quinta-feira, 30 de novembro de 2023

TENTAÇÃO E ORAÇÃO

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

30 de novembro

TENTAÇÃO E ORAÇÃO

Sendo assim, todo o que é piedoso Te fará súplicas em tempo de poder Te encontrar. Com efeito, quando transbordarem muitas águas, não o atingirão. Salmo 32:6

Salmo 32, além de apontar o caminho para sermos perdoados, apresenta alguns recursos que Deus colocou à nossa disposição para sermos obedientes. O primeiro é a oração. O mundo não valoriza a oração. As pessoas vivem como se Deus não existisse. Quando assistimos a um filme e os personagens passam pelas mais diferentes situações, algumas de fato terríveis, percebemos que nenhum deles recorre a Deus. Não buscam a sabedoria e o socorro que o Senhor pode oferecer. Em nosso mundo, há pessoas que nunca fizeram uma única oração. Outros, quando oram, só sabem pedir. Não têm nada mais a dizer a Deus. E alguns só pedem coisas materiais.

Você tem orado? Na última semana, quanto tempo você gastou em oração? Quando você ora, qual é o conteúdo de sua oração? É necessário orarmos continuamente, em especial quando percebemos que estamos sendo tentados. Jesus ensinou como devemos orar e disse que uma de nossas petições deve ser: “Não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal” (Mt 6:13). Em vez de nos deixarmos levar pela tentação, precisamos perceber o perigo e orar pedindo a Deus livramento. Fazendo assim, por mais forte que seja a tentação, ela não nos vencerá.

O verso de hoje ilustra essa realidade com a figura de uma inundação. Quando garoto, estudei no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul, em Taquara, RS. Lá, todos os anos, chovia muito. Como resultado, os rios transbordavam, e o lugar ficava alagado. Mas eu morava em um lugar elevado, o dormitório masculino. As águas nunca nos atingiram. Podíamos ver as águas subindo os degraus da escadaria que dava acesso ao prédio. Mas, enquanto estive lá, elas nunca entraram no dormitório.

Do mesmo modo como as águas vão subindo, subindo, a tentação vai se intensificando, mas pela oração estamos em uma posição tão elevada que não somos vencidos por ela. Portanto, não se esqueça! Na próxima vez que perceber a tentação se aproximar, ore. Diga a Deus como se sente. Peça a ajuda Dele. O Senhor socorrerá você!

https://youtu.be/84g9WTnNQe0

Isaías 7 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 7
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 7 – Após seu chamado e capacitação para uma missão desafiadora conforme Isaías 6, o profeta de Deus recomeça suas atividades.

“A primeira missão de pregação do profeta a ser registrada é aquela a Acaz (v. 731-715), que tem de escolher entre ser invadido por Síria e Israel, pedir ajuda à Assíria e confiar numa palavra revelada da parte de Deus. À semelhança de Acabe, Acaz recusa-se a confiar no servo fiel de Yahweh (7:1-9). Por esse motivo Isaías apresenta um oráculo que abrange o presente e o futuro. Ao fazê-lo deixa implícito que Deus dará um sinal extraordinário que acentuará a futilidade da descrença de Acaz. Ele diz que uma ‘virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel’ (7:14). Além disso, a terra logo ficará livre dos sírios e israelitas, e a Assíria virá contra Judá (7:15-17)” (Paul House).

Há muitos ensinamentos maravilhosos neste capítulo inspirado. Porém, sobretudo, destaca-se a ideia do “convite à confiança em Deus”. Considere o comentário da Bíblia Andrews:

“A confiança no Senhor é um tema importante que perpassa todo o livro (cap. 25, 30). Na verdade, trata-se do alicerce da teologia de Isaías. O povo de Deus só poderia ser salvo se recorresse ao Senhor, não à Assíria, ao Egito ou à coalizão siro-efraimita. Neste capítulo, um novo rei é desafiado a ter a confiança em Deus ao ser ameaçado de derrota. A falta de fé revelada por Acaz se transforma em oportunidade para o Senhor fazer algo extraordinário. Por meio da vida cotidiana do profeta Isaías, Deus concede um sinal para mostrar o que é capaz de fazer, a despeito da recusa de Acaz em pedir o sinal divino”.

Além do filho de Isaías, Deus concedeu-nos sinal mais extraordinário (Mateus 1:18-25); Seu próprio Filho tornou-Se o Emanuel verdadeiro: Deus realmente conosco!

A descrença traz consequências. “Porque Acaz não aceitou o oferecimento da graça de Deus, não escapará do castigo divino. E, por esse motivo, este é também um sinal verdadeiro, uma prova, que permeia toda a história subsequente... de que o pecador não escapa do seu castigo e de que a palavra de Deus permanece” (Otto Kaiser).

A incredulidade deve ceder espaço à confiança em Deus. Viver esta substituição nos trará recompensas! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quarta-feira, 29 de novembro de 2023

Isaías 6 Comentário:

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 6
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 6 – Sendo este texto bem conhecido, intentarei destacar alguns pontos que, creio eu, são menos explorados. Antes, porém, colocarei a divisão do capítulo sugerida por Siegfried Schwantes:

1. Visão da glória e da santidade divinas (Isaías 6:1-4).
2. Compenetração e confissão de pecados (Isaías 6:5).
3. Purificação (Isaías 6:6-7).
4. Vocação (Isaías 6:8).
5. Comissão (Isaías 6:9-13).

Deus está preparando o profeta para uma tarefa árdua e sem grandes resultados aparentes. Com esta experiência Deus confirma o chamado que deve ter acontecido antes deste evento. “Na condição de profeta de Deus, [Isaías] terá o apoio de Deus, mas esse apoio nunca significará trabalho menos árduo”, comenta Paul House.

Após uma profunda experiência confirmatória de graça, envolvimento e capacitação, Isaías foi comissionado a ir ao povo e proclamar a mensagem divina com poder e autoridade, porém o povo não Lhe daria ouvidos.

• Aceitaríamos esta missão?

“‘Até quando, Senhor?’, pergunta o profeta, deveria ele prosseguir neste trabalho aparentemente inútil. A perspectiva que o Senhor lhe descerra era de molde a desencorajar os mais bravos: ‘Até que a terra seja de todo desolada...’ (vv. 11-12). O futuro era dos menos prometedores. Um vislumbre de esperança é oferecido no v. 13. Se a maioria acabaria por rejeitar a mensagem do profeta, haveria, não obstante, ‘uma santa semente’ que poderia de novo popular a terra desolada”, analisa Schwantes.

O texto inspirado deixa claro que:

• Cumprir os propósitos divinos é um processo desafiador, tendo que, muitas vezes, enfrentar resistência e rejeição por parte do povo de Deus.

• Deus sabe quando a resposta do público de um mensageiro Seu será negativa; porém, nesta situação desfavorável, Deus confirma o chamado que fizera a Seu frágil servo.

• Mesmo que, aparentemente, fazer a vontade de Deus não traga resultados positivos, há sempre  propósitos por traz do chamado divino (Isaías 6:11-13):

1. Os pecadores impenitentes devem saber onde seus pecados os levarão.
2. Reavivar o remanescente em meio à sociedade decadente.

A mensagem é que, ao viver os planos de Deus, devemos ter persistência diante das adversidades, conscientizarmo-nos da triste realidade espiritual de nossa sociedade, confiar na soberania divina e focar nos propósitos que Deus tem para nossa vida, independente da avaliação dos resultados do ponto de vista humano.

Diante disso, invistamos no reavivamento! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

TEMPO DE AVALIAR

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

29 de novembro

TEMPO DE AVALIAR

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu. Eclesiastes 3:1

De tempos em tempos, precisamos fazer uma avaliação de nossa vida pessoal, de nossas realizações e de nossa relação com Deus e com nossos semelhantes. Avaliar é determinar o valor de algo. Não é um ato agradável, porque não gostamos de nos defrontar com nossos erros, mas é necessário para conhecer os pontos fracos, de modo que haja crescimento.

Avaliar é olhar para trás e aprender com o que passou. Uma avaliação evidenciará aspectos negativos, que servirão para nos conscientizar de que deve haver mudanças se queremos resultados mais promissores. Archibald Mac Leish disse: “Só há uma coisa mais dolorosa que aprender com a experiência. É não aprender com a experiência.” Mas o que você deve fazer quando detectar falhas? Sugiro algumas atitudes:

Assuma seus erros. Significa que você é mais sábio hoje do que no passado.

Não guarde ressentimento de outra pessoa envolvida no processo. Alguém foi indiferente com você? Alguém o magoou, desprezou ou não o respeitou? Não guarde mágoa nem rancor. Malachy McCourt afirmou que “guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra”.

Não desista. Recomece. Henry Ford declarou que “fracassar é a oportunidade de começar de novo, mais inteligentemente”. É necessário encarar cada fracasso como derrota temporária, ao invés de fiasco permanente.

Lembre-se de que Deus pode transformar maldições em bênçãos. Ele pode até usar as coisas ruins que nos acontecem para nosso bem. Confie na promessa de “que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28).

Por mais dolorosa que seja, uma avaliação honesta da realidade é a única maneira de avançar em direção à vitória. Ela vai mostrar a dimensão dos problemas que precisam ser superados e revelará quais passos precisam ser dados rumo ao objetivo proposto.

