Translate

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

A Recompensa dos Obreiros de Cristo

Refletindo a Cristo

A Recompensa dos Obreiros de Cristo - 31 de agosto

Ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos. Luc. 14:13 e 14.

A recompensa dos obreiros de Cristo é participar do Seu júbilo. Esse júbilo, que Cristo aguarda com intenso desejo, se acha contido em Seu pedido ao Pai: “A Minha vontade é que onde Eu estou, estejam também comigo os que Me deste.” João 17:24.

Os anjos estavam esperando para saudar a Jesus, ao ascender Ele após Sua ressurreição. Eles ansiavam saudar novamente seu amado Comandante, que lhes era devolvido da prisão da morte. Impetuosamente O rodearam ao adentrar Ele os portais celestiais. Ele, porém, os afastou brandamente. Seu coração estava com o solitário e pesaroso grupo de discípulos que havia deixado no Monte das Oliveiras. E ainda está com os Seus filhos que se debatem na Terra, e que ainda têm de travar a batalha contra o destruidor. “Pai”, diz Ele, “a Minha vontade é que onde Eu estou, estejam também comigo os que Me deste.” João 17:24.

Os remidos de Cristo são as Suas jóias, Seu precioso e peculiar tesouro. “Eles são pedras de uma coroa” (Zac. 9:16) – “a riqueza da glória da Sua herança nos santos.” Efés. 1:18. Neles “Ele verá o fruto do penoso trabalho de Sua alma e ficará satisfeito”. Isa. 53:11.

E não se regozijariam também os Seus obreiros, ao contemplarem o fruto de seus trabalhos? …

Todo impulso do Espírito Santo induzindo os homens para o bem e para Deus, é registrado nos livros do Céu, e no dia de Deus todo aquele que tiver se entregado como um instrumento para a atuação do Espírito Santo, terá permissão para contemplar o que sua vida efetuou.

Maravilhosa será a revelação, quando os preciosos resultados da influência santificada forem trazidos ao conhecimento. Qual não será a gratidão das pessoas com as quais nos encontraremos nas cortes celestiais, ao compreenderem elas o compassivo e amoroso interesse havido em sua salvação! Todo louvor, honra e glória serão dados a Deus e ao Cordeiro, por nossa redenção; mas não será subtraída da glória de Deus a expressão de gratidão aos instrumentos que Ele empregou na salvação de pessoas prestes a perecer.

Os remidos encontrarão e reconhecerão aqueles cuja atenção eles dirigiram para o exaltado Salvador. Que bendita conversação terão com estas pessoas! “Eu era um pecador”, dirão, … “e vos dirigistes a mim, chamando-me a atenção para o precioso Salvador como sendo minha única esperança. E nEle cri.” … Que regozijo haverá quando esses remidos encontrarem e saudarem aqueles que manifestaram interesse por eles! Review and Herald, 5 de janeiro de 1905.



Tiago 1 Comentário Pr Heber Toth Armí

Tiago 1 
Comentário Pr Heber Toth Armí

A forma prática com que Tiago escreve nos faz sentir pastoreados por seu cajado espiritual nos dias atuais.

Tiago é “um verdadeiro pastor que não permanece isolado da existência cotidiana de sua comunidade. Não é um teólogo numa torre de marfim. Certamente é um teólogo orientado à tarefa; ou seja, é um teólogo cuja teologia prática surge de seu ministério de trabalho na vida cotidiana de seu povo” (Pedrito U. Maynard-Reid).

Observar de forma geral os temas deste livro é fundamental para iniciar seu estudo. Alguém sintetizou esta carta em três importantes temas, que são:

1. A religião genuína (1:1-27);
2. A fé genuína (2:1-3:12);
3. A sabedoria genuína (3:13-5:20).

Tiago não ensina a salvação pelas obras, mas revela as obras que resultam da salvação pela genuína fé. A justificação sempre foi mediante a graça divina, tanto no Novo quanto no Antigo Testamento. Com uma visão correta e ampliada da teologia bíblica, é possível perceber que Tiago não está desentoado dos outros escritores bíblicos; pelo contrário, seus escritos complementam a mensagem deles.

No versículo 1 do capítulo 1, temos:

• O remetente: “Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo”. Era irmão de Jesus por parte de José, que outrora lhe resistira, mas agora, convertido, coloca-se como servo dEle.
• Destinatários: “Às doze tribos da dispersão, saudações”. As 12 tribos referem-se aos judeus cristãos que, possivelmente, se converteram no pentecostes e foram dispersos após o martírio de Estêvão (Atos 2:1-11; 8:1; 11:19).
• Destinatários atuais: Hoje somos também crentes espalhados (na dispersão); enfrentamos muitíssimas provações e passamos por inúmeros sofrimentos. Somos peregrinos neste mundo, cujo destino é o céu!

Na sequência, Tiago responde alguns dilemas de nossa caminhada cristã:

• Por que as provações são importantes para os cristãos? (vs. 2-8);
• Como ricos e pobres podem lidar com as tentações das suas condições financeiras? (vs. 9-11);
• Qual o motivo pelo qual Deus permite as provações? (vs. 12-18).

Em seguida, ele orienta...

• ...Saber ouvir e não irar-se é melhor que saber falar (vs. 19-20);
• ...Praticar a verdadeira religião é a maior estratégia para evitar a falsa (vs. 21-27).

