sábado, 3 de fevereiro de 2024

Eu te paraíso

Eu te paraíso

Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna. 1 Timóteo 6:12

Já faz tempo que, em qualquer cidade do mundo, as pessoas se deparam com grafites de um movimento chamado “Ação Poética”. Diferentemente dos desenhos ou marcas de artistas urbanos, a Ação Poética costuma exibir uma frase motivacional. Esse movimento surgiu pela primeira vez em Monterrey (México) e deu volta ao mundo. Na província argentina do Chaco, em um muro de tijolos, lia-se: “Algumas palavras abrem feridas; outras, caminhos.” Em Linares (Chile), sobre umas pranchas de madeira, estava inscrito: “Existe uma coisa tão inevitável como a morte: a vida.” Em Quito (Equador), no muro de um chalé: “Se você pensa que uma aventura pode ser perigosa, experimente a rotina. É mortal.”

O mais interessante é que o grafite não segue nenhuma etiqueta. Não sei quem é APC (o que assina o trabalho) nem de onde é; só sei que o seguinte grafite é muito sugestivo: “Eu te paraíso” [tradução livre de Yo te cielo]. Na realidade, a frase é um fragmento de uma carta escrita por Frida Kahlo a Carlos Pellicer em 1947. Dizia: “Pode-se inventar verbos? Quero te dizer um: eu te paraíso, assim minhas asas se estendem, enormes, para te amar sem medida.” Assim, “paraisar” seria o verbo que, além de “amar”, elevaria a pessoa amada aos limites do paraíso. Nesse sentido, o amor verdadeiro faz com que “paraisemos”. Que diferença dos amores possessivos e fugazes deste mundo! Jesus nos “paraísa” até o extremo de ter dado a vida por nós.

Paulo emprega uma expressão parecida quando aconselha Timóteo. Ele pede que, como um bom guerreiro, Timóteo lute a batalha da fé e que, se chegar a titubear em algum momento, se sustente com a esperança da vida eterna. O ponto final da fé é o princípio da eternidade. A fé nos faz “paraisar”, isto é, amar de tal maneira que nos elevamos até o próprio trono da graça. E nossa experiência traz tanta segurança que não podemos fazer outra coisa a não ser compartilhá-la.

Os poemas pintados nas paredes ao redor do mundo nos fazem lembrar que existe muita gente que tem ideais, que deseja amar mais e melhor, que anela um planeta diferente. É como se as pedras falassem e gritassem para nós: “Paraísem-se!” É hora de arregaçar as mangas e lançar mão da vida eterna, pois há muito para compartilhar.

 Devocional Diário
Vislumbres da eternidade
3 de fevereiro
https://mais.cpb.com.br/meditacao/eu-te-paraiso/


•••

Nenhum comentário:

Jenga e Lego

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 20 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/jenga-e-lego/ Jenga e Lego Irmãos, pelo nome de ...