Hoje, avalie sua vida com as atitudes corretas, tendo a Palavra de Deus como parâmetro de suas avaliações. Corrija a rota a tempo e você chegará ao destino seguro.

https://youtu.be/84g9WTnNQe0

https://mais.cpb.com.br/meditacao/tempo-de-avaliar/

terça-feira, 28 de novembro de 2023

SUSPIRAM E GEMEM

MEDITAÇÃO DIÁRIA - 

28 de novembro 

SUSPIRAM E GEMEM

Passe pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marque com um sinal a testa daqueles que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela. Ezequiel 9:4

Quando milhares de judeus já haviam sido levados em cativeiro, mas muitos outros ainda permaneciam em Jerusalém, Ezequiel recebeu uma visão: “Eis que vinham seis homens […], cada um com a sua arma esmagadora na mão. Entre eles estava um homem vestido de linho, com um estojo de escriba à cintura. […] E o Senhor clamou ao homem vestido de linho, que tinha o estojo de escriba à cintura, e lhe disse: ‘Passe pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marque com um sinal a testa daqueles que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela.’ Depois ouvi o Senhor dizer aos outros homens: ‘Passem pela cidade após ele e matem! Que os olhos de vocês não tenham piedade e não poupem ninguém. […] Mas não se aproximem de ninguém que tiver o sinal na testa. Comecem pelo Meu santuário’” (Ez 9:2-6).

Essa visão é simbólica. Portanto, os eventos descritos nunca ocorreram literalmente. Os homens com armas de destruição simbolizavam a iminente invasão babilônica e a destruição de Judá e Jerusalém. A visão transmitiu diversas mensagens importantes aos exilados: (1) Embora muitos praticassem a idolatria secretamente, Deus sabia quais eram Seus verdadeiros seguidores e os protegeria. (2) Os dirigentes eram responsáveis pela situação. Por isso, estariam entre os primeiros a ser punidos pelas forças destruidoras de Babilônia. (3) O tempo concedido a Judá havia se esgotado. A história registra que a destruição ocorreu seis anos após essa profecia.

Secundariamente, essa visão também retrata o que haverá no fim dos dias. Os selados são aqueles que não se conformam com o pecado e a maldade do mundo, antes, “suspiram e gemem” quando se deparam com eles. Deus os conhece e os marca como Sua propriedade exclusiva, para que passem como vencedores pelo tempo de angústia e não sejam destruídos nos eventos finais.
Nós estamos no mundo, mas não somos do mundo. Não apreciamos o pecado e o mal nem somos indiferentes a eles. Antes, sofremos com a maldade, aguardando o dia em que essa realidade não mais existirá.

https://youtu.be/YLdIBT4Eklw

Isaías 5 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 5
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 5 – Neste texto sagrado “o pregador tornou-se um trovador e entoou um cântico popular ao Senhor (‘meu amado’). Quem sabe, os que haviam ignorado seus sermões ouviriam suas canções. Cantou sobre seu povo (v. 7) e ressaltou como Deus havia estado com os israelitas. Deus lhes dera uma lei santa e uma terra maravilhosa, mas eles quebraram a lei, corromperam a terra com seus pecados e deixaram de produzir frutos para a glória de Deus. O Senhor fez todo o possível por eles. Agora, só lhes restava trazer juízo para uma vinha sem frutos e transformá-la em refugo”, expõe Warren Wiersbe.

Nesta música, o profeta apresenta uma metáfora da vinha que apontava ao povo de Israel como plantação de Deus. A revelação divina descreve as razões pelas quais a vinha de Deus não produziu bons frutos e como isso atraiu o juízo divino. A concepção oriunda das frutas selvagens indicam a injustiça e a maldade na vida do povo de Deus, resultantes do pecado, das consequências morais e das negligências espirituais.

Wiersbe divide a canção com os seguintes tópicos, citando os pecados que atraíram o julgamento sobre a Terra:

• Cobiça (Isaías 5:8-10).
• Embriaguez (Isaías 5:11-17).
• Indiferença (Isaías 5:18-19).
• Dissimulação (Isaías 5:20).
• Orgulho (Isaías 5:21).
• Injustiça (Isaías 5:22-25).

“Deus condena a nação santa, tratando-a como bêbada (5:10, 22), arrogante (5:13-17), amante do mal (5:20) e objetos da ira”, observa Paul House. O final do capítulo mostra que, consequentemente, o povo escolhido seria levado ao cativeiro por adversários poderosos e inescrupulosos (Isaías 5:26-30).

I Pedro 2:9 descreve os crentes do Novo Testamento como “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, PARA anunciar as grandezas dAquele que os chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz”. Aqui também o povo de Deus do presente tem um propósito específico. A vinha plantada com a expectativa de produzir bons frutos se equipara ao chamado dos crentes para proclamar as virtudes de Deus.

Negligenciar esse propósito implica viver irresponsável e negligentemente perante Deus. Não que Deus seja cruel, mas qualquer vida sem intimidade e sem dependência divina sofre sozinha as próprias consequências.

• Frustrar a expectativa divina implica no juízo divino!

Devemos dar ouvidos ao chamado de Deus para não sermos achados em falta diante dEle! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

segunda-feira, 27 de novembro de 2023

CARTA NO FUNDO DO BAÚ

 MEDITAÇÃO DIÁRIA - 

27 de novembro

CARTA NO FUNDO DO BAÚ

Escutem, povo de Judá e moradores de Jerusalém! Creiam no Senhor, seu Deus, e vocês estarão seguros; creiam nos profetas do Senhor e vocês serão bem-sucedidos. 2 Crônicas 20:20

Em 1850, um homem de meia-idade, chamado Stephen Smith, e sua família se tornaram adventistas. Ele viajava bastante e sentia alegria em testemunhar de sua fé. Contudo, depois de algum tempo, afastou-se da verdade, tornando-se crítico da igreja e dos obreiros, especialmente de Ellen G. White e de seu esposo.

Um ano depois, ele foi desligado do rol de membros porque já não cria da mesma maneira que os irmãos. Ellen White teve uma visão em que Deus lhe mostrou o caso do irmão Smith. A visão revelava o perigoso caminho que ele estava trilhando e quais seriam os resultados se persistisse nele. Assegurava-lhe também o amor e a aceitação de Deus se ele se arrependesse. Por meio de uma carta, ela lhe contou essa visão.

Quando ele recebeu a carta e viu que a remetente era a irmã White, não quis abrir o envelope. Jogou-o dentro de um baú e continuou com sua vida de rebeldia e criticismo, enquanto sua esposa e filhos permaneciam fiéis. Os anos passaram, e Stephen Smith envelheceu. Correu, então, a notícia de que o pastor Eugênio Farnsworth realizaria reuniões de avivamento na igreja local. Stephen sentiu o desejo de ouvi-lo, pois o havia conhecido e visto crescer. Em um sábado pela manhã, o pastor Eugênio pregou sobre o surgimento do movimento adventista do sétimo dia, um movimento profético. Ao final, quando acabou o sermão, Stephen se colocou em pé e manifestou o desejo de voltar a pertencer ao povo adventista.

Depois disso, ele se lembrou da carta que Ellen White lhe havia mandado e que ele colocara dentro do baú. Vinte e oito anos haviam se passado. Ele abriu o baú, tomou a carta e a leu. Aquilo que havia sido uma profecia sobre sua vida, se ele continuasse naquele caminho, tinha se tornado história. Sua vida fora exatamente como a serva do Senhor havia escrito 28 anos antes. No final da carta, estava registrado o apelo para ele voltar para Deus. E ele voltou, passando a crer no dom de profecia.

A luz para nossa vida pode estar bem perto. Os escritos de Ellen White estão cheios de orientação e bênção. Não façamos como Stephen Smith. Leiamos as mensagens que Deus nos enviou. 

https://youtu.be/LreNIAz0vak

Isaías 4 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 4
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 4 – Este capítulo inicia com uma expressão profética “naquele dia”; equivale ao tempo anunciado de que as mulheres que esbanjavam sensualidade enfrentariam escassez de homens, devido ao julgamento que viria sobre Israel.

A ideia é que as mulheres dividiriam um homem sem pedir recursos financeiros, para não ficarem desprovidas de relações sexuais. O número 7 indica situação extrema (Isaías 4:1).

Apesar da independência financeira, elas reconhecem a necessidade de um relacionamento. Elas almejam ser chamadas pelo nome de um homem, indicando a importância do reconhecimento social e proteção. O desejo de ser chamada pelo nome de alguém (sobrenome) reflete uma busca por identidade e pertencimento.

• Em meio a julgamentos ou situações difíceis, as pessoas podem buscar soluções próprias para satisfazerem seus desejos; mas, afinal, precisam reconhecer que necessitam mesmo é da intervenção divina.
• Não temos habilidades suficientes para resolver nossos dilemas, nossas necessidades e carências. Contudo, toda tentativa de solução à parte de Deus não passa de paliativos que não resolvem de fato nossos problemas.
• Somente o “Renovo do Senhor” traz alegria, satisfação e solução para a culpa e vergonha da situação crítica “naquele dia” (Isaías 4:2).

Além do Renovo que representa o Messias trazendo renovação espiritual e restauração ao povo de Deus, Jesus é descrito como “uma nuvem de dia e um clarão de fogo de noite” (Isaías 4:5); essa imagem refere-se à presença divina que guiou o povo de Israel no deserto após o Êxodo, sugerindo a necessidade da presença constante e orientação divina em tempos difíceis, não paliativos humanos.