O livro de Hebreus termina com recomendações bem práticas; em seguida está a carta de Tiago, a qual é totalmente prática. Nossa religião precisa ser constantemente praticada! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #ebiblico #rbhw

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

A Alegria do Serviço Por Cristo

Refletindo a Cristo

A Alegria do Serviço Por Cristo - 30 de agosto

O que semeia com fartura, com abundância também ceifará. 2Coríntios 9:6

Ministério significa serviço, e é a esse ministério que somos chamados. É uma desonra a Deus que alguém escolha uma vida de satisfação própria. Meus irmãos e irmãs, estais cônscios do fato de que cada ano milhares e milhares de pessoas estão perecendo, morrendo em seus pecados porque a luz da verdade não brilhou em seu caminho? …

Há uma grande obra a ser feita em nosso mundo. Homens e mulheres devem ser convertidos, não pelo dom de línguas ou pela realização de milagres, mas pela pregação do Cristo crucificado. Por que retardar o esforço para tornar o mundo melhor? Por que esperar que algo maravilhoso seja feito, ou que alguma aparelhagem dispendiosa seja providenciada? Por mais humilde que seja vossa esfera de ação, por mais humilde que seja vosso trabalho, se trabalhardes em harmonia com os ensinos do Salvador, Ele Se revelará por vosso intermédio, e vossa influência atrairá pessoas a Ele. Ele honrará os mansos e humildes que zelosamente procurarem servi-Lo. Em tudo que fizermos, quer nosso trabalho seja na oficina, na fazenda, ou no escritório, devemos esforçar-nos para salvar pessoas.

Precisamos semear sobre todas as águas, conservando-nos no amor de Deus, trabalhando enquanto é dia, e utilizando os meios que nos foram confiados, ao serviço do Mestre. O que quer que nossas mãos encontrem para fazer, trabalhando enquanto é dia, deve ser feito com disposição; qualquer que seja o sacrifício que sejamos chamados a fazer, devemos fazê-lo alegremente. Ao semearmos sobre todas as águas, perceberemos a verdade das palavras: “O que semeia com fartura, com abundância também ceifará” (2Coríntios 9:6).

Tudo devemos à graça, à soberana graça. A graça instituiu nossa redenção, nossa regeneração, e nossa adoção como coerdeiros com Jesus Cristo. Que esta graça seja revelada a outros.

O Salvador toma aqueles que se deixam moldar e os usa para a glória do Seu nome. Usa material que outros deixariam de lado, e atua em todos os que a Ele se entregam. Deleita-Se em utilizar material aparentemente inútil – aqueles a quem Satanás desvalorizou, e através dos quais trabalhou – e os torna súditos da Sua graça. Cristo Se rejubila em libertá-los do sofrimento, e da ira que cairá sobre os desobedientes. Faz de Seus filhos Seus instrumentos no cumprimento dessa obra, e em cujo êxito, mesmo nessa vida, eles encontram uma preciosa recompensa.

Mas que é isso em comparação com a alegria que terão no grande dia da revelação final? Review and Herald, 5 de janeiro de 1905.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 248

Hebreus 13

 HEBREUS 13 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 É preciso estudar a Bíblia para não ser como a maioria das pessoas, analfabetas biblicamente. O nível mental promovido pelo estudo correto do Livro Sagrado supera o de qualquer curso acadêmico do mundo.

Assim como no passado, quando o sistema da antiga aliança na religião judaica chamava os cristãos a regredirem da fé em Jesus, atualmente muitos outros sistemas religiosos intentam impor suas crenças que implicam num retorno e abandono da verdadeira fé bíblica.

Hebreus visa chamar-nos a atenção para a religião cristã pura, a qual realmente muda a vida de quem participa profundamente dela – analise atentamente o último capítulo de Hebreus. Observe o esboço oferecido pelo Comentário Bíblico Adventista:

1. Admoestações...
• ...quanto ao amor (vs. 1-3);
• ...quanto à vida honesta (v. 4);
• ...contra a cobiça (vs. 5-6);
• ...a considerar os pregadores (vs. 7-8);
• ...cuidar com as doutrinas estranhas (v. 9).
2. Confessar a Cristo (vs. 10-15);
3. Praticar o bem (v. 16);
4. Obedecer aos governantes (v. 17);
5. Orar pelo apóstolo (vs. 18-19);
6. Conclusão (vs. 20-24).

O evangelho genuíno não deve ser apenas crido, deve ser interiorizado no coração a tal ponto de tornar-se em práticas constantes e visíveis ao público. “Comunicamos o espírito do evangelho repartindo o que temos” (Clifton J. Allen); porém, se não temos o espírito do evangelho, o que faremos com o que temos? 

• Se cobiçamos o que não temos devido ao nosso egoísmo, então, sem o poder real do evangelho verdadeiro, jamais repartiremos o que temos.

O cristão realmente convertido é sobrenaturalmente elevado das filosofias humanistas, pois identifica-se com Cristo em sua existência diária. Desta forma, como crentes, “devemos nos identificar com Jesus em Sua vergonha e opróbrio, se queremos ser identificados com Ele em Seu reino futuro” (Richard S. Taylor).

• Como iremos ao Céu se apreciamos nos identificar com filosofias e crenças seculares e mundanas?

A verdadeira espiritualidade não se mostra nos interiores dos templos, mas na vida diária, onde estivermos. Para que isso seja possível, você precisa:

• Cultivar o puro amor divino em cada detalhe da vida;
• Preservar a santidade sexual e matrimonial;
• Procurar pelo contentamento apesar dos infortúnios;
• Ser submisso aos líderes espirituais providos por Deus;
• Substituir doutrinas espúrias por puras;
• Avivar teu louvor a Deus;
• Buscar aperfeiçoar-se diariamente...

