisamos de orientação, nosso primeiro dever é consultá-la. Mas, se ali não encontrarmos a luz específica que estamos buscando, podemos clamar a Deus. Por meio de Seu Espírito, de algum modo Ele nos revelará Sua vontade.

Durante 25 anos, Rubens economizou para comprar uma casa onde pudesse morar com sua esposa e criar seus filhos. Agora, ele tem dinheiro suficiente para fazer a compra tão sonhada. Ele pesquisou e encontrou três casas novas em empreendimentos recentes que lhe causaram boa impressão. Mas qual delas ele irá comprar? Ele não tem como saber de todos os detalhes da qualidade do material utilizado na construção. Também não sabe quem serão seus vizinhos, logo de imediato e no futuro, e as influências que eles terão sobre sua família. Ele quer tomar a decisão correta, mas qual? A Bíblia não dirá qual imóvel ele deve escolher nesse caso. Mas, se Rubens considerar as orientações de Ellen G. G. White sobre a questão e orar a Deus, apresentando a Ele suas preocupações, o Espírito haverá de guiá-lo nessa importante escolha. Aplicando a revelação conhecida à sua realidade e buscando a orientação divina para o que é desconhecido, ele saberá o que fazer.

O Espírito nunca dará uma orientação contrária ao que está escrito, e pode nos conduzir além. Ele é um guia seguro em todas as situações e em todos os momentos. Podemos confiar Nele. “Agrade-se do Senhor, e Ele satisfará os desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao Senhor, confie Nele, e o mais Ele fará” (Sl 37:4, 5).

https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-espirito-nos-guia/
https://youtu.be/sltDpZoGxZU

Salmos 110 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 110
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 110 – Profundas verdades estão presentes desde a superfície deste Salmo. Quanto mais aprofunda-se em sua mensagem, mais impressionantes serão suas informações.

“Esse Salmo é uma pérola de inestimável valor e é merecidamente conhecido como a coroa de todos os Salmos. Trata-se de uma das principais passagens messiânicas no Antigo Testamento. Esse Salmo de Davi é o mais citado no Novo Testamento do que qualquer outra passagem do Antigo Testamento – é citado 21 vezes no Novo Testamento com relação a Cristo e Seu reino, e também pelo Senhor Jesus, pelo apóstolo Pedro e pelo autor aos Hebreus. Apenas no livro de Hebreus há dez alusões ao Salmo... Jesus o usou para provar Sua divindade e silenciar Seus críticos (Mt 22:41-46), e também para responder ao sumo sacerdote durante Seu julgamento (Mt 26:64). O Salmo fala tanto da exaltação do Messias como de Sua segunda vinda, e trata de Sua entronização e de Seu governo. Mostra como o Messias, ocupa ao mesmo tempo a função de Rei e de Sacerdote, e deixa claro que o Messias é Sacerdote para sempre, não mediante a ordem levítica, mas mediante uma ordem superior, a ordem de Melquisedeque”, analisa Hernandes Dias Lopes.

O escritor deste Salmo foi extraordinariamente inspirado. “Davi emprega fórmulas de fala profética no Salmo 110... O Salmo está dividido em duas partes, cada uma iniciada por uma fórmula de introdução de ditos oraculares por profetas e videntes: ‘O Senhor disse’, no versículo 1, e ‘O Senhor jurou’, no versículo 4. Após cada fórmula segue-se uma palavra falada no estilo divino da primeira pessoa, um estilo característico de falas proféticas”, explica James Luther Mays.

Assim, possuindo compreensão mais ampla do Salmo 110, necessitamos reconhecer o duplo papel do Messias:

• Aceitando a autoridade e soberania de Cristo em nossa vida diária, submetendo-se à Sua perfeita liderança.
• Permitindo que Ele interceda por nós como Sacerdote no Santuário Celestial como nosso substituto na cruz e, perante Deus.

Além disso, precisamos olhar para além da exaltação de Cristo no Céu, pois o Salmo aponta para Sua segunda vinda a Terra, o que nos desperta uma esperança maior que a dos judeus no Antigo Testamento.

Devemos manter uma expectativa positiva mesmo em meio a desafios, sabendo que a redenção final está próxima! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quarta-feira, 23 de agosto de 2023

ESPÍRITO DA VERDADE

 Meditação Diária

23 de agosto

ESPÍRITO DA VERDADE

O Espírito da verdade [...] os guiará em toda a verdade. Ele não falará por Si mesmo, mas dirá tudo o que ouvir e anunciará a vocês as coisas que estão para acontecer. João 16:13


No último encontro com os discípulos, Jesus lhes garantiu que, enquanto Ele não retornasse a este mundo, eles não ficariam sozinhos. Teriam a permanente presença do Espírito Santo – que Cristo chama de Espírito da verdade. Ele não apenas estaria ao lado deles, mas habitaria neles. Jesus afirmou: “E Eu pedirei ao Pai, e Ele lhes dará outro Consolador, a fim de que esteja com vocês para sempre: é o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê, nem O conhece. Vocês O conhecem, porque Ele habita com vocês e estará em vocês” (Jo 14:16-18).

