Translate

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Deus concede vitória

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 17
Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí


Deus concede vitória

Qual é tua necessidade? Qual é tua luta? Você experimentou deixar Deus suprir tuas necessidades e lutar tuas batalhas? O resultado será grandes milagres. Viverás e terás histórias maravilhosas para compartilhar.

Veja como concluiu Kay Arthur ao examinar este capítulo: “Toda situação de falta de água, toda batalha, é uma prova vinda de Deus para verificar em quem, ou onde, você tem procurado socorro no dia da tribulação”.

O povo de Israel acabara de ver Deus alimentando toda aquela multidão no deserto, mas uma simples sede ofuscou Seu poder e o povo começou a reclamar. “Houvesse Israel sido transportado diretamente do Egito a Canaã, e não teria sido feita uma triste exibição do que é o coração humano”, diz C. H. Mackintosh. Somos diferentes dos antigos israelitas?

1. A atitude dos israelitas parece revelar descrença total em Deus, como se Deus não pudesse fazer nada ou como se Ele não existisse realmente (vs. 1-3);

2. Além de reclamar, assim que Deus graciosa e misericordiosa saciou miraculosa e maravilhosamente a sede do povo, ninguém agradeceu – revelando assim tamanha ingratidão (vs. 6-7);

Somos diferentes? Muitos conhecem o ditado visando promover esperança: “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”. Porém, os que conhecem a Deus vão além: “Se Deus quiser até de pedra sai água para saciar pessoas de cabeça dura”.

Precisamos aprender com Moisés, que, sendo humano como nós, sabia quanto carecia de Deus, principalmente diante de grandes desafios:

1. Confrontado, acusado, criticado pelos israelitas, Moisés recorreu a Deus em oração, seguiu prontamente Seus sábios conselhos e, o problema tornou-se oportunidade para Deus realizar milagres (vs. 4-6);

2. Confrontado, desafiado e intimado por inimigos amalequitas, Moisés organizou o povo com Josué e recorreu a Deus em intercessão. Com auxílio de Arão e Hur manteve as mãos ao alto; então, Deus concedeu vitória ao povo inexperiente na guerra (vs. 8-16).

Mackintosh faz a seguinte aplicação: “Sempre que somos postos à prova, podemos estar certos que, com a prova, há também uma saída, e tudo que precisamos é uma vontade submissa ao Senhor e um olhar simples para vermos a saída”.

Às vezes precisamos lutar; outras vezes, orar. Entretanto, nunca venceremos verdadeiramente sem oração!

Quem ora, faz história; pois, com Deus alcança vitórias! – Heber Toth Armí
@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

A Perseguição e a Expansão do Evangelho

Refletindo a Cristo
18 de dezembro


A Perseguição e a Expansão do Evangelho

Irmãos, tomai por modelo no sofrimento e na paciência os profetas, os quais falaram em nome do Senhor. Tia. 5:10.

Jamais houve alguém que andasse entre os homens mais cruelmente caluniado do que o Filho do homem. Era desprezado e escarnecido por causa de Sua incondicional obediência aos princípios da santa lei de Deus. Aborreceram-nO sem causa. Todavia Ele permanecia calmo perante Seus inimigos, declarando que o sofrimento é uma parte do legado dos cristãos, aconselhando Seus seguidores quanto à maneira de enfrentar as setas da perversidade, pedindo-lhes que não desfalecessem sob a perseguição.

Conquanto a calúnia possa enegrecer a reputação, não pode manchar o caráter. Este se encontra sob a guarda de Deus. Enquanto não consentirmos em pecar, não há poder, diabólico ou humano, que nos possa trazer uma nódoa à alma. Um homem cujo coração está firme em Deus é, na hora de suas mais aflitivas provações e desanimadoras circunstâncias, o mesmo que era quando em prosperidade, quando sobre ele pareciam estar a luz e o favor de Deus. Suas palavras, seus motivos, suas ações, podem ser desfigurados e falsificados, mas ele não se importa, pois tem em jogo maiores interesses. Como Moisés, fica firme como “vendo o invisível” (Heb. 11:27). …

Em todos os séculos os escolhidos mensageiros de Deus têm sido ultrajados e perseguidos; não obstante, mediante seus sofrimentos foi o conhecimento de Deus disseminado no mundo. Todo discípulo de Cristo tem de ingressar nas fileiras e levar avante a mesma obra, sabendo que seu inimigo nada pode fazer contra a verdade, senão pela verdade. Deus pretende que a verdade seja posta pela frente, se torne objeto de exame e consideração, a despeito do desprezo que lhe votem. O espírito do povo deve ser agitado; toda polêmica, toda crítica, todo esforço para restringir a liberdade de consciência, é um instrumento de Deus para despertar as mentes que, do contrário, ficariam sonolentas.