Enfim, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

A mensagem de Hebreus alcançou de forma especial teu coração? Como?


quarta-feira, 29 de agosto de 2018

O Ministério da Música

Refletindo a Cristo

O Ministério da Música-29 de agosto

A minha língua exaltará a Tua justiça. Sal. 51:14.

O ensino de canto é muito necessário em todas as escolas. … Deveria haver muito mais interesse. Os alunos que aprenderam a cantar com voz melodiosa, maviosos cânticos evangelísticos, de tal modo que as palavras sejam facilmente entendidas, podem ser uma grande bênção como cantores evangelistas. Encontrarão muitas oportunidades de usar o talento que Deus lhes deu, levando melodias e influência benéfica a muitos lugares solitários obscurecidos pelo pecado, sofrimento e aflição, e cantando àqueles que raramente têm oportunidade de beneficiar-se de algum tipo de ministério evangélico.

Ide pelos caminhos e valados. Esforçai-vos para alcançar tanto as classes mais elevadas como as mais baixas. Entrai nos lares dos ricos e dos pobres. Ao irdes de casa em casa para cantar, perguntai: “Gostaríeis que cantássemos? Teremos prazer em realizar um serviço de cânticos convosco, e fazer uma pequena oração pedindo a Deus que nos guarde.” Poucos vos recusarão entrada. Manuscrito 67, 1903.

Acariciava-se um espírito de devoção (nas escolas dos profetas). Não somente se ensinava aos estudantes o dever de orar, mas ensinava-se-lhes como orar, como aproximar-se de seu Criador, como exercer a fé nEle, e como compreender os ensinos de Seu Espírito e obedecer-lhes. Intelectos santificados tiravam do tesouro de Deus coisas novas e velhas, e o Espírito de Deus Se manifestava na profecia e no cântico sagrado.

Fazia-se com que a música servisse a um santo propósito, a fim de erguer os pensamentos àquilo que é puro, nobre e edificante, e despertar na alma devoção e gratidão para com Deus. Que contraste entre o antigo costume, e os usos a que muitas vezes é a música hoje dedicada! Quantos empregam este dom para exaltar o eu, em vez de usá-lo para glorificar a Deus! O amor pela música leva os incautos a unir-se com os amantes do mundo nas reuniões de diversões aonde Deus proibiu a Seus filhos irem. Assim aquilo que é uma grande bênção quando devidamente usado, torna-se um dos mais bem-sucedidos fatores pelos quais Satanás distrai a mente, do dever e da contemplação das coisas eternas.

A música faz parte do culto de Deus, nas cortes celestiais, e devemos esforçar-nos, em nossos cânticos de louvor, por nos aproximar tanto quanto possível da harmonia dos coros celestiais. O devido cultivo da voz é um aspecto importante da educação, e não deve ser negligenciado. O cântico, como parte do culto religioso, é um ato de adoração, tanto como a prece. Patriarcas e Profetas, pág. 594.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 247

Hebreus 12 Comentário Pr Heber Toth Armí

Hebreus 12 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 A falta de leitura bíblica tem prejudicado não apenas o intelecto da sociedade, mas principalmente a vida dos cidadãos que a compõe. A falta de espiritualidade centrada na Bíblia tem levado muitas vidas a definhar-se, a homens e mulheres de fé a retroceder e, muitos religiosos a deturparem o destino dos cristãos.

C. S. Lewis foi contundente: “Se você não der atenção à Teologia, isso não significa que você não terá ideia alguma sobre Deus. Significa que terá, isto sim, uma porção de ideias erradas – ideias más, confusas, obsoletas”.

O capítulo supracitado continua o tema da fé do capítulo 11, que, conforme dividiu Gerald F. Hawthorne, tem seguintes tópicos:

• Aplicação do princípio da fé à vida (12:1-24);
a) À vida como uma corrida (vs. 1-4);
b) À vida como educação (vs. 5-24).
• Advertência final contra recusar a Deus (12:25-29).

“O capítulo 11 serve como um parêntese; 12:1 retoma o tema da última parte do capítulo 10. As palavras de 10:39, a respeito daqueles que creem, levam à descrição da fé que faz com que os cristãos perseverem e não percam a esperança diante de perseguições e provações [...]. O capítulo 12 contém sugestões a respeito da situação dos crentes a quem a carta foi escrita. Eles foram incentivados a não se desviar (2:1), porém neste capítulo podemos perceber uma comunidade cansada da perseguição, lutando para permanecer forte em um ambiente cada vez mais hostil, mas enfraquecida talvez ao ponto de desistir e afastar da fé” (Comentário do NT Aplicação Pessoal).

A mensagem deste capítulo mostra que, “embora o livro de Hebreus trate de assuntos celestiais, também toca em alguns aspectos da vida cotidiana” revelando a nós que, “embora este mundo não seja nosso lar final, é aqui que estamos agora, é aqui que vivemos agora, e Deus espera que vivamos de acordo com a elevada vocação que temos em Jesus Cristo” (Ekkehardt Mueller).

Assim, o cristão precisa entender que...

• ...a vida cristã é uma corrida com meta;
• ...o castigo divino nos capacita para a vida eterna;
• ...apesar das disciplinas e apelos, é possível rejeitar a graça divina;
• ...a fé eleva os crentes e os inclui na igreja que é a família de Deus;
• ...flertar com o pecado é fatalmente perigoso.