O julgamento divino visava a purificação dos pecados do povo de Deus na época de Isaías (Isaías 4:2-4). Isso deve levar-nos a refletir sobre a nossa busca por satisfação em meio às aflições e angústia de nosso coração diante das consequências dos nossos pecados. Nestas situações...

• Precisamos considerar a Deus, reconhecer nossa real necessidade de purificação e arrependimento.
• Precisamos do Renovo do Senhor renovando nossa vida!

No tempo escatológico, a purificação do santuário aponta para a purificação do povo de Deus (Daniel 8:13-15). Nos eventos que antecedem a segunda vinda de Cristo, haverá tribulações e desafios (Apocalipse 7:1-17; 13:1-18); porém, temos a promessa de que Deus guiará e protegerá Seu povo (Isaías 4:6; Daniel 12:1). É disso que precisamos!

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

domingo, 26 de novembro de 2023

SOMOS FILHOS DE DEUS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

26 de novembro

SOMOS FILHOS DE DEUS

O próprio Espírito confirma ao nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros. Romanos 8:16, 17


Quem tem o Espírito Santo em sua vida tem a convicção pessoal de que é um filho de Deus. Isso é claramente ilustrado na experiência de Paulo, que escreveu essas palavras. Ele havia sido perseguidor da igreja. Por sua causa, muitos cristãos tinham sido presos e mortos. Entretanto, Cristo o encontrou, e sua vida foi transformada. Tornou-se um propagador da fé que antes perseguia. Os anos se passaram, e chegou sua vez de ser perseguido, aprisionado e morto. Trinta anos após sua conversão, encontrava-se preso por ordem do imperador Nero. Pressentindo a aproximação da morte, escreveu sua última carta, endereçada ao melhor amigo, Timóteo, filho na fé.

Ao final dessa carta encontramos seu testemunho: “O tempo da minha partida chegou. Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Desde agora me está guardada a coroa da justiça, que o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a Sua vinda” (2Tm 4:6-8). Será que o apóstolo tinha dúvidas quanto a ter sido perdoado por Deus? Permitia ele que os pecados de 30 anos antes invadissem seu presente, atormentassem sua vida e roubassem sua paz? Não! Ele estava seguro de que estaria entre os salvos na vinda de Cristo. A certeza de Paulo deve ser a nossa.

As Escrituras nos dizem que, sendo “justificados […] mediante a fé, temos paz com Deus” (Rm 5:1), e acrescentam que a paz faz parte do fruto do Espírito (Gl 5:22). Como pode alguém que duvida do perdão e da aceitação de Deus ter essa paz? Uma das importantes tarefas do Espírito é nos dar a convicção de que Deus nos perdoou e nos recebeu em Sua família. Quem tem o Espírito não tem dúvidas quanto a isso. Sabe que é filho do Pai celestial. Sabe também que, como filho, é herdeiro. “Se somos filhos, somos também herdeiros; herdeiros de Deus e coerdeiros com Cristo” (Rm 8:17). Deus não apenas quer nos libertar da culpa, condenação, poder e presença do pecado. Ele planejou para nós uma herança sem igual, que começará a ser nossa a partir do retorno de Cristo. Temos consciência de nossa filiação divina? Temos pensado em nossa herança?

https://youtu.be/947Qg8kbQV4

Isaías 3 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 3
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 3 – As pessoas têm costume de esconder sua podridão de alma atrás de coisas consideradas belas e importantes. O que não sabem é que a vaidade é um sinal forte de grande apostasia, abandono de Deus e de Seus princípios.

No início de Isaías 3, Deus revela a ruína e a miséria como consequência dos pecados abertos da parte de Seu amado povo: Falta de recursos vitais. Qual o problema para Deus permitir que Seu povo sofra desta forma?

• O povo abrigava especialistas em práticas religiosas que despertavam a ira divina; além da liderança, a sociedade como um todo estava apodrecendo espiritualmente, perceptível nas palavras, atitudes, ações e expressões faciais que confrontavam a Deus e a Seus princípios (Isaías 3:1-12, 15-16).

• O texto revela como os pecadores, que estão apodrecendo no pecado, intentam maquiar sua condição deplorável e horrorosa. As mulheres da sociedade escondem sua condição atrás da arrogância e do orgulho, seus enfeites podem até esconder suas imperfeições perante a sociedade, porém, não escondem de Deus a podridão da alma (Isaías 3:16-24).

• O juízo de Deus visa o arrependimento, a renúncia ao pecado, ao abandono da negligência espiritual de líderes religiosos, políticos e do povo como um todo. O Juiz Celestial almeja um reavivamento e uma reforma na vida. Seu propósito é restaurador, e em favor dos vulneráveis, frágeis e necessitados, que revelam o quanto carecem dEle e de Sua graça (Isaías 3:13-15).

Alguns intérpretes enxergam no texto que Deus seja contra os adornos das mulheres como pulseiras, testeiras, colares, pendentes, braceletes, correntinhas de tornozelos, talismãs, amuletos, anéis e enfeites de nariz. Se essa linha de raciocínio for seguida, o texto estaria dizendo que Deus também é contra enfeites no cabelo, cintos, roupas caras, capas, mantilhas, bolsas, espelhos, roupas de linho, tiaras, xales, perfumes e penteados (Isaías 3:18-24). Na verdade, a raiz do problema é outro: Vaidade baseada no orgulho que exclui Deus!

Esta vaidade se revela no luxo, e também nos títulos acadêmicos, na fama e também no poder (Isaías 3:2-6). Contudo, ela nunca será solução para a podridão do coração. Neste caso, o texto enfatiza que só Deus pode curar-nos e restaurar-nos.

Autoridade/poder e luxo/enfeites são meramente maquiagens que apenas aparentam prosperidade (Isaías 3:24-26). Portanto, reavivemo-nos espiritualmente! Consagremo-nos a Deus! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sábado, 25 de novembro de 2023

SOFRIMENTO

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

25 de novembro

SOFRIMENTO

   Tenham pena de mim, meus amigos, tenham pena de mim, porque a mão de Deus me atingiu. Jó 19:21

   No livro que leva seu nome, Jó é apresentado como um homem que estava de bem consigo mesmo, com Deus e com o próximo (Jó 1:1). Mas o inimigo de Deus investiu pesado contra ele. Jó perdeu todos os filhos e toda a riqueza em um único dia (v. 13-19). Depois, seu corpo e sua mente foram transtornados. Seu corpo foi coberto por tumores malignos (Jó 2:7), vermes e pus (Jó 7:5). Ele queimava de tanta febre (Jó 30:30), tinha grande coceira (Jó 2:8), ficou muito magro e perdeu as forças (Jó 16:7, 8; 19:20). À noite não conseguia dormir (Jó 7:3, 4) e tinha pesadelos terríveis (v. 13-15). Seu rosto vivia inchado de tanto chorar (Jó 16:16).

   Em sua comunidade, o sofrimento era considerado resultado do pecado e proporcional a este. Por isso, como nunca haviam visto alguém sofrer tanto, chegaram à conclusão de que ele era um grande pecador. Se permanecessem perto dele, seriam atingidos por seu infortúnio (Jó 5:17; 8:4; 22:5-10). Como resultado, todos o desprezaram (Jó 19:13-19).

   Essas adversidades duraram alguns meses (Jó 7:3). Jó chegou até mesmo a preferir a morte (Jó 7:15, 16). Embora ele também pensasse que era Deus quem o estava afligindo (Jó 6:4; 19:6; 10:8; 16:7), não via razão para isso. Apesar de pecador, não havia qualquer pecado específico ou expressivo que justificasse tamanha desventura. Ao examinar seu passado, chegou à conclusão de que sua consciência não reprovava nenhum dia de sua vida (Jó 27:6). Por isso, considerava-se justo (Jó 13:18; 23:10-12).

   Além de tudo isso, Deus permaneceu em silêncio. Embora Jó O buscasse de todo o coração, não obteve resposta (Jó 23:3, 4, 8, 9; 30:30). Mesmo assim, perseverou. Resolveu que, apesar de todo o sofrimento, jamais se afastaria de Deus (Jó 27:3-5). Ele cria que Deus estava vivo, que Ele era seu Redentor. Um dia Jó ressuscitaria e então estaria com Deus (Jó 19:25-27).

   Mas o livro termina com um final feliz: Deus Se manifestou, falou com Jó e pôs fim às calamidades que o haviam afligido. Jó voltou a ter saúde, prosperidade e felicidade. Terminou seus dias em paz. Deus sabe o que você está passando. Assim como ocorreu com Jó, sua perseverança e fidelidade em meio ao sofrimento terão recompensa. 

https://youtu.be/OgytleL5Ib4

Isaías 2 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 2
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 2 – Após rejeitar a hipocrisia e a superficialidade religiosa (Isaías 1), o profeta Isaías passa a apresentar o fim da idolatria e da idiotice religiosa visando sacudir, acordar e salvar perdidos deste mundo.

Pecados nos acorrentam, nos arrastam para baixo, nos deixam cabisbaixo, sem vigor e esperança. A vivência no pecado parece prazerosa, atraente e promotora de satisfação, porém nos torna azedos, frustrados, amargos, desprezíveis, críticos, frágeis e vazios. O pecado interrompe a espiritualidade, pois ele intercepta a intimidade com Deus. Porém Deus tem poder de reverter qualquer situação, por mais desesperadora e desafiadora que seja nossa condição!