O Espírito Santo é o mestre da verdade. Parte de Sua obra é ajudar-nos a entendê-la. Por essa razão, ao abrirmos a Bíblia para estudá-la precisamos orar para que Ele ilumine nossa mente de modo que a possamos compreender. Ellen G. White advertiu: “Sem a orientação do Espírito Santo, […] estaremos continuamente sujeitos a distorcer as Escrituras ou a interpretá-las erroneamente. Muitas vezes, lê-se a Bíblia sem que haja qualquer proveito. Em muitos casos, essa leitura é até perniciosa. Quando a Palavra de Deus é aberta sem reverência e oração, quando os pensamentos e as afeições não estão centralizados em Deus nem em harmonia com Sua vontade, a mente fica obscurecida pelas dúvidas. O próprio estudo da Bíblia fortalece o ceticismo” (Caminho a Cristo, p. 110).

O mesmo Espírito de Deus que produziu a Bíblia e a preservou ao longo dos séculos deve aplicá-la à nossa vida. Sabendo que os princípios bíblicos não são alterados com o passar do tempo, devemos reconhecer que sua aplicação depende da época, da cultura, das circunstâncias e das necessidades dos ouvintes. A aplicação traz a verdade do mundo bíblico para o mundo atual. Ela brota naturalmente das ideias da mensagem bíblica e está relacionada à nossa vida. O Espírito da verdade nos faz perceber a lição espiritual que o texto contém para nós em meio às nossas lutas. Podemos fazer das palavras do conhecido hino nossa oração, pedindo a Deus que Seu Santo Espírito sacie nossa sede e fome de Sua Palavra: “Vem como água ao sedento / Traz ao faminto o pão” (Hinário Adventista do Sétimo Dia, n. 43). 

https://mais.cpb.com.br/meditacao/espirito-da-verdade/
https://youtu.be/ZJEMYN7ETOU

Salmos 109 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 109
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 109 – A oração ocupa um lugar especial na Bíblia, a qual recebe um livro recheado de orações. Além dos Salmos, “que em si mesmo é um livro de orações”, a Bíblia “menciona não menos que 650 orações”, analisa Mauro Bueno.

Tércio Sarli afirma que “a oração é sempre um tema oportuno para o cristão. É a única maneira de nos comunicarmos com Deus, fonte de toda boa dádiva. E quanto mais nos aprofundamos nessa ciência de origem divina, mais podemos usufruir suas bênçãos”.

Salmos contêm orações e canções. Há aqueles que foram identificados como imprecatórios, caracterizados por conterem maldições, imprecações e desejos de punição e vingança contra inimigos ou malfeitores. Tais Salmos expressam uma gama de emoções intensas, incluindo raiva, frustração e anseio pela justiça divina. Eles frequentemente pedem que Deus castigue ou derrote opositores, inimigos e perseguidores, muitas vezes de maneiras violentas ou drásticas. Alguns destes, encontramos no Salmo 35, 69 e 109.

O Salmo 109 reflete uma expressão emocional sincera, e por vezes, perturbadora, do salmista diante da adversidade e da injustiça. Ele escancara a realidade complexa das emoções humanas e a busca por justiça divina quando situações difíceis nos afligem. O interessante neste Salmo, é que “a maldição pesada contra o inimigo está fundamentada não em vingança pessoal, mas num senso de justiça”, salienta Duane Garrett.

Entretanto, mesmo com um tom tão sombrio diante da injustiça, o Salmo 109 contém uma conexão profética, de certa forma, com “a rejeição de Cristo. Davi, como profeta, vê o Cristo desprezado e rejeitado [vs. 1-5], Seus acusadores e a condenação desses [vs. 6-20 (conf. v. 8 e Atos 1:20)]. A voz do Rejeitado ecoa [nos vs. 21-25], e fundamenta-se à voz dos últimos remanescentes [vs. 26-31], identificados com Ele”, explica Merrill Unger.

Mateus 27:39 e Marcos 15:29 compartilham o tema de zombaria e escárnios dirigidos a Jesus, que também é aludido no Salmo 109:25. Jesus é a justiça executada nesse mundo de injustiça para salvar aqueles que clamam por justiça e também os injustos que são foco das imprecações.

Deus compreende nossas emoções, e eleva-nos das nossas mazelas. Assim, orações não são apenas desabafos a Deus das nossas emoções (raiva, frustração e vingança), mas busca pela justiça divina na pessoa de Jesus... Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

terça-feira, 22 de agosto de 2023

AJUDA NA FRAQUEZA

 Meditação Diária

21 de agosto

AJUDA NA FRAQUEZA

O Espírito nos ajuda em nossa fraqueza. Romanos 8:26


Enquanto estamos neste mundo, apesar de sermos filhos de Deus, nossa natureza pecaminosa ainda faz investidas. Ainda enfrentamos a tentação e o tentador. Temos momentos de fraqueza. Porém, em meio a tudo isso, não estamos sós. Há Alguém conosco, que pode e quer ajudar. Podemos clamar pela ajuda do todo-poderoso Espírito de Deus.