Então, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #ebiblico #rbhw

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Alívio Físico – Único Acesso à Alma

Refletindo a Cristo

Alívio Físico – Único Acesso à Alma - 28 de agosto

O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a luz. Mat. 4:16.

Muitos que vivem na região e sombra da morte precisam agora ser instruídos nas verdades do evangelho. Quase todo o mundo jaz em impiedade. A cada crente em Cristo foram dadas palavras de esperança para os que jazem em trevas. …

Necessita-se de jovens zelosos e dedicados que entrem na obra como enfermeiros. … O Senhor deseja homens e mulheres sábios, que possam atuar como enfermeiros, a fim de confortar e ajudar os doentes e sofredores. Quem dera que todos os aflitos pudessem ser atendidos por médicos e enfermeiros cristãos, os quais poderiam ajudá-los a depor o corpo cansado e dolorido sob os cuidados do Grande Médico, e a Ele olhar com fé em busca de restabelecimento! Se através de criterioso atendimento o paciente for levado a entregar a vida a Cristo, e a conduzir seus pensamentos em obediência à vontade de Deus, uma grande vitória terá sido alcançada.

Em nosso atendimento diário vemos muitas faces atormentadas e pesarosas. O que revela a angústia de tais faces? Revela a necessidade que a pessoa tem da paz de Cristo. Homens e mulheres, ansiosos por algo que não possuem, têm procurado suprir suas necessidades nas sistemas rotas do mundo. Que os tais ouçam a voz que diz: “Ah! Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas.” Isa. 55:1. Almas cansadas, que não sabeis o que procurais, vinde à água da vida. O Céu todo anela por vós. “Vinde a Mim para terdes vida”.

Há muitas linhas de conduta que podem ser executadas pelo enfermeiro-missionário. Há oportunidades para enfermeiros bem preparados irem aos lares e ali se esforçarem para despertar o interesse na verdade. Em quase todas as comunidades há inúmeras pessoas que se recusam a ouvir os ensinos da Palavra de Deus ou assistir a algum culto. Para que eles sejam alcançados pelo evangelho, é preciso que este seja levado aos seus lares. Frequentemente, o alívio de suas necessidades físicas constitui a única maneira pela qual eles podem ser abordados.

Enfermeiros-missionários que cuidam dos doentes e atenuam o sofrimento dos pobres encontrarão muitas oportunidades de orar com eles, de ler-lhes a Palavra de Deus e falar-lhes do Salvador. Eles podem orar com e pelos desamparados, que não têm força de vontade para controlar os apetites que as paixões degradaram. Podem trazer um raio de esperança à vida dos derrotados e desalentados. A demonstração de amor desinteressado, manifestado em atos de bondade imparcial, fará com que esses sofredores acreditem mais facilmente no amor de Cristo. Review and Herald, 24 de dezembro de 1914.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 246

Hebreus 11 Comentário Pr Heber Toth Armí

Hebreus 11 
Comentário Pr Heber Toth Armí 

 Ao ser estudado, o livro de Hebreus deve avivar a nossa fé. Observe a sequênciadf elaborada por Merrill F. Unger para entender a razão pela qual este livro tem essa função:

• A superioridade do Filho sobre os profetas e os anjos (1:1-2:18);
• A superioridade do Filho sobre Moisés e Josué (3:1-4:16);
• A superioridade do sacerdócio de Cristo (5:1-8:5);
• A superioridade da nova aliança sobre a antiga aliança (8:6-10:39);
• A superioridade da fé (11:1-13:25).

Tudo o que foi visto até o capítulo 10 de Hebreus deve estimular a fé do leitor, essa é a mensagem do capítulo 11. Ou seja, a fé do capítulo 11 não está isolada das doutrinas e ensinamentos dos capítulos 1-10. “O autor começa com uma definição de fé: ‘É a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem (11:1). Em seguida, relaciona exemplo do AT daquilo que essa fé torna possível (11:2)”, destaca Tesfaye Kassa; e, então, sintetiza:

1. A fé vê aquilo que outros não conseguem enxergar (vs. 3-4);
2. A fé permite que os fiéis... 
• ...andem com Deus (vs. 5-6);
• ...antevejam perigo e destruição (v. 7);
• ...obedeçam a Deus quando não conhecem o caminho (vs. 8-10);
• ...recebam a promessa de Deus em situações impossíveis (vs. 11-12);
• ...perseverem mesmo quando a promessa não se cumpre de imediato (vs. 13-16);
• ...sacrifiquem a promessa (vs. 17-19);
• ...reconheçam e transmitam a bênção de Deus (vs. 20-22);
• ...corram riscos (v. 23);
• ...recusem os prazeres deste mundo (vs. 24-28);
• ...superem o medo e outras barreiras (vs. 29-31);
• ...suportem muitas outras dificuldades (vs. 32-39).

Nem nós nem os crentes do Antigo Testamento tivemos o cumprimento pleno da promessa (vs. 39-40). O destino do fiel é o céu, a Pátria Superior/Melhor. Conquanto, não devemos desanimar-nos; devemos avançar como aqueles que viveram antes do cumprimento das promessas messiânicas. 

E, temos maiores motivos para isso:

• Jesus cumpriu as promessas da primeira vinda, assumiu o ministério no Santuário Celestial e intercede em nosso favor;
• A Bíblia que temos está completa, muitos deles não tinham todo o Antigo Testamento e nenhum deles tinha o Novo Testamento;
• Temos os fiéis do passado como inventivo, o testemunho deles nos motiva a enfrentar as dificuldades sabendo, pela fé, que temos destino garantido. 

