domingo, 5 de julho de 2020

Pedras nas Mãos de Deus

MEDITAÇÃO DIÁRIA

5 de julho
Pedras nas Mãos de Deus

O que aqueles frágeis judeus estão fazendo? Será que vão restaurar o seu muro? [...] Será que vão conseguir ressuscitar pedras de construção daqueles montes de entulho e de pedras queimadas? Neemias 4:2, NVI

Contemporâneo de Esdras, Neemias serviu como copeiro na corte de Artaxerxes. Homem de confiança, ele recebeu permissão do rei para retornar a Jerusalém e reconstruir a cidade e seus muros em 444 a.C. O luxo da vida palaciana não seduziu Neemias, que sabia da difícil situação de seus compatriotas. Assim, ele renunciou ao conforto e, tendo o coração transbordando de fé e confiança no Altíssimo, entregou-se à desafiadora missão: “Vinde, pois, reedifiquemos os muros de Jerusalém e deixemos de ser opróbrio” (Ne 2:17). A importância da tarefa transcendia a reestruturação física da cidade. Também envolvia a autoestima e segurança de seus moradores.

Era óbvio que tamanha ousadia e coragem não ficariam sem a oposição dos inimigos. Havia Sambalate e os samaritanos, que moravam ao norte, e os povos da Arábia, residentes a sudeste. Neemias tomou providências quanto a eles, mas tinha certeza de que Deus estaria do lado de Seu povo (Ne 4:20). Sambalate ofendeu os judeus com palavras depreciativas, na tentativa de desanimar os envolvidos na tarefa. “O que aqueles frágeis judeus estão fazendo? Será que vão restaurar o seu muro? […] Será que vão conseguir ressuscitar pedras de construção daqueles montes de entulho e de pedras queimadas?”

As pedras aqui referidas, utilizadas na antiga construção de Jerusalém, eram pedras calcárias que perdiam a durabilidade no fogo. Tornando-se assim pouco mais do que poeira, acabavam inúteis para novas construções. Sambalate fixou sua atenção nesse detalhe, mas Neemias viu além; viu o que elas poderiam voltar a ser sob a direção e aprovação divinas. Por isso mesmo, não se ocupou em responder aos inimigos segundo a tolice deles, mas buscou a Deus em oração (Ne 4:4, 5).

Em algum momento da vida, podemos enfrentar o desafio de realizar grandes feitos, tendo à disposição apenas “pedras queimadas”, recursos limitados, restando-nos a fé como única alternativa. Surgirão questionamentos quanto ao que faremos com tão pouco. Esse é o momento de orar e, em vez de nos fazer desistir do dever, precisamos cumpri-lo fielmente.

Pode até ser que sejamos nós mesmos vistos como “pedras queimadas”, inúteis. Alguns questionarão se Deus pode realizar grandes coisas a partir de seres tão limitados como nós. Sim, Ele pode. E muito! Somente espera que nos entreguemos à Sua direção.

Meditações Matinais - De Coração a Coração, Zinaldo A. Santos

Vivendo a Sabedoria - Provérbios 4

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica – Provérbios 4
Comentário: Pr. Heber Toth Armí

Uma das mais importantes missões dos pais é ensinar seus filhos a viverem a sabedoria desde a infância, para que, ao chegar à idade adulta, estes ensinem seus netos a serem sábios.

O viver sábio não acontece de uma vez por todas, é um processo. Está atrelado à educação provida na infância, continuada em uma busca individual durante a vida inteira.

O capítulo em análise visa o amadurecimento moral do indivíduo, o qual deve prender nossa atenção caso valorizamos tal desenvolvimento. As três partes deste capítulo dividem-se pelos três versículos semelhantes (1, 10, 20):

1. Os pais devem conduzir seus filhos no caminho da sabedoria para que eles não descambem cada dia mais pelos obscuros caminhos do mundo. A base do ensino deve ser a “instrução” (Torá), ou seja, a Bíblia. Somente assim, o pai conseguirá inculcar na mente dos filhos que, adquirir sabedoria é o principal negócio da vida (vs. 1-9). Consequentemente, a existência dos filhos de pais que assim procedem será pautada pela…

• Segurança: Quem guarda a sabedoria no coração será guardado por ela das agruras da vida: aids, divórcio, prisão, assassinato, drogas, corrupção, imoralidade, etc.;
• Honra: Quem valoriza a sabedoria, verá que ela torna a vida gloriosa;
• Beleza: Quem preza pela sabedoria experimentará elevados prazeres, pois seus dias serão marcados pelas coisas mais belas da existência.

2. Nós, seres humanos, pecamos; consequentemente definimos nosso destino: A sepultura. Somos culpados, portanto, condenados. Contudo, a graça divina ofereceu-nos opção imerecida: A vida. Deste modo, hoje podemos escolher: O caminho da vida ou o da morte. Somente a sabedoria celestial pode-nos conduzir pelo caminho da vida (vs. 10-19).

• Os caminhos do pecado são caracterizados pela impaciência, problemas, estresses, perversidades, trevas, ignorância, violência, ingenuidade, misérias, tristezas, insignificância e amarguras até a morte;
• O caminho da vida é um confiante avançar das penumbras do pecado à luz da Palavra divina, ou seja, aproximar-se de Jesus que conduz à eterna felicidade (João 14:6).

3. Para ser verdadeiramente feliz (vs. 20-27) cada jovem deve…

• Relembrar sempre os ensinamentos da Palavra de Deus;
• Afastar-se de toda forma de corrupção;
• Manter o corpo e a mente em excelentes condições;
• Escolher excelentes amigos;
• Rejeitar constantemente a loucura para depender da sabedoria.

Atenção: Escolha, hoje, teu destino: Vida ou morte! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

sábado, 4 de julho de 2020

Lembrados Para Sempre

MEDITAÇÃO DIÁRIA
4 de julho
Lembrados Para Sempre

Eis que nas palmas das Minhas mãos te gravei. Isaías 49:16

Memória Autobiográfica Altamente Superior (HSAM, sigla em inglês), hipertimesia ou síndrome da supermemória são nomes que identificam um distúrbio raríssimo que leva seus portadores a se lembrar, com riqueza de detalhes, de quase tudo o que ocorreu na vida deles. O norte-americano Robert Petrella, por exemplo, consegue fixar na mente todos os números de telefones gravados no celular. Se olhar a fotografia de apenas um lance de uma partida disputada por seu time de futebol americano favorito, Petrella consegue precisar a data em que o jogo foi realizado e o placar, mesmo depois de muito tempo. Desde 1980, Jill Price, a primeira pessoa diagnosticada com essa síndrome, conseguia se lembrar do que lhe aconteceu todos os dias.

Evidentemente não se trata de algo normal, e os portadores da síndrome têm sua cota de sofrimento. O comum é nos esquecermos de alguns fatos, pessoas, experiências e situações que ficaram para trás em nossa jornada. Esquecer é humano; porém, temos à nossa disposição os benefícios de uma supermemória, absolutamente infalível, que não é a nossa nem é distúrbio. Trata-se da memória de Deus, na qual o aplicativo da graça deleta nossa maldade (Is 45:23) e, ao mesmo tempo, grava para sempre nossa identidade.

Podemos ser esquecidos pelas pessoas, assim como também podemos nos esquecer delas, mas não existe nada capaz de fazer com que Deus Se esqueça de nós. Quando cai o pano, fechando o palco de nossa vida, ou mesmo antes disso, amigos, colegas de trabalho e até familiares podem se esquecer de nós. Deus não. Assim como fez ao povo de Israel nos dias de Isaías, O Senhor nos assegura hoje: “Eis que nas palmas das Minhas mãos te gravei” (Is 49:16). Nas palavras de Siegfried Schwantes, “as marcas dos cravos nas mãos de Cristo constituem uma garantia perene de que nenhum crente que depositou sua esperança em Deus será esquecido” (Revista Adventista, abr/2000, p. 10).

Sentindo a vida esvair-se, agarrando-se à última chance de salvação, o ladrão na cruz suplicou: “Jesus, lembra-Te de mim quando vieres no Teu reino” (Lc 23:42). De fato, esse pedido traduz o desejo de todos nós. Não existe nada mais confortador do que a certeza de estarmos presentes na memória do Cristo glorificado. A promessa feita ao ladrão convertido chega a cada um de nós: “Estarás Comigo no paraíso” (Lc 23:43). Podemos ter certeza disso. Agora e em Sua glória, Ele não Se esquece de nós.

Meditações Matinais - De Coração a Coração, Zinaldo A. Santos

Bençãos da Sabedoria -Provérbios 3

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica – Provérbios 3
Comentário: Pr. Heber Toth Armí

O livro de Provérbios não é secular; é tão espiritual quanto qualquer outro, tão inspirado quanto os livros de Génesis a Apocalipse. Sua ênfase, contudo, é como viver a verdadeira religião em um mundo puramente secular, materialista, paganizado e pervertido moral, social e espiritualmente.

No Novo Testamento, tem um livro reflete melhor os ensinos de Provérbios. Ele revela duas fontes de sabedoria: A divina e a diabólica. Ou você tem a primeira ou a segunda – não tem como não ter nenhuma delas (Tiago 3:13-18). A segunda nos vem naturalmente; a primeira, sobrenaturalmente.

O terceiro capítulo de Provérbios apela-nos a vivermos a sabedoria divina, a qual não nos vem naturalmente, mas sobrenaturalmente – quando buscamos ao Deus Onisciente.

O capítulo em pauta pode ser dividido em três partes:

1. Lista de seis ordens e incentivos para elas (vs. 1-12):

a) Guarde no coração os conselhos ensinados em Provérbios;
b) Agarre forte ao amor e à lealdade para que vivas bem diante de Deus e das pessoas;
c) Confie profundamente de todo coração em Deus para resolver qualquer situação;
d) Fuja do pecado e seus atributos; refugie-se em Deus e em Seus ensinamentos;
e) Coloque Deus em primeiro lugar sempre, seja no trabalho ou no uso do salário;
f) Aceite a disciplina divina, pois ela corrige nossa vida para que nossa existência seja melhor a cada instante.

2. As bênçãos oriundas da sabedoria divina (vs. 13-26):

a) Seu valor é maior do que riquezas, dinheiro, ouro ou joias;
b) Com ela teremos a alma protegida e radiante de felicidade;
c) A sabedoria nos mantém saldáveis e alegres;
d) Com ela temos tranquilidade, bons sonos e paz;
e) Apoiados nela, estamos livres e seremos absolvidos no dia do juízo.

3. Mandamentos divinos que, obedecidos, colocam-nos no caminho da sabedoria (vs. 14-34):

a) Ajude ao próximo com generosidade e amor;
b) Não tire vantagem de ninguém;
c) Não cause brigas.

Salomão conclui: “Quem vive com sabedoria terá recompensa com honras; a vida insensata só recebe prêmio de consolação” (v. 35).

“Do começo ao fim, Provérbios lida com preocupações práticas do indivíduo que conhece a Deus. O livro ensina o fiel a viver” (Duane A. Garret).

Coloque Deus acima de tudo e viva com sabedoria em toda situação! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Ser sábio – Provérbios 2

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica – Provérbios 2
Comentário: Pr. Heber Toth Armí

Ser sábio – eis o segredo da vida! A felicidade verdadeira depende do nível de nossa sabedoria. A paz constante em nosso coração depende de agir sempre pautado pela sabedoria autêntica.

• Sem sabedoria, a vida é uma loucura – cada dia despenca para o precipício da amargura (veja Provérbios 1:7, e o restante do capítulo).

A introdução do Livro de Provérbios termina só no capítulo 9. Portanto, ainda não adentramos literalmente no estudo dos provérbios bíblicos. Antes de considerarmos o capítulo em pauta, anote isso em um caderno de estudo (ou em tua própria Bíblia):

1. O autor de Provérbios é o Espírito Santo, mas o escritor em sua maior parte foi Salomão, o qual plantou um jardim (Eclesiastes 2:5) e desenvolveu seu conhecimento de:

a) Botânica;
b) Agronomia;
c) Zoologia;
d) Ornitologia;
e) Entomologia;
f) Ictiologia.

2. Salomão escreveu 3.000 provérbios; dos quais, cerca de 600 foram preservados na Bíblia.

3. Salomão compôs 1005 músicas, das quais temos os Salmos 72 e 127, e também a mais sublime das músicas românticas: Cântico dos cânticos.
Como pode alguém ter sido, assim, tão sábio? De I Reis 4:29-34 destaca-se as seguintes explicações: A sabedoria…

• …é um dom de Deus, pois sendo Onisciente é a fonte da sabedoria;
• …é dada por Deus como, quando, quanto e a quem Ele quiser, dependendo da atitude de quem O busca;
• …originada em Deus supera a qualquer conhecimento adquirido neste mundo independente dEle.

Voltemos ao capítulo em questão: Provérbios 2. Ali encontramos que, para obter sabedoria é necessário…

• …Dedicar-se a buscá-la incessantemente. É preciso incessante esforço devido à imensurável ignorância e tolice em nossa sociedade. Portanto, a sabedoria é uma raridade, acessível aos piedosos (vs. 1-4).

• …Envolver-se com Deus a ponto de tornar-se discípulo dEle. Sua criação e Sua revelação (a Bíblia) são formas dEle comunicar sabedoria aos seres humanos pecadores, mas precisamos dEle para recebermos explicação correta e alcançarmos interpretação verdadeira (vs. 5-6).

• …Ignorar, desprezar a tolice/loucura que presenteia-nos com decepções, tristezas, aflições e angústias, para dedicar-se a obter sabedoria, a qual protege-nos das agruras da vida, supera todas as riquezas, e traz o conhecimento de nosso Criador (vs. 7-10).

“Provérbios não é autorretrato, nem um livro de etiqueta. Na verdade, contém a chave da vida” (Derek Kidner). Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

Traje de Gala

MEDITAÇÃO DIÁRIA

3 de julho
Traje de Gala

Entrando, porém, o rei para ver os que estavam à mesa, notou ali um homem que não trazia veste nupcial e perguntou-lhe: Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? E ele emudeceu. Mateus 22:11, 12

Ninguém discute o fato de que a utilização de roupas é parte do bom senso, da ética humana e dos valores sociais, sendo indispensável a todas as pessoas. Algumas se esmeram no fator atratividade, outras se limitam ao aspecto protetor ou à simplicidade. Essa diferença tem suscitado, às vezes, tratamento discriminador entre os dois grupos, ao ser atribuída condição superior de importância às pessoas que se vestem sofisticadamente em detrimento das outras.

Embora devamos condenar essa acepção (Tg 2:2-4), é verdade que ocasião, tempo, lugar, aspectos culturais, simbolismos religiosos, equilíbrio, bom gosto e recato são alguns fatores que definem a pertinência ou não de uma vestimenta. Há sempre uma razão de ser no uso de vestes. Elas podem servir como cartão de apresentação de uma empresa, quando uniformemente usadas por servidores, ou como fator de igualdade social nas escolas. Profissionais de saúde usam vestes brancas. No Antigo Testamento, as vestes sacerdotais eram carregadas de significado. Em nossos dias, clérigos costumam vestir roupas solenes e cores sóbrias.

Na Bíblia, cobrir-se com pano de saco era expressão de grande humilhação. O impacto da tristeza pela morte dos filhos levou o patriarca Jó a rasgar o manto (Jó 1:20). Jesus chamou atenção para a veste da pretensão dos mestres da lei (Lc 20:46). Despojado de Suas vestes, Ele mesmo recebeu um “manto vermelho” da zombaria (Mt 27:28). O filho pródigo, ao voltar para casa, foi agraciado com roupas de justiça e perdão (Lc 15:22). No clímax da história da redenção, os remidos estarão enfileirados, usando vestes brancas de pureza e santidade (Ap 7:9, 14).

Nosso verso bíblico, é parte da parábola na qual Jesus falou do convite para as bodas, o qual foi rejeitado pelos judeus. Diante disso, o chamado foi estendido a todos quantos fossem encontrados nas ruas. Contudo, sendo um banquete de casamento, o traje deveria ser a rigor. Uma investigação foi realizada, sendo descoberto alguém que não estava devidamente vestido para a ocasião. O resultado de trajar-se com vestes de sua escolha, compra ou confecção foi trágico para o intruso.

Há um banquete celestial à nossa espera. Vivemos no período em que o Rei faz a revista dos convidados encontrados no livro da vida. Nessa investigação, espera-se que ao serem encontrados eles tenham sido banhados no sangue do Cordeiro e estejam trajando as vestes da justiça de Cristo.

Meditações Matinais - De Coração a Coração, Zinaldo A. Santos

quinta-feira, 2 de julho de 2020

O Estranho Seguidor

MEDITAÇÃO DIÁRIA

2 de julho
O Estranho Seguidor

Um jovem, vestindo apenas um lençol de linho, estava seguindo Jesus. Quando tentaram prendê-lo, ele fugiu nu, deixando o lençol para trás. Marcos 14:51, 52, NVI

A identidade do jovem mencionado no texto está envolvida em conjecturas. A tradição cristã e alguns eruditos têm identificado o rapaz como o próprio João Marcos, tido como autor desse evangelho. Um dos argumentos é o fato de que, em outra situação de perigo, ele abandonou Paulo e Barnabé na primeira viagem missionária feita por eles (At 13:13). Há também a tradicional especulação de que a última ceia teria ocorrido em sua casa, razão pela qual os soldados se dirigiram para lá em busca de Jesus. Estando dormindo, ele teria acordado e, assustado, correu sem se vestir devidamente. De acordo com o costume antigo de se expressar, o jovem não estaria totalmente despido, mas envolvido por um lençol e vestido com roupas íntimas.

Contrariando a crença de que o jovem era Marcos, há o argumento de que, no momento da prisão de Cristo, todos os discípulos haviam fugido (Mc 14:50), o que torna inviável a presença dele. Além disso, embora a narrativa pareça ter sido feita por uma testemunha, esse não seria o caso desse evangelho. Marcos foi um narrador que relatou fatos que chegaram a seu conhecimento. Papias de Hierápolis, escritor do 2o século, afirmava que Marcos apenas reproduziu as lembranças de Pedro.

À parte dessas opiniões, tudo indica que Jesus era tão especial para aquele moço que pouca importância deu ele à sua condição, a fim de estar perto do Mestre. Embora tenha fugido, aparentemente depois de ter resistido ao ataque da turba, permanece o fato de que nenhuma barreira de constrangimento por não estar devidamente vestido foi tão forte para impedi-lo de se aproximar de Cristo. A veste material não lhe parecia mais importante que a veste espiritual do amor, da graça e aceitação de Jesus.

Séculos antes dessa ocorrência, no Éden, Adão e Eva se viram despidos de sua pureza e santidade (Gn 3:7). Então, “sentiam temor pelo futuro, a falta de alguma coisa, uma nudez de alma. […] Sentiram uma carência que nunca tinham experimentado antes” e tomaram eles mesmos providência para cobrir a nudez (Ellen White, História da Redenção, p. 38). No Apocalipse, a igreja de Laodiceia esconde a própria nudez, sob as vestes tecidas dos próprios méritos (Ap 3:18). Entretanto, nem folhas de figueiras de um cristianismo superficial nem as finas vestes laodiceanas de nossos melhores feitos cobrem a nudez espiritual. A graça de Cristo é a única cobertura a que devemos recorrer.

Meditações Matinais - De Coração a Coração, Zinaldo A. Santos

Pedras nas Mãos de Deus

MEDITAÇÃO DIÁRIA 5 de julho Pedras nas Mãos de Deus O que aqueles frágeis judeus estão fazendo? Será que vão restaurar o seu muro? [...