• Deus revelou capacidade de tirar Jerusalém do fundo do poço (Isaías 1:21) e torná-la protagonista entre as nações (Isaías 2:1-3). Quando Deus Se volta para Seu povo, Seu povo torna-se referência na região, a tal ponto das nações da vizinhança afluírem em busca da Palavra Divina (Isaías 2:3-5).

• No passado, Deus permitira que o povo colhesse as consequências de tê-lO substituído por coisas insignificantes. Como preferira procurar falsos profetas e religiosos deturpados e depravados, e optara por confiar na economia e na artilharia dos pagãos, Deus retirou Sua proteção a fim de que o povo percebesse quão horrível é não ter Suas bênçãos em seu favor. Ignorar a Deus resultou na destruição de Samaria e de Judá (Isaías 2:6-11).

• Quando Deus age para revelar as idiotices dos pecadores que O ignoram, as pessoas se desfazem de seus deuses e ídolos inúteis mesmo sendo de prata ou ouro; elas têm medo de confrontar o Deus verdadeiro então percebem sua insignificância, ignorância e petulância (Isaías 2:12-22).

Aprendamos que não existe segurança fora da presença de Deus. Quando Deus julgar, nada nos dará qualquer garantia de segurança. Deus é contra nossas vaidades porque elas não nos sustentarão diante das adversidades. Ele é contra o que é atraente ao pecador impenitente devido a ele depositar sua segurança naquilo que não passa de mera ilusão.

Na realidade, só em Deus pecadores encontram proteção, restauração e salvação!

A soberba e arrogância da humanidade, representada pela pompa e ostentação, relacionadas a grandes realizações, riqueza e poder, não significam nada diante da manifestação majestosa de Deus (Apocalipse 6:12-17). Por isso, é necessário humilharmo-nos diante dEle esperando que Ele nos eleve, restaurando-nos.

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sexta-feira, 24 de novembro de 2023

SOB O OLHAR DE DEUS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

24 de novembro

SOB O OLHAR DE DEUS

Os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os Seus ouvidos estão abertos ao seu clamor. Salmo 34:15

Às vezes, olhamos para o futuro, tentando imaginá-lo. Quando fazemos isso, o que vemos? Em realidade, nós só podemos imaginar. Mas há Alguém mais olhando para nosso futuro. Deus enxerga o que para nós é desconhecido. E o que Ele vê?

Uma mãe aflita olhava para um cestinho colocado entre a vegetação do rio Nilo. O que ela via? Seu indefeso bebê, sozinho. Joquebede pensava: “Será que ele terá alguma chance de sobreviver?” Deus olhava a mesma cena. O que Ele via? Um dos maiores homens da história. Alguém cuja “grandeza intelectual o distingue, acima dos grandes homens de todos os tempos”, e a quem, “como historiador, poeta, filósofo, general de exércitos e legislador, ninguém se iguala” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 205 [246]).

Um adolescente estava no campo, sozinho, com as ovelhas da família. Seus pais e irmãos haviam ido a uma festa na cidade, onde também se encontrariam com o homem mais importante de Israel – o profeta Samuel. Mas Davi havia sido deixado para trás. Porém, Deus estava vendo naquele jovenzinho o maior dos reis de Israel, aquele que seria usado como figura do próprio Cristo.

Um jovem estava sendo levado como prisioneiro de guerra, separado da família e sem qualquer perspectiva de futuro. Deus olhava para Daniel e via nele um profeta, um grande estadista, um homem muito amado pelo Céu.

A garota não passava de uma pobre camponesa. Deus via em Maria a mais bem-aventurada das mulheres, aquela que seria eleita a mãe de Seu Filho.

O homem havia caído de seu cavalo, estava cego e cheio de remorso por haver levado tanta gente inocente à prisão e à morte. Muitos viam nele um inimigo. Deus via em Paulo um grande apóstolo, o maior dos missionários, um dos principais escritores da Bíblia, um campeão da fé cristã.

Um menino nasceu em cima de um monte de capim, em um abrigo de animais. Mas Deus via naquela criança o Salvador da humanidade. Deus via, também, aquela cena que ainda está no futuro, quando todo o Universo se curvará diante de Cristo e toda a língua confessará que Ele é Senhor.

Hoje, Deus está olhando para seu futuro. Ele não está apenas imaginando. Ele está vendo. O que Ele vê?

https://youtu.be/JPNmQHI7bvI

Isaías 1 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Isaías 1
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


ISAÍAS 1 – O gracioso e imensurável Deus amoroso Se apresenta para convidar-nos a uma reflexão profunda. Ele tem filhos revoltados/rebeldes!

Isaías inicia seu livro com uma poderosa mensagem que destaca o amor divino e, ao mesmo tempo, faz uma advertência contundente aos religiosos hipócritas. Inspirado pelo Espírito Santo, o profeta comunica a penetrante palavra revelada, abordando a condição do povo da aliança, que estava engajado em práticas religiosas superficiais e vazias.

Isaías 1 demonstra que, apesar de sistemáticas práticas religiosas, o coração pode estar bem longe da verdadeira devoção – moribundo espiritualmente (Isaías 1:1-9). O profeta usa metáforas fortes, comparando certos religiosos a animais desprovidos de discernimento, sem maturidade e desenvolvimento espirituais.

Assim fazendo, meras práticas religiosas tornam-se meros rituais vazios. Até mesmo as mais acertadas ações e práticas eclesiásticas, sem um coração verdadeiramente voltado para Deus, não passam de mera religiosidade banal – É a banalização da religião, e Deus a trata com rejeição (Isaías 1:10-15).

Contudo, a graça não rejeita o povo, por isso Deus convida a quem quiser a purificar-se, a buscar a retidão e a justiça; a experimentar a transformação, atender as causas dos injustiçados e ajudar os oprimidos. O amor indescritível de Deus não abandona Seu povo em sua rebelião, por isso o chama à conversão. Há um poderoso apelo em Isaías 1 para uma mudança genuína de coração, uma prática correta da justiça e uma atitude de compaixão pelos seres humanos (Isaías 1:16-18).

O profeta também destaca que, embora o amor de Deus seja abundante, há consequências para a escolha contínua da rebeldia (Isaías 1:19-31). O julgamento divino paira como uma advertência, mas a promessa de restauração permanece disponível para quem decidir voltar-se sinceramente para Deus.

• Esta mensagem continua relevante para todas as épocas; ela lembra-nos atualmente do amor redentor de Deus e da importância de uma devoção verdadeira e de uma espiritualidade autêntica (Isaías 1:26-27).
• Assim como antigamente, os cristãos do tempo do fim precisam saber que Deus deseja uma devoção sincera e um relacionamento profundo da parte de Seu povo.
• O período de Laodiceia do qual fazemos parte, também recebe um forte chamado para uma paixão espiritual renovada (Apocalipse 3:14-22).

Deus anseia nossa restauração, por isso chama-nos com profundo amor e compaixão! Como responderemos: Com rebelião ou submissão? – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quinta-feira, 23 de novembro de 2023

SIGO ESPERANDO

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

23 de novembro

SIGO ESPERANDO

Não percam a confiança de vocês, porque ela tem grande recompensa. [...] Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não irá demorar. Hebreus 10:35, 37

Era 1964, o ano em que eu completaria nove anos de idade. Havíamos voltado da igreja e tínhamos acabado de almoçar. Fomos para o quintal, e meu pai, tomando algumas canas-de-açúcar, descascou-as e as cortou em pequenos cubos que nós, crianças, gostávamos de mastigar. Foi então que minha mãe falou: “Alguns pastores estão dizendo que Jesus voltará neste ano.” Imediatamente, olhei para o céu anil do Rio Grande do Sul.

Naquela época, havia gente que gostava de fazer cálculos para descobrir quando Cristo viria. Eles lembravam que depois de 120 anos da pregação de Noé, havia caído o Dilúvio. Como Jesus havia comparado os dias de Seu retorno aos dias de Noé (Mt 24:37-39), eles acharam que havia certa lógica em tomar a data de 1844, que assinala o início do juízo investigativo, e somar a ela 120 anos de pregação. Claro, o resultado foi 1964. Mas essas cogitações estavam erradas, e Jesus não veio.

Anos depois, eu estava terminando o ensino médio no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul quando, lendo o livro Patriarcas e Profetas, escrito por Ellen G. White, fui profundamente tocado por Deus. Embora toda a minha curta vida tivesse sido passada na igreja, foi mediante a leitura desse livro, nas madrugadas de 1972, que fiz uma entrega completa a Jesus. Mais do que isso, senti que Deus me chamava para ser um pastor.

Confesso que, quando comecei a estudar Teologia no antigo Instituto Adventista de Ensino, eu pensava que Jesus voltaria antes de eu completar meus estudos. Mas Jesus não veio. Então, veio a formatura, o casamento e o início do trabalho no Mato Grosso do Sul, na região de Nova Andradina. Minha convicção era de que o retorno de Cristo estava muito próximo.