Uma de nossas fraquezas é que “não sabemos orar como convém” (v. 26). Às vezes, pedimos coisas que, nós supomos, seriam para nosso bem. Contudo, o Espírito de Deus nos conhece com perfeição e sabe de tudo que está envolvido. Ele sabe que algumas coisas seriam prejudiciais para nós e “intercede por nós”, de modo que recebamos não o que desejamos e pedimos, mas o que é melhor. Assim, unindo nossa ignorância e fraqueza à Sua sabedoria e força, seremos vitoriosos.

Há muito tempo, li a respeito de uma jovem missionária que se preparava para voltar ao país de origem. Ela havia cumprido o período de trabalho no campo missionário. Seus colegas já haviam retornado, e ela aguardava a vinda da nova equipe para também partir. Naqueles dias, ela começou a sentir fortes dores no abdômen. Além disso, o estoque de alimentos havia diminuído e restava apenas um barril com farinha de aveia. O cheque de pagamento também não chegava.

Ela orou pedindo a ajuda de Deus: precisava do pagamento para comprar alimento e cuidar de sua saúde. Mas suas orações pareciam não ser respondidas. Depois de quase um mês, as dores haviam desaparecido. Então, chegaram os novos missionários que iriam substituí-la. Também veio o pagamento tão aguardado. Agora ela podia viajar, retornando para casa.

Em sua terra natal, procurou um médico para fazer um check-up. Contou-lhe sobre suas dores. Foram feitos os exames. Quando saiu o resultado, o médico lhe disse que ela estava curada. Não tinha qualquer enfermidade. De acordo com o especialista, ela havia se recuperado de um caso grave de colite. Então, ela ficou sabendo que a medicação natural para tratar de colite era uma dieta de um mês à base de aveia – justamente o que, por necessidade, ela havia feito.

O texto para reflexão de hoje nos traz a promessa de que o Espírito nos ajuda em nossas fraquezas. Ele sempre sabe o que faz. Sempre age para nosso bem. Confie Nele, pois Ele sempre vela por aqueles que confiam no poder de Deus.

https://mais.cpb.com.br/meditacao/ajuda-na-fraqueza/
https://youtu.be/5j-JomK9lFs

Salmos 108 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 108
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 108 – Este magnífico Salmo começa louvando a Deus e expressando a determinação do autor, Davi, em louvá-lO com todo seu ser. Nos primeiros versículos, o salmista declara a grandiosidade e a fidelidade do Deus que merece ser louvado, exaltado e adorado.

Na sequência, os versículos 6-9 contêm profunda petição por ajuda divina. Seres humanos precisam da intervenção divina mesmo quando existem motivos para louvar e adorar.

• Mesmo para adoradores, a vida complexa, injusta e difícil neste mundo de pecados, necessita-se que clamem diante das dificuldades e peçam intervenção divina por inimigos que se levantam contra eles.

Por fim, apesar da visão turva do limitado e desconfiado pecador temeroso, o salmista demonstrou ser possível confiar na vitória provida pelo Todo-poderoso; isso é possível para quem está ciente ter Deus ao seu lado por estar sempre ao lado dEle. Desta forma, pode-se confiar nEle para a superação das imensuráveis adversidades que nos assolam de diversas direções e formas (Salmo 108:10-13).

Considere mais atentamente com oração...

• Deus fala de Seu Santuário, revelando Sua soberania ao executar Seus planos. A divisão de Siquém e a repartição do Vale de Sucote simbolizam o controle divino sobre os territórios humanos. Esta revelação deve prover em nós confiança de que além de Deus estar no controle, Ele interage na esfera humana (Salmo 108:7).

• Deus é dono de tudo e faz o que sabe ser melhor com Seu povo. Gileade, Manassés, Efraím e Judá contém afirmação de propriedade divina. O capacete (proteção) e o cetro (guia/direção) relacionados a Efraím e Judá indicam que Deus usa Seu povo com propósitos específicos estabelecidos por Ele. Nisso o mundo precisa reconhecer a soberania e sabedoria divina (Salmo 108:8).

• Deus vence todos os inimigos de Seu povo. Moabe, Edom e Filístia representam orquestrações bélicas contra o povo de Deus, ilustrando o Armagedom; contudo, a vitória será conquistada por Deus e então, concedida ao Seu povo (Salmo 108:9; Daniel 7:13-27; Apocalipse 16:16-19:21).

Em meio aos inimigos reais, fortes, estruturados, organizados e unidos (Salmo 108:6-9), é possível avançar em nossa jornada de fé junto ao salmista, declarando confiantemente: “Com Deus conquistaremos a vitória, e Ele pisará os nossos adversários” (Salmo 108:13).

