sábado, 23 de março de 2024

À minha imagem

 Devocional Diário

À minha imagem

Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Êxodo 20:4, ARA


O que você me diria se eu dissesse que existe uma igreja que adora um jogador de futebol ou um espaguete voador? Não estou brincando. A Igreja Maradoniana venera o jogador argentino Diego Armando Maradona, a quem denominam “D10S” (por causa do 10 da sua camiseta). Uma das suas preces pode parecer até blasfema para nós: “Diego nosso que estás no Céu: Santificada seja a tua canhota, venha a nós a tua magia. Que os teus gols sejam lembrados tanto na Terra como no Céu […].” O pastafarianismo, por sua vez, é uma religião que, de forma irônica, adora uma enorme bola de espaguete com duas almôndegas como olhos. A oração deles é: “Oh, talharins que estais nos Céus gourmets: Santificada seja a vossa farinha. Venham a nós os vossos nutrientes. Faça-se a vossa vontade na Terra como nos pratos. Dai-nos hoje nossas almôndegas de cada dia e perdoai as nossas gulas assim como nós perdoamos aos que não vos comem.”

Parece ridículo, mas há séculos o ser humano tem criado deuses à sua semelhança. O fanatismo ou a razão tem desenvolvido seus próprios ídolos. Por sermos crentes, eles nos incomodam, mas talvez nos permitam refletir sobre nossa coerência religiosa e o que projetamos. Defendemos a igualdade em Cristo e seguimos fazendo distinção entre raças, status ou economias. Propomos a fraternidade, mas adoramos as fofocas. Pregamos a breve volta de Jesus, mas acumulamos posses como se fossem durar para sempre. As pessoas nos olham e continuam vendo os mesmos objetos, os mesmos ídolos. Podemos nos incomodar com o maradonismo, mas não temos nenhum problema em agredir em nome do nosso time favorito. Podemos rir do pastafarianismo, mas não podemos viver sem uma pizza no sábado à noite, acompanhada, se possível de uma enorme garrafa de refrigerante. Podemos ridicularizar essas crendices e continuar celebrando a chegada do Papai Noel como alternativa à vinda de Jesus.

Nós não criamos Deus. Ele é que nos criou. Sermos coerentes com as imagens que projetamos é uma forma de respeitá-Lo. Se você O ama de verdade, nada de substitutos! Por isso mesmo é que você deve amá-Lo acima de tudo. 

Vislumbres da eternidade
23 de março
https://mais.cpb.com.br/meditacao/a-minha-imagem/

•••

Nenhum comentário:

As primeiras coisas

  Devocional Diário As primeiras coisas Aos filhos das concubinas que tinha, Abraão deu presentes. Gênesis 25:6 Dizem que Boston é a cidade ...