Portanto, precisamos reavivarmo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Através da Colportagem

Refletindo a Cristo

Através da Colportagem -27 de agosto

No meio de vós, Eu sou como quem serve. Luc. 22:27.

A colportagem é uma área importante e extremamente lucrativa do trabalho evangelístico. Nossas publicações podem ir a lugares onde não se pode realizar reuniões. Em tais lugares o fiel colportor-evangelista assume o lugar do pregador real. …

Possa o Senhor mover muitos de nossos jovens a entrar no campo da colportagem como colportores-evangelistas. Por meio do trabalho de colportagem a verdade é apresentada a milhares que de outro modo não a ouviriam. Temos pouco tempo para trabalhar. Muitos, muitos mesmo, precisam ter a rapidez dos “apressadinhos” que os desperte e leve a trabalhar. O Senhor chama obreiros neste exato momento. …

Por que não há agora uma busca mais diligente do Senhor, para que centenas de pessoas possam ser cheias do Espírito Santo, e sair rapidamente a proclamar a verdade, “confirmando a palavra por meio de sinais” (Mar. 16:20)? Nossa missão é deixar que a luz emitida pela página impressa brilhe por todas as partes. Por meio da página impressa a luz alcança indivíduos isolados, que não têm oportunidade de ouvir os pregadores reais. Esse é o trabalho missionário mais abençoado. Os colportores podem ser a mão ajudadora do Senhor, abrindo portas para a penetração da verdade.

Jovens cristãos devem ser escolhidos para vender os livros que contêm a verdade presente. … Esse é um trabalho sagrado, e os que são nele admitidos devem estar aptos a testemunhar por Cristo.

Os jovens que se lançam nesse trabalho devem estar ligados aos que têm mais experiência, e que, se forem dedicados a Deus, poderão ser uma grande bênção a eles, ensinando-lhes as coisas de Deus e mostrando-lhes como melhor trabalhar para Ele. Se os jovens desenvolverem a sua própria salvação com temor e tremor, saberão por experiência própria que Deus está efetuando neles tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade.

Não apenas os homens, mas também as mulheres podem entrar no campo da colportagem. E os colportores devem sair de dois em dois. esse é o plano de Deus.

Fui instruída a incentivar decididos esforços para conseguir mãos ajudadoras para fazer trabalho missionário, dar estudos bíblicos e vender livros contendo a verdade presente. Desta maneira, um hábil trabalho pode ser feito na salvação de pessoas. Jovens, vosso auxílio é requerido. Fazei um concerto com Deus, por meio de sacrifício. Apegai-vos ao Seu trabalho. Ele é vossa suficiência. Sede fortes, sede fortes. Pacific Union Recorder, 23 de outubro de 1902.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986– Pág. 245 – Através da Colportagem

Hebreus 10 Comentário Pr Heber Toth Armí

Hebreus 10 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Por meio de Cristo toda a humanidade deve saber que a entrada de acesso a Deus é franca. A reconciliação do pecador com o Criador é possível; porque, em Cristo, o Pai está ininterruptamente disponível a quem quiser.

Observe estes pontos do capítulo em pauta:

• Os sacrifícios oferecidos serviam como lembrança anual dos pecados acumulados do povo (vs. 1-4);
• Deus quer mais que um rito sacrifical de um animal irracional, quer uma entrega total e submissão em seguir a Jesus que, submeteu-Se à vontade do Pai oferecendo-Se como sacrifício pelos pecados da humanidade, tornando-nos aceitáveis aos olhos divinos quando éramos reprováveis (vs. 5-10);
• O perdão de pecados é um ato da graça, não de mérito de nossa parte. Contudo, custou um preço altíssimo para Cristo, que derramou Seu sangue. Portanto, “todo aquele que humilha o coração, confessando os pecados, encontrará misericórdia, graça e segurança” (Ellen G. White) (vs. 11-18).

A partir de 10:19, o livro de Hebreus tratará da parte prática da perseverança na piedade.

Quando cristãos estão trôpegos na caminhada rumo ao Céu, quando a fé parece desfalecer frente às dificuldades e quando a satisfação com a mornidão parece mais importante que a busca pela consagração, quatro coisas são imprescindíveis para auxiliar no reavivamento (vs. 19-39):

1. Entrar através do véu diretamente na presença do Deus que está no Céu;
2. Estimular uns aos outros a frequentar aos cultos congregacionais;
3. Lembrar que desistir de Cristo expõe o indivíduo ao julgamento divino;
4. Desenvolver diligentemente a genuína fé que gera obediência a Deus.

Ellen G. White declara: 

• “Este é o grande Dia da Expiação, e nosso Advogado está diante do Pai, suplicando como nosso intercessor. Em vez de revestirmos de vestes de justiça própria, deveríamos estar diariamente nos humilhando diante de Deus, confessando nossos pecados e buscando o perdão das transgressões [...]. A menos que adentremos o santuário do alto e nos unamos a Cristo na obra de operar nossa salvação com temor e tremor, seremos pesados na balança e achados em falta”.
• “Aqueles que não sentem a necessidade de procurar congregar-se com os santos, tendo a preciosa certeza de que o Senhor se encontrará com eles, mostram quão pouco valorizam a provisão que Deus fez para eles”.

Oremos: “Senhor, reaviva-nos!” – Heber Toth Armí #rbhw #ebiblico #rpsp

domingo, 26 de agosto de 2018

O que é Religião Pura?

Refletindo a Cristo

O que é Religião Pura? - 26 de agosto

A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo. Tiago 1:27.