Quantas vezes se têm observado esses resultados na história dos mensageiros de Deus! Quando o nobre e eloqüente Estêvão foi apedrejado por instigação do conselho do Sinédrio, não houve nenhum prejuízo para a causa do evangelho. A luz do Céu a iluminar-lhe o semblante, a divina compaixão que transpirava de sua oração quando moribundo, foram qual penetrante seta de convicção para os fanáticos membros do Sinédrio ali presentes, e Saulo, o fariseu perseguidor, tornou-se um vaso escolhido para levar diante dos gentios, dos reis e dos filhos de Israel, o nome de Cristo. O Maior Discurso de Cristo, págs. 32-34.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, Pág. 358

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Maná todos os dias: Êxodo 16

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica: Êxodo 16
Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí

Maná todos os dias

Havia dia que a padaria do Céu não abria para negócio, como fica evidente neste capítulo! Essa iniciativa ensina muitas lições, apenas para quem quer aprender.

Originado em um mundo sem pecado, o sábado sempre foi considerado santo pelo santo Deus (Gênesis 2:1-3). Contudo, nos quatro séculos de trevas espirituais durante a escravidão egípcia, a luz da verdade do sábado foi obscurecida na mente do povo de Deus.

Portanto, o Criador do Universo deu maná todos os dias, com exceção do sábado. Foram 40 anos de peregrinação, aprendizado e amadurecimento espiritual no deserto. Ali “se repetiu por mais de duas mil vezes o milagre do maná em relação com a observância do sábado” (Alberto R. Timm).

Além desta lição importante sobre a importância do sábado como um dia especial, outras lições sobressaem e merecem também nossa atenção:

1. Reclamações do povo reflete desconfiança em Deus; estrategicamente, Deus aplica métodos para desenvolver dependência dEle. Maná é um ato diário da graça divina, sábado um ato semanal desta graça. Nossa aceitação revela nosso compromisso com Deus (vs. 1-5);

2. Reclamação suscita ira em Deus porque revela ingratidão do povo; estrategicamente, Deus atende tais reclamações com chateação – Ele enviou comida agradável, mas não saudável (codornizes) a fim de disciplinar Seu povo (vs. 6-18);

3. O maná, um tipo de farinha que vinha com o sereno, tornava-se imprestável se guardado para outro dia; na sexta-feira caia em dobro para sobrar para o sábado, pois sábado não caia maná. No sábado não estragava (vs. 19-35). “O milagre semanal que os acompanhava tinha como objetivo impressionar-lhes com a santidade do sábado, evitar que se esquecessem dele e proporcionar-lhes as condições adequadas para sua observância”, explica Timm;

4. Além disso, o maná derretia com o sol, portanto, quem quisesse comer durante o dia deveria levantar cedo para recolhê-lo. A lição: A dependência de Deus deve começar pela manhã todos os dias. O sábado era o auge da dependência. Era um total descanso/confiança na graça divina!

5. O maná devia ser preparado, mostrando que Deus não dá tudo pronto. A nossa dependência de Deus, nossa confiança, leva-nos à ação!

Tem gente que refere comer do “pão que o diabo amassou” do que depender do pão da padaria de Deus. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí
@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

Alegrando-se Com o Sofrimento

Refletindo a Cristo
17 de dezembro
Alegrando-se Com o Sofrimento

Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória. II Cor. 4:17.

A Seus seguidores não dá Jesus nenhuma esperança de glória ou riquezas terrestres ou de uma vida livre de tentações, mas mostra-lhes o privilégio de trilhar com o Senhor o caminho da abnegação e suportar calúnias do mundo que os não conhece. …

Em cruel conspiração levantaram-se os homens e anjos maus contra o Príncipe da paz. Embora cada palavra e ação testificassem da compaixão divina, Sua falta de semelhança com o mundo provocava a mais amarga inimizade. …

Entre a justiça e o pecado, amor e ódio, verdade e falsidade há conflito irreprimível. Quem manifestar, na conduta, o amor de Cristo e a beleza da santidade, subtrai a Satanás os seus súditos, e por isso o príncipe das trevas contra ele se levanta. …

Logo que os homens procuram viver em harmonia com Deus, acharão que o escândalo da cruz ainda não findou. Principados, potestades e exércitos espirituais da maldade nos lugares celestiais, estão voltados contra todos os que se submetem obedientemente à lei celestial. Por isso, aos discípulos de Cristo, deveriam as perseguições causar alegria, em lugar de tristeza, porque elas são uma demonstração de que seguem os passos do Senhor.

Conquanto o Senhor não prometa estarem Seus servos livres de perseguição, assegura-lhes coisa muito melhor. Diz Ele: “A tua força será como os teus dias.” Deut. 33:25. … Quem precisar, por amor de Cristo, passar pelo calor da fornalha, terá ao lado o Senhor, como os três fiéis de Babilônia. Quem amar ao Redentor, alegrar-se-á em todas as ocasiões, de participar das Suas humilhações e insultos. O amor de Jesus torna doces os sofrimentos. …

Segue o Senhor através de duras batalhas, exercita-se na abnegação e sofre amargas experiências, mas reconhece por tudo isso a culpa e a miséria do pecado e aprende a afugentá-lo.

