sábado, 22 de janeiro de 2011

*Maravilhoso Jesus- Rute 1:16





Uma tríplice história de amor

Rute, porém, respondeu: Não insistas comigo que te deixe e que não mais te acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus! Rute 1:16 NVI

Localizado entre as batalhas sangrentas de Josué e as guerras de 1 Samuel encontramos o pequeno livro de Rute. Uma jóia literária e de sabedoria espiritual, que apresenta uma tríplice história de amor.

As famosas palavras do nosso verso de hoje nos apresentam a primeira história de amor – o amor de uma mulher por sua sogra. É uma afeição extraordinária, uma afeição totalmente desprovida de interesse financeiro. O esposo de Rute estava morto. Noemi não tinha mais filhos, e as duas mulheres eram de diferentes raças e culturas. Por séculos piadas tem sido feitas a respeito de sogras. Mas Rute era uma pessoa incomum e Noemi ainda mais incomum. Um laço puro e desinteressado de amor unia essas duas mulheres que tinham tão pouco em comum.

Rute, uma jovem mulher e uma estrangeira se encontra com Boaz. Assim tem início a segunda história de amor do livro de Rute. Boaz é famoso na cidade, “era um homem rico e influente” (Rute 2:1). Ele é dono de lavouras e emprega e despede funcionários. Ele fala como se fosse consideravelmente mais velho que Rute, chamando-a de “minha filha” (verso 8). É uma união improvável – o rico fazendeiro e a pobre viúva estrangeira – mas eles se apaixonam. Rute, a Moabita, torna-se membro da linhagem da qual viria a Messias (Rute 4:13-22; Mateus 1:5-16).

Existe uma terceira história de amor aqui? Sim, existe. Pois Boaz, que agiu de forma tão benevolente para com Rute, é também o “parente resgatador”, aquele que tem o direito de redimir (Rute 3:12; 4:4-6). A lei do parente resgatador, dada por Deus aos Israelitas, foi uma sábia provisão para socorrer famílias passando por situações difíceis. Por suas diretrizes, pessoas que estavam passando por dificuldades financeiras não podiam ser vendidas como escravas ou ter suas terras vendidas, sua mais preciosa possessão. Ao invés disso, seu parente mais próximo deveria intervir para “redimir” a terra, assegurando que esta continuasse a pertencer à família. A lei exigia também o cuidado de uma viúva que havia ficado sem filhos.

Portanto Boaz e Rute contam uma terceira história – a história do amor de Cristo por nós. Nós estamos empobrecidos, sozinhos, estrangeiros; mas Ele é o parente “resgatador”. Ao se tornar homem, ao se tornar um conosco, Ele adquiriu o direito de nos redimir.

☆☆☆☆☆☆




ORAÇÃO

Querido Deus, se algum dia eu passar por dificuldades financeiras ou situações muito difíceis lembra-me de que tenho a Ti como o meu amoroso “resgatador”. E para as lutas de hoje, dá-me a certeza da Tua companhia. Em nome de Jesus. Amém.

Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Dor de coração

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 24 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/dor-de-coracao/ Dor de coração O cetro não se ar...