O que é religião pura? Cristo nos disse que religião pura é o exercício da piedade, simpatia, e amor no lar, na igreja, e no mundo. Esse é o tipo de religião a ser ensinado às crianças, e é algo genuíno. Ensinai-Lhes que não devem centralizar os pensamentos em si mesmas, mas que onde quer que haja necessidade e sofrimento humanos, há ali campo para trabalho missionário. …

Há muitos que perguntam, como o doutor da lei: “Quem é o meu próximo?” Luc. 10:29. A resposta nos é dada através das circunstâncias que tiveram lugar perto de Jericó, quando o sacerdote e o levita passaram de largo, deixando o pobre e ferido estrangeiro para ser cuidado pelo bom samaritano. Todo aquele que está padecendo necessidade é nosso próximo. Cada errante filho e filha de Adão que foi iludido por Satanás e escravizado por hábitos errôneos que debilitam a masculinidade ou feminilidade dada por Deus, é meu próximo. …

Quem dera que os filhos fossem educados desde a primeira infância, e através da meninice e juventude, de modo a entenderem qual é o trabalho missionário a ser realizado ao seu redor. Que o lar se torne um lugar de instrução religiosa. Os pais devem ser porta-vozes do Senhor Deus de Israel, para ensinar os preceitos do verdadeiro cristianismo, e devem ser exemplos do que os princípios de amor podem fazer por homens e mulheres.

Precisamos pensar e tomar interesse nas pessoas que necessitam de nosso amor, ternura e cuidado. Devemos lembrar-nos constantemente que somos representantes de Cristo, e que devemos repartir as bênçãos que Ele dá, não com aqueles que podem recompensar-nos em troca, mas com os que irão apreciar as dádivas que suprirão suas necessidades temporais e espirituais. Os que promovem festas com o objetivo de ajudar aqueles que desfrutam de escassas alegrias, com o objetivo de iluminar suas vidas sombrias, com o objetivo de diminuir sua pobreza e aflição, estão agindo desinteressadamente e em harmonia com as instruções de Cristo. Review and Herald, 12 de novembro de 1895.

As boas ações são os frutos que Cristo requer que produzamos: palavras gentis, atos de bondade, de terna consideração para com os pobres, os necessitados, e aflitos. Quando os corações se solidarizam com corações sobrecarregados de desânimo e pesares, quando as mãos se estendem para socorrer os necessitados, quando os nus são vestidos, e os estrangeiros convidados a assentar-se em nossa sala e a ocupar um lugar em nosso coração, os anjos se aproximam e uma melodia responsiva ecoa no Céu. Testemunhos Para a Igreja, vol. 2, pág. 25.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 244

HA 324 - MÃOS


HEBREUS 9 Comentários Pr Heber Toth Armí

HEBREUS 9
Comentários Pr Heber Toth Armí


Após Jesus validar a nova aliança (ou novo pacto) não é mais necessário depender da forma da antiga. Pois a nova é superior, por ser a original e real aliança estabelecida por Deus.

O esboço de F. F. Bruce nos ajuda ter uma ideia geral do capítulo:

1. O Santuário sob o antigo pacto (vs. 1-5);
2. Um ritual temporal (vs. 9-10);
3. A redenção eterna de Cristo (vs. 11-14);
4. O Mediador do novo pacto (vs. 15-22);
5. O sacrifício perfeito (vs. 23-28).

O cristianismo surgiu a partir da construção da religião revelada por Deus no Antigo Testamento. Portanto, para entender a nova aliança é essencial entender como funcionava a antiga aliança.

Por isso, o capítulo começa relembrando aspectos da aliança utilizada por Deus com os pecadores por cerca de um século e meio (vs. 1-5). O Santuário, que era copia do modelo do Céu teve sua validade, e seus serviços apontavam para a realidade do que Cristo faria. O Santuário possui dois compartimentos, o Santo e o Santíssimo. Entender estes dois compartimentos nos leva a entender as duas fazes do ministério de Cristo no Céu.

Sendo visto como parábola para o tempo presente, não podemos ignorar o estudo do Santuário nos dias atuais. O Espírito Santo nos guia à verdade por meio deste recurso didático (vs. 6-10).

Sendo que os sacrifícios antigos purificavam cerimonialmente o pecador, mas não satisfazia plenamente os anseios do coração, os pecadores precisam de Cristo para alcançar a plena purificação. Os muitos sacrifícios não equivaliam ao único sacrifício de Cristo, o qual é o único suficiente para o perdão dos pecados (vs. 11-14).

Sendo Cristo, o Mediador da aliança apontada pela antiga, sendo Ele o sacrifício perfeito, a oferta perfeita e o Sumo Sacerdote perfeito, Seu ministério difere do serviço levítico quanto ao lugar e o sangue: O lugar é num Santuário Superior, perfeito; e, o sangue, não é de nenhum animal, é o dEle mesmo. Nos versos 15-28 notamos que isso implica que:

O sangue de Jesus foi derramado:

• ...uma vez por todas;
• ...para a remissão dos pecados;
• ...para operar a nossa salvação.

Assim que Jesus morreu, um novo testamento entrou em vigor: Muito melhor que o anterior que era apenas sombra/símbolo deste. Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #ebiblico #rbhw

sábado, 25 de agosto de 2018

Deus Chama os Jovens

Refletindo a Cristo

Deus Chama os Jovens - 25 de agosto

Tu me tens ensinado, ó Deus, desde a minha mocidade; e até agora tenho anunciado as Tuas maravilhas. Salmos 71:17.