O tempo passou e, quando escrevo estas linhas, faz poucos dias que completei 65 anos, idade-limite de trabalho para um pastor adventista. Logo estarei aposentado. Trabalhei como pastor por 44 anos, e Jesus ainda não voltou. Mas, enquanto Ele não vem, sigo esperando com confiança, porque Ele certamente virá! 

https://youtu.be/69JbuE0_R4A

Cântico dos Cânticos 8 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 8
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 8 - O assunto “casamento” não é periférico para Deus. Em Hebreus 13:4 diz: “O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros”. Pena que poucos não dão o valor que Deus dá a este assunto importante.

Considere o capítulo em análise. Note o esboço do Comentário Bíblico Adventista:

• O amor da esposa por seu amado (versos 1-5).
• A veemência do amor (versos 6-13).
• A esposa anseia pela vinda do seu amor (verso 14).

Quanto romantismo! Precisamos pensar biblicamente quanto ao assunto do casamento. E, contrariando a filosofia de que “beleza não se põe na mesa”, Salomão mostra que deve-se casar com quem será possível admirar.

• Cada um tem sua beleza peculiar; embora nem todos a note, há sempre alguém para percebê-la!

Outra coisa, o tempo não deve diminuir o romantismo, o término da lua-de-mel não é o fim do amor; ao contrário, o verdadeiro amor aumenta quanto mais o tempo passa (Cântico dos Cânticos 8:6-7). O problema não está com o acostumar-se e perder o encanto – está na falta de manutenção do relacionamento. Quanto a isso Ellen White é enfática:

• “Embora possam surgir dificuldades, perplexidade e desânimo, nem o marido nem a esposa abrigue o pensamento de que sua união é um erro ou uma decepção. Resolva cada qual ser para o outro tudo o que é possível. Continuai as primeiras atenções. De todos os modos, anime um ao outro nas lutas da vida. Procure cada um promover a felicidade do outro. Haja amor mútuo, mútua paciência. Então, o casamento, em vez de ser o fim do amor, será como que o seu princípio. O calor da verdadeira amizade, o amor que liga coração a coração, é um antegozo das alegrias do Céu”.

• “A razão por que há em nosso mundo tantos homens e mulheres de coração endurecido é que a verdadeira afeição tem sido considerada como fraqueza, sendo consequentemente desencorajada a reprimida. A melhor parte da natureza das pessoas desta classe foi pervertida e amesquinhada na infância; e a menos que os raios da luz divina derretam sua frieza e endurecido egoísmo, sua felicidade estará enterrada para sempre”.

Vamos reavivar biblicamente as chamas do amor em nossa vida? – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quarta-feira, 22 de novembro de 2023

SENHOR, SENHOR, ABRE-NOS A PORTA!

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

22 de novembro

SENHOR, SENHOR, ABRE-NOS A PORTA!

E as imprudentes disseram às prudentes: “Deem a nós um pouco do óleo que vocês trouxeram, porque as nossas lamparinas estão se apagando.” Mas as prudentes responderam: “Não! Porque então vai faltar tanto para nós como para vocês!” Mateus 25:8, 9

Nesta parábola, todas as moças adormeceram à espera do noivo. Cinco estavam precavidas. Em qualquer horário que o noivo chegasse, elas não teriam problema. Estavam com tudo preparado. Entretanto, para as que não tinham azeite de reserva, a demora foi fatal. Elas chegaram a pedir que suas companheiras repartissem o azeite reserva, mas isso não era possível. As amigas precisavam de tudo que tinham para cumprir sua missão de iluminar o ambiente durante a festa.

Quando Jesus retornar, será impossível ajudar o próximo ou receber ajuda. Em assuntos espirituais, ninguém pode remediar as deficiências de outros. Ninguém pode crer por outro. Ninguém pode receber o Espírito de Deus por outro. Ninguém pode dividir sua fé, seu conhecimento experimental de Deus, seu amor, seu fervor e dar uma parte para seus amigos e familiares. As moças prudentes não podiam dar seu azeite, pois tinham apenas o suficiente para si mesmas.

É verdade que, no último momento, as imprudentes ainda saíram pelas ruas tentando comprar azeite. Se tivessem um pouquinho mais de tempo… Mas o tempo oportuno havia passado. Era meia-noite! Da mesma maneira, na volta de Jesus, será tarde demais para adquirir o preparo necessário, tarde demais para mudar o caráter. As moças imprudentes representam aqueles que conhecem a Palavra de Deus e estão familiarizados com os ensinos de Jesus, mas não permitiram ao Espírito Santo vivificar a alma nem santificar o coração. Seu caráter não foi transformado.

Mais tarde, naquela madrugada, indo ao endereço da festa e encontrando a porta fechada, insistiram: “Senhor, senhor, abra a porta para nós!” Você pode ouvi-las argumentando? Uma diz: “Eu mereço entrar porque vesti e adornei a noiva.” Outra exclama: “Eu tenho o direito de participar da festa porque ajudei a preparar o banquete.” Cada uma apresenta sua razão, mas a porta permanece fechada. O noivo lhes diz: “Em verdade lhes digo que não as conheço” (Lc 13:25). Hoje, a porta ainda está aberta. Aproveite!

https://youtu.be/gsWBS_0DSso

Cântico dos Cânticos 7 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 7
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 7 – Intimidade sexual não é imoral, quando dentro dos padrões estabelecidos pelo Criador em Sua Palavra. Leia com atenção aos 13 versículos deste capítulo numa versão moderna.

Leia cada frase... Note que nos campos da alma floresce a beleza daquele que busca a essência do amor. Observe que a jornada do amor romântico transcende aos limites do tempo, escrevendo histórias eternas nas páginas do coração. Perceba que a sabedoria do amor escreve um livro de paixão, onde cada capítulo é escrito com a tinta indelével do carinho, e suas páginas são lidas pelos olhos do coração!

Considere com atenção cada palavra até captar que a verdadeira grandiosidade está em reconhecer a preciosidade de cada momento compartilhado na jornada a dois. Desta forma, como o sol que ilumina cada manhã, o amor resplandece na vida daqueles que escolhem trilhar juntos o caminho da plenitude.

Continuando o capítulo anterior, o capítulo 6 o Amado expressa suas emoções (versos 1-9) e então a Amada reage complementando as expressões de amor (versos 9-13). Este capítulo incorpora elementos românticos da época salomônica através de fortes imagens poéticas, elogios detalhados e uma narrativa que enfatiza a busca e a união entre o casal apaixonado.

Nesse tema, Ellen White reflete profundamente: “O calor da verdadeira amizade e do amor que une o coração de marido e mulher é um antegozo do Céu. Deus ordenou que houvesse perfeito amor e harmonia entre os que participam da relação matrimonial. Que o noivo e a noiva, em presença do universo celestial, se comprometam a amar-se mutuamente como Deus lhes ordenou que fizessem”.

Ela ainda declara: “Quando os princípios divinos são reconhecidos e obedecidos nesta relação, o casamento é uma bênção; preserva a pureza e felicidade do gênero humano, provê as necessidades sociais do homem, eleva a natureza física, intelectual e moral”.

O amor deve ser evidente nos gestos. As demonstrações de afeto no texto sagrado revelando carinho e elogios contribuem para uma atmosfera romântica e para uma agradável e prazerosa conexão emocional. Para isso, a presença de Cristo no casamento é primordial. “O amor de Cristo é profundo e ardente, fluindo como uma irreprimível torrente para todos os que O aceitarem”, comenta White.

Pelo amor de Cristo, podemos reavivar o romantismo! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

terça-feira, 21 de novembro de 2023

SENHOR, NÃO TENHO NINGUÉM

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

21 de novembro

SENHOR, NÃO TENHO NINGUÉM

Jesus [...] perguntou: “Você quer ser curado?” O enfermo respondeu: “Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque”. João 5:6, 7

Lendo a Bíblia, descobri que Jesus Se preocupa com as pessoas solitárias. Assim, na parábola, o pastor buscou a ovelha perdida e a levou para junto das outras (Lc 15:3-7). O endemoninhado gadareno vivia sozinho, mas Jesus o libertou e lhe disse: “Vá para a sua casa, para os seus parentes” (Mc 5:19). Também há o caso do paralítico encontrado junto ao tanque de Betesda. Era sábado, e Jesus passou pelo local, onde havia uma multidão de enfermos. Ellen G. White comentou o ocorrido: “O Salvador viu um caso de total infortúnio. Era o de um homem que estava inválido havia 38 anos. […] Sozinho e sem amigos, sentindo-se excluído da misericórdia divina, o enfermo havia passado longos anos de miséria. Na hora em que se esperava o movimento das águas, os que se compadeciam de seu desamparo o levavam para os alpendres. Contudo, no momento exato, ninguém o ajudava a entrar” (A Ciência do Bom Viver, p. 42 [81, 82]).

Alguma vez, em suas orações, você disse a Deus: “Senhor, não tenho ninguém”? Certa vez, vi na coluna de uma igreja um coração desenhado e, dentro, as palavras: “Carmen e ninguém.” Outra vez, vi, logo após o nascer do sol, na areia de uma praia deserta, a inscrição: “Eu vivo só.” Em outra ocasião, sintonizei o rádio do carro e ouvi uma música cuja letra dizia: “Não sei se estou indo ou estou voltando […] / Pois ninguém me espera em lugar nenhum.”

Há crianças, jovens, homens, mulheres e idosos que dizem a Deus: “Senhor, não tenho ninguém. Ninguém que viva a meu lado e se esforce comigo. Ninguém que me entenda lá em casa. Ninguém que me ajude a educar meus filhos. Ninguém que me socorra na enfermidade. Ninguém que me ampare na velhice.”

No texto de hoje, o enfermo diz: “Senhor, não tenho ninguém.” Mas, naquele momento, havia chegado Alguém. Jesus, com Sua presença, Sua fisionomia amável e Seu visível interesse, estava dizendo: “Agora você tem Alguém.” E, então, o curou. Jesus tem prazer em atuar sobre vidas solitárias, em abençoá-las com Sua simpatia e Seu poder e colocá-las em contato com suas famílias, seus amigos e a sociedade. Confie em Jesus! 

Cântico dos Cânticos 6 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 6
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 6 – Cada ser humano é uma obra única de Deus, repleta de sentimentos, sonhos e experiências que moldam sua identidade. Cada um de nós possui a necessidade de se reconhecer como indivíduo valioso e digno de amor.

Este precioso livro “trata-se de um longo poema que não nega ao objeto de afeição qualquer demonstração de carinho. O sentimento pelo outro explode em palavras na boca daquele que o expressa e sintetiza de modo exponencial o ideal de Deus para o ser humano, que é o complemento trazido pela união com o sexo oposto. Mas o texto adverte contra o extremo do asceticismo (a negação de todo o prazer) e do hedonismo (a busca desenfreada pelo prazer). O ideal do casamento, proposto por Deus, é aqui exemplificado numa mistura de atenção, afeto, empenho e prazer”, explica Rodrigo Silva.

As palavras sagradas do capítulo em apreço devem levar-nos ao autoconhecimento, destacando a importância de compreendermos nossas próprias emoções e motivações em prol do cônjuge. Assim, esse livro pode ajudar-nos na restauração dos nossos traumas, reestruturar nossas emoções e equilibrar nossos sentimentos.

A narrativa do capítulo 6 inicia com a amada buscando seu amado nos jardins e pelas ruas da cidade. Quando ela o encontra, há uma descrição poética da beleza e do encontro do amado. O texto sagrado utiliza metáforas e imagens simbólicas para expressar e ressaltar a alegria e a intensidade do amor entre os dois personagens. A linguagem é carregada de simbolismos, dando ao leitor uma experiência sensorial e emotiva de explorar os sentimentos profundos dos amantes retratados no texto.

Há beleza na união entre duas pessoas, porém, o pecado gera conflitos onde deveria haver harmonia. É imprescindível que apliquemos nossa mente e coração nos princípios que tornarão nossos relacionamentos doentios em relações saudáveis, baseadas não em egoísmos e vaidades, mas na reciprocidade, compreensão e respeito mútuo!

Neste capítulo, maravilhosas aplicações podem ser extraídas; tais como:

• Nas vielas do coração, encontramos os jardins secretos da alma, onde floresce o amor verdadeiro quando devidamente cultivado.
• O amor vivo cria expectativas agradáveis que motivam nossas ações apaixonadas durante o dia.
• Na sintonia dos sentimentos, cada olhar é uma nota, cada toque uma melodia que ecoa no coração.

Diante desta explosão de sentimentos, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

segunda-feira, 20 de novembro de 2023

SEM O VERDADEIRO DEUS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

20 de novembro

SEM O VERDADEIRO DEUS

Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais certo. Juízes 21:25

Quando os israelitas se estabeleceram em Canaã, um ciclo de acontecimentos se repetiu durante cerca de 300 anos. Primeiramente, eles se deixavam influenciar pelos pagãos que ficaram em seu território e nas nações vizinhas, afastavam-se dos caminhos de Deus, davam seus filhos em casamento aos idólatras e aceitavam os deuses deles, quebrando a aliança com o Senhor. Como resultado, perdiam a proteção divina e eram oprimidos pelos povos vizinhos (Jz 2:7-22). Depois, reconhecendo seus pecados, eles clamavam a Deus por livramento, e Ele lhes enviava um libertador para que obtivessem a vitória sobre seus adversários. Em seguida, passava-se um tempo de paz, e o ciclo recomeçava (2Cr 15:3-6; Ne 9:27-31).

Séculos depois, comentando esse período, o escritor das Crônicas escreveu: “Israel esteve por muito tempo sem o verdadeiro Deus, sem sacerdote que o ensinasse e sem lei. Mas quando, na sua angústia, eles voltaram ao Senhor, Deus de Israel, e O buscaram, foi por eles achado. Naqueles tempos, não havia paz nem para os que saíam nem para os que entravam, mas muitas perturbações sobre todos os moradores daquelas terras. Porque nação contra nação e cidade contra cidade se despedaçavam” (2Cr 15:3-6).

Esse foi um período terrível na história de Israel, pois não havia um governo centralizado, o culto ao verdadeiro Deus não era valorizado e as leis não eram respeitadas. O último verso do livro de Juízes parece resumir muito bem toda essa época: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais certo.”

Aprendemos, desses relatos, que, quando Deus é deixado de fora de nossa vida e de nossa sociedade, quando desprezamos Suas orientações, Seu culto e Suas leis, e cada um tem a liberdade de fazer o que desejar, o resultado é anarquia, confusão e caos social. Busque a presença de Deus em sua vida. Siga Suas orientações. Será bom para você. Será bom para todos.

https://youtu.be/NpxSToDxalc

Cântico dos Cânticos 5 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 5
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 5 – Precisamos reavivar a chama do amor verdadeiro. Infelizmente, “pouco é o amor real, genuíno, devotado e puro. Este precioso artigo é muito raro. A paixão recebe o nome de amor”, atesta Ellen White.

Por mais que Deus tenha deixado um livro inteiro para tratar desse assunto e elevar o amor corrompido ao amor genuíno, muita gente ainda geme sob o peso do amor pervertido. O pecado é tão terrível que interfere inclusive em nossa interpretação desse magnífico livro! Porém, Cântico dos Cânticos está acessível a todos nós para despertar o amor verdadeiro em nosso casamento!

O amor verdadeiro não acontece naturalmente, pois somos carnais. “O amor verdadeiro é uma planta de origem celestial, e precisa ser cultivada e nutrida. Corações afetivos, palavras verdadeiras, amoráveis, farão famílias felizes e exercerão influência própria para elevar em todos quantos entram na esfera dessa influência”, argui White.

Para isso, precisamos extrair os preciosos princípios do capítulo em apreço:

1. Reconheça que há desafios no relacionamento matrimonial. Após o amado da Sulamina ter-se retirado por algum motivo não informado, ela pediu que lhe dissessem que estava “doente de amor” (versos 1-8). Assim, o texto faz referência aos desafios do amor íntimo entre o esposo e a esposa. É preciso reconhecer a importância da intimidade sexual e estar dispostos a cultivar a vida sexual saudável e satisfatória.

2. Aprenda a usar a criatividade para comunicar o amor divino. A amada de Salomão exalta seu homem, valoriza-o acima dos outros homens. Reconhece suas peculiaridades, percebe sua sensualidade (versos 9-16). É preciso aprender a encontrar maneiras criativas de expressar o quanto o cônjuge é especial.

Neste mundo que tende a todo instante abafar ou apagar as chamas do amor puro e verdadeiro, é necessário manter esforço contínuo para preservar acesa e manter vivo a chama do amor em nosso matrimônio. É importante construir e fortalecer uma confiança mútua, a qual é fundamental para um relacionamento durável e saudável.

Lembre-se sempre de que cada capítulo de Cântico dos Cânticos oferece insights valiosos para a construção de um casamento forte e significativo. Ao incorporar seus princípios em sua vida conjugal, você estará cultivando um ambiente de amor, compreensão e respeito mútuo. Este é o plano de Deus para teu lar! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

domingo, 19 de novembro de 2023

SELADOS POR DEUS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

19 de novembro

SELADOS POR DEUS

Olhei, e eis que o Cordeiro estava em pé sobre o monte Sião. Com Ele estavam cento e quarenta e quatro mil, que tinham escrito na testa o nome do Cordeiro e o nome de Seu Pai. Apocalipse 14:1

Ao longo dos tempos, Deus usou diversos selos ou sinais para distinguir Seu povo. Um dos primeiros selos foi a circuncisão. “Abraão creu em Deus” e “recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé” (Rm 4:3, 11). O que agradou a Deus foi a fé manifestada por Abraão, que era uma resposta ao que o Senhor fizera por ele. O sinal físico era a circuncisão. Esse foi um selo transitório, válido para Abraão e sua descendência. Com a morte de Cristo na cruz, ele perdeu seu valor espiritual (Gl 5:6; 6:15; 1Co 7:19; At 15).

Outro sinal com o qual Deus marcou Seu povo foi o sangue do cordeiro nos umbrais das portas das casas dos israelitas, às vésperas do êxodo (Êx 12:12, 13). Ele funcionava como um selo de proteção. Os que estavam dentro das casas marcadas com o sangue manifestavam fé nas palavras de Deus e obediência a elas, agindo exatamente como Deus havia especificado. Esse selo teve a validade de apenas uma noite.

O sábado é apontado repetidamente como selo de Deus. Ele nos lembra que Deus é nosso Senhor, Criador e Santificador (Êx 31:13, 16, 17; Ez 20:20). Funciona como um selo permanente de propriedade. Distingue os que amam a Deus e guardam Seus mandamentos.

O Espírito Santo também marca os que são filhos de Deus. Aquele que conheceu o evangelho e creu nele foi selado com o Espírito Santo (Ef 1:13; 4:30; 2Co 1:21, 22). Esse é um selo de propriedade que assinala aqueles que pertencem a Deus (Rm 8:9). Para alguém ser selado com o Espírito, deve crer e obedecer, porque o Espírito só é dado àqueles que obedecem a Deus (At 5:32). Esse selo permanece com o povo de Deus até sua redenção final.

Finalmente, há o selo mencionado no Apocalipse que marca os que são propriedade exclusiva de Deus e a Ele se assemelham no caráter, a fim de protegê-los dos juízos que sobrevirão nos eventos finais. Mais uma vez, os que recebem o selo são pessoas de fé e obediência (Ap 14:1, 12). Esse selo permanece por toda a eternidade. Para sempre os remidos refletirão o caráter de Deus e Seu Filho. 

https://youtu.be/-1FhPZp0W_U

Cântico dos Cânticos 4 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 4
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 4 – Este capítulo fala do amor matrimonial. “Aqui se enfatiza a beleza do amor conjugal”, argui Merrill Unger. Desta forma, o livro leva-nos às nossas origens.

A Bíblia Andrews comenta que...

“Em Cântico dos Cânticos, voltamos ao Jardim do Éden. O livro retrata o ideal edênico para o amor sexual humano mesmo após a queda, com os seguintes componentes teológicos: (1) a sexualidade foi criada por Deus; (2) a sexualidade se expressa em um relacionamento heterossexual e monogâmico; (3) igualdade plena dos dois parceiros no relacionamento amoroso; (4) sexualidade holística, na qual os cônjuges necessitam que o outro se entregue por inteiro e que o amor envolva todo o ser (não só o físico); (5) o amor sexual como um relacionamento exclusivo, permanente e íntimo; (6) sexualidade com o fim principal de expressar amor, não de procriar; (7) a sexualidade como um presente pleno, belo e alegre de Deus”.

Baseando-se no capítulo em pauta, extraímos importantes princípios de vida. Considere:

• Reconheça e elogie as características que você acha belas em seu cônjuge.
• Busque desenvolver a habilidade de apreciação mútua da beleza física e interior.
• Aprimore a capacidade de expressar teus sentimentos de amor e apreço de forma positiva.
• Aprenda a usar palavras edificantes para comunicar o quanto seu cônjuge é importante.
• Cultive aceitação mútua, reconhecendo as imperfeições e amando teu cônjuge incondicionalmente.
• Desenvolva intimidade emocional profunda, compartilhando corretamente teus pensamentos, sentimentos e sonhos mais íntimos.
• Demonstre cuidado e proteção para com teu cônjuge, garantindo que ele se sinta amado e seguro.
• Respeite a individualidade de seu cônjuge e celebre as diferenças que contribuem para a complementaridade na relação.
• Mantenha a chama romântica acesa, praticando gestos afetuosos e românticos para manter viva a paixão um pelo outro.
• Reconheça as realizações e esforços de seu cônjuge, incentivando um relacionamento saudável e construtivo.

Ellen White contribui muito com estes ideais ao afirmar: “Todos os que se casam com santo propósito – marido para conquistar as puras afeições do coração da esposa; a esposa para abrandar e aperfeiçoar o caráter do seu esposo e ser-lhe complemento – preenchem o propósito que Deus tem para eles”.

Muitas pessoas fazem tudo errado na ilusão de que tudo vai dar certo. Como precisamos aprender a viver o propósito divino! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sábado, 18 de novembro de 2023

SELADOS OU NÃO?

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

18 de novembro 

SELADOS OU NÃO?

Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo. Ele gritou com voz bem forte aos quatro anjos, aqueles que tinham recebido poder para causar dano à terra e ao mar, dizendo: “Não danifiquem nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até marcarmos com um selo a testa dos servos do nosso Deus.” Apocalipse 7:2, 3

Em linguagem simbólica, o Apocalipse apresenta a trajetória da igreja cristã ao longo dos séculos e milênios até a vitória final. Focalizando os últimos dias da história, revela que haverá dois grupos: os que se posicionam inteiramente ao lado de Deus e recebem Seu selo são apresentados como os 144 mil; os demais, a grande maioria, recebem outro sinal, a marca da besta (Ap 14:1-4; 13:11-17).

Quando o selamento terminar, ocorrerá o que é narrado na última página da Bíblia: “O justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se” (Ap 22:11). Será, então, impossível mudar de lado. O caráter de todos estará definitivamente fixado. Aquele que se apegou a Cristo estará definitivamente estabelecido na verdade, de modo que nada mais poderá afastá-lo do caminho de Deus. Isso significa que o caráter divino e os princípios de Sua lei foram fixados de modo permanente na vida, indicando a posição pessoal assumida no grande conflito entre o bem e o mal.

Tratando disso, Ellen G. White nos diz que “os que estão se unindo com o mundo estão ajustando-se ao padrão secular e se preparando para o sinal da besta. Os que desconfiam do eu, humilham-se diante de Deus e purificam o coração pela obediência à verdade estão recebendo o molde divino e se preparando para receber na fronte o selo de Deus. Quando […] o selo for aplicado, o caráter deles permanecerá puro e sem mácula para toda a eternidade.”

Ela também faz uma advertência: “O selo de Deus jamais será colocado na fronte de homens ou mulheres impuros. Jamais será colocado na fronte de homens ou mulheres presunçosos ou amantes do mundo. Jamais será colocado na fronte de homens ou mulheres de língua falsa ou coração enganoso. Todos os que recebem o selo devem ser sem mácula diante de Deus – candidatos para o Céu.” Por isso, permanece o convite: “Agora é o tempo de nos prepararmos” (Vida e Ensinos, p. 137 [191]).

https://youtu.be/_sPhkKcvjxk

Cântico dos Cânticos 3 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 3
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 3 – Ao destilar sabedoria, Salomão alertou quanto ao perigo da promiscuidade sexual e do privilégio da pureza da intimidade sexual (Provérbios 5:1-7:27). Em meio às fortes advertências contra a impureza sexual, apresentou um oásis para o romantismo:

Seja bendita a sua fonte!
Alegre-se com a esposa de sua juventude.
Gazela amorosa, corça graciosa;
Que os seios de sua esposa
Sempre o fartem de prazer,
E sempre o embriaguem os caminhos dela (Provérbios 5:18-19).

Tanto Provérbios como Cântico dos Cânticos, destaca-se uma paixão viva, uma entrega total entre o esposo e a esposa. A Bíblia revela sabedoria em celebrar o amor conjugal em sua pureza, e o faz naturalmente, utilizando metáforas ricas para descrever a atração e a doçura mútua entre o marido e sua esposa.

Tanto Provérbios, quanto Cântico dos Cânticos destacam alegria, exclusividade e intensidade do relacionamento matrimonial, enfatizando a importância do sentimento, comprometimento e deleite mútuo. Ambos os livros bíblicos revelam claramente que o relacionamento conjugal deve ser valorizado e cultivado corretamente (Cântico dos Cânticos 3:5).

Cântico dos Cânticos 3 é dividido em duas partes no esboço do Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia:

1. A ansiedade da esposa e sua alegria no amor (versos 1-5).
2. A esposa enaltece o marido (versos 6-11).

Desde o início do livro, vários princípios são apresentados para serem aplicados no relacionamento conjugal. Note com atenção os seguintes pontos:

• É certo e sábio aprender a valorizar o cônjuge: “Ah, se ele me beijasse, se sua boca me cobrisse de beijos... Sim, suas carícias são mais agradáveis que o vinho” (1:2).
• É certo e sábio aprender a comunicar-se aberta e claramente com o cônjuge: “...mostre-me o teu rosto, deixe-me ouvir a tua voz; pois a sua voz é suave e o seu rosto é lindo” (2:14).
• É certo e sábio lutar pelo amor: “A noite toda procurei em meu leito aquele a quem meu coração ama, mas não o encontrei... mal havia passado por elas [sentinelas da cidade] quando encontrei aquele a quem o meu coração ama. Eu o segurei e não o deixei ir, até que o trouxe para a casa de minha mãe, para o quarto daquela que me concebeu” (3:1, 4).

Diante disso, vamos reavivarmo-nos? Vivamos espalhando estes princípios de amor! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

sexta-feira, 17 de novembro de 2023

SEGUINDO A ORIENTAÇÃO PROFÉTICA

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

17 de novembro

SEGUINDO A ORIENTAÇÃO PROFÉTICA

Ouçam, agora, as Minhas palavras: se entre vocês há um profeta, Eu, o Senhor, em visão Me faço conhecer a ele ou falo com ele em sonhos. Números 12:6

No final de 1891, Ellen G. White chegou à Austrália, onde permaneceria por nove anos como missionária. Em uma reunião com os pastores, ela procurou incentivá-los a fundar um colégio com indústrias, agricultura e um programa educacional. Este deveria se localizar na zona rural, em uma fazenda. Os dirigentes da igreja relutaram, pois o número de adventistas na Austrália era pequeno, apenas uns 500 membros. Mas escolheram uma comissão para tratar do assunto.

Essa comissão encontrou um terreno localizado 120 quilômetros ao norte de Sydney. Embora sua terra parecesse fraca, arenosa e estéril, era muito barato. Custava o que eles podiam pagar. Resolveram contratar um perito agrícola do governo para analisar a terra e dar sua opinião. Ele fez a vistoria e disse que a terra era muito pobre. Brincando, afirmou que, se um canguru tivesse que atravessá-la, deveria levar seu lanche porque não encontraria nada para comer. Marcaram, então, um dia para conhecer melhor a fazenda e convidaram Ellen White para acompanhá-los.

Em 24 de maio de 1894, na viagem de trem que fez com outras pessoas para examinar o local, a irmã White lhes contou um sonho que tivera vários dias antes. No sonho, um grupo examinava uma terra. Nisso, chegaram dois irmãos dizendo que a terra não era boa. Então, um anjo lhe disse que haviam dado falso testemunho sobre aquela terra e revelou que, se fosse trabalhada do modo correto, produziria frutas e verduras em boa quantidade.
No dia seguinte, tudo o que ela havia visto no sonho e que havia contado para alguns na viagem acabou ocorrendo. Assim, crendo que Deus os estava dirigindo, em 1895, os irmãos compraram aquela terra e ali fundaram o colégio adventista da Austrália, cuja agricultura alcançou um sucesso extraordinário. A instituição também produziu centenas de pastores, professores e missionários para toda aquela região.

Neste dia, não se deixe levar pelas aparências. Deus muitas vezes tem bênçãos onde você menos suspeita. Fique atento à Sua direção, que sempre estará em harmonia com a Bíblia e o dom de profecia. 

https://youtube.com/watch?v=IMSUP5YNj4E&si=VStcMSp6mfc7tuCb

Cântico dos Cânticos 2 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 2
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 2 – O romantismo está presente desde o Jardim do Éden. Assim que Deus fez homem e mulher, o encontro deles foi puramente romântico. Adão compôs a primeira poesia histórica no primeiro momento em que viu a mulher que Deus criara (Gênesis 2:18-24).

Mesmo após a entrada do pecado, Deus pretende que as pessoas desfrutem desse romantismo puro, lindo e divino. Embora o pecado tenha arruinado muito os Seus planos para nós, é possível ser instruído, direcionado e transformado por Ele para usufruir de Seus planos neste mundo corrompido. Falando do livro em análise, a Bíblia do Discípulo salienta:

“Este é um cântico sobre o amor humano escrito no estilo de poesia romântica. O Cântico descreve o ideal edênico para o amor sexual, mesmo após a Queda. É um lembrete para o ser humano de que a sexualidade é um dom criado por Deus para ser desfrutado numa relação heterossexual e monógama. O pacto divino, que ordena a pureza sexual, provê a estrutura correta (casamento) na qual o Seu povo pode experimentar adequadamente o dom da intimidade sexual. O casamento é uma bênção de Deus baseada na lealdade e compromisso, mas é moldada por dois indivíduos com uma natureza pecaminosa, de modo que um casal precisa convidar o Senhor para participar de sua vida matrimonial se quiser cumprir o propósito divino para esta instituição. Assim, um bom relacionamento conjugal não é uma coincidência, mas o resultado de uma árdua batalha contra a orgulhosa natureza humana, influenciada pelo Espírito Santo no coração de homens e mulheres”.

A perversidade humana não apenas deturpa o amor, corrompe inclusive um inspirado cântico de amor. Merrill Unger alega que Cântico dos Cânticos “é uma magnífica pérola literária, considerada eminentemente inocente entre os orientais. É pena que tamanha obra-de-arte seja às vezes pervertida” com interpretações alegóricas.

Para facilitar a interpretação, esboço segundo capítulo baseando-me no Comentário Bíblico Adventista:

• Versos 1-7: O Amor mútuo entre esposa e esposa.
• Versos 8-13: A esperança e o chamado da esposa.
• Versos 14-15: O cuidado do esposo por sua amada.
• Versos 16-17: A ocupação da esposa; sua confiança.

Este conteúdo é um manual matrimonial, do qual deveríamos alimentarmo-nos diariamente para usufruir do plano de Deus para nosso casamento neste mundo de sofrimento! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

quinta-feira, 16 de novembro de 2023

SE FORMOS FIÉIS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA 

16 de novembro

SE FORMOS FIÉIS

Muitos povos e nações poderosas virão a Jerusalém buscar o Senhor dos Exércitos e suplicar o favor do Senhor. Zacarias 8:22

Se Israel tivesse sido fiel ao Senhor, teria sido ricamente abençoado por Ele. Sua imensa prosperidade seria conhecida por todas as nações. Curiosas e interessadas, elas enviariam seus embaixadores para descobrirem o segredo. Então, estando em Israel, esses embaixadores seriam evangelizados e, ao retornarem a seus países, contariam o que haviam visto e ouvido, disseminando o conhecimento de Deus. Com o tempo, muitas nações, de perto e de longe, uniriam-se a Israel em sua adoração ao verdadeiro Deus (Zc 8:20-23).

Alguns episódios narrados no Antigo Testamento servem de ilustração e amostra dessas coisas. Nos dias de Salomão, reis de todos os lugares iam a Jerusalém para conhecê-lo e ver sua glória (2Cr 9:22, 23; 1Rs 4:29-31, 34). A rainha de Sabá foi um exemplo. Ela ouviu sobre a fama de Salomão e foi ver por si mesma. Ficou tão extasiada com a prosperidade de Israel que exclamou: “Não me contaram nem a metade!” Então ela bendisse o Deus de Israel (1Rs 10:1-10; Lc 11:31).

Em outra ocasião, Naamã, o chefe do exército da Síria, foi a Israel em busca de saúde e a encontrou. Sua reação foi: “Agora, reconheço que em toda a Terra não há Deus, a não ser em Israel. […] Este seu servo nunca mais oferecerá holocausto nem sacrifício a outros deuses, a não ser ao Senhor” (2Rs 5:15, 17).

Também nos dias do profeta Isaías, o rei Ezequias teve uma boa oportunidade de evangelizar, mas infelizmente a desperdiçou. Estivera enfermo, bem perto da morte, e o Senhor o havia curado. Como sinal de que se restabeleceria, a sombra no relógio de sol, no palácio, retrocedeu dez graus. Distante dali, na Babilônia, os sábios perceberam o fenômeno e, sabendo que estava relacionado à cura do rei de Judá, enviaram mensageiros a Ezequias. Em vez de falar sobre o Deus que havia restabelecido sua saúde e alterado a rotação normal da Terra, ele se limitou a apresentar suas riquezas (2Rs 20).

Hoje, cada um de nós tem uma missão: ir e pregar. Se formos fiéis, muitos vão se unir ao Senhor.

https://youtu.be/n2yqmhKLKhE

Cântico dos Cânticos 1 -Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Cântico dos Cânticos 1
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


CÂNTICO DOS CÂNTICOS 1 – Alguns intérpretes têm dificuldades de assimilar o teor romântico neste texto sagrado. Contudo, é importante saber que Deus mesmo é o idealizador do casamento, do amor e do romantismo. Portanto, nosso preconceito precisa ser erradicado para que entendamos a real e clara mensagem deste livro inspirado.

Sem fugir para interpretações alegóricas, faremos uma análise literal do texto com suas implicações teológicas, com aplicações práticas para a vida no mundo atual e moderno. Embora tenha sido escrito por Salomão há muito tempo, seus princípios são relevantes e importantes hoje.

Mesmo que todo o livro seja uma coleção de poesia lírica abordando o tema do amor romântico, ele não é menos inspirado e útil para a espiritualidade e a religião que os outros livros bíblicos. Na verdade, ele está no mesmo nível de sacralidade que qualquer dos outros 65 livros da Bíblia.

Este livro poético e amoroso descreve a relação entre um noivo (Salomão) e uma noiva. Seu contexto social e histórico envolve o reinado em Israel como o rei mais sábio e prolífico escritor que era (I Reis 4:29-31). Suas obras eram diversas e extensas: “Ele compôs três mil provérbios, e os seus cânticos chegaram a mil e cinco” (I Reis 4:32). De sua produção literária e musical, Cântico dos Cânticos é incomparável.

A repetição do título é uma característica da escrita hebraica para expressar uma ideia de máxima excelência ou superioridade. Ou seja, é o que chamamos de superlativo, uma forma gramatical usada para indicar que algo ou alguém está no grau mais elevado ou é melhor em sua categoria.

Este Cântico é supremo, é o poema mais excepcional ou a canção mais sublima que Salomão escreveu dos seus 1005 cânticos, único preservado nas páginas bíblicas. O Comentário Bíblico Adventista esboça da seguinte forma seu início:

I. Título, 1:1.
II. O casamento entre Salomão e a donzela Sulamita, 1:2-2:7.
A. Diálogo: A donzela Sulamita expressa admiração pelo noivo. As moças da corte lhe respondem, 1:2-7.
B. Salomão entra: Ele e a noiva trocam mútuas expressões de amor, 1:8-2-7.

Deus almeja que desfrutemos do amor na intimidade no relacionamento entre homem e mulher. Tal prazer não é pecado, é louvável. Esse amor deve ser cultivado em nossa sociedade pervertida, depravada. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

Jovens a serviço

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 18 de maio https://mais.cpb.com.br/meditacao/jovens-a-servico/ Jovens a serviço Expondo estas ...