quarta-feira, 31 de março de 2021

Cego de um olho e surdo de um ouvido

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Quarta-feira, 31 de março

Cego de um olho e surdo de um ouvido

Acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição. Colossenses 3:14

Conflitos, desentendimentos e desarmonias entre as pessoas estarão conosco no lar, na igreja e no trabalho enquanto a depravação do pecado poluir a humanidade. Devemos lembrar, contudo, que há algo no nome do Senhor Jesus Cristo capaz de diluir a hostilidade e o espírito de revanche.

Charles Spurgeon, conhecido pregador do século 19, em Londres, Inglaterra, tinha um amigo pastor, Newman Hall, que escreveu um livro intitulado Come to Jesus [Venha a Jesus]. Outro pregador publicou um artigo no qual ridicularizava Hall. Este, pacientemente, tolerou a ofensa por algum tempo. Mas, quando o ataque ganhou popularidade, Hall assentou-se e escreveu uma carta de protesto. Sua resposta estava cheia de retaliações, linguagem irônica, sarcasmo e revanche. Superava qualquer coisa no artigo que o atacava. Antes de enviar a carta, o Dr. Hall levou-a para que Spurgeon desse sua opinião.

Spurgeon leu a carta cuidadosamente e a entregou de volta a seu autor. Afirmou que era perfeita e que o autor do artigo ofensivo merecia uma resposta como aquela. “Mas”, acrescentou o grande pregador, “nela falta uma única coisa”. Depois de uma pausa, Spurgeon continuou: “Sob sua assinatura, você deve escrever as palavras ‘Autor de Come to Jesus’”. Os dois homens se olharam por alguns minutos. Então Hall rasgou sua carta. Ele entendeu que aquela resposta era inapropriada diante do nome de Cristo. Imprópria para o homem que escrevera um livro sobre ir a Jesus.

Você tem pessoas difíceis em sua vida? Um inimigo a quem você não pode perdoar? Alguém o difamou e o ofendeu? Você se considera um cristão e sabe do que foi perdoado por Ele? O mesmo Charles Spurgeon pregou um poderoso sermão, com o título “Cego de um Olho e Surdo de um Ouvido”. O texto foi me enviado por um amigo, para ser traduzido, e tem sido uma bênção extraordinária para mim. Segundo Spurgeon, se o atacarem ou falarem de você, não vá atrás, não busque saber, não tire satisfação. Isso não é para seu benefício. Para Spurgeon, não devemos ver ou ouvir tudo o que falam a nosso respeito. A razão? Nós somos essencialmente piores do que tudo aquilo que puderem falar de nós. Assim, eles não estão completamente errados!

Amin A. Rodor, 28/5/2014

Revelação do Juiz e do juízo

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 


Leitura Bíblica - Naum 1

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Incrivelmente Deus une justiça e misericórdia! Naum nos revela e esclarece muitos temas teológicos. Observe:

Assíria, no século VII a.C., representava toda nação que se opunha a Deus. Enquanto ela causava pavor ao povo judeu, o próprio Deus preparava a sentença para quem parecia inatingível.

Contudo, como diz Eugene Peterson, “a maneira característica de Deus agir é no silêncio e por meio da oração… Se estamos condicionados a reagir apenas a tudo que faz barulho e a coisas grandes, vamos perder a palavra e a ação de Deus”.

Embora Naum expusesse a realidade vivida pelos pagãos, Peterson garante que sua “finalidade não é fomentar o ódio religioso contra o inimigo, mas dizer: ‘Não admirem esses inimigos nem se sintam intimidados por eles. Eles serão julgados pelos mesmos padrões que nós’”.

• Desta forma, não há como fugir da mensagem do profeta; ela nos adverte tanto quanto advertiu aos judeus do passado.

O primeiro capítulo pode ser dividido em duas partes:

1. Revelação do Juiz e do juízo (vs. 1-7): Deus é um Juiz sério. Ele é justo e vinga com justiça. Sua justiça fundamenta-se em Sua paciência; a qual, porém, não anula Seu poder. Contudo, aos que O buscam em qualquer situação encontrarão refúgio em Sua presença misericordiosa. Assim, a única forma de sermos absolvidos no dia do juízo é aliando-se ao divino Juiz!

2. Revelação do julgamento celestial (vs. 8-15): Cidades opulentas, aparentemente invencíveis, se orgulham de sua política e filosofia contrárias aos princípios do Céu revelados na Bíblia; nações opressoras, que exploram os fracos… no dia do juízo pagarão pelo que fizeram – eis a intervenção divina para libertar os crentes.

“O texto afirma que Deus é zeloso, vingador e cheio de ira, mas também tardio em irar-se e grande em poder […] O zelo do senhor é o zelo bom e justo de um marido pela esposa a quem ama, não um zelo que inveja a felicidade dos outros” (William MacDonald).

Chafurdando-se numa sociedade cruel, busquemos piedosamente ao bondoso Deus. Observe o versículo sete: “O Senhor é bom, um lugar de refúgio em tempos difíceis. Ele reconhece e recebe qualquer um que busca ajuda, não importa o tamanho do problema”.

Podemos nos alegrar e nos reavivar com Deus! Confiaremos plenamente nEle? –Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

terça-feira, 30 de março de 2021

Filho pródigo

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Terça-feira, 30 de março

Filho pródigo

E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. Lucas 15:20

Lucas 15 é a seção dos achados e perdidos da Bíblia. Ali estão três parábolas que mostram a busca incessante de Deus: a ovelha perdida, a dracma perdida e o filho pródigo. A história do filho pródigo é a maior e mais tocante das três. Aliás, poderíamos facilmente chamá-la de parábola do pai amoroso. Para entendê-la melhor, vamos analisar duas perguntas aparentemente óbvias.

A primeira é: Se o pai era tão bom, por que o filho decidiu sair de casa?

Saiu porque tinha liberdade para sair. Deus nos criou livres e, embora nossas escolhas possam machucar Seu coração, Ele continua a respeitar nosso livre-arbítrio.

Saiu porque se cansou da rotina do lar. O filho estava aborrecido com o mundo tranquilo da fazenda. Olhava com desprezo a vida monótona de agricultor e considerava sua vida uma prisão. Para ele, tudo ali era sem graça. Queria mais agitação.

Saiu porque queria conhecer o desconhecido. Talvez tenha ido para alguma cidade grande da época em busca de diversão e liberdade. Desejando o desconhecido, destruiu o que era conhecido: sua família.

Ainda podemos perguntar: Se o filho queria tanto sair, por que depois quis voltar?

Voltou porque tinha liberdade para isso. No plano da redenção, Deus sempre busca salvar o ser humano. Ninguém foi tão longe que não possa voltar nem é tão pecador que não possa ser aceito novamente por Deus.

Voltou porque sentiu saudade. A saudade é um instrumento do Espírito Santo que nos faz lembrar a felicidade que temos ao lado de Deus. O filho se lembrou dos dias felizes de sua infância e adolescência.

Voltou porque precisava ser perdoado. O filho sabia que havia magoado profundamente o pai. Precisava acertar as contas.

Quanto a você, esteja certo de que “Cristo jamais abandonará a pessoa por quem Ele morreu. A pessoa poderá deixá-Lo e ser vencida pela tentação; ­Cristo, porém, jamais Se desvia daquele por quem pagou o resgate com a própria vida” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 118, 119). Qualquer pessoa pode ter um novo começo, uma nova oportunidade. O importante é correr para os braços do Pai.

Erton Köhler, 7/4/2019

Religião Decadente - Miquéias 7

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 7

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Em seu livro pioneiro intitulado “Em busca de sentido” Viktor F. Frankl, prisioneiro de um campo de concentração nazista, observou que as pessoas que criavam fantasias e geravam esperanças surrealistas de sair do campo de concentração, e em seguida tinham sua esperança frustrada, entravam em um colapso nervoso, ficavam mais dispostas a doenças e morriam pouco tempo depois.

A esperança é a mola propulsora aos pecadores para enfrentarem com fé as dificuldades que visam minar os princípios divinos.

As promessas de Deus não promovem esperanças surrealistas. No decorrer da trajetória israelita, Deus sempre levantou profetas para avivar sua esperança. No cristianismo não é diferente – leia com atenção ao livro de Apocalipse.

Agora volte ao último capítulo do profeta Miqueias. Veja com atenção cada um destes pontos:

• Diante do desespero da religião decadente, de uma sociedade depravada, de líderes políticos corrompidos e laços familiares em extinção (vs. 1-6), só resta esperar em Deus (v. 7).

• Diante de qualquer situação caótica, deplorável e desesperadora, a intervenção divina pode promover disciplina, correção, instrução, esperança e restauração. Através da esperança Deus anseia moldar o coração de Seu povo carente de direção (vs. 8-14);

• Diante das impossibilidades do povo, Deus é capaz de operar grandes maravilhas que, com as quais, impactará o coração dos incrédulos e pagãos (vs. 15-17);

• Diante das terríveis e tenebrosas façanhas do pecado e do destino assustador do pecador, só a misericórdia, compaixão e perdão divino para levar-nos a confiar e esperar no Deus que é fiel às Suas promessas (vs. 18-20).

Miqueias significa “quem é como Deus?”; ele termina seu livro com a pergunta: “Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas…?” A resposta é obvia: Ninguém é como Deus!

Observe atentamente com oração:

• Quando o trio do mal (pecado, transgressão e iniquidade) se levanta contra nós, Ele envia o trio do bem (misericórdia, compaixão e perdão) a favor de nós.

• Quando os deuses pagãos exigia o sacrifício dos filhos da humanidade, Deus entrega Seu próprio Filho para nascer, viver e morrer pela humanidade.

• Quando Deus oferece o perdão para quem perece a destruição, não há como não cantar e testemunhar alegremente de um Deus sem rival, incomparável em Seus feitos.

Com uma mensagem como esta só nos resta esperar nEle! – Heber Toth Armí.

Escreva como a mensagem de Miqueias te impressionou:

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

segunda-feira, 29 de março de 2021

Torres inacabadas

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Segunda-feira, 29 de março

Torres inacabadas 

 Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se. Mateus 27:5

Judas é símbolo de uma torre inacabada. Ele não foi chamado por Jesus, mas se apresentou, solicitando um lugar no círculo íntimo dos discípulos. Queria estar na companhia do Senhor, mas não O queria no coração.

Apesar de não ter sido chamado para ser um dos 12, podia ter se tornado um seguidor do Mestre. Mas, mesmo tendo estado tão perto de Jesus, não se deixou moldar pelo poder divino. Ele até sentiu a influência daquele poder, mas não abriu o coração a Cristo. Diz Ellen White: “Em vez de andar na luz, esse discípulo preferiu conservar seus defeitos. Maus desejos, impulsos vingativos, pensamentos sombrios e maus eram nutridos, até que Satanás assumiu completo domínio sobre ele” (O Desejado de Todas as Nações, p. 228).

Lamentavelmente, Judas ficou só nas intenções. É o que se vê muito, hoje em dia, entre os professos cristãos. Começam, mas não terminam. São torres não concluídas. É perigoso brincar de ser cristão. Religião não é entretenimento.

Conheci um jovem chamado Pedro. Era rebelde e insubmisso. Certo dia, ao final de uma semana de oração, ele atendeu a um apelo do pastor Hoffmann. Todos os alunos do colégio ficaram admirados e felizes. Pedro estava animado. Lia a Bíblia, orava, ia às reuniões, pedia conselhos. Algo tinha mudado em sua vida. Mas, pouco tempo depois, ele desistiu. Anos depois, eu o encontrei separado da esposa e metido nas drogas. Convidei-o para ir à igreja, dei-lhe conselhos, mas não se interessou. Vi-o muitas vezes passar por mim, e como era triste notar que ele era apenas uma sombra, uma torre inacabada!

O jovem Eliseu aceitou o chamado divino e jamais desistiu. Deixou-se transformar pela graça celestial. Certo dia, ao vê-lo passar, uma mulher disse ao marido: “Vejo que este que passa sempre por nós é santo homem de Deus” (2Rs 4:9).

Ninguém resiste à beleza de uma torre completa, bem acabada. Paulo nos deixou estas animadoras palavras: “Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Fp 1:6). O segredo da vida vitoriosa consiste em começar pela graça e terminar pela graça.

Rubens S. Lessa, 7/2/2000

Deus Quer Justiça e Misericórdia -Miquéias 6

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 6

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Deus é sensivelmente intolerante à hipocrisia. “O hipócrita não pode curtir a verdadeira espiritualidade, pois está envolvido pela aparência e não pela essência, absorto em si mesmo e não em Deus. O hipócrita fica parado naquilo que a espiritualidade aparenta ser” (Brennan Manning).

Observe com atenção que, para Álvaro César Pestana o livro profético de Miquéias tem três grandes ensinamentos:

1. Deus sente-se pessoalmente ofendido quando ocorrem injustiças sociais: Opressão e ganância não são pequenas faltas da sociedade humana que não têm nada a ver com Deus ou com a religião. Miqueias mostra que os pecados no trato de uns para com outros serão punidos pelo justiceiro maior, Deus.

2. A falsa segurança logo será desmascarada: Os judeus sempre achavam que por serem povo de Deus, guardiões do templo, nenhuma desgraça os alcançaria (3:11-12). Mas não há escape para quem provoca a ira de Deus. Não há refúgio.

3. Deus quer nosso coração e consagração e não apenas obediência externa: Este problema antigo e moderno ainda perturba os homens. É necessário adorar a Deus no dia a dia e não apenas nos momentos designados de “culto”.

O capítulo em pauta está relacionado com a hipocrisia, ou o legalismo. Fica claro que ninguém consegue salvar-se, mesmo oferecendo ou fazendo a Deus ofertas ou obras grandiosas.

• A falta de relacionamento íntimo e dependência de Deus a tal ponto de refletir a justiça e a misericórdia na prática resultará em uma religião enfadonha (vs. 1-8).

• Injustiça, exploração e opressão social presentes nos crentes que dizem servir a Deus atraem o julgamento e não livramento do Deus Onipotente, pois usar a máscara da religião significa pecar em nome de Deus e isso significa difamar o Seu santo nome (vs. 9-16).

“A primeira mensagem de Miqueias foi apresentada como uma cena que se desenrola no tribunal, e essa forma se repete em sua terceira mensagem. O Juiz declarou a acusação (Mq 6:1-8), pronunciou a sentença (Mq 6:6-7:7) e, em sua graça, prometeu misericórdia (Mq 7:7-20)! Miqueias usou esses fatores – culpa, castigo e misericórdia – como argumentos para suplicar ao povo que se arrependesse e que voltasse para o Senhor” (Warren W. Wiersbe).

Vamos rejeitar à hipocrisia! Sejamos súditos do reino do Messias! “Senhor, reaviva-nos para que sejamos íntegros!” – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

domingo, 28 de março de 2021

Perseguição

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Domingo, 28 de março

Perseguição

Sereis odiados de todos por causa do Meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo. Mateus 10:22

Não há necessidade de pensar que não podemos sofrer perseguição; teremos de passar por tempos terríveis (Review and Herald, 29 de abril de 1890).

As perseguições dos protestantes pelos católicos, pelas quais foi quase aniquilada a religião de Jesus Cristo, serão mais que superadas quando o protestantismo e o papismo estiverem unidos (Manuscrito 30, 1889).

O povo de Deus que guarda os mandamentos dentro em breve será colocado em posição muito difícil; mas todos os que têm andado na luz, que a têm difundido, reconhecerão que Deus intervém em seu favor. Quando tudo parecer o mais proibitivo, então revelará o Senhor o Seu poder aos Seus fiéis. Quando a nação pela qual Deus tem trabalhado de maneira tão maravilhosa, e sobre a qual tem lançado o escudo da onipotência, abandonar os princípios protestantes, e pela sua legislação der proteção e apoio ao catolicismo no limitar a liberdade religiosa, então atuará Deus com Seu poder em favor de Seu povo que é fiel. Será exercida a tirania de Roma, mas Cristo é o nosso refúgio (Testemunhos Para Ministros, p. 206).

Quando as principais igrejas dos Estados Unidos, ligando-se em pontos de doutrinas que lhes são comuns, influenciarem o Estado para que imponha seus decretos e lhes apoie as instituições, a América do Norte protestante terá então formado uma imagem da hierarquia romana, e a aplicação de penas civis aos dissidentes será o resultado inevitável (O Grande Conflito, p. 374).

As Escrituras ensinam que o papado deverá readquirir sua supremacia perdida, e que os fogos da perseguição serão reatados por meio das concessões oportunistas do chamado mundo protestante. Neste tempo de perigo só podemos subsistir na proporção em que temos a verdade e o poder de Deus. […] A perspectiva de ser levado a perigo pessoal e aflição não deve causar acabrunhamento, mas avivar o vigor e as esperanças do povo de Deus; pois o tempo de seu perigo é a ocasião para Deus lhes conceder mais claras manifestações de Seu poder (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 367, 370).

Ellen G. White, 5/7/1977

Cidade Natal do Messias -Miquéias 5

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 5

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Antes de Jesus nascer, Sua cidade natal estava profeticamente prevista. Além de tantos outros detalhes, Belém era a cidade indicada para receber o Messias.

• Belém seria a cidade natal do Messias!

Mergulhe fundo nas páginas sagradas e maravilhe-se não apenas com as profecias, mas também com a vinda do Filho de Deus, o Salvador do mundo. O capítulo em pauta oferece muitíssimas informações, princípios e lições de vida para este dia.

• Belém era a cidade de Davi (Gênesis 35:16), a Casa do pão; ela receberia o Pão da vida. Jesus nasceu e seu alvo era morrer (Miqueias 5:1-2). Como um bebê veio ao mundo, cresceu e viveu para revelar o plano divino. Seus inimigos O feriram (Marcos 15:19), mas em breve Ele ferirá a todos os Seus inimigos (Apocalipse 19:1-21).

• A revelação é progressiva, Miqueias não separa tão claramente a primeira vinda de Cristo da segunda. O capítulo 5:2 fala de Seu nascimento. E, nos versículos 3 a 6, revelam o tempo do reino absoluto de Cristo que se dará em Sua segunda vinda e o remanescente será salvo e estará em paz (Lucas 2:14; II Tessalonicenses 2:7-8).

• O Libertador salvará o pecador, mas devido a aceitação de poucos, somente um remanescente será considerado povo de Deus. Embora sejam poucos, Deus os abençoará reavivando com o orvalho de Sua graça, fortalecendo como um leão e protegendo dos adversários (vs. 7-9; ver 2:12-13).

• A salvação não se encontra na confiança de si mesmo, isso é orgulho que a impede. Ela também não está nas riquezas e forças militares ou políticas, nem em poderes religiosos, feitiçarias e idolatrias; somente no Messias (vs. 10-15).

Os reis do Oriente sabiam que o Rei dos judeus nasceria. Os conhecedores das profecias também. Mas, diferentemente dos judeus, os reis estavam interessados no Filho de Deus. Eles foram sozinhos adorar ao Messias em Belém, após serem informados pelos melhores eruditos e teólogos da época.

Indiferença gera descrença e desconfiança. O antigo povo de Deus, embora conhecedor, não levou a sério a revelação de Deus (Mateus 1:1-12). E… nós, a valorizamos?

A mudança de nossa história começou em Belém! Tomara que nenhum de nós seja indiferente também diante no nascimento de Jesus, o qual é O real sentido do Natal! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

sábado, 27 de março de 2021

Abençoou-o e o santificou

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Sábado, 27 de março

Abençoou-o e o santificou

E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera. Gênesis 2:3

Um inteligente e consagrado brasileiro tinha uma banca de laranjas no mercado de uma pequena cidade. Suas laranjas eram as melhores do mercado, e seu preço estava sempre um pouco abaixo do que nas demais bancas. Possuía muitos clientes, incluindo o padre da igreja católica próxima ao mercado. Fechava sua banca na metade da tarde de cada sexta-feira e a mantinha fechada todos os sábados. O sacerdote o visitava com frequência e conversavam, mesmo que brevemente, como dois grandes amigos. Um dia, o pároco chegou à sua banca, de muito bom ânimo, e retomou o tema da constante conversação.

   – José, você perde dinheiro a cada sábado. Somos muitos os que compraríamos de você neste dia. Você é um homem bom, e suas laranjas são excelentes. Não é justo que seja prejudicado. Depois de tudo, Deus vai salvá-lo de qualquer maneira.

   – Muito obrigado, padre, mas não creio que eu esteja perdendo dinheiro algum. O senhor não compra no sábado, porém cada sexta-feira leva tudo o que precisa para o final de semana. O mesmo ocorre com os outros.

   – De qualquer forma – disse o sacerdote – não há diferença entre um dia e outro. Todos os dias da semana são iguais. Têm as mesmas horas, uma parte do dia e outra da noite, não há nada que distinga um dia do outro.

Tentando ensinar uma lição a José, o padre escolheu sete laranjas de tamanho grande, todas iguais, e as colocou uma após a outra. Apontando para elas disse:

   – Olhe, esta é o primeiro dia, a que vem depois é o segundo. – Ele deu a cada laranja o nome de um dia da semana. Depois, misturou-as todas e disse:

   – Diga-me, José, qual é o sétimo dia?

   – Faça novamente, padre – José disse com calma –, não prestei atenção. O sacerdote fez a fila e repetiu os nomes.

O vendedor, rapidamente, antes que o sacerdote as misturasse, retirou a laranja que representava o sábado, e tomando uma faca, tirou um pedaço da casca e disse: – E Deus abençoou o sétimo dia – e tirando outro pedaço de casca em sentido contrário, acrescentou: – E o santificou. Agora, padre, misture-as como quiser, eu sempre saberei qual é o sétimo dia.

Mario Veloso, 26/3/1997

Arrependimento - Miquéias 4

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 4

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Arrependimento é o ponto alto que Deus tanto almeja ver nos pecadores. E, o reavivamento e a reforma virão automaticamente após o arrependimento.

Sobre Miqueias, Álvaro César Pestana declara que “Seu alvo é o arrependimento do povo, reforma social e santidade prática baseada na justiça e soberania de Deus”. E o esboça assim:

1. Declaração de juízo contra Israel e Judá (Miqueias 1-3);

2. Promessa de bênção:

• O reino futuro (Miqueias 4);

• O rei futuro (Miqueias 5).

3. Exortação ao arrependimento (Miqueias 6-7):

• Deus perdoa e esquece (Miqueias 7:18-19).

Deus faz promessas, em Miqueias 4, por almejar a conscientização e restauração do povo. Veja que,

• O Templo deverá tornar-se central na adoração universal (v. 1);

• As nações aprenderão no melhor Livro didático: A Bíblia (v. 2).

• As guerras serão extintas (vs. 3-5);

• Os remanescentes peregrinos serão fortalecidos (vs. 6-7);

• Israel teria sua terra restaurada (vs. 8-10);

• Os zombadores do povo de Deus serão destruídos (vs. 11-13).

Cem anos aproximadamente após ser proferida esta profecia os judeus foram exilados em Babilônia. O cativeiro durou 70 anos. No fim deste período houve o retorno a Sião; estes detalhes proféticos deveriam se cumprir.

Contudo, o propósito divino só se cumpriu parcialmente . Nem tudo se cumpriu e o que veio a cumprir-se ficou aquém do que Deus propusera. Então, Deus falhou? Claro que não!

Deus queria que o cativeiro fosse uma disciplina para o povo e o reformasse e reavivasse; queria que o castigo levasse o povo a compreender a malignidade do pecado e então buscasse uma mudança de vida; queria que o povo reconhecesse suas negligências e buscasse piedosamente o verdadeiro arrependimento.

Com um reavivamento e reforma genuína, Deus queria impactar o mundo inteiro para uma adoração verdadeira. Mas, infelizmente o povo negligenciou o ideal estabelecido por Deus.

Contudo, nem tudo está perdido. João, na Ilha de Patmos, recebeu a revelação de que Deus ampliou o que não se cumpriu à falha do Israel antigo.

O templo será o próprio Deus (Apocalipse 21:22). Não vai precisar de Bíblia, pois Deus será o professor (Apocalipse 21:6). Guerras e sofrimentos nunca mais existirão (Apocalipse 21:1-5). Os remanescentes não mais serão peregrinos, pois estarão na Terra restaurada, e nenhum dos opositores de Deus entrarão (Apocalipse 21:6-8).

Para isso, precisamos arrepender-nos… – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

sexta-feira, 26 de março de 2021

O Bom Pastor não desiste

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Sexta-feira, 26 de março

O Bom Pastor não desiste

Se um homem tiver cem ovelhas, e uma se desviar e se perder, que ele fará? Não deixará as outras noventa e nove e sairá pelos montes em busca da perdida? Mateus 18:12, Nova Bíblia Viva

Louis Pasteur, o famoso microbiologista francês que descobriu que a maioria das doenças é causada por germes, dedicou-se à busca do conhecimento. Ele acreditava também na existência de valores espirituais que transcendem a ciência.

Em 1849, Pasteur casou com Marie Laurent, uma de suas assistentes de laboratório. Tiveram cinco filhos. Três morreram na infância. Dezenove anos mais tarde, ele sofreu uma lesão vascular cerebral por excesso de trabalho e ficou parcialmente paralisado.

Quando estourou a guerra franco-prussiana em 1870, o único filho de Pasteur, Jean Batiste, foi convocado para servir seu país e se envolveu na catastrófica derrota do exército francês em Metz. Depois de semanas sem receber notícias do rapaz, Pasteur deixou seu famoso laboratório em Paris e foi procurá-lo. A despeito de sua paralisia parcial, Pasteur seguiu mancando na direção norte à procura do filho. As estradas estavam cheias de soldados derrotados feridos. A jornada foi árdua, mas depois de muitas perguntas Pasteur localizou a unidade de seu filho. Um oficial lhe deu a desanimadora notícia: do grupamento original de 1.200 homens, menos de 300 haviam sobrevivido.

No entanto, Pasteur não desistiu. Continuou avançando por estradas cheias de cavalos mortos e homens sofrendo no frio congelante. Chegou finalmente ao local onde um soldado estava enrolado até os olhos num sobretudo pesado; mal podia ser reconhecido em seu definhamento. Era Jean Batiste! Pai e filho, comovidos demais para falar, abraçaram-se em silêncio.

Na guerra entre as forças do bem e do mal, muitos filhos e muitas filhas já sofreram derrotas catastróficas nas mãos do inimigo. E muitos, como o filho de Pasteur, mal podem ser reconhecidos por causa dos estragos do pecado. Alguns cristãos professos, até mesmo pais, talvez creiam que esses filhos errantes se encontrem além da esperança. Mas mesmo que isso ocorra

(Is 49:15), o Bom Pastor e os pais fiéis nunca se esquecerão deles.

Donald E. Mansell e Vesta W. Mansell, 20/12/1998

Falsos Líderes Espirituais - Miquéias 3

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 3

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Jesus morreu na cruz para libertar-nos das mazelas do pecado e da opressão dos agentes do diabo.

Disfarçados, os falsos líderes espirituais estão por todos os lados, inclusive (ou principalmente) entre o próprio povo de Deus. Em igrejas cristãs de todos os tipos e líderes religiosos escrupulosos dão margem aos “anti-cristos” (ateus) levantarem sua bandeira e desprezarem à igreja de Deus.

Fique alerta!

• Usar a religião para ganhar a vida, satisfazer a avareza e alimentar a ganância a tal ponto de explorar aos incautos, ávidos pela verdadeira manifestação divina, caracteriza os falsos representantes de Deus (vs. 1-3).

• Pior que ser um mensageiro iludido, pervertido e enganador é o pecador preferir tais pregadores e rejeitar aos verdadeiros enviados de Deus para oferecer o bálsamo refrescante do perdão, da restauração e da reconciliação (vs. 4-8).

• Usar a fama, a habilidade e a influência para levar os crentes ao engano, à práticas contrárias à Palavra de Deus e à doutrinas de demônios pensando estar fazendo a obra de Deus é o pensamento de todos os líderes falsos que falam em nome de Cristo (vs. 9-12).

Observe atentamente e com oração as análises teológicas de Paul R. House:

“Os profetas verdadeiros pregam, contudo sua mensagem, a mensagem de Yahweh, é rejeitada (3.4-8). Por esse motivo logo procurarão uma palavra da parte de Deus, mas não terão nenhuma resposta (3.6-7) […]. Vários textos de Isaías pronunciam ais contra os perversos. Em Amós 8.4-6, Jeremias 4.14, Ezequiel 11.12 e Provérbios 6.10 condenam-se os que planejam o mal. Êxodo 20.17 ordena a Israel que não cobice, e Amós 8.11,12 adverte das consequências da fome da Palavra de Deus. Jeremias 8.4-17 denuncia líderes perversos que levam o povo para a destruição. Poder-se-ia ampliar a lista, mas a lição está clara: Quando, em Miqueias 1-3, Deus testemunha contra o pecado, esse testemunho tem o apoio de todas as Escrituras”.

Precisamos, nestes últimos dias da história deste mundo…

1. Dar mais atenção à Palavra de Deus;

2. Estudar mais a Palavra de Deus;

3. Permitir que o Espírito Santo implante os princípios da Palavra de Deus em nossa vida;

4. Pautar nossa rotina pela revelação divina, não pelos pregadores gananciosos;

5. Viver segundo os nobres propósitos de Deus para nós.

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

quinta-feira, 25 de março de 2021

Salvação unicamente pela fé

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Quinta-feira, 25 de março

Salvação unicamente pela fé

Mas vós sois Dele, em Cristo Jesus, o qual Se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. 1 Coríntios 1:30

Quando o pecador compreende que em Cristo ele é aceito, é iniciada em sua vida a transformação do evangelho. A santificação se baseia firmemente na justificação. Do contrário acabará sendo deturpada e mal-interpretada. Às vezes fazemos distinções teológicas muito sutis, procurando decidir qual é o aspecto mais importante da salvação: a justificação, a santificação ou a glorificação?

O que é mais importante: casar ou permanecer casado? Eu poderia enumerar algumas das vantagens de casar. Mas compreendo também que há consideráveis vantagens em preservar a união matrimonial depois do casamento. Qual dessas duas coisas é mais importante? Ou será que essa pergunta é imprópria?

Qual é mais importante: a justificação ou a santificação? As duas são importantes! Ambas ocorrem em Jesus, e unicamente pela fé Nele. Não estamos dizendo que as obras não são importantes, mas que o método para a salvação é unicamente pela fé.

“Que homem algum apresente a ideia de que o homem pouco ou nada tem que fazer na grande obra de vencer; pois Deus nada faz para o homem sem a sua cooperação. Nem diga que, depois de haver feito tudo que de sua parte seja possível, Jesus o ajudará. Disse Cristo: ‘Sem Mim nada podeis fazer’ [Jo 15:5]” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 381). “Tudo que o homem pode fazer no sentido de sua salvação é aceitar o convite: ‘Quem quiser receba de graça a Água da vida’ [Ap 22:17]” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 343). Isso é tudo que ele pode fazer.

Portanto, temos de fazer alguma coisa, mas tudo que podemos fazer é tomar de graça da Água da vida. Isso, porém, é algo intangível. Assim, o que é a Água da vida? “Nessa comunhão com Cristo, mediante a oração e o estudo das grandes e preciosas verdades de Sua Palavra, seremos alimentados, como os que têm fome; e como os que têm sede, seremos saciados à Fonte da vida” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 113). Isso é tudo que podemos fazer para nossa salvação: manter comunhão com Ele. É tão simples!

Morris Venden, 31/3/1981

•••••••

O Perigo do Pecado - Miquéias 2

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 2

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Você sabe quão importante é o livro de Miqueias? Observe esta análise:

“O livro de Miqueias é a obra central dos Profetas Menores (o Livro dos Doze). Ele contém sinteticamente os temas dos livros que o antecederam e seguem.” (John D. W. Watts).

O capítulo em pauta nos mostra que o perigo do pecado é tão real e atual como era nos dias de Miqueias e sua mensagem contra Israel:

• Planejar maldades para arruinar ao próximo (v. 1);

• Praticar fraudes e agir violentamente para explorar ao próximo (v. 2);

• Rejeitar a obra do Espírito Santo e negligenciar ser transformado pela Palavra de Deus (vs. 6-7);

• Furtar, manipular e tirar vantagens do próximo (v. 8);

• Prejudicar aos indefesos, fracos e simples da sociedade (vs. 9-10);

• Preferir pregadores que não condenam ao pecado que agem visando serem amados pela multidão (v. 11).

Deus não gosta do pecado como nós não gostamos das funestas consequências dele. Deus, graciosamente, quer evitar que o pecado nos atinja e destrua, por isso antes que o efeito dele nos alcance, Ele age para destruí-lo juntamente com seus efeitos.

1. Ricos que exploram aos pobres são julgados e condenados por Deus (vs. 1-5);

2. Arrogantes que petulantemente rejeitam a Palavra de Deus notarão quão ignorantes foram (vs. 6-11);

3. Religiosos que se elevaram e exaltaram a própria palavra em lugar da Palavra de Deus, não gostarão do que receberão no dia do juízo (vs. 12-13).

A primeira profecia de Miqueias envolve os dois primeiros capítulos. Sua mensagem começa negativa (1:1-2:11), porém, encerra positivamente (2:12-13). Deus reverte qualquer quadro negativo!

Reflita:

• As pessoas precisam ter consciência de que ganância e violência resultam em demência e decadência;

• Os religiosos precisam ter conhecimento que líderes espirituais falsos, alegando possuir o dom de profecia, estão destinados à desgraça por rejeitarem a graça;

• Os crentes indefesos, afligidos e oprimidos pelos grandes da sociedade e pelos líderes eclesiásticos precisam ter esperança que Deus os reunirá e serão restaurados (Mateus 24:29-31; Filipenses 3:20-21; II Tessalonicenses 2:1-12).

Jesus é o Libertador que resgata ao pecador da morte! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

quarta-feira, 24 de março de 2021

Não importa a origem - Miquéias 1

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Miquéias 1

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Pobreza, simplicidade, falta de cultura e pompa não são empecilhos para Deus ao escolher instrumento para ser Seu representante missionário numa sociedade cujo cenário é preocupante, devido à injustiça, imoralidade e irreligiosidade.

• De onde era Miqueias quando Deus o separou para uma obra poderosa entre os poderosos?

Sobre Miqueias, “o texto não menciona a sua linhagem, mas [seu nome que significa ‘Quem é como Jeová’] sugere que ele pertencia a uma família temente a Deus. Como seu lugar de origem, o profeta indica a cidade de Moresete (1.1,14) situada no sopé dos montes de Judá, c. 40 km a sudoeste de Jerusalém, na fronteira entre Judá e a Filístia, próximo de Gate. Proveniente de uma região agrícola produtiva, Miqueias era, como Amós, um homem do interior, distante das questões políticas e religiosas de sua nação. Não obstante, Deus o escolheu (3.8) para transmitir uma mensagem de punição aos príncipes e ao povo de Jerusalém” (John MacArthur).

Do seu primeiro capítulo destacamos os seguintes pontos:

1. Não importa a origem, Deus quer alguém que se submeta e esteja disposto a ser Seu porta-voz independente das consequências ainda que, ousadamente, tenha que falar a líderes políticos (v. 1).

2. Por causa do pecado e, quando as famílias dos crentes estão fazendo o que é errado, Deus Se aproxima com poder para julgar e executar a sentença contra o mal; objetivando purificar, reformar e reavivar a verdadeira religião maculada pelas práticas pagãs (vs. 2-7).

3. A empatia do profeta representa a empatia divina perante um povo em que a questão em jogo é o tipo de relacionamento que tem com Deus e o próximo (vs. 8-9).

4. O texto profético apresenta onze cidades, maiormente com trocadilhos com o nome, mostrando a incoerência de uma existência indiferente à Deus (vs. 10-16).

De origem camponesa, com linguagem rústica, simples e direta o profeta transmite com criatividade sua mensagem. Visando a didática, ele utiliza-se de figuras de linguagem e jogo de palavras para chamar a atenção. “Ele é ousado, inflexível e intransigente no trato com o pecado, mas terno de coração, sensível de espírito, amorável e empático” (Comentário Bíblico Adventista).

Simplicidade, mas caráter e personalidade firmes caracterizam àqueles que Deus utiliza para promover reavivamento e reforma!

“Senhor, molda-nos” – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

terça-feira, 23 de março de 2021

Livres do poder do inimigo

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Terça-feira, 23 de março

Livres do poder do inimigo

Mas o Senhor disse a Satanás: O Senhor te repreende, ó Satanás; sim, o Senhor, que escolheu a Jerusalém, te repreende; não é este um tição tirado do fogo? Zacarias 3:2

Mediante o plano da salvação, Jesus quebra o poder de Satanás sobre a família humana, salvando pessoas de suas garras. Todo o ódio e malignidade do arquirrebelde é provocado, ao contemplar ele a evidência da supremacia de Cristo e com diabólico poder e astúcia opera para arrebatar Dele o remanescente dos filhos dos homens que aceitaram Sua salvação.

Leva ele homens ao ceticismo, fazendo-os perderem a confiança em Deus e separarem-se de Seu amor; tenta-os a quebrantarem Sua lei, reclamando-

os então como cativos seus, e contestando o direito de Cristo, de lhos arrebatar. Sabe ele que os que buscam sinceramente de Deus o perdão e a graça os hão de obter; por isso apresenta perante eles os seus pecados, a fim de os desanimar. […]

Mas Jesus, nosso Advogado, apresenta um eficaz rogo em favor de todos os que, mediante arrependimento e fé, a Ele confiaram a guarda de sua alma. Defende-lhes a causa e derrota seu acusador, com os poderosos argumentos do Calvário. Sua perfeita obediência à lei de Deus, mesmo até à morte de cruz, conferiu-Lhe todo o poder no Céu e na Terra, e Ele pleiteia de Seu Pai misericórdia e reconciliação para o homem culpado. Ao acusador de Seu povo diz Ele: “O Senhor te repreende, ó Satanás”. Estes são a aquisição de Meu sangue, “tições tirados do fogo” (Zc 3:2). Os que com fé Nele confiarem receberão a confortadora certeza: “Eis que tenho feito que passe de ti a tua iniquidade e te vestirei de finos trajes” (Zc 3:4).

Todos os que vestiram as vestes da justiça de Cristo estarão perante Ele como escolhidos, fiéis e verdadeiros. Satanás não tem poder para arrancá-los da mão de Cristo. Nenhuma alma que com penitência e fé reclamou Sua proteção permitirá Cristo que passe para o poder do inimigo. Está empenhada Sua palavra: Que “se apodere da Minha força e faça paz Comigo; sim, que faça paz Comigo” (Is 27:5, ARC). A todos é feita a promessa dada a Josué: “Se […] observares os Meus preceitos, […] te darei livre acesso entre estes que aqui se encontram” (Zc 3:7). Anjos de Deus andarão a ambos os lados seus, mesmo neste mundo, e no final estarão entre os anjos que circundam o trono de Deus (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 173-175).

Ellen G. White, 8/8/1992

Dever Cristão Negligenciado - Jonas 4

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Jonas 4

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Desejamos misericórdia quando falhamos; para os outros, justiça. Nossa visão tacanha interpreta a Deus e Seus atos através das lentes do egoísmo e do orgulho; consequentemente, tratamos os outros como entulho.

A inversão de valores acontece quando olhamos apenas para nossos próprios interesses. A falta de compaixão é nítida quando nosso coração é regido pelo eu e não por Deus. O eu busca a acomodação, Deus espera nosso empenho na evangelização.

Assimile pensamentos biblicamente corretos:

1. Estribar-se nos próprios conhecimentos e inverter os valores faz que até profeta prefira a morte antes que a vida (vs. 1-3); portanto,

• “Uma cosmovisão bíblica pode transformar o evangelismo – de um dever cristão negligenciado ou uma marca de espiritualidade de elite – em um privilégio maravilhoso para todos os cristãos” (Jeff Purswell).

2. Indivíduos indignam-se com Deus quando interpretam as ações divinas conforme seu padrão egoísta (vs. 4-9); entretanto, Deus intenta ampliar toda mente tacanha – seja a de um profeta ou de rebelde, (Gênesis 4:6-7), crente ou ateu –, para que entendamos que

• “Longe de ser uma opção da vida cristã, o evangelismo é o cerne da campanha de Deus para restaurar toda sua criação – a reconciliação daqueles que foram criados à sua imagem com ele” (Purswell).

3. Deus anseia que Seus representantes no mundo tenham um coração que reflita Seu coração aos perdidos (vs. 10-11); Jesus trabalhou o mesmo assunto (Lucas 15:25-32), e deseja que nós, cristãos, compreendamos que,

• “Temos uma responsabilidade: fidelidade ao privilégio de levar o evangelho a pessoas que desesperadamente precisam dele” (Purswell).

“Lembrem-se, os que se empenham no ministério de salvar almas, que, conquanto haja muitos que não aceitarão o conselho de Deus em Sua Palavra, o mundo inteiro não se desviará da luz e verdade. Em cada cidade, cheia como possa estar de violência e crime, há muitos que, devidamente ensinados aprendem a se tornar seguidores de Jesus. Milhares podem assim ser alcançados com a verdade salvadora e levados a receber Cristo como um Salvador pessoal. A mensagem de Deus para os habitantes da Terra hoje é: ‘Estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.’ Mat. 24:44” (Ellen G. White).

Precisamos urgentemente pregar o evangelho aos ninivitas modernos! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

Compartilhe tua experiência com o livro de Jonas:

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

segunda-feira, 22 de março de 2021

Nuances da graça

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Segunda, 22 de março

Nuances da graça

Onde aumentou o pecado, transbordou a graça. Romanos 5:20

Ao longo do tempo, comecei inconscientemente a colecionar versões diferentes do hino “Graça Excelsa”, de John Newton. De repente, eu tinha interpretações maravilhosas de uma variedade de cantores. Parece que minha alma nunca se cansa de ouvir sobre a graça de Cristo. Afinal, essa é a trilha sonora do que Ele fez por mim.

Graça! Se perguntarmos para cem pregadores qual é o conceito mais importante da Bíblia, talvez 99 respondam que é a graça. Para quem vive num mundo marcado pelo pecado, não poderia ser diferente. Se eliminarmos a graça do evangelho, ele deixa de ser boa notícia. Graça é a lógica do plano da salvação e a justificativa para o amor divino. No Antigo Testamento, a palavra “graça” (hen) ocorre mais de 60 vezes e destaca a ideia de favor aos olhos de Deus. No Novo Testamento, o termo correspondente (charis) engloba o conceito popular de favor imerecido de Deus para com o homem. Jesus não precisou falar de graça porque era a personificação da graça. Já Paulo, maravilhado diante da graça, não parava de falar sobre ela.

Eu gostaria de repetir um milhão de vezes o que é a graça, mas, limitado pelo espaço, que nunca é suficiente para o amor de Deus, repetirei algumas vezes. Graça é subverter o arrazoado do pecado. Graça é a resposta de Deus para nossa desgraça. Graça é um presente que parece bom demais para ser verdade. Graça é amor em traje de trabalho no meio da poeira da Palestina. Graça é a sobrevivência de quem desperdiçou a vida. Graça é a liberdade divina para pagar um preço exorbitante pelo que não tem valor. Graça é a mão que oferta bênçãos para o necessitado que não tem com que pagar. Graça é o enfeite que torna a verdade mais atrativa. Graça é a surpresa que Deus prepara para você todos os dias. Graça é a cola que restaura pedaços de sonhos despedaçados por pessoas desastradas. Graça é a substância que dissolve a culpa. Graça é o reencantamento dos neurônios. Graça é a capacidade de rir quando a vida só apresenta motivos para chorar. Graça é a paz para a mente inquieta. Graça é o recurso que faz pássaros sem asas voarem. Graça é a inesperada beleza das flores ao lado do caminho para o Céu. Graça é o espaço no coração de Deus para acomodar o mundo inteiro. Graça é o relógio que transforma o tempo em eternidade. Graça é a fonte infinita onde o amor mata a sede. Graça é o campo onde são semeadas as sementes da glória futura. Graça é o bálsamo para curar as feridas do Universo. Graça é a maior descoberta do filho pródigo, de Paulo, de John Newton e do meu próprio coração. Graça é o convite para ir a uma festa com os anjos. Graça, pura graça, é Deus.

Marcos De Benedicto, 14/12/2016Ellen G. White, 13/8/1959

•••••••

A Missão é Divina - Jonas 3

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Jonas 3

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Quando aprendemos o que é a missão divina e as lições de vida dos missionários nas páginas da Bíblia, intentaremos fazer o que Deus insistentemente nos pede.

• Jonas obedeceu a Deus, após a terrível, mas miraculosa, experiência dentro do peixe (vs. 1-4);

• Jonas pregou na truculenta e violenta cidade de Nínive um sermão “curto e grosso”, que resultou na conversão dos seus habitantes (vs. 5-9);

• Deus reverteu a sorte dos perversos por se converterem dos seus maus caminhos (v. 10).

“Apesar da mensagem lacônica [breve, curta] e da falta de sustentação para ela, os ninivitas aceitaram a advertência de Deus e realizaram obras de arrependimento. Isso envolveu até o rei. Deus observou-lhes a reação, teve compaixão deles e retirou sua ordem de destruição” (John D. W. Watts).

Interessante que “Nínive é uma cidade religiosa. Todas as cidades são… Jonas entrou na Nínive religiosa e tornou-se pastor naquele lugar, não para melhorar sua religião ou atender às necessidades religiosas de seu povo, mas para subverter sua religião, insinuar dúvidas quanto a sua validade e depois ajudar a lidar em fé com um Deus vivo. ‘Até quarenta dias, e Nínive será subvertida’. Ele não os acusou de fazer o mal. Não denunciou seu pecado e iniquidade. Questionou seu futuro. Ele introduziu a escatologia em sua religião orientada pelo presente, seu presente obcecado por segurança” (Eugene Peterson).

• Se for fundamentada na revelação de Deus, a escatologia faz tremer até os ossos dos ateus ou agnósticos.

• Se for clara e contundente, direta e relevante, um pregador das profecias bíblicas pode despertar a atenção de muitos indiferentes vivendo no corredor da morte resultante dos seus pecados.

• Se for incisiva e objetiva, a pregação sobre os acontecimentos futuros, sob a regência de Deus, será a salvação de multidões que estão prestes a sofrer destruição.

“Cada um dos 39 dias apresenta[va] pressão escatológica adequada à realidade do quadragésimo dia. Sob a pressão de interação escatológica, os dias se tornam um útero que contém um novo começo. Tornam-se um campo de treinamento de adoração pela fé. Os dias iluminam discernimentos capazes de detectar obediência à cruz… Sem a escatologia, perdemos o incentivo celestial à santidade, ao prêmio da vocação em Cristo Jesus” (Peterson).

Reavivamento e reforma exigem ousada pregação apocalíptica! Estudemos profecias! Reavivemos nossos púlpitos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

domingo, 21 de março de 2021

Condescendências prejudiciais

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Domingo, 21 de março

Condescendências prejudiciais

Amados, insisto em que, como estrangeiros e peregrinos no mundo, vocês se abstenham dos desejos carnais que guerreiam contra a alma. 1 Pedro 2:11

A Palavra de Deus adverte-nos claramente de que, a menos que nos abstenhamos das concupiscências carnais, a natureza física será levada a conflito com a espiritual. A concupiscência no comer luta contra a saúde e a paz. Assim é estabelecida uma guerra entre os atributos mais elevados do homem e os inferiores. As propensões subalternas, fortes e ativas, oprimem a alma. Os mais altos interesses do ser são postos em perigo por essa condescendência com apetites não sancionados pelo Céu (Conselhos Sobre Saúde, p. 576).

A saúde, o caráter e a própria vida são postos em perigo pelo uso de estimulantes que incitam as exaustas energias a uma ação antinatural, espasmódica (A Ciência do Bom Viver, p. 335).

Os condimentos são prejudiciais em sua natureza. A mostarda, a pimenta, as especiarias, os picles e coisas semelhantes irritam o estômago e tornam o sangue febril e impuro. […]

Chá [preto] e café não nutrem o organismo. […] O uso continuado desses irritantes nervosos é seguido de dores de cabeça, insônia, palpitação, indigestão, tremores e muitos outros males, pois eles gastam a força vital. […]

O fumo é um veneno lento, perigoso, por demais maligno. Seja qual for a forma de utilização, atua na constituição; é o mais perigoso, porque seu efeito é lento, e a princípio por assim dizer imperceptível. […] Seu uso estimula a sede de bebidas fortes, lançando em muitos casos a base para o hábito das bebidas alcoólicas (A Ciência do Bom Viver, p. 325-328).

Quanto ao chá [preto], ao café, fumo e bebidas alcoólicas, a única atitude segura é não tocar, não provar, não manusear (A Ciência do Bom Viver, p. 335).

A verdadeira temperança nos ensina a dispensar inteiramente todas as coisas nocivas e usar de forma prudente o que é saudável (Patriarcas e Profetas, p. 494).

O Espírito de Deus não pode vir em nosso auxílio e nos ajudar no aperfeiçoamento do caráter cristão enquanto estivermos condescendendo com nossos apetites com prejuízo da saúde (Temperança, p. 19).

Ellen G. White, 13/8/1959

•••••••

Livramento de Jonas - Jonas 2

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Jonas 2

Comentário Pr Heber Toth Armí 

O crescimento da fé é gradativo. Jonas que havia rejeitado abertamente a orientação de Deus no capítulo anterior, agora decide orar. Porém, suas palavras não revelam arrependimento nem reconhecimento de uma missão a ser cumprida.

Jonas, embora fosse profeta, tinha muito a aprender. Deus conduzia cada um de seus passos, ainda que trôpegos, a um amadurecimento espiritual. Em sua oração ele reconheceu que o grande peixe era o meio de livramento e louvou ao Senhor pela salvação.

Contudo, “sua oração era mais uma reflexão sobre a oração em situações de vida ou morte do que um pedido de ajuda” (John D. W. Watts).

Em espírito de oração, observe que:

1. Na barriga do peixe, Jonas teve a oportunidade de orar devido à graça divina (v. 1);

2. Foi um salmo de louvor proferido do mais profundo abismo devido ao cuidado gracioso do Senhor (vs. 2-9);

3. A graça divina é vista em atos concretos: Embora Jonas tenha se tornado em vômito de peixe, isso se deu por ordem de Deus; do contrário, Jonas teria virado fezes de peixe (v. 10).

Indiferença e rebeldia levam-nos para baixo, enquanto que a reflexão e a oração nos elevam: Jonas desceu a Jope quando fugiu da missão de pregar em Nínive (Jonas 1:3); desceu ao porão do barco (Jonas 1:5); foi jogado e parou no fundo do ventre do peixe (Jonas 1:17); finalmente, chegou ao fundo do abismo (Jonas 2:6). Somente após orar percebeu sua condição restaurar (Jonas 2:10).

• Jonas estava aprendendo tudo isso! E, nós, já aprendemos?

Jonas ainda tinha muito que amadurecer. “Tendo assinalado a posição do Senhor como criador, Jonas fez um comentário lógico de que somente Yahweh é um Deus vivo, ouvinte, atuante e salvador. A questão que fica por resolver é se o profeta acolherá ou não esta crença e a transformará num ministério a toda a criação. Teologia meramente declarada não é suficiente. A teologia de Jonas tem de se tornar tão ativa quanto a preocupação do Senhor” (Paul R. House).

• Somos parecidos com Jonas? Precisamos ser transformados e amadurecidos como ele?

O amadurecimento espiritual nos fará ver que, “como Jonas, o povo de Deus hoje tem a responsabilidade de pôr de lado o nacionalismo inflexível e o ódio racial e compartilhar o amor de Deus com os de outras culturas” (Watts).

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

sábado, 20 de março de 2021

O Oleiro

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Sábado, 20 de março

O Oleiro

Mas agora, ó Senhor, Tu és nosso Pai, nós somos o barro, e Tu, o nosso oleiro; e todos nós, obra das Tuas mãos. Isaías 64:8

A nação judaica estava numa terrível situação espiritual. A indiferença religiosa era marcante. Isaías diz que ninguém invocava o Senhor (Is 64:7). Naquela situação, o profeta clamou por misericórdia e fez uma belíssima confissão: “Mas agora, ó Senhor, Tu és […] nosso oleiro” (Is 64:8).

Em nossos dias, poucos fazem essa confissão. Por um lado, há pessoas que não acreditam na existência do Oleiro, ecoando o que o salmista afirmou: “Diz o insensato no seu coração: Não há Deus” (Sl 14:1). Nos séculos 19 e 20, o determinismo da matéria passou a ser cultuado. O homem passou a explicar sua origem por meio de um processo mecanicista-evolucionista chamado naturalismo. Em seu livro Evolution in Ethics, Julian Huxley diz: “Minha fé está nas possibilidades do homem: espero o êxito de minhas razões para aquela fé” (p. 212). O existencialismo ateu, por sua vez, defende a ideia de que o homem é o ser pelo qual o nada vem ao mundo. “No estado de abandono em que se encontra, o homem deve inventar seus caminhos”, diz o filósofo Felicien Challaye. Vemos, portanto, que uma grande fatia da humanidade nega a existência do Oleiro.

Por outro lado, há os que creem na existência do Oleiro, mas não se submetem ao toque de Suas mãos. São insubmissos. O perigo reside nesse ponto. Há alguns anos, um pastor me disse: “Nasci num lar adventista, estudei em nossas escolas, frequentei regularmente as reuniões da igreja e, para agradar a meus pais, cursei Teologia. Trabalhei vários anos na Obra, mas só agora sei o que significa ser um vaso nas mãos de Deus. Meu relacionamento com Cristo e com a Organização era meramente formal. Hoje sinto a alegria de ser uma pessoa transformada pelo poder divino.”

Existe uma religiosidade de epiderme entre nós; uma espécie de maquiagem aqui e ali, tentando esconder a triste realidade espiritual de alguns. Enquanto isso persistir, não seremos barro submisso nas mãos do Oleiro. Precisamos do toque celestial. Você acha que seu caráter reflete o toque das mãos do Oleiro celestial ou a marca de uma religião mecânica?

Rubens S. Lessa, 10/2/2000

•••••••

O Chamado - Jonas 1

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Jonas 1

Comentário Pr Heber Toth Armí 

A história de Jonas revela muitas lições para todas as gerações. Ela tem atraído adultos e crianças.

“Uma das razões da longa popularidade de Jonas é que ele convida ao bom humor. O livro de Jonas, tanto no conteúdo quanto no estilo, é alegre, e ele evoca alegria em nós. Essa história, embora alegre, não é frívola, pois não existe nada de fútil, apenas a mais séria verdade” (Eugene Peterson).

O livro de Jonas é o maior livro missionário do Antigo Testamento. Ele mostra o interesse de Deus por nações que estão mergulhadas no pecado, porque almeja salvá-las.

• Deus está mais interessado no bem dos seres humanos do que eles mesmos.

Jonas é o único profeta que recebeu a missão de sair de sua terra para pregar aos estrangeiros, os gentios. O conteúdo do livro mostra aos leitores que Deus é Deus em todos os lugares, o qual ama a todas as nações do mundo; que anseia abençoar e salvar até aos maiores pecadores, por isso usa diversos recursos para atraí-los ao arrependimento.

Mas, talvez a teologia mais relevante para nós é que Deus escolhe pessoas imperfeitas para uma missão nobre e gloriosa; e Ele é paciente com Seus instrumentos egoístas, medrosos e desobedientes. Se deixarmos o preconceito, podemos nos ver na história do profeta Jonas.

Experimente ler com oração e atenção ao primeiro capítulo: Veja que…

• Apesar da rebeldia, desobediência e indiferença dos crentes, com eles Deus alcança o coração dos perdidos. Enquanto Jonas fugia da missão dada por Deus, estava em um navio de pagãos, que ao enfrentarem uma tempestade, oraram, repreenderam Jonas que dormia, jogaram o profeta ao mar por sugestão dele mesmo e, finalmente, temeram e adoraram ao Deus verdadeiro, O qual acalmou a tempestade (vs. 1-16).

• Apesar da rebelião, desprezo e covardia dos crentes, Deus os acolhe, protege e preserva-lhe nas consequências de seus pecados, visando salvá-los. Deus enviou um grande peixe não para comer Jonas, mas para engoli-lo vivo a fim que tivesse tempo para refletir na vida (v. 17).

Reflita: Pode ser que…

• …você esteja fugindo de seus compromissos com Deus;

• …tuas atitudes te levaram “ao fundo do poço” (ou “ao estômago do peixe”);

• …Deus esteja te dando oportunidade para aprender algumas lições!

Portanto, anima-te! – Heber Toth Armí

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

sexta-feira, 19 de março de 2021

Toda a culpa aos pés da cruz

MEDITAÇÃO DIÁRIA

Sexta, 19 de março

Toda a culpa aos pés da cruz

Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós. 1 Pedro 5:7

Desgosto, ansiedade, descontentamento, remorsos, sentimento de culpa, desconfiança, tudo isso tende a consumir as forças vitais, e a convidar a decadência e a morte.

Esse sentimento de culpa tem de ser deposto aos pés da cruz do Calvário. O senso de pecaminosidade envenenou as fontes da vida e da verdadeira felicidade. Agora Jesus diz: Depõe tudo sobre Mim. Eu levarei teu pecado. Dar-te-ei paz. Não destruas por mais tempo teu respeito próprio, pois Eu te comprei com o preço do Meu próprio sangue. Tu és Meu, tua vontade enfraquecida Eu fortalecerei; teu remorso pelo pecado Eu removerei. […]

Satanás procura desviar nossa mente do poderoso Ajudador, para nos levar a ponderar sobre a degeneração de nossa alma. Mas ainda que Jesus veja a culpa Ele pronuncia o perdão; e nós não O devemos desonrar duvidando de Seu amor. […]

Se te julgares o maior dos pecadores, Cristo é justamente o de que careces: o maior Salvador. Ergue a cabeça e olha para fora de ti, para fora de teu pecado, para o Salvador erguido na cruz; fora da venenosa, peçonhenta picada da serpente, para o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

Ele carregou o fardo de nossa culpa. Ele tomará o peso de nossos cansados ombros. Ele nos dará descanso. O fardo de cuidado e aflição, Ele o levará também. Convida-nos a lançar sobre Ele toda a nossa solicitude; pois traz-nos sobre o coração (Mente, Caráter e Personalidade, v. 2, p. 451, 452).

Quando o evangelho é recebido em sua pureza e poder, é uma cura para as doenças originadas pelo pecado. O Sol da Justiça ergue-Se “trazendo salvação nas Suas asas” (Ml 4:2). […]

O amor difundido por Cristo por todo o ser é um poder vitalizante. Todo órgão vital – o cérebro, o coração, os nervos – esse amor toca, transmitindo cura. Por ele são despertadas para a atividade as mais altas energias do ser. Liberta a alma da culpa e da dor, da ansiedade e do cuidado que consomem as forças vitais. Vêm com ele serenidade e compostura. Implanta na alma uma alegria que coisa alguma terrestre pode destruir – a alegria no Espírito Santo –, alegria que comunica saúde e vida (A Ciência do Bom Viver, p. 115).

O livro de Obadias

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Obadias 1

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Eis um pequeno livro com uma grande mensagem. Temos muito a aprender das poucas palavras deste profeta. Então, estudemos e meditemos profundamente em cada um de seus 21 versículos.

Para um apanhado geral, baseando-me na síntese de Isaltino Gomes Filho, ofereço um quadro histórico entre Edom e Israel:

• Em 1406 a.C. Edom negou a passagem de Israel a caminho de Canaã (Números 20:14-21; Dt 2:5);

• Em 992 a.C. o rei Davi conquistou Edom, quando a maioria de seus homens morreram (2 Samuel 8:13; 1 Reis 11:15);

• Em 845 a.C. Edom e Filístia saquearam Judá (II Crônicas 21:16-17);

• Em 785 a.C. Amazias atacou Edom e matou 20.000 de seus homens (II Crônicas 25:11-12);

• Em 586 a.C. Edom colaborou com Babilônia na destruição de Jerusalém e invadiu a parte sul de Judá (Salmo 137:7; Ezequiel 25:12);

• Em 300 a.C. partes de Edom foram tomados pelos árabes nabateus e os edomitas foram levados para o centro e para o sul de Judá.

• Em 165 a.C. Judas Macabeus tomou Hebrom, naquela ocasião era capital edomita.

• Em 126 a.C. João Hircano subjugou os Edomitas/Idumeus e os obrigou a circuncidarem como judeus;

• Em 40 a.C. Herodes, um idumeu, tornou-se rei da Palestina e conquistou Jerusalém em 37 a.C.;

• Em 70 d.C. Os edomitas aliaram-se aos romanos para destruir Jerusalém; depois disto, os edimitas desapareceram da história.

Após esse apanhado geral, fica mais fácil entender a mensagem de Obadias e tirar lições para nossos dias:

1. Pessoas e nações como Edom, caracterizadas por orgulho (v. 3), violência (v. 10), que se alegra pelos infortúnios dos outros (v. 12) e arruínam quem intenta sobreviver às tragédias da vida (v. 14) colherão frutos amargos de seus atos horrorosos. Serão…

• …submetidas a julgamento (vs. 2-3, 7-8);

• …envergonhadas (v. 10);

• …destruídas (v. 18);

• …banidas do reino de Deus (vs. 19-21).

2. Aqueles que amargam a vida alheia suscita a ira divina.

3. Soberba, orgulho e arrogância são como salas de espera do fracasso que logo dirá: Entre o próximo.

4. A vitória não é dos fortes nem dos poderosos do Planeta, mas dos que humildemente confiam em Deus.

“Edom é considerado o tipo de mundo corruto e cheio de ódio, pronto para o julgamento apocalíptico” (Gleason L. Archer, Jr).

Aos humildes, resta esperança! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

E aí? Como Obadias falou com você neste dia? Conte para nós aqui:

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

quinta-feira, 18 de março de 2021

Recompensa para o justo

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Quinta, 18 de março

Recompensa para o justo

Então, se dirá: Na verdade, há recompensa para o justo; há um Deus, com efeito, que julga na terra. Salmo 58:11

Há uma pergunta que tem perturbado a humanidade: “Por que […] Te calas quando o perverso devora aquele que é mais justo do que ele?” (Hc 1:13). Parece que o profeta Habacuque sintetizou em poucas palavras o clamor de muita gente diante das aparentes injustiças da vida.

Se você se mantiver honesto, é provável que seu futuro não seja de riqueza. Por outro lado, você observa pessoas sem escrúpulos que crescem, progridem e conseguem o que desejam. A cultura de injustiça que reina no mundo, às vezes, leva as pessoas a questionar se vale a pena ser honesto, pontual, puro, verdadeiro, abnegado.

O tema central do Salmo 58 é o abuso do poder judicial. Alguns estudiosos acham que esse salmo foi escrito pelo rei Davi quando, em algum momento, ele misturou-se com o povo e percebeu de perto a administração errada da justiça em Israel. Essa realidade revoltou seu espírito. Pessoas que haviam sido colocadas em lugares estratégicos, para fazer justiça ao povo, estavam promovendo a opressão, vendendo consciências e deixando que a corrupção se apoderasse da corte. Era insuportável.

Não existe frustração maior que apelar a um juiz por justiça e, diante de todas as provas em favor de sua inocência, ser declarado culpado. Ou ver que um homem público se apodera de uma grande fortuna e aproveita sua posição para ser declarado inocente.

Davi começa o salmo de hoje perguntando: “Falais verdadeiramente justiça, ó juízes? Julgais com retidão os filhos dos homens?” Todo o salmo está cheio de indignação. Mas, no verso de hoje, o salmista expressa a certeza de que finalmente Deus operará, dando a recompensa ao justo.

Essa não é uma justiça que acontecerá na vida eterna ou quando Jesus voltar. É uma promessa para agora; Deus é justo e vigilante. Não existe nada oculto a Seus olhos. Quando Ele não intervém, é simplesmente porque está aguardando o momento mais oportuno para recompensá-lo.

Guarde essa promessa em seu coração. Não permita que a decepção se apodere de você nem que o veneno da revolta destrua sua alma. Mais breve do que imagina “se dirá: Na verdade, há recompensa para o justo; há um Deus, com efeito, que julga na terra”.

Alejandro Bullón, 18/6/2007

•••

Juízo Iminente - Amós 9

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 


Leitura Bíblica - Amós 9

Comentário Pr Heber Toth Armí 

A restauração da humanidade e do mundo acontecerá apesar da incredulidade da maioria. Um remanescente fiel experimentará das alegrias pelo cumprimento real das profecias de Deus.

Estude o último capítulo de Amós, onde temos:

• A revelação de um juízo iminente contra todo pecador impenitente (vs. 1-6). Isso deve nos levar à reflexão e autoanálise, pois ninguém conseguirá driblar a Deus (II Coríntios 5:10).

• Após a investigação divina, o juízo resultará na sentença de aniquilação dos perversos, opressores e arrogantes (vs. 7-10). O resultado será morte plena, esse é o infeliz salário do pecado (Romanos 6:23).

• Ao executar a sentença nos ímpios, Deus reformará tudo o que o pecado deformou, trazendo bênçãos abundantes, promovendo paz e tranquilidade (vs. 11-15). O resultado será vida plena (Apocalipse 21 e 22).

Álvaro César Pestana destaca dois pontos do livro. Para ele, Amós…

1. mostra que os corruptos e ambiciosos não escaparão de Deus: No nosso mundo cheio de ganância e de exploração do próximo uma leitura deste livro poderia ajudar muito. No fim das contas, tudo não vai acabar em pizza!

2. prova que o chamado profético não tem limitações sócio culturais: Ele era um caipira iletrado, mas tornou-se o instrumento de Deus para corrigir os “intelectuais” e os “colunáveis” de seu tempo.

Dionísio Pape observou que, “Amós cumpriu a sua missão ingrata e perigosa. Antes de deixar a nação de Israel, sua terra missionária, ele não perdeu a ocasião de advertir o povo do perigo em que jazia enquanto não voltasse ao Senhor […]. No caminho de volta, Amós anunciou as suas visões apocalípticas, chamando o povo ao arrependimento e à fé no SENHOR”. Contudo, não houve “conversão em massa […]. No entanto, Amós não se desanimou. Como todos os profetas do SENHOR, Amós vivia na esperança certa do triunfo final do Senhor. A apostasia materialista de Israel não podia ofuscar os raios rutilantes da glória vindoura do dia do Senhor”.

Alguém declarou: “Quando Amós viu que Israel não ia ouvi-lo, regressou a Judá e pôs os seus escritos em forma de livro, para que o povo todo pudesse ler e entender”. Desta forma, suas palavras inspiradas chegaram até nós!

Podemos deliciar-nos com a esperança revelada nesse livro!

• Arrependamo-nos!

• Consagremo-nos!

• Preparemo-nos!

• Aguardemos!

Cristo logo virá! – Heber Toth Armí.

Tendo o privilégio e após a oportunidade de estudar por nove dias as mensagens de Amós, diga-nos quão útil foi pra você o conteúdo desse livro:

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

quarta-feira, 17 de março de 2021

Milagre em dois atos

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Quarta, 17 de março

Milagre em dois atos

Então, novamente lhe pôs as mãos nos olhos, e ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido; e tudo distinguia de modo perfeito. Marcos 8:25

A cegueira era um verdadeiro flagelo na Palestina e nos demais países do Oriente Médio. Era causada pelo resplendor do sol, pela poeira e por diversas enfermidades dos olhos, especialmente as conjuntivites, as quais eram agravadas pela falta de higiene. Era comum ver pessoas com verdadeiras crostas nos olhos, nas quais pousavam moscas, o que contribuía para disseminar as infecções.

Jesus curou muitos cegos, bem como doentes de todos os tipos, mas a cura do cego de Betsaida foi o único caso em que Jesus operou uma cura em duas etapas. Quando Jesus aplicou saliva nos olhos daquele cego, pela primeira vez, ele recobrou a visão parcialmente, passando a ver os homens “como árvores […] andando” (Mc 8:24). Ao segundo toque, porém, ele passou a ver tudo com perfeita clareza.

Outros cegos, bem como leprosos, paralíticos e até mesmo mortos, foram restaurados instantaneamente. Por que esse enfermo precisou de dois toques em vez de um? Alguns acham que foi para lhe fortalecer a fé gradualmente. Sejam quais forem os motivos, podemos ver nesses dois atos uma importante lição espiritual: a luz da verdade é uma revelação progressiva, semelhante à “luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Pv 4:18).

Embora a conversão possa ocorrer instantaneamente, como no caso de Zaqueu, também é verdade que devemos nos reconverter a Deus diariamente, sempre crescendo na graça e no conhecimento. Mesmo na eternidade cresceremos constantemente, pois surgirão sempre “novas alturas a atingir, novas maravilhas a admirar, novas verdades a compreender e novos objetivos para aguçar as aptidões físicas, mentais e espirituais.” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 560).

As pessoas que aceitam a salvação em Cristo começam sua carreira cristã vendo a vida “como árvores […] andando”. Mas, à medida que vão crescendo espiritualmente, sua visão vai, aos poucos, se expandindo e enxergando as pessoas, as doutrinas e o plano da salvação mais claramente.

Olhemos confiantes para o futuro, para aquele glorioso dia em que veremos nosso Salvador face a face. Então nossa visão espiritual será perfeita e conheceremos como também somos conhecidos.

Rubem Scheffel, 25/1/2010

Pecados afastam bênçãos - Amós 8

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Amós 8

Comentário Pr Heber Toth Armí 

A rejeição a Deus é o motivo da ausência de inúmeras bênçãos. Como Deus quer abençoar, alerta-nos dos perigos de afastar-se dEle.

• Pecados afastam-nos das bênçãos!

“O terrível pecado de Israel atraiu grave acusação. As festividades e o sábado irritavam os empresários iníquos, pois esses dias provocavam uma calmaria nos seus negócios desonestos, [vs. 4-5], e abrandavam a opressão dos pobres [v. 6] (cf. Is 1.13-17; Lv 19.35-36; Dt 25.13-16). O juízo detalhado pela ‘glória de Jacó’, [v. 7], abarcava luto, [vs. 8-10], e fome da palavra do Senhor, [vs. 11-14]. A idolatria e o orgulho extinguiram a luz que Deus dispensou pela sua palavra” (Merrill F. Unger).

• Angústia e aflição surgem automaticamente quando nosso coração indisciplinadamente se inclina para a direção contrária à revelação de Deus e Seus princípios de felicidade.

• O estilo de vida em harmonia com o materialismo, hedonismo e o humanismo certamente estará em desarmonia com a vontade de Deus, e isso resulta em caos, conflitos e agonias.

“Dã e Berseba eram santuários pagãos nos limites setentrional e meridional da terra [v. 14]. As divindades padroeiras desses centros idólatras seriam impotentes para ajudar na iminente calamidade” revelada na visão do “cesto de frutos maduros. O cesto de frutos perecíveis da terra simbolizava a iminência do fim de Israel [vs. 1-3]” (Unger).

• Aqueles que vivem esplêndida e regaladamente distante do Senhor, futuramente perceberão que tomaram a pior decisão quando tinham diante de si a melhor opção.

• As religiões falsas, as formalidades religiosas e as espiritualidades genéricas se revelarão sem efeito algum diante do acerto de contas com o Juiz do Universo.

• Quando a vida moral se encontra em franco estado de putrefação certamente está à beira da autodestruição.

• A existência aparentemente segura, rica e aprazível que deixa Deus em segundo plano, ou sem espaço na nossa agenda, se deparará com as terríveis consequências das escolhas sem importância.

• O arrependimento ignorado no presente pode gerar, no futuro, um arrependimento por não ter se arrependido quando o tempo de graça era oferecido.

• Rejeição ou negligência à Palavra de Deus no presente poderá extinguir-se no futuro, correndo sério risco de ser demasiado tarde.

• A fome por Deus deve ser saciada hoje, para não morrer de fome no dia do juízo final.

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

terça-feira, 16 de março de 2021

Romper o ciclo da hostilidade

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

Terça, 16 de março

Romper o ciclo da hostilidade

Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Mateus 5:9

Uma senhora escreveu à conselheira Ann Landers, que mantinha uma coluna em muitos jornais. A mulher usou o pseudônimo “Filha. Qualquer lugar. EUA.” Essa senhora descreveu sua mãe como “a pessoa mais imprestável do mundo”. Contou como a mãe a criticava desde quando ela se conhecia por gente, fazendo com que se sentisse tola e inútil.

No entanto, ela disse que era casada com um pacificador, o tipo de pessoa sobre a qual Jesus estava falando quando pronunciou a sétima bem-aventurança. O marido a ajudou a ver que a mãe era produto da criação que recebera e a levou a imaginar como teria sido a infância dela, já que sua mãe tinha sido crítica, egoísta e intratável.

Segundo ela, aceitou a sugestão do marido e não teve dificuldade para imaginar como teria sido a infância de sua mãe. Devia ter sido pelo menos tão ruim como a dela mesma.

Quando a mulher começou a ver a questão sob essa luz, a atitude dela para com a mãe começou a mudar também. A compaixão substituiu a hostilidade. Embora sua mãe não tivesse mudado basicamente de conduta na ocasião em que a carta foi enviada (talvez isso fosse esperar demais!), a filha havia mudado, e isso era o mais importante.

Seu relacionamento com a mãe melhorou tanto que ela passou a conseguir relevar as críticas. Em compensação, percebeu que sua mãe não a criticava como antes. Esperava até que um dia ela e a mãe pudessem ser amigas. Que admirável exemplo de pacificação! Quem dera que mais cristãos fossem como aquele marido e aquela filha!

Se tão somente nos lembrássemos de que por trás da hostilidade que impera no mundo está o maior de todos os perturbadores do Universo, que é Satanás, teríamos mais compaixão das pessoas. É ele que inicia os ciclos de hostilidade e ódio que vemos no mundo hoje.

Se permitirmos que Deus nos transforme em pacificadores, Ele poderá nos usar como agentes Seus para romper esses ciclos de hostilidade.

Donald E. Mansell e Vesta W. Mansell, 23/9/1998

O juízo iminente - Amós 7

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Amós 7

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Alguém escreveu que “Amós temia tanto a Deus que não receava mais ninguém. Ele proclamou uma mensagem muito avançada para seu tempo. Entre os males que Amós denunciou estão exatamente os mesmos de nossa época”.

Moisés Carneiro destaca as principais características de Amós. Ele era…

• …humilde, não escondia sua origem;

• …sábio, usava linguagem ao alcance do povo;

• …sagaz, prendia a atenção do povo por julgar primeiro os seus inimigos;

• …destemido, não lisonjeava, mas falava a verdade;

• …fiel, “Assim diz o Senhor” era sua mensagem.

O juízo iminente de Deus a um povo impenitente viria em forma de gafanhotos (v. 1-3) e de fogo que causaria seca (v. 4-6); contudo, a intercessão do profeta pelo povo infiel resultou na retirada da punição divina.

Então, após adiar o castigo, Deus, graciosamente, mostrou outra visão ao profeta, a do prumo; onde ficou evidente que o povo de Deus estava fora do prumo, deficiente moralmente. Assim, Deus revelou a Amós que estendera demasiadamente Sua misericórdia, agora a justiça exigia punição (vs. 7-9).

Amazias, o pomposo conselheiro espiritual de Jeroboão (rei do povo de Israel), deturpou as palavras de Amós e o difamou ao rei. Amazias, então, proibiu ao profeta de pregar e sugeriu deixar Betel (vs. 10-13).

“Amazias recebia um gordo salário pelas funções como capelão real […]. Amós não era pregador assalariado. Pregava por conta própria, sacrificando-se para falar a verdade, nua e crua, dizendo que a profissão de fé no SENHOR, sem vida moral e sem compaixão para os pobres, é uma revoltante nulidade” (Dionísio Pape).

Infelizmente Amazias, um “fraco conformista religioso aconselhou a Amós a fugir para Judá. [Felizmente] a resposta de Amós mostrou sua magnífica estatura espiritual naquela decadente era sincretista [vs. 14-17]. Havia pelo menos uma alma valente para resistir à vaga de iniquidade e cômodo conformismo” (Merrill F. Unger).

Precisamos…

• …Aceitar os mensageiros de Deus;

• …Reconhecer nossa real situação;

• …Correr a Deus para encontrar solução;

• …Ser transformados e moldados pela Palavra de Deus.

Dionísio Pape exclamou: “Quão presunçoso aquele que pensa que uma profissão de fé, algumas assistência aos cultos, alguma contribuição ocasional aos cofres sacros compensam a falta de pureza moral, de honestidade, e de compaixão!”.

“Senhor, temos dificuldades para enxergar nossa pobreza espiritual, ajuda-nos, por favor. Transforma-nos!” – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

segunda-feira, 15 de março de 2021

Ore a Deus

MEDITAÇÃO DIÁRIA

Segunda, 15 de março

Ore a Deus

Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. Mateus 6:6

Parece estranho que eu tenha intitulado a leitura de hoje de “Ore a Deus”. Mas foi isso o que Jesus nos disse para fazer em Mateus 6:6. Deves orar a “teu Pai”.

Porém, você pode estar se perguntando: “A quem mais poderíamos orar?” Suponho que há uma porção de respostas para essa pergunta. Jesus forneceu uma em Lucas 18:11 na história do fariseu e do publicano. Ele disse que o fariseu orava “para si mesmo”, em vez de orar a Deus. O simples fato de passarmos tempo em oração não significa que estamos orando a Deus.

Há vários pontos que devemos considerar ao orar a Deus. O primeiro é o que se pode pensar como processo de exclusão. Quando oramos ao Pai, devemos excluir certas coisas. Precisamos deixar de fora a multidão de pensamentos e cuidados diários que criam obstáculos entre nós e Deus. Precisamos nos concentrar na comunicação com Ele, assim como prestamos atenção total a qualquer pessoa que respeitamos e com a qual nos importamos. Na oração secreta, necessitamos, por assim dizer, entrar num quarto com Ele, a fim de que fiquemos a sós. É preciso buscar a Deus e louvá-Lo de todo o coração, mente e alma. Esse quarto pode ser um aposento de verdade ou pode ser um ônibus superlotado. Podemos orar a Deus de maneira secreta e exclusiva em qualquer lugar.

Um segundo ponto que precisamos considerar, ao pensarmos em orar a Deus, é que, quando oramos, entramos realmente em Sua presença. Estamos na sala de audiência do Infinito. E o Pai, sendo Pai, preocupa-Se conosco exatamente como nós nos preocupamos com nossos filhos. Ele nos escuta!

Terceiro, quando oramos a Deus, podemos ter confiança. Podemos nos aproximar confiantemente do trono da Graça, com base na obra de Jesus no Calvário e no que Ele faz agora no santuário celestial.

Isso é uma boa notícia. Por que então não orar a Deus com maior frequência?

George R. Knight, 9/7/2001

•••

Injustiça, Imoralidade E Idolatria- -Amós 6

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Amós 6

Comentário Pr Heber Toth Armí 

Antes de querer curtir a vida é preciso saber o que realmente é viver. Alguns se autodestroem e chamam isso de curtição. Outros fazem coisas que antecipam a morte, e chamam isso de vida.

Pecar não é sinônimo de viver. Pisar princípios divinos não significa curtir a vida. Pelo contrário, agir em desarmonia com Deus e Sua vontade é como deixar o celular acabar a bateria e não conectá-lo à energia para recarregá-lo.

• Viver longe de Deus significa fim da vida, assim como um celular sem bateria é imprestável.

O capítulo apresenta alguns pontos importantes:

1. Embora os pecadores arrogantemente descartem a Deus em sua vida, Deus ainda assim alerta sobre os perigos vindouros almejando salvá-los (vs. 1-7).

2. Infelizmente o orgulho e a arrogância não se inclinam perante a advertência divina, portanto, não ficarão impunes frente ao justo juízo divino (vs. 8-14).

“No capítulo 6, Amós continua a lamentar o pecado do povo: indiferença e indulgência (vs. 7-14); injustiça, imoralidade e idolatria (vs. 7-14). ‘Ai dos que andam à vontade em Sião’ – que descrição de alguns crentes de hoje” (Warren W. Wiersbe).

PESSOAS…

• …iludidas com pensamentos equivocados sobre si mesmos precisam dar ouvidos ao que Deus diz a fim de que desçam do seu salto alto e reconheçam que sem humilhação não há salvação (vs. 1-2).

• …cegas para a revelação divinas precisam permitir que Deus abra seus olhos para que vejam que a negligência aos recursos oferecidos pelo Céu é uma decisão pelo desastre, um compromisso com a catástrofe – embora estejam no luxo, cheios de pompa, entre os prazeres do pecado, arrogantemente desprezando aos necessitados, esbanjando dinheiro em coisas supérfluas, alimentando seus vícios, obcecados pela vaidade, sem perceberem que o fim se aproxima (vs. 3-7).

• …entorpecidas com seus pecados precisam serem advertidas com relação a um julgamento prestes a vir sobre o mundo, onde Deus revelará publicamente Sua indignação contra os arrogantes, autoconfiantes, vaidosos, orgulhosos, opressores, injustos e indiferentes (vs. 8-14).

Materialismo, intelectualismo, hedonismo, humanismo e tantos outros “ismos” são obstáculos para que os pecadores percebam sua real situação e, sua tremenda necessidade de um divino e poderoso Salvador.

Que nossos olhos sejam abertos com a mensagem deste capítulo para que sejamos despertos e busquemos ao Senhor a fim de que vivamos… – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz

O ato estranho de Deus

 MEDITAÇÃO DIÁRIA Domingo, 18 de abril O ato estranho de Deus Para realizar a Sua obra, a Sua obra estranha, e para executar o Seu ato, o Se...