sábado, 30 de julho de 2011

Maravilhoso Jesus - Lucas 15:20


A Resposta de Deus para a Culpa

A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. Lucas 15:20, NVI.

Os adoradores que chegaram para o culto naquela manhã de sábado na Igreja Adventista de Sligo em Takoma Park, Maryland, EUA, viram pichações em letras grandes desfigurando janelas e blocos de pedra. "Sinto culpa – mereço ser punido" alguém tinha pichado durante a noite.

Quem podia ter feito aquilo? Uma pessoa louca? Adolescentes que embarcaram em uma aventura de sexta à noite?

Aquelas palavras encapsulavam uma reação comum à culpa – mereço ser punido. Por meio de palavras e ações incutimos essa idéia nas crianças, e enviamos a mesma mensagem através de palavras ou da linguagem corporal aos adultos.

Algumas religiões do mundo funcionam a partir desse conceito: "Sinto culpa – mereço ser punido" Vou torturar o meu corpo com jejuns e vigílias de noite inteira. Vou fazer penitências. Vou negar-me os prazeres do corpo. Vou flagelar-me, mutilar-me. Veja como eu me castigo – certamente isso vai tirar a minha culpa!

Mas o auto-flagelo não é a resposta de Deus para a culpa. O deus que tem prazer em infligir dor, o deus que tem que ser aplacado, antes que possa perdoar, não é o Deus da Bíblia, o Deus que veio em carne, a quem chamamos Jesus.

Veja a resposta de Deus para a culpa: "Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou." Deus corre para encontrar-nos, e nos recebe calorosamente de volta. Deus nos abraça, nos recebe como filhos, e nos cobre de beijos.

Duas músicas maravilhosas do Antigo Testamento – o Salmo 52 e o Salmo 51 – partilham o mesmo tema. "Enquanto eu mantinha escondidos os meus pecados, o meu corpo definhava de tanto gemer... minhas forças foram-se esgotando como em tempo de seca," "Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe." (Salmo 32:3, 4; 51:5, NVI) – é o clamor do coração do homem ou da mulher que está sobrecarregado com a culpa.

Entretanto quando, como o rapaz de Lucas 15, retornamos para Deus a nossa culpa se desfaz. "Como é feliz aquele que tem suas transgressões perdoadas e seus pecados apagados!" "Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer."(Salmo 32:1; 51:12, NVI).

Que tolice é permanecer entre os porcos, quebrantados com o senso de nossos fracassos! Deus nos chama de volta para casa, nos chama para a leveza do seu amor. Lancemos toda a nossa culpa sobre o Seu perdão.

ORAÇÃO

Pai obrigado por me tratares como filho sempre. Ajuda-me a sentir esse amor inigualável.


Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Restauração possível Nas cidades de Judá e

MEDITAÇÃO DIÁRIA 15 de julho Restauração possível Nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, que estão assoladas, sem homens, sem ...