terça-feira, 18 de abril de 2023

CRISTO, O ALVO DA IRA DE DEUS

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

18 de abril

       CRISTO, O ALVO DA IRA DE DEUS

   Ele foi traspassado por causa das nossas transgressões e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas feridas fomos sarados. Isaías 53:5

   A morte de Cristo é fundamental na doutrina cristã e está relacionada à atuação da ira de Deus. Quando olhamos para o que ocorreu na cruz do Calvário, somos tocados pelo sofrimento de Cristo e podemos perceber quatro aspectos da dor que Ele experimentou na cruz. Primeiramente, a dor física envolvida na morte por crucificação – uma das formas mais terríveis já inventadas pelo ser humano para levar alguém à morte. Houve também a dor psicológica de assumir a culpa por nossos pecados – o que causou intensa agonia, pelo fato de essa culpa ser tão contrária à Sua natureza pura. Acrescente-se a dor de ser abandonado por Deus e pelas pessoas (Mt 27:46; 26:56), enfrentando sozinho os pecados colocados sobre Ele. A maior dor, contudo, foi sofrer a ira de Deus contra os pecados dos seres humanos, armazenada com longanimidade desde o primeiro pecado no Éden.

   Sua morte e sofrimento tiveram a natureza de punição. É dito: “O Senhor fez cair sobre Ele a iniquidade de todos nós” (Is 53:6). Cristo sofreu nas mãos dos seres humanos, de quem recebeu sofrimento físico e morte, mas somente Deus poderia fazer cair sobre Ele a iniquidade de outros. Somente Deus poderia imputar o pecado de todos Àquele que Ele escolheu.

   Qual foi o objetivo da punição de Cristo? Não foi para Sua própria correção, porque é dito que Ele “nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em Sua boca” (Is 53:9, ARA). Não foi para Sua própria instrução na vontade de Deus, porque Ele estava findando Seu período de prova neste mundo, tendo consumado tudo que o Pai Lhe dera para realizar (Jo 19:30). Não foi para que servisse de exemplo para os outros, porque Ele foi um exemplo em Sua obediência, mas não em Sua punição.

   Conforme evidenciado no texto, as causas da punição foram “nossas transgressões”, “nossas iniquidades”, “o pecado de muitos” (Is 53:5, 6, 12). Graças a Deus porque, mediante a dádiva e a morte de Seu Filho, Sua ira foi desviada de nós, nossas transgressões já foram punidas, e nossos pecados, perdoados. Nós “fomos sarados”. Aleluia!

Nenhum comentário:

Fruta nossa de cada dia

  Devocional Diário Fruta nossa de cada dia E o Senhor Deus ordenou ao homem: “De toda árvore do jardim você pode comer […].” Gênesis 2:16 A...