Nosso foco não deve estar no poder opositor, mas no poder salvador de Deus!
Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

segunda-feira, 21 de agosto de 2023

EIXO DA VIDA

 Meditação Diária

21 de agosto

EIXO DA VIDA

Os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vocês, porém, não estão na carne, mas no Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é Dele. Romanos 8:8, 9


No capítulo 8 de Romanos, encontramos diversas realidades a respeito daqueles que têm o Espírito Santo, ou seja, das pessoas convertidas. Uma delas é a seguinte: quem tem o Espírito pertence a Deus. “E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é Dele” (v. 9). Fica claro que o contrário também é verdade – quem tem o Espírito de Cristo é Dele. Do ponto de vista espiritual há apenas duas classes de pessoas no mundo: os que pertencem a Deus e os que não pertencem. O que distingue uns dos outros é a posse ou não do Espírito.

Outra realidade é que quem tem o Espírito não está na carne. O capítulo contrasta o “estar na carne” com o “estar no Espírito”, e o “andar segundo a carne” com o “andar segundo o Espírito” (v. 4, 9). O que significam essas coisas? Elas se referem a dois estilos de vida. O que os diferencia é seu eixo. A vida na carne tem como eixo o próprio indivíduo. Ela é autocentrada. É vivida como se Deus não existisse. O que conta é agradar a si mesmo. Sua pergunta é: “Isso me agrada? Isso dá prazer? O que eu vou ganhar com isso?” A vida no Espírito, por outro lado, tem seu eixo em Deus. Sua intenção é agradar-Lhe. Antes de tomar uma decisão, a pessoa pergunta: “Esse é o caminho que Deus quer que eu siga? Essa é a vontade de Deus para mim? Isso agrada a Deus?”

Os que são da carne se inclinam para as coisas da carne. São inimigos de Deus e de Sua lei, e seu estilo de vida acaba em morte eterna. Em contrapartida, aqueles que são do Espírito se inclinam para as coisas do Espírito, amam a Deus e Sua lei, têm poder para vencer as paixões de seu corpo e vivem para agradar ao Senhor. Essa escolha os conduz à paz e à vida eterna (v. 5-8, 13).

Agora, pergunte a si mesmo: “Tenho andado segundo a carne ou segundo o Espírito? Tenho vivido para agradar a mim mesmo ou para agradar a Deus?” 

https://youtu.be/9L9oOZvCGe8

Salmos 107 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a

Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 107
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 107 – Render graças a Deus é uma atitude que deve ser educada. Os Salmos nos instigam a louvar, exaltar e glorificar a Deus.

Os imperativos no Salmo em apreço devem levar-nos para além da reflexão – devemos tomar atitude, e partir para a ação intensa.

São vários os motivos que temos para agradecer a Deus; o Salmo 107 cita pelo menos 5:

• Resgate dos perdidos: Pessoas em situações difíceis, como errantes no deserto, famintas e sedentas, experimentaram o resgate provido por Deus em suas angústias, guiando-as para um lugar de habitação segura (Salmo 107:1-9).
• Libertação dos aprisionados: Pessoas que foram presas devido às Suas transgressões clamaram a Deus e Ele as libertou das trevas e das correntes, demonstrando Sua misericórdia e bondade (Salmo 107:10-16).
• Cura dos enfermos: Pessoas sofrendo por causa de suas próprias ações, à beira da morte, devido às suas próprias iniquidades, que mesmo moribundas clamaram a Deus... foram atendidas, curadas e libertas da morte iminente (Salmo 107:17-22).
• Livramento marítimo: Os marujos enfrentam adversidades em alto mar; ao clamarem a Deus em meio às fortes e violentas ondas, Ele acalmou as tempestades, trazendo-os em segurança ao porto desejado (Salmo 107:23-32).
• Benção sobre a terra árida: Deus transformou a terra árida em terra fértil, abençoando Seu povo com abundantes colheitas. Isso revela o cuidado de Deus, proporcionando ao Seu povo sustento e prosperidade (Salmo 107:33-38).

Deus age em favor dos que O reconhecem como Senhor; entretanto, coloca-Se contra os que se rebelam contra Ele (Salmo 107:39-42). Por isso, no auge do Salmo 107, sua conclusão atinge profundamente o nosso coração:

“Reflitam nisso os sábios e considerem a bondade do Senhor”. O Salmo 107:43 merece nossa atenção:

• Como em cada situação crítica Deus responde com amor e compaixão, demonstrando Sua bondade infinita, devemos recorrer sempre a Ele; não correr dEle – o que é loucura!

• A proposta do último versículo é chamar-nos à sabedoria que ultrapassa o conhecimento intelectual, alcançando compreender profundamente nossa necessidade de um Deus cheio de amor, que age em nosso favor.

• Através da meditação sobre a bondade divina, podemos fortalecer nossa fé e confiança em Deus, reconhecendo Sua soberania e cuidado constante – do qual somos miseravelmente carentes.

Enfim, quando refletimos sobre os resgates, curas, libertações e bênçãos, somos movidos ao reavivamento! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

domingo, 20 de agosto de 2023

ECLESIASTES

 Meditação Diária

20 de agosto

ECLESIASTES

De tudo o que se ouviu, a conclusão é esta: tema a Deus e guarde os Seus mandamentos, porque isto é o dever de cada pessoa. Eclesiastes 12:13

Uma das maneiras pelas quais as pessoas do mundo antigo cresciam em sabedoria e aprimoravam sua conduta era mediante a discussão e o argumento. Isso podia ocorrer por meio de um diálogo em que os participantes expressassem suas ideias e opiniões com relação à verdade e à vida – como o que acontece no livro de Jó. Mas, também, podia ser mediante um longo discurso escrito na forma de um monólogo para ser lido e meditado por outras pessoas. Esse é o caso do Eclesiastes.

