terça-feira, 30 de junho de 2020

SERENIDADE NA PROVAÇÃO

MEDITAÇÃO DIÁRIA

30 DE JUNHO
SERENIDADE NA PROVAÇÃO

É bom esperar tranquilo pela salvação do Senhor. Lamentações 3:26, NVI

Conforme o próprio nome indica, Lamentações compõe-se de cinco poemas nos quais se evidenciam lamentos pela destruição de Jerusalém pelos babilônios em 586 a.C. Com essa conquista, deixaram de existir o reino, o templo e o sacerdócio. O povo foi levado cativo. Embora a tristeza esteja presente nas páginas desse livro, há também manifestações de confiança e esperança. A misericórdia de Deus não havia sido dissipada pelo ataque babilônico. Pelo contrário, renascia a cada manhã. A fidelidade divina às promessas feitas permanecia (Lm 3:23). Jeremias tinha plena consciência de que o Senhor era fiel a essas promessas ao preservar a nação da destruição completa. Cada alvorecer era para ele a reafirmação do amor, da misericórdia e graça de Deus em favor de Seu povo. A libertação viria. Nessa certeza, todos deviam perseverar. A noite não duraria para sempre.

Foi em meio à turbulência do cativeiro que o profeta ressaltou a sabedoria de se esperar serenamente pela providência divina em favor de Seus filhos. Para todos quantos estão ansiosos diante de algum problema, o conselho é mais do que oportuno; é terapêutico. “É bom esperar”, disse Jeremias. Isso porque a ansiedade é inútil, pois não resolve nenhuma das dificuldades.

Quantas vezes, em nossa experiência, depois de dias de suspense, durante os quais imaginamos os piores cenários possíveis para nossas crises, descobrimos que nossos pressentimentos eram infundados!

É bom esperar, tranquilamente, na salvação do Senhor. É bom porque temos um Deus bondoso, colocando em nosso favor todos os recursos da onipotência, trabalhando nos bastidores, preparando sempre o melhor para nós. É bom aguardar a salvação do Senhor porque um espírito calmo inspira confiança em nós e nas pessoas que nos observam.

Os benefícios desse conselho não se restringem às lutas que enfrentamos diariamente em nosso círculo pessoal. A salvação que os cativos israelitas deviam esperar dizia respeito à libertação nacional.
Daí podermos concluir que, além das crises do mundo como um todo e da nação onde vivemos, emerge a esperança da intervenção divina dentro em breve, por ocasião da vinda do Salvador. Nela podemos fundamentar a confiança de que viveremos dias melhores, uma nova ordem mundial impossível de ser estabelecida pela filosofia, diplomacia humana ou por sistemas políticos.
Meditação Jovem
José Venefrides

Nenhum comentário:

Pedras nas Mãos de Deus

MEDITAÇÃO DIÁRIA 5 de julho Pedras nas Mãos de Deus O que aqueles frágeis judeus estão fazendo? Será que vão restaurar o seu muro? [...