Há uma grande obra a ser feita na vinha do Mestre. Para cumprir essa tarefa, Deus convida homens aos quais deu habilidade para o serviço. Ele nada faz sem a cooperação do homem.

Sempre que o Senhor tem um trabalho a ser realizado, Ele chama não apenas os oficiais comandantes, mas todos os obreiros. Ele chama jovens de ambos os sexos que tenham a mente sadia e ativa. Deseja que apliquem no trabalho suas puras e sadias faculdades, cérebro, ossos e músculos. Devem tomar parte no conflito contra os principados e potestades, e contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.

Os homens nada possuem, exceto aquilo que Deus lhes confiou. Não devem condescender com o orgulho ou vangloriar-se de seus talentos. Devem a Deus tudo que lhes torna possível trabalhar para Ele. Entretanto, todo homem tem uma parte a desempenhar em seu preparo para o serviço. Por meio de diligente estudo, e grande esforço, ele deve cultivar todas as suas faculdades. Então o poder divino certamente se combinará com os seus esforços.

Alguns jovens que estão insistindo em entrar na obra não têm real competência para ela. Não entendem que precisam ser ensinados antes de poderem ensinar. Salientam o fato de que homens de pouco preparo têm trabalhado com relativo sucesso. Mas se esses homens tiveram êxito é porque colocaram o coração e a mente na obra. … A causa de Deus necessita de homens competentes.

O que é redenção? É o processo de treinamento para o Céu. Esse treinamento representa mais do que o conhecimento obtido nos livros. Representa conhecimento de Cristo, e libertação de ideias, hábitos e práticas obtidos na escola do príncipe das trevas. A pessoa precisa se libertar de tudo que se opõe à lealdade a Deus. A resistência ao mal precisa ser incentivada. …

Deus a todos dá oportunidade de desenvolver o caráter, nesta vida. Todos podem ocupar o lugar designado em Seu grandioso plano. O Senhor aceitou a Samuel ainda em tenra idade, porque seu coração era puro e ele tinha reverência para com Deus. Ele foi dado a Deus, como oferta consagrada, e o Senhor o tornou, mesmo em sua infância, um conduto de luz.

Uma vida consagrada, como foi a de Samuel, é de grande valor aos olhos de Deus. Se os jovens de hoje se consagrarem como o fez Samuel, o Senhor os aceitará e os usará em Sua obra. E poderão dizer de sua vida como o salmista: “Tu me tens ensinado, ó Deus, desde a minha mocidade; e até agora tenho anunciado as Tuas maravilhas” (Salmos 71:17). Manuscrito 51, 1900


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 243

HA 321 - Ao mundo vou contar


Hebreus 8

Hebreus 8 
Comentário Pr Heber Toth Armí

O Santuário e o Sumo Sacerdote descritos neste capítulo são de abrangência global, não estão limitados a um território geográfico no mundo. 

Embora o título deste livro seja “aos Hebreus”, todos os cristãos estão inseridos em sua mensagem. Aliás, os verdadeiros hebreus/israelitas são aqueles que estão ligados pela fé ao judeu Jesus Cristo (ver Romanos 9-11).

A ênfase deste capítulo está na “aliança superior”, citada no capítulo 7:22 (ver 8:6). “Agora, essa ideia é desenvolvida e são apresentados três motivos pelos quais a nova aliança é melhor no tocante ao sumo sacerdote, seu santuário, fundamento e promessa:” (Tesfaye Kassa).

• Um sumo sacerdote superior: Jesus assentou-Se no lugar de autoridade, poder e honra (v. 1);
• Um Santuário Celestial superior: Jesus não ministra num santuário na Terra feito por homens, mas no Céu, feito por Deus. Os rituais do santuário terrestre foram executados por Jesus de forma abrangente, pois as cerimônias terrestres eram apenas sombras das coisas celestes (vs. 2-5). 
• Um fundamento e promessas superiores: O ministério sacerdotal de Cristo baseia-se em superiores promessas; a antiga aliança foi substituída por outra, profetizada por Jeremias (Jeremias 31:31-34). Esta aliança causa mudanças profundas a partir da mente e do coração, visando restaurar o relacionamento do pecador com Deus, e ajuda a conhecer Cristo através da misericórdia e graça divinas (vs. 6-13).

“O advento da nova aliança foi anunciado na Última Ceia, quando Jesus tomou o cálice e disse: ‘Isto é o meu sangue, o sangue da [nova] aliança’ (Mt 26:28) e declarou: ‘Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós’ (Lc 22:20). O sangue de Jesus cumpriu a antiga aliança e instituiu a nova com seu ministério superior” (Kassa).

Sendo que tudo em Hebreus é superior, a nova aliança não abaixa o padrão de santidade exigido dos crentes (12:14). Cristo não cancela a Lei; Ele imprime e escreve-a não em tábuas de pedras como na aliança do Sinai, mas nas paredes do coração.

O que mudou foi a legislação do santuário (7:12), o qual não perdeu seu valor; pelo contrário, o plano da salvação não é mais regido por sombras ou pela cópia (8:5), mas por Cristo no Santuário Celestial, no original!

“Senhor, escreva Tua Lei em meu coração!” – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Ir aos Necessitados

Refletindo a Cristo

Ir aos Necessitados - 24 de agosto

Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o perdido. Luc. 19:10.