Esse livro apresenta um tipo especial de sabedoria classificada na tradição literária do mundo antigo como “literatura pessimista”. Em outras culturas havia obras semelhantes. Na literatura egípcia são conhecidas duas: “O Homem Que Estava Cansado da Vida” e o “Cântico do Harpista”. Na literatura babilônica encontramos “Conselhos de um Pessimista” e “Diálogo do Pessimismo”, entre outras.
“Eclesiastes” significa “pregador”. Há a possibilidade de que essa mensagem tenha primeiro sido pregada ao povo e, depois, escrita. Salomão a escreveu em seus últimos dias de vida quando, após sua apostasia, retornou para Deus. Ele havia pecado gravemente, praticando a poligamia desmedida e a idolatria (1Rs 11:1-8). Ao perceber esses pecados em seu rei, muitos seguiram seu exemplo. Felizmente, no fim de sua vida, ele voltou, arrependido, para Deus. E o povo? Inspirado pelo Espírito de Deus, Salomão escreveu seu último livro, Eclesiastes, para incentivar Israel a imitá-lo.

O propósito do Eclesiastes é convencer as pessoas da inutilidade de uma vida centrada em si mesmo e nas coisas deste mundo. Ele quer nos livrar de um estilo de vida que se vive como se Deus não existisse, segundo o qual o que interessa são os prazeres, as riquezas e as realizações humanas. O Eclesiastes demonstra que, à parte de Deus e de Sua santa vontade, a vida não possui significado e não passa de vaidade. Sem o temor de Deus e uma disposição de fazer Sua vontade, até os homens mais favorecidos têm uma existência vergonhosa e depravada. Ele mostra que Deus é bom e generoso. Caso você esteja se sentindo tentado a levar uma vida guiada pelos prazeres, lembre-se de que somente a vida centrada Nele encontra verdadeiro significado.

https://mais.cpb.com.br/meditacao/eclesiastes/

https://youtu.be/9OoUf6R31zU

Salmos 106 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 106
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 106 – Este Salmo apresenta uma narrativa inspirada que reflete com maestria a natureza cíclica do relacionamento do pecador com o santo Deus. Ele demonstra como, apesar das falhas e erros cometidos pelas pessoas, Deus persiste em revelar Seu gracioso amor e imensurável fidelidade. Isso pode ser entendido como lembrete da importância da humildade, da confiança que devemos ter nesse Deus com tal perfil, e da busca pela reconciliação em momentos de vacilo espiritual e afastamento de Deus.

Antes de oferecer 7 pontos para o Salmo em pauta, Warren Wiersbe declara que o Salmo “começa com o êxodo e termina com o cativeiro na Babilônia e, no centro da lista, coloca a rebelião de Israel em Cades-Barnéia. O salmista não apresenta esses acontecimentos organizados na ordem em que ocorreram, pois seu propósito não é ensinar cronologia, mas sim teologia”.

• Uma fé jubilosa (Salmo 106:1-6).
• Começos triunfantes (Salmo 106:7-12).
• Um declínio perigoso (Salmo 106:13-23).
• Um fracasso trágico (Salmo 106:24-27).
• Uma desobediência custosa (Salmo 106:28-33).
• A rebelião repetida (Salmo 106:34-46).
• A disciplina final (Salmo 106:47).

É nítido que o Salmo 106 nos lembra da necessidade de reconhecer nossas limitações, falhas e erros, e convida-nos a exercer a humildade. A vida moderna e a visão corrompida da religião focada meramente em regras leva-nos muitas vezes a esquecer a importância da gratidão pelas bênçãos e pela oportunidade de correção e crescimento.

• Assim como o Salmo relembra a história israelita, nós como cristãos (e especialmente adventistas), podemos refletir sobre nossa própria jornada e reconhecer os momentos em que afastamo-nos de Deus e dos Seus valores e propósitos para nós.
• O padrão de Deus demonstrando perdão, amor e fidelidade apesar de nossas mais crassas falhas podem moldar-nos no relacionamento interpessoal. Aprendendo a ser tolerantes, misericordiosos e a perdoar mantendo o vínculo afetivo cristão em nossas relações contribui para uma convivência mais harmoniosa, prazerosa e enriquecedora.
• O Salmo 106 também ressalta a esperança de renovação e reconciliação. Nos momentos críticos da vida ou de apostasia da verdade ou mesmo afastamento de Deus, podemos encontrar inspiração na narrativa de Deus restaurando a relação com o povo de Israel – buscaremos força e renovação em nossa oscilante, vacilante e titubeante jornada espiritual.

Os Salmo 105 e 106 estão unidos tematicamente, juntos promovem adoração! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sábado, 19 de agosto de 2023

TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

 Meditação Diária

19 de agosto

TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

Filho, lembre-se de que você recebeu os seus bens durante a sua vida, enquanto Lázaro só teve males. Agora, porém, ele está consolado aqui, enquanto você está em tormentos. Lucas 16:25

teologia da prosperidade ensina que aqueles que andam nos caminhos de Deus sempre prosperarão em seus empreendimentos e relacionamentos. Terão riquezas e boa saúde. Por outro lado, essa teologia julga a falta dessas coisas como a marca de quem não está de bem com Deus.

Mediante as narrativas bíblicas e a história dos fiéis ao longo desses 2 mil anos de cristianismo, pode-se perceber que, em algumas circunstâncias, é isso que ocorre. Por não se envolverem com vícios, jogos de azar e prazeres que o mundo oferece; por cuidarem da própria saúde e serem dedicados e honestos em seu trabalho, além de contarem com a sabedoria e a bênção de Deus, muitos cristãos têm prosperado nas várias áreas da vida.

Nem sempre, porém, as coisas acontecem dessa maneira. Observemos a experiência de Jó. Toda a sua comunidade acreditava nessa teologia. Quando seus amigos o avaliaram, nos dias do seu infortúnio, chegaram à conclusão de que ele era o pior pecador (Jó 22:5), porque nunca alguém sofrera tantas perdas.

Embora os amigos o condenassem, a narrativa inicia dizendo: “Este homem [Jó] era íntegro e reto, temia a Deus e se desviava do mal” (Jó 1:1). Isso é repetido mais duas vezes pelo próprio Deus (Jó 1:8; 2:3). A avaliação divina sobre o seu caráter era a mais positiva possível. Jó não merecia nada do que lhe havia acontecido. Foi com sua experiência que ele, e depois sua comunidade, percebeu que a teologia da prosperidade é falsa.

Nos dias de Jesus, os fariseus também defendiam a teologia da prosperidade, mas o Filho de Deus Se mostrou contrário a ela ao contar a parábola do rico e de Lázaro (Lc 16:19-31). Nela, aquele que nesta vida vivera como um rei, tendo tudo do melhor, ao morrer teve como destino o tormento. Por outro lado, o indigente que, em vida, nada possuía, depois de falecer, foi levado pelos anjos e colocado junto a Abraão que, na visão dos judeus, seria o homem mais importante do reino de Deus.

Portanto, não creia na teologia da prosperidade, mas seja obediente a Deus e siga o Seu caminho mantendo a fé. Mais cedo ou mais tarde, aqui ou na eternidade, você terá a verdadeira prosperidade. 

https://mais.cpb.com.br/meditacao/teologia-da-prosperidade/


Salmos 105 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 105
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 105 – A gratidão não é algo que brota de corações egoístas e gananciosos. É uma atitude nobre do pobre miserável que usufruiu das graciosas bênçãos do santo Deus, o Soberano do Universo.

A estrutura literária do Salmo 105 chama nossa atenção quando analisada com foco na gratidão. Ela, na verdade, entrelaça a narrativa histórica com a adoração e a gratidão.

Cada seção histórica é como um tijolinho que constrói um edifício de louvor e gratidão diante da inefável recordação. Desta forma, a estrutura do Salmo não apenas informa sobre os eventos passados, mas também inspira uma resposta emocional e espiritual de louvor e gratidão, vinculados à confiança no Senhor Deus.

• O Salmo 105 faz uma invocação e um chamado à gratidão. Como responderemos? Os primeiros versículos dão a direção que nossos sentimentos devem dirigir-se. Somos conclamados a buscar a Deus reconhecendo Seus feitos na história – ativar nossa memória é um excelente exercício que favorece a prática da gratidão a Deus (Salmo 105:1-6).
• O Salmo 105 leva o povo de Deus às lembranças das graciosas obras divinas na história. Como reagiremos? A história de Israel faz parte de nossa história; além de estar na Bíblia visando isso, devemos nos conscientizar que é através de Israel que Deus fez com que o plano de salvação chegasse até nós. Na maior porção do Salmo, que relata os acontecimentos históricos, o texto sagrado descreve a fidelidade de Deus, Suas intervenções poderosas, Sua proteção e Sua provisão constantes para o Seu povo. Cada evento histórico mencionado reforça o motivo para a gratidão e o louvor ao soberano Deus (Salmo 105:7-45).

O Uso repetitivo de certas frases-chave, como “lembrem-se” (Salmo 105:5), “Ele Se lembra para sempre da Sua aliança” (Salmo 105:8), “Ele Se lembrou da santa promessa que fizera” (Salmo 105:42), cria um ritmo e uma cadência literária que reforçam a importância da lembrança e da fidelidade de Deus ao longo da história da humanidade. “Em meio às preocupações dos últimos dias, o ser humano fará bem em se lembrar das bênçãos de Deus sobre Seu povo em todas as gerações, e ordenar a vida de acordo com elas” (CBASD).

Se a história não nos servir de pedagoga, nossa memória não será positiva perante Deus. Recordemos, reflitamos e reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sexta-feira, 18 de agosto de 2023

AMAR E GOSTAR

 Meditação Diária

18 de agosto

AMAR E GOSTAR

Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. 1 João 4:7a

Um conhecido de Adalberto lhe fez um grande mal, trazendo-lhe prejuízos financeiros e muitos aborrecimentos. Como bom cristão que procura em tudo obedecer aos mandamentos de Deus, Adalberto lhe perdoou e disse isso a Deus. Contudo, seguidamente ele se lembra do mal que foi feito e não consegue gostar de quem tanto o prejudicou. Ele pensa que amar e gostar são a mesma coisa e raciocina que, se não consegue gostar do outro, é porque não lhe perdoou. Se não perdoou, então Deus também não perdoará seus pecados (Mt 6:14, 15).

Amar e gostar dizem respeito aos nossos relacionamentos. Quando esses conceitos são mal compreendidos por aqueles que aceitaram o evangelho e estão comprometidos com Cristo, eles podem ser fonte de perturbação mental e espiritual. Isso é o que ocorre com Adalberto. Essa má compreensão rouba sua paz e entrava seu progresso espiritual.

Amar não é sinônimo de gostar. Amar é um ato da vontade, uma decisão. Gostar é um sentimento. Amar é tratar bem o outro – que pode ser um amigo, um desconhecido ou até um inimigo. Quando amo alguém, vou tratá-lo como gostaria que ele me tratasse. Gostar é ter gosto, apreciar, ter prazer no outro. É admirar o outro por suas qualidades, é sentir-se bem no relacionamento com ele.

É possível gostarmos de uma pessoa sem amá-la, ou seja, apreciar suas qualidades, mas não a tratarmos bem. Seu relacionamento conosco nos agrada, mas nós não somos bons para com ela. Em contrapartida, é possível amarmos uma pessoa, mas não gostarmos dela. Sua personalidade, seu modo de ser, o que sabemos a seu respeito não nos agrada, não nos traz alegria, mesmo assim, nós a tratamos bem. Esse pode ser o caso do amor para com os inimigos.

Felizmente, há pessoas de quem gostamos e que amamos: são aquelas que escolhemos como nossos amigos. Entre elas estão alguns de nossos familiares próximos. Nós os tratamos bem, e sua companhia nos traz alegria e prazer.

O certo é que não há nenhum mandamento para gostarmos de todas as pessoas. O mandamento é para amarmos todos, quer dizer, fazer o bem a todos, inclusive aos inimigos.

https://mais.cpb.com.br/meditacao/amar-e-gostar/

https://youtu.be/XTrF--Fahxs

Salmos 104 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 104
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 104 – Deus existe; provou isso deixando Seu livro. Ele é criador do ser humano, e de tudo o que existe. Isto está revelado e escrito na Bíblia.

“Infelizmente muitas vezes se tem a ideia de que o leitor da Bíblia precisaria fazer um curso superior de Teologia para, de fato, poder entendê-la. Uma dedicação intensiva ao aspecto científico, (por exemplo, a origem e o ambiente da Bíblia) e o estudo das línguas antigas são com certeza uma grande ajuda para o entendimento de alguns contextos bíblicos. Entretanto, constitui uma particularidade da Bíblia o fato de ela se exprimir de maneira tão clara e inteligível que pode ser entendida até por crianças... Frequentemente questiona-se se, afinal de contas, a Bíblia quer ser entendida do ponto de vista científico. É claro que a Bíblia não está escrita na ‘linguagem da ciência’. Ela está escrita de tal modo que possa ser entendida por todas as pessoas de todas as épocas. Seu objetivo principal – inclusive no relato da Criação – não é nos fornecer informações científicas sobre a ação criadora de Deus. Pelo contrário, ela quer nos mostrar a ação de Deus para com os homens, e por isso descreve as coisas de acordo com a sua importância para eles”, arguiu Alexander vom Stein.

O Salmo 104 é considerado um hino à criação, já que descreve detalhadamente elementos da criação divina. Seus 35 versículos contêm uma mensagem que exalta a grandeza e a majestade do Criador através da observação da natureza. Embora esse poema não seja exclusivamente um tratado teológico, oferece uma visão da teologia da criação presente na tradição judaico-cristã:

• Como Criador, Deus é também o sustentador da Sua criação; Ele é o responsável pela formação e sustentação do Universo e de tudo que nele existe.

• Deus colocou ordem e harmonia em Sua criação; Ele organizou os elementos naturais em um sistema complexo e interconectado. Assim, a natureza é um testemunho da sabedoria divina.

• Deus criou variedades de criaturas e de elementos da natureza, desde as águas e as nuvens até os animais terrestres e marinhos. Isso tornou a fauna e a flora do mundo ser rica e diversa.

• Deus fez os ciclos da natureza, cada um tem sua beleza!

Contemple belezas naturais... e, reaviva-te na fé! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quinta-feira, 17 de agosto de 2023

A IRA DO CORDEIRO

  Meditação Diária

17 de agosto

A IRA DO CORDEIRO

E disseram aos montes e aos rochedos: “Caiam sobre nós e nos escondam da face Daquele que está sentado no trono e da ira do Cordeiro! Porque chegou o grande Dia da ira deles.” Apocalipse 6:16, 17


expressão “em Cristo” é frequente no Novo Testamento. Ocorre dezenas de vezes, especialmente nos escritos do apóstolo Paulo. Ela nos ensina que tudo o que Deus realiza neste mundo é feito por meio de Cristo. Assim, a criação do mundo (Jo 1:3; Cl 1:16), sua manutenção (Cl 1:17), a obra de salvação (2Co 5:19) e o julgamento da humanidade (1Ts 2:8; Ap 19:11-21), tudo é feito por meio de Cristo.

Cristo também é apontado como executor da ira divina. Embora essa não seja uma ênfase da Bíblia, pode ser claramente percebida, especialmente no Apocalipse. Precisamos considerar que a vontade do Pai e do Filho é a salvação do mundo, mas a contrapartida é o juízo daqueles que rejeitam a salvação (Ap 7:10; 6:16, 17). Por isso, ao final da história humana neste mundo infectado pelo mal, a ira de Deus também é a ira do Cordeiro. Essa é a ira de Alguém cujo imenso amor foi desprezado e rejeitado, apesar de todo o sacrifício e empenho.
 
Em sua soberania, Deus estabeleceu que nosso destino eterno estivesse vinculado à pessoa de Seu Filho. Qualquer um se salva ou se perde em função de sua relação com Cristo. Não há outra opção. Em sua primeira carta, o apóstolo João afirmou: “Deus nos deu a vida eterna, e esta vida está no Seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1Jo 5:11, 12). Por essa razão, o Apocalipse apresenta a alternativa: ou o sangue do Cordeiro (7:14) ou a ira do Cordeiro (6:17). Aquele que aceita o sacrifício de Cristo e O abraça como Seu Salvador pessoal recebe a vida eterna e não sofrerá a ira do Cordeiro quando esta se manifestar. 

Assim como os israelitas, às vésperas do êxodo do Egito, foram protegidos pelo sangue do cordeiro que marcava as portas dos lares daqueles que creram em Deus (Êx 12:21, 22), no final, os que estiverem apegados a Cristo estarão seguros, enquanto os demais perecerão. Pensando nisso, não rejeitemos o amor de Deus nem recusemos o sangue de Cristo.
 
https://mais.cpb.com.br/meditacao/a-ira-do-cordeiro/
https://youtu.be/MDdT4YsKQe4

Salmos 103 Comentário:

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Salmos 103
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


SALMO 103 – Deus é idealizador da religião; consequentemente, Satanás pretende pervertê-la.

Idolatria, liberalismo, perfeccionismo, tradicionalismo, legalismo e tantos outros grupos religiosos são formas deturpadas de espiritualidade; contudo, muitos entram por estes “becos sem saída” acreditando estarem no caminho certo.

A Bíblia, quando estudada corretamente, é o único Livro que auxilia a não apenas encontrar a verdadeira religião, mas aponta a forma correta de praticar tal religião; a qual, em vez de prejudicar pessoas, torna-se bênção – ela é positiva numa sociedade puramente negativa, ela oferece vantagens numa sociedade que busca tirar vantagens.

Observe os seguintes pontos extraídos de uma reflexão do Salmo 103:

• O Salmo 103 mostra que a religião verdadeira promove identidade e comunidade, pois a adoração é uma expressão da identidade coletiva de um grupo de gente que se reúne visando esse propósito. Há relacionamento entre Deus e os fiéis; por isso, os crentes se reúnem para agradecer, reconhecendo Sua misericórdia e graça num mundo de desgraças. Essa identidade compartilhada através do inter-relacionamento dos membros da igreja pode ser vista como uma forma de coesão social, onde a religião atua como um fator de união entre indivíduos na sociedade.

• O Salmo 103 trata da importância das instituições religiosas na vida humana, ao falar sobre louvar a Deus em comunidade na companhia de seres celestiais. A prática comunitária de adoração reflete o papel das instituições religiosas como locais onde indivíduos se reúnem, interagem, compartilham valores e experiências, e encontram um senso de pertencimento – desempenhando assim a manutenção de comunidades coesas, instituídas pelo próprio Deus.

• O Salmo 103 destaca a ideia de que Deus perdoa as iniquidades e cura as enfermidades. Com isso fica evidente que a religião verdadeira, corretamente praticada, influencia e restaura física, emocional, social e espiritualmente a comunidade.

• O Salmo 103 promove a justiça na sociedade ao revelar um Deus que Se preocupa com pessoas necessitadas – assim, Seus súditos também são motivados a praticarem a solidariedade, a equidade... e a distribuir recursos próprios na sociedade, desejando promover o bem.

Deus como Juiz “faz justiça e defende a causa dos oprimidos” (Salmo 103:3). O Salmo não aborda a capacidade humana para atingir certo nível moral, mas reconhece um Deus que Se importa com nossa fragilidade, perdoa nossos pecados, e restaura-nos totalmente. Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

Dor de coração

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 24 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/dor-de-coracao/ Dor de coração O cetro não se ar...