quinta-feira, 13 de junho de 2024

Amós 3 Comentário

  Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse

Leitura Bíblica – Amós 3
Comentário: Pr. Heber Toth Armí


AMÓS 3 – Devemos aproximar da Bíblia com reverência e obediência todos os dias, permitindo que Sua mensagem divina molde nossas decisões e ações e também nossa sociedade caótica.

A voz do profeta Amós ecoa pelos séculos, trazendo uma mensagem intransigente para nossa sociedade secularizada e igrejas negligentes. Ele adverte que os privilégios não são um fim em si mesmo, mas um chamado á responsabilidade. A falha em viver à altura de nossas bênçãos resulta inevitavelmente no juízo divino.

• Nações privilegiadas têm a tendência de se afogar em sua autossuficiência, esquecendo que o poder e a riqueza trazem consigo um dever imenso de promover o bem-estar comum. A prosperidade não deve ser uma fortaleza de egoísmo, mas uma plataforma para ações altruístas. A negligência de tal dever clama por um julgamento inevitável – como se vê em Amós 3, na experiência de Israel.

• As igrejas cristãs, assim como as nações, não estão isentas deste chamado. São, na verdade, duplamente responsáveis. A igreja que é dedicada às suas práticas religiosas internas, mas falha em ser um farol de justiça, compaixão e verdade na sociedade, despreza seu privilégio, e comete um sacrilégio contra sua própria missão. Assim, a negligência espiritual e moral da igreja é uma afronta direta ao coração de Deus e ao propósito de sua existência. A complacência é o prelúdio da ruína, e a justiça divina não falhará em sua execução (Amós 3:1-6, 8-15).

O versículo 7 é chave no livro de Amós. Ele nos convida a considerar a maneira como Deus Se comunica com a humanidade antes de executar Seu juízo. Destaca a disposição dEle em revelar Seus planos aos Seus servos, os profetas, antes dos acontecimentos se concretizarem.

Advertir as nações antes de executar Seu julgamento (Amós 1:3-2:16) revela a paciência e a vontade de Deus de dar ao pecador a oportunidade de arrependimento. As advertências dadas a Damasco, Gaza, Tiro, Edom, Amom, Moabe, Judá e Israel deixam claro que o juízo de Deus não é arbitrário. Cada sentença é precedida por uma explicação detalhada das transgressões cometidas.

Essa transparência mostra a justiça de Deus, que deseja que entendamos as consequências de nossos atos e a necessidade de nos afastarmos dos pecados.

É fato que Deus não deseja nossa destruição, mas nossa restauração! – Heber Toth Armí.

#rpsp #ebiblico #palavraeficaz
••••

Nenhum comentário:

Imitando a igreja primitiva

  Devocional Diário  Vislumbres da eternidade  19 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/imitando-a-igreja-primitiva/ Imitando a igreja ...