Todo o Universo celestial está intensamente interessado em todo penitente que vem a Jesus; e está interessado também no impenitente – naqueles que espera ver salvos pelo arrependimento e reforma. Anjos observam cada ato nosso. Eles têm conhecimento de cada palavra proferida, e têm o intenso desejo de ver-nos dando valor supremo ao ensino da Palavra de Deus. Desejam que aprendamos da mansidão e humildade de Cristo – a mais elevada de todas as ciências, a ciência do contentamento, humildade e amor por intermédio de Jesus Cristo.

Os anjos desejam que aprendamos que “o Filho do homem veio buscar e salvar o perdido”. Luc. 19:10. Cristo não veio para salvar os bons e justos, mas os perdidos. Irmãos e irmãs, quando virdes alguém se desviando da verdade, e colocando em perigo sua esperança de salvação eterna, achegai-vos ao seu lado, e procurai ajudá-lo de todas as formas que puderdes. Perguntai-lhe a respeito de suas necessidades; orai com ele; trabalhai bondosa e pacientemente com ele; jamais desistais de ajudá-lo.

Os membros têm uma obra a fazer no sentido de tomar interesse nos jovens. Devem dar-lhes as mãos e manifestar bondoso interesse em seu bem-estar. Protejamos os jovens, tanto quanto possível, das tentações e seduções mundanas. Consigamos, se possível, algum emprego para eles, através do qual sua mente possa se ocupar com aquilo que é enobrecedor. Esse é um genuíno ministério – um ministério que Deus aprova, e que ergue perante o benfeitor e perante o beneficiado uma norma contra o inimigo. Satanás não pode vencer com suas artimanhas os que por palavra e ação são ministros de justiça. …

A todos é dado o privilégio de ajudar o seu próximo a firmar os pés sobre a Rocha Eterna. …

Cristo jamais cessa de buscar-nos quando nos extraviamos do redil. Caminhando incansavelmente, Ele nos busca até nos encontrar, e nos traz de volta para o Seu aprisco. Em repetidas ocasiões teríamos perecido, não fora o Seu amoroso cuidado. … Quase não nos apercebemos do poder de que dispõem as forças em atuação neste mundo. Todo o exército celestial está procurando salvar o que se havia perdido; os anjos caídos estão trabalhando com o poder que vem de baixo para neutralizar os esforços de Cristo e Seus colaboradores. …

Que Deus nos ajude a combater o bom combate da fé, e a revestir-nos de toda a armadura, e depois de termos vencido tudo, permanecer inabaláveis. … Zelemos pelas pessoas como indivíduos que terão de prestar contas. Manuscrito 102, 1904.


Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 – Pág. 242

HA - 322 No Serviço do meu Rei


Hebreus 7

Hebreus 7
Comentários Pr Heber Toth Armí

 A curiosidade de muitos, neste momento, provavelmente, esteja em Melquisedeque. Quem era ele?


A primeira informação é: Temos pouca informação sobre Melquisedeque; contudo, temos o suficiente para entender a revelação de Deus para nós.


Há duas referências no Antigo Testamento (Gênesis 14:17-20; Salmo 110:4). Ele existiu de fato; e, então destacamos estes pontos:


• Melquisedeque foi identificado por rei de “Salém” (Hebreus 7:1; Gênesis 14:18), cidade que, posteriormente, tornou-se Jerusalém (Salmo 76:2). 


• Mequisedeque serviu alimentos a Abraão quando este voltava vitorioso de uma batalha; após isso, o pai da fé foi abençoado por ele, que era o sacerdote do Altíssimo.


• Melquisedeque foi identificado em Hebreus como alguém sem pais, não no sentido literal, mas para evidenciar ausência de genealogia. A profecia do Salmo 110:4 apontava que o Messias seria sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque: Não seria sucessor nem teria sucessor.


• Melquisedeque possuía um ministério sacerdotal anterior ao levítico, superior e especial. O ministério de Cristo é especial, não da comum linhagem de Levi; além disso, Jesus supera ao ministério de Melquisedeque (Hebreus 7:10).


• Melquisedeque recebe referência simbólica de que era “sem princípio de dias nem fim de vida, feito semelhante ao Filho de Deus” (Hebreus 7:3) indicando que Jesus lhe superava. Por conseguinte, Jesus sempre foi o “Suprassumo” Sacerdote dos sumos sacerdotes ordenados por Ele.


• Melquisedeque é o esboço do ministério exercido por Cristo em todos os tempos; noutras palavras, Melquisedeque era a profecia, sendo Jesus o cumprimento. Jesus é sacerdote não pela prática comum da linhagem humana (Hebreus 7:16); por isso, Ele é sacerdote para sempre (Hebreus 7:17), contrastando com efêmeros sacerdotes levíticos (Hebreus 7:23-24).


• Melquisedeque nasceu rei e sacerdote, o que nunca aconteceu com descendentes de Arão. Não procedendo da tribo de Levi, Jesus também é rei e sacerdote. Ele reina e intercede por nós!


• Melquisedeque recebia dízimo de Abraão, revelando submissão deste para com aquele. Sendo Cristo maior que Melquisedeque, temos o mais poderoso Sumo Sacerdote do Universo, que é perfeito, santo e ministra no Santuário Celestial em nosso favor.


Jesus ofereceu-Se como sacrifício, Ele realmente pode salvar qualquer pecador. “Não temos necessidade de buscar algo além de Cristo – Ele é tudo o que precisamos” (Warren Wiersbe).


Agora leia todo o capítulo 7 de Hebreus para, juntos, buscarmos reavivamento! – Heber Toth Armí #ebiblico #rpsp #rbhw

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis