segunda-feira, 28 de agosto de 2023

O GOVERNO DIVINO

 Meditação Diária

28 de agosto

O GOVERNO DIVINO

Depois destas coisas, ouvi no céu o que parecia ser a voz forte de uma grande multidão, dizendo: “Aleluia! A salvação, a glória e o poder são do nosso Deus, porque verdadeiros e justos são os Seus juízos.” Apocalipse 19:1, 2

desagrado e a indignação de Deus frente ao pecado se revelam por meio de Sua ira. Ela indica a natureza viva e pessoal de Deus. É uma expressão justa e própria da natureza divina, absolutamente santa. Se, diante do pecado, Deus deixasse de mostrar Sua ira, seria injusto com Ele mesmo. Estaria negando Sua própria santidade. Também seria injusto com os seres humanos, uma vez que não lhes daria o que merecem. Além disso, mostraria falta de caráter por ser indiferente para com o pecado.

Às vezes, o governo divino não parece ser justo. Quem vive em pecado nem sempre é punido, e os justos com frequência parecem não ser recompensados. No Antigo Testamento, nem sempre as coisas iam bem para os justos ou iam mal para os ímpios. Tanto o Pentateuco quanto os Salmos, os profetas e o livro de Jó atestam o contrário. O Novo Testamento também relata que os fiéis a Deus foram muitas vezes perseguidos e até mortos. O clamor dos mártires por vingança não é atendido prontamente (Ap 6:10, 11).

A compreensão da ira de Deus tem como pano de fundo o conceito da justiça divina. Mas não uma justiça ministrada por um princípio impessoal, de efeito automático. Essa justiça advém de um Deus que tem fortes emoções e que está pessoalmente interessado. Em razão disso, a justiça divina não deve ser avaliada no curto espaço de uma vida. Aqui é frequentemente incompleta ou imperfeita. Como nossa vida aqui não é tudo, essa justiça precisa ser vista na perspectiva da eternidade quando então será completa (Is 9:7; 11:4; 42:1; 56:1; Jr 23:5; Os 2:19).

Deus é o Legislador e o justo Juiz. Somente no juízo final, quando Ele apresentar um veredito sobre cada ser humano, é que todos, mesmo aqueles que serão amaldiçoados, saberão que Deus é plenamente justo. Nenhuma criatura encontrará a menor falha em Sua perfeição. Nessa vindicação do caráter de Deus, residirá a segurança e a liberdade do Universo por toda a eternidade. Por isso, confie nas decisões que Ele está tomando.


https://mais.cpb.com.br/meditacao/o-governo-divino/
https://youtu.be/MsOWMrloo3c

Nenhum comentário:

Uma pitada de sal

  Devocional Diário Uma pitada de sal Que a palavra dita por vocês seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibam como devem resp...