Visto tomar parte nos sofrimentos de Cristo, [o sofredor] participará também de Sua glória. Em visão, contemplou o profeta a vitória do povo de Deus. Diz ele: “E vi um como mar de vidro misturado com fogo e também os que saíram vitoriosos… que estavam junto ao mar de vidro e tinham as harpas de Deus. E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e maravilhosas são as Tuas obras, Senhor, Deus todo-poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei dos santos!” Apoc. 15:2 e 3. O Maior Discurso de Cristo, págs. 29-31.

Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, – Pág. 357 –

domingo, 16 de dezembro de 2018

Um hino de vitória- Êxodo 15

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica-
Êxodo 15
Comentários Bíblicos: Pr. Heber Toth Armí

Um hino de vitória

Para alguns, Deus é prioridade; enquanto, para muitos, Deus é oportunidade. Os que O priorizam O adoram em toda situação. Os que O buscam quando tem oportunidade, não experimentam o resultado da intimidade e comunhão com Ele: Não vive milagres.

É visível em muitas congregações pessoas cantarem como se estivessem num velório, isso quando cantam – pois tem gente que já não tem disposição. Adivinha quem morreu? Não foi Deus; foi a fé, espiritualidade e adoração daquele que um dia tornou-se cristão.

Moisés louvou ao Senhor porque Ele é o Salvador. Ele priorizou Deus em sua vida e influenciou mais dois milhões de israelitas a confiarem nEle, por isso viveram o milagre divino e testemunharam das habilidades de Deus diante das impossibilidades humanas.

Esta canção é um hino de vitória a qual Douglas Stuart observa cinco partes:

• Primeira parte: Louvar ao Senhor (vs. 1-3);

• Segunda parte: Vitória sobre os Egípcios (vs. 4-10);

• Terceira parte: Louvor e agradecimento ao Senhor (vs. 11-13);

• Quarta parte: Reação dos futuros oponentes (vs. 14-16a);

• Quinta parte: Israel – santuário de Deus (vs. 16b-18).

Sobre o hino Ellen G. White comenta: “semelhante à voz do abismo, surgiu das vastas hostes de Israel aquela sublime tributação de louvor. Deram-lhe início as mulheres de Israel, indo à frente Miriã, irmã de Moisés, ao saírem elas com tamboril e danças. Longe, por sobre o deserto e o mar, repercutia o festivo estribilho, e as montanhas ecoavam as palavras de louvor – ‘Cantai ao Senhor, porque sumamente se exaltou’”.

Um detalhe interessante para que haja um louvor forte é a manifestação do Espírito Santo pelo menos no líder do ministério de louvor. “O Espírito de Deus repousou sobre Moisés, que dirigiu o povo em uma antífona triunfante de ações de graças, a primeira e uma das mais sublimas que pelo homem são conhecidas” (EGW).

Após Moisés, com mais de 80 anos cantar com toda empolgação, e Miriã e toda a congregação exultar e exaltar a Deus (vs. 1-21), o povo começou a reclamar por falta de água. Quando encontraram eram amargas. Contudo, Deus tornou a água amarga em água potável, saborosa e doce (vs. 22-27).

1. Precisamos adorar a Deus com todo entusiasmo;

2. Precisamos cuidar para que o louvor não seja mero entusiasmo.

Reavivemo-nos! –Heber Toth Armí
@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

Dos Dissabores Para um Reino de Paz

Refletindo a Cristo
16 de dezembro
Dos Dissabores Para um Reino de Paz


Bem-aventurado é o homem a quem Deus disciplina. … Porque Ele faz a ferida e Ele mesmo a ata; Ele fere, e as Suas mãos curam. De seis angústias te livrará, e na sétima o mal te não tocará. Jó 5:17-19.

Mas quando nos sobrevém a tribulação, quantos de nós são como Jacó! Julgamos ser a mão de um inimigo; e na escuridão lutamos cegamente até ter gasto as forças, sem encontrarmos conforto nem libertação. O toque divino em Jacó ao raiar do dia, revelou Aquele com quem estivera lutando – o Anjo do concerto; e pranteando, deixou-se cair impotente nos braços do Infinito Amor, para receber as bênçãos que sua alma anelava. Também nós precisamos aprender que as provações significam benefício, e não desprezar o castigo do Senhor, nem desfalecer quando somos por Ele repreendidos. […]

Não é vontade de Deus que nos mantenhamos subjugados pela muda tristeza, coração ferido e quebrantado. Ele quer que olhemos para cima e Lhe contemplemos a serena face de amor. O bendito Salvador Se põe ao lado de muitos, cujos olhos estão tão cegados pelas lágrimas, que nem O discernem. Deseja tomar-nos pela mão, e que O olhemos com fé simples, permitindo que Ele nos guie. Seu coração abre-Se às nossas dores, tristezas e provações. Amou-nos com amor eterno e com amorável benignidade nos atraiu. Podemos fazer descansar sobre Ele o coração e meditar o dia todo em Sua amorável benignidade. Ele erguerá a alma acima dos diários dissabores e perplexidades, a um reino de paz.

Pensai nisto, filhos do sofrimento e da dor, e regozijai-vos em esperança: “Esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1João 5:4).

Bem-aventurados são também os que choram com Jesus, em simpatia com os entristecidos do mundo, e em tristeza pelo pecado. Desse pranto não participa nenhum pensamento egoísta. Jesus foi o Varão de dores, suportando angústia de coração tal que nenhuma linguagem poderá retratar. Seu espírito foi ferido e moído pelas transgressões do homem. Afadigou-Se em zelo consumidor para aliviar as necessidades e infortúnios da humanidade, e o Seu coração pesava de tristeza ao ver multidões recusarem ir a Ele para que vivessem. Todos os que são seguidores de Cristo terão parte nesta experiência. Ao participarem de Seu amor, entrarão para o Seu serviço a fim de salvar os perdidos. Participam dos sofrimentos de Cristo e também participarão da glória que há de ser revelada. Unidos com Ele em Sua obra, com Ele sorvendo o cálice da amargura, são também participantes de Sua alegria. […]

O Senhor tem graça especial para outorgar ao que pranteia, graça cujo poder é abrandar corações e ganhar almas. O Maior Discurso de Cristo, págs. 11-13.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, Pág. 356

sábado, 15 de dezembro de 2018

Seu ilimitado poder- Êxodo 14

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 14Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí

Seu ilimitado poder

Há neste texto estupendas orientações espirituais. Este capítulo “é uma das passagens mais emocionantes da Bíblia”, destaca William MacDonald.

Acompanhe este emocionante relato; antes, porém, observe estes pontos propostos por Eugene H. Merril:

1. Mais uma vez Deus endureceu o coração do faraó, de modo que, pela sua derrota, o Egito soubesse que Javé é Deus (vs. 1-18);
2. Através de uma noite inteira de angústia, a presença do Senhor guardou Israel dos exércitos do Egito (vs. 19-20)

3. Então Javé, no ato redentor mais maravilhoso do AT, abriu o mar para que Seu povo passasse com segurança, enquanto seus inimigos pereciam (vs. 21-31).

Esta passagem fala dos limites humanos que dão oportunidade de Deus revelar Seu ilimitado poder (vs. 1-4). Demonstra que embora inimigos de Deus alcancem Seu povo que o medo pareça estrangular a fé, demonstrar confiança nas ordenanças de Deus possível a vitória que parecia impossível (vs. 5-14).

Um homem de fé faz toda a diferença em uma nação desnorteada, aflita e desesperada. A voz de Moisés ecoando imperativamente apelando ao povo que “marche” frente ao mar deve motivar-nos a entregar-nos a Deus como instrumento Seus a fim de ver milagres acontecerem: O mar se abriu em dois para dois milhões de pessoas passarem (vs. 15-22).

A tentativa frustrada dos egípcios deve gravar em nosso coração e razão que é loucura/idiotice batalhar contra Deus mesmo que tenhamos à nossa disposição o melhor, mais bem preparado e equipado exército do mundo. Quando Deus entra em cena e faz justiça, a salvação do povo de Deus está na destruição de Seus inimigos (vs. 23-31).

Compartilho mais: Em minha Bíblia anotei frases de um sermão que ouvi deste capítulo:

• A fé é o medo de joelho clamando a Deus por ajuda (vs. 9-10);
• O problema do ponto-de-vista humano foi a solução oportuna para Deus revelar Seu poder (vs. 11-12);
• Deus não ajuda a quem se ajuda, Ele ajuda a quem não pode se ajudar (vs. 13-14);
• Nossos extremos são as oportunidades de Deus (vs. 15-16).

Erwin Lutzer enfatiza que...

• Deus nos conduz a lugares de aperto;
• Em cada lugar apertado Deus provê uma forma de escape;
• Nossos lugares apertados devem tornar-se os lugares apertados de Deus.

Sendo Deus poderoso: Que impede reavivar-nos? – Heber Toth Armí

@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

João Enfrentou os Erros Com Firmeza

Refletindo a Cristo,
15 de dezembro
João Enfrentou os Erros Com Firmeza


Ora, a mensagem que, da parte dEle, temos ouvido e vos anunciamos é esta: que Deus é luz, e não há nEle treva nenhuma. I João 1:5.

João não prosseguiu seu trabalho sem grandes embaraços. Satanás não estava ocioso. Instigou homens maus para abreviarem a vida útil desse homem de Deus; mas santos anjos o protegeram de seus assaltos. … A igreja, em seu perigo, necessitava de seu testemunho.

Pela representação maliciosa e falsidade, os emissários de Satanás procuraram despertar oposição contra João e a doutrina de Cristo. Em conseqüência, dissensões e heresias estavam pondo em perigo a igreja. João enfrentou estes erros com inflexibilidade. Vedou o caminho aos adversários da verdade. Escreveu e exortou, para que os dirigentes destas heresias não tivessem o menor estímulo. Presentemente, há males semelhantes aos que ameaçavam a prosperidade da igreja primitiva, e os ensinos do apóstolo sobre estes pontos deveriam ser cuidadosamente atendidos. “Deveis ter amor”, é o clamor que se pode ouvir em toda parte, especialmente daqueles que professam a santificação. Mas o amor é demasiado puro para cobrir um pecado não confessado. Os ensinos de João são importantes para aqueles que vivem entre os perigos dos últimos dias. Ele estivera intimamente ligado a Cristo. Escutara Seus ensinos e testemunhara Seus poderosos milagres. Assim apresentou um convincente testemunho, que tornou sem efeito as falsidades de Seus inimigos. …

João desfrutou a bênção da verdadeira santificação. Mas notai: o apóstolo não proclama ser sem pecado; está em busca da perfeição, andando à luz da presença de Deus. Testifica que o homem que professa conhecer a Deus e, contudo, quebra a lei divina, nega sua profissão. “Aquele que diz: Eu O conheço e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade.” I João 2:4. Neste século de alarmante liberalidade, estas palavras seriam taxadas de carolice. Mas o apóstolo ensina que, conquanto devamos manifestar cortesia cristã, estamos autorizados a chamar o pecado e os pecadores por seu verdadeiro nome – que isto é coerente com o verdadeiro amor. Conquanto tenhamos de amar as pessoas por quem Cristo morreu e trabalhar por sua salvação, não devemos condescender com o pecado. Não nos unamos com os rebeldes chamando a isso amor. Deus exige de Seu povo atual que permaneça, como o fez João em seu tempo, inflexivelmente pelo direito, em oposição aos erros destruidores das pessoas. A Santificação, págs. 64 e 65.

Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, – Pág. 355

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

O que significa “êxodo”-- Êxodo 13

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 13
Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí

O que significa “êxodo”


Como mudar a história de uma nação que não vê possibilidade alguma de melhoras? Como mudar o rumo da nação escrava da maior potência mundial? Como inspirar esperança em corações empedernidos pelo desespero e sofrimento? Como migrar da situação deprimente à libertação?

Dica: Concentre-se no que o Deus libertador revela nas páginas sagradas da Bíblia.

O que significa “êxodo”? Você ouviu falar de “êxodo rural”? O dicionário diz: “Êxodo rural é o termo pelo qual se designa o abandono do campo por seus habitantes, que, em busca de melhores condições de vida, se transferem de regiões consideradas de menos condições de sustentabilidade a outras, podendo ocorrer de áreas rurais para áreas rurais, ou de áreas rurais para áreas urbanas”.

Portanto, êxodo denota “emigração”, “saída”, “retirada”. O Dicionário Bíblico Adventista conecta êxodo “à partida ou viagem dos israelitas do Egito depois de haver habitado nesse país por mais de 2 séculos e ter sido escravos por algum tempo. Esta migração foi realizada sob a direção de Moisés e acompanhada de muitos milagres”.

Os enviados de Deus enfrentam oposição neste mundo de demônios; contudo, ao depender do poder divino para cumprir a missão divina, agentes missionários alcançarão objetivos divinos incalculáveis. A nação que entender e aceitar isso se erguerá da lama ou do pó (Israel); mas, aquela que ignorar, afundará em suas execráveis atitudes ambiciosas (Egito).

Observe Êxodo 13 nestes dois tópicos:

1. Após morte dos primogênitos que rejeitaram o sangue do cordeiro, os primogênitos vivos deveriam ser consagrados/dedicados ao Senhor. Eles deveriam aprender sobre Deus por meio dos pais – os quais devem ser líderes espirituais dos filhos (vs. 1-16).

2. Os israelitas emigraram do Egito, liderados por Deus, não por Moisés; este é apenas um mero instrumento nas mãos divinas. A nuvem diurna e a coluna de fogo noturna representavam a presença ininterrupta de Deus (vs. 17-22).

Pontos a considerar:

• É imprescindível todo pai amoldar a vida espiritual dos filhos;

• É importante submeter-se às orientações divinas;

• É impressionante o que acontece com famílias e nações que permitem que Deus seja Deus.

Quem assim proceder emigrará deste mundo para o Céu com sua família, na companhia de todo o povo de Deus, liderado por Cristo.

Cristãos aguardam novo êxodo, maior que o primeiro! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
Refletindo a Cristo
14 de dezembro
As Provações Educam, Purificam e Fortalecem


Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós, … mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da Sua glória vos regozijeis e alegreis. I Ped. 4:12 e 13.

Olhando com visão profética para os perigosos tempos em que a igreja de Cristo estava para entrar, o apóstolo exortou os crentes a permanecerem firmes em face das provas e sofrimentos. “Amados”, escreveu ele, “não estranheis a ardente prova que vem sobre vós, para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse.”

As provas são parte da educação recebida na escola de Cristo, para purificar os filhos de Deus da escória do que é terreno. É porque Deus está guiando Seus filhos que lhes sobrevêm experiências probantes. Provas e obstáculos são Seus métodos escolhidos de disciplina, e as condições por Ele indicadas para o êxito. Aquele que lê os corações humanos conhece-lhes as fraquezas melhor do que eles mesmos as poderiam conhecer. Ele vê que alguns têm qualificações que, se apropriadamente dirigidas, poderiam ser usadas no avançamento de Sua obra. Em Sua providência Ele leva essas almas a diferentes posições e variadas circunstâncias, para que possam descobrir os defeitos que estão ocultos ao seu próprio conhecimento. Dá-lhes oportunidades de vencer esses defeitos, habilitando-se para o serviço. Não raro permite que o fogo da aflição os abrase, a fim de serem purificados.

O cuidado de Deus por Sua herança é incessante. Ele não permite que sobrevenha a Seus filhos nenhuma aflição que não seja essencial ao seu bem presente e eterno. Deseja purificar Sua igreja da mesma maneira como Cristo purificou o templo durante Seu ministério terrestre. Tudo quanto Ele faz recair sobre Seu povo como provas, vem para que alcancem mais profunda piedade e maior força para levar avante os triunfos da Cruz.

Houve um tempo na experiência de Pedro em que ele não se dispunha a ver a cruz na obra de Cristo. Quando o Salvador deu a conhecer aos discípulos os sofrimentos e morte que O esperavam, Pedro exclamou: “Senhor, tem compaixão de Ti; de modo nenhum Te acontecerá isso.” Mat. 16:22. A compaixão própria, que se esquivava de seguir a Cristo no sofrimento, preparou as razões de Pedro. Foi para o discípulo uma amarga lição, que ele não aprendeu senão vagarosamente, a de que a senda de Cristo na Terra é feita de sofrimento e humilhação. Porém na fornalha de fogo ardente devia ele aprender essa lição. Agora, quando seu corpo outrora ativo estava curvado ao peso dos anos e trabalhos, pôde ele escrever: “Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós, para vos tentar, … mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo.” Atos dos Apóstolos, págs. 524 e 525.

Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, Pág. 354 –

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Instituição da Páscoa- Êxodo 12

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 12
Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí


Instituição da Páscoa


O remédio para qualquer desgraça causada pelo pecado é a graça, não há outro. Além disso, se diluído em legalismo ou liberalismo teológico ou outra coisa qualquer perde totalmente o efeito. Atente bem para o que diz a palavra de Deus para não aceitar palavras de pastores, padres, papas, presbíteros, bispos, doutores, etc.

A páscoa/Pessach ilustra teológica, didática e pedagogicamente o evangelho que liberta dos pesados fardos de pecados do presente e do passado, e restaura o estrago causado por ele; ela oferece um futuro a quem mal vive o presente.

A páscoa original, orientada por Deus, descrita na Bíblia, não tem coelhos nem ovos (símbolo místico da fertilidade) nem chocolates. Havia cordeiro, sangue, morte, ervas amargas e pães asmos/ázimos:

• Ervas amargas simbolizavam lembranças amargas da escravidão (v. 14);
• Sangue, carne e morte do cordeiro simbolizavam união familiar (vs. 3-4);
• Pães asmos/sem fermento simbolizavam purificação (vs. 8, 19-20).

Tudo apontava ao plano da salvação que chegaria ao seu auge quando o Cordeiro de Deus – Cristo – morresse e derramasse Seu sangue para libertar-nos de nossa escravidão do pecado, restaurando-nos e purificando-nos das agruras vividas na miséria da imoralidade; promovendo assim, união familiar, principalmente na família eclesiástica.

O salário do pecado é a morte. O anjo da morte passaria pelo Egito, mas passaria por alto (ou por cima) da casa em que alguém passasse sangue por cima da porta e nas laterais. Não existiam condições ou escolhas aleatórias de famílias; quem quisesse salvar-se deveria passar sangue nas portas da casa: seja egípcio ou israelita, bom ou ruim (v. 48).

Faraó não aceitou; portanto, sentiu na alma o que significa ignorar a graça de Deus (v. 30).

O anjo não olharia comportamento de ninguém, somente o sangue. A única recomendação era decidir passar sangue ou não. Quem submetesse às orientações divinas perceberia que a PÁSCOA comemoraria...

1. A libertação do sofrimento, da escravidão (vs. 31-33, 37-51);
2. O poder de Deus em libertar/salvar/redimir (vs. 17, 27-29).

Páscoa fala do início de uma nova vida: da escravidão à libertação, da tristeza à alegria, do pecado à santidade.

O princípio permanece válido: O único meio de livrar-se da morte é através da morte do Cordeiro de Deus: Cristo (verdadeira páscoa cristã: 1 Coríntios 5:7).

“Liberta-nos, Senhor. Reaviva-nos!” – Heber Toth Armí


@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

Pedro Fortaleceu os Aflitos

Refletindo a Cristo
Pedro Fortaleceu os Aflitos - 13 de dezembro

Para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo. I Ped. 1:7.

Os seres humanos, dados eles próprios ao mal, são inclinados a tratar duramente com os tentados e os que erram. Eles não podem ler o coração; não conhecem suas lutas e pesares. Necessitam aprender a respeito da repreensão que é amor, do golpe que fere para curar, da advertência que fala de esperança.

Durante seu ministério, Pedro vigiou fielmente o rebanho que lhe fora confiado, tornando-se assim digno do encargo e responsabilidades que lhe foram outorgados pelo Salvador. Exaltou sempre a Jesus de Nazaré como a Esperança de Israel, o Salvador da humanidade. Mantinha sua própria vida sob a disciplina do Mestre por excelência. Buscava, por todos os meios ao seu alcance, educar os crentes para o serviço ativo. Seu piedoso exemplo e incansável atividade inspiravam muitos jovens promissores a se entregarem inteiramente à obra do ministério. Com o passar do tempo a influência do apóstolo como educador e líder cresceu; e conquanto jamais perdesse de vista sua preocupação de trabalhar especialmente pelos judeus, levou contudo seu testemunho a muitas terras, e fortaleceu a fé de multidões no evangelho.

Nos últimos anos de seu ministério, Pedro foi inspirado a escrever aos crentes “dispersos no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia”. I Ped. 1:1. Suas epístolas foram o meio de reavivar o ânimo e fortalecer a fé daqueles que estavam sofrendo provas e aflições, e de renovar as boas obras dos que, assediados por tentações de toda ordem, estavam em perigo de perder seu apego a Deus. Essas cartas levam a impressão de terem sido escritas por alguém em quem os sofrimentos de Cristo, bem como Sua consolação, tinham sido abundantes; alguém cujo ser todo tinha sido transformado pela graça, e cuja esperança de vida eterna era certa e firme.

No início de sua primeira carta, o encanecido servo de Deus rende a seu Senhor tributo de louvor e graças. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”, exclama, “que, segundo a Sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar.” I Ped. 1:3 e 4. …

Nesta esperança de uma herança segura na Terra renovada rejubilavam-se os primeiros cristãos, mesmo em tempos de severa prova e aflição. Atos dos Apóstolos, págs. 516-518.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo
Pág. 353

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Dureza de coração- Êxodo 11

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 11Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí

Dureza de coração

Faraó pôs o Egito inteiro a perder, mas não dispôs a render-se ao verdadeiro Deus. Seu orgulho era o entulho suprimindo todo espaço de Deus no coração. E nós... como respondemos aos insistentes apelos divinos?

Muitos insistem no que creram a vida inteira. Não abrem mão ainda que se prove tamanha ilusão em sua falsa religião. Faraó cria ser deus, seu primogênito era a divindade que ocuparia seu lugar – Moisés previu futuro sombrio ao Egito (vs. 1-10).

Com dureza de coração (teimosia) diante das evidentes manifestações do Deus que desejava sua conversão, Faraó arruinou seu império. Contudo, fica claro que...

1. Deus sabe o limite de Seus julgamentos sobre os impenitentes: “Vou atingir a faraó e o Egito mais uma vez [disse a Moisés], e será a última” (v. 1);

2. Deus conhece os mínimos detalhes das futuras reações dos pecadores: “Eles vão querer livrar-se de vocês o mais rápido possível [Deus profetiza]” (v. 1);

3. Deus toca no coração dos injustos quando precisa fazer justiça a Seu povo: Aos escravos que trabalharam demasiadamente sem salário, Deus ordenou que pedissem recursos aos egípcios; pois, “Deus fez que os egípcios se mostrassem generosos” (v. 2);

4. Deus restaura a reputação de Seus dedicados e submissos servos: Moisés que no início fora rejeitado até pelos israelitas (seu povo), agora “era muito admirado pelos egípcios, uma figura pública de respeito entre os membros da corte e o povo em geral” (v. 3);

5. Deus sempre avisa o que fará, ainda que os avisados rejeitem Sua mensagem (vs. 4-7);

6. Deus, através de Moisés, informa até mesmo o resultado de Suas ações na vida de Seus opositores: “Então, todos os seus súditos vão dobrar os joelhos e implorar: ‘Saiam daqui! Você e seu povo’” (v. 8).

7. Deus sabe que nenhum decreto (nada) mudará o coração de concreto de Faraó; o qual, movido pela raiva, não pela submissão/convicção, permitiria a saída dos hebreus (vs. 9-10).

Tem gente que não aprende nenhuma lição espiritual! Quantas vidas, famílias, cidades arruinadas/destruídas, devido a tanta inflexibilidade diante dos insistentes apelos de Deus.

Tem gente que, embora o presente revele um futuro claramente certo que sem Deus tudo será incerto, prefere apegar-se às suas inseguras convicções.

“Senhor, salva-me de mim mesmo!” – Heber Toth Armí

@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz

O Poder Irresistível da Vida de Paulo

Refletindo a Cristo
O Poder Irresistível da Vida de Paulo - 12 de dezembro

Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em Ti. Isa. 26:3.

Nero pronunciou a decisão que condenava Paulo à morte de mártir. …

A poucos espectadores se permitiu estar presentes; pois seus perseguidores, alarmados com a extensão da sua influência, temiam que fossem ganhos conversos para o cristianismo por meio das cenas de sua morte. Mas, até os soldados empedernidos que o acompanhavam, ouviram suas palavras, e com espanto o viram animoso e mesmo alegre à vista da morte. Para alguns que testemunharam seu martírio, o espírito de perdão que manifestou para com seus assassinos, e sua inabalável confiança em Cristo até o último momento, mostraram ser um cheiro de vida para vida. …

A paz celestial que o semblante de Paulo irradiava ganhou muitas almas para o evangelho.

Paulo levava consigo a atmosfera do Céu. Todos os que com ele se associavam sentiam a influência de sua união com Cristo. O fato de que sua própria vida exemplificava a verdade que pregava, dava a sua pregação um convincente poder. Nisto reside o poder da verdade. A influência espontânea e inconsciente de uma vida santa é o mais convincente sermão que se pode fazer em prol do cristianismo. O argumento, mesmo quando seja irrespondível, pode só provocar oposição; mas o exemplo piedoso tem um poder a que é impossível resistir completamente.

O apóstolo perdeu de vista seus próprios sofrimentos, que se aproximavam, em sua solicitude por aqueles que ele estava prestes a deixar a lutar com o preconceito, ódio e perseguição. Os poucos cristãos que o acompanharam para o local da execução, ele se esforçou por fortalecer e animar, repetindo as promessas feitas àqueles que são perseguidos por causa da justiça. Assegurou-lhes que nada falharia de tudo aquilo que o Senhor falara com respeito a Seus filhos provados e fiéis. Por algum tempo poderiam estar sob o peso de multiformes tentações; poderiam achar-se destituídos de conforto terrestre; poderiam, porém, animar o coração com a certeza da fidelidade de Deus, dizendo: “Sei em quem tenho crido e estou certo de que Ele é poderoso para guardar o meu depósito até aquele dia.” II Tim. 1:12. Logo terminaria a noite de provações e sofrimentos, e raiaria a alegre manhã da paz e do dia perfeito.

O apóstolo estava a olhar para o grande além, não com incerteza ou terror, mas com esperança e anelante expectativa. Ao encontrar-se no lugar do martírio, não vê a espada do carrasco ou a terra que tão logo há de receber o seu sangue; olha, através do calmo céu azul daquele dia de verão, para o trono do Eterno. Atos dos Apóstolos, págs. 509-512.

Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo– Pág. 352

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

O poder de Deus!- Êxodo 10

Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse
Leitura Bíblica- Êxodo 10
Comentários Bíblicos Pr. Heber Toth Armí


O poder de Deus!


Com as pragas ficam evidentes que a guerra dos deuses não é mitologia, nem filmes de ficção científica: Aconteceu de verdade – embora possa ter inspirado a ambos.

1. Transformar águas do Nilo (7:14-25) em sangue demonstrou que o rio, ora como Hâpi (doador da vida), ora como Osíris, (deus da fertilidade), não era nada diante do Soberano do Universo;

2. A praga das rãs (8:1-5) foi um golpe desferido à outra divindade; rã era adorada como símbolo de Hekt, uma forma da deusa Hathor;

3. Ao ferir o pó da terra para, então, surgir piolhos (8:16-19), pode ter sido um ataque ao deus do deserto, Set;

4. A praga das moscas (8:20-32) pode ser uma humilhação aos deuses Rá e/ou Uatchit, ambos representados por insetos. “Esses julgamentos eram um golpe contra o prestígio de Ísis, esposa de Osíris, e Hathor, maior deusa egípcia” (Merril R. Unger);

5. A peste nos animais (9:1-7) revela o falso poder dos deuses: Ápis, geralmente representado como touro; Hathor, como vaca; Khnum e Amon, como carneiros;

6. A praga dos tumores/úlceras que causaram feridas purulentas (9:8-12) “talvez visasse a três divindades egípcias: Sekhmet, deusa que supostamente controlava as enfermidades; Sunu, deus da pestilência; e Ísis, deusa da cura” (Abel Ndejarareou);

7. A chuva de pedras/saraivas (9:13-35) pode foi um golpe à deusa egípcia do céu, Nut; evidenciando que o verdadeiro Deus do Céu é o Senhor Jeová;

8. A praga dos gafanhotos (10:1-20) devia afetar a crença na deusa Serafis e Ísis, que supostamente protegiam a lavoura egípcia;

9. A praga dos três dias de trevas/escuridão totais (10:21-29) afrontou ao deus Ra, nome dado ao sol – principal deus do panteão egípcio.

Cada praga golpeava fatalmente vários deuses egípcios, pois havia muitíssimos. O Deus verdadeiro revelou a incapacidade de qualquer outro ser deus; intentando assim, atrair todos (egípcios e israelitas), da adoração dos falsos deuses para Ele, o único Deus verdadeiro.

Não existem deuses, feitiços, macumbas, ciências ocultas, alquimia, etc. que invalidem o poder de Deus!

Há um grande conflito: Satanás tentando iludir com falsas divindades, e Deus revelando a verdade. Cabe a cada um de nós tomarmos decisão sábia de honrar e testemunhar do verdadeiro Deus – sem titubear como titubeou Faraó!

Querido(a): Não endureça teu coração! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


@palavraeficaz
#rpsp #ebiblico #palavraeficaz


Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis