terça-feira, 12 de julho de 2022

Deuteronômio 27 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Deuteronômio 27

Comentário Pr Heber Toth Armí

DEUTERONÔMIO 27 – Com a mesma proporção que Deus quer abençoar-nos, Ele almeja nossa devoção a Ele. Consagrar-se a Deus implica submeter-se a Sua vontade, aos Seus importantíssimos e nobres mandamentos. Comprometer-se com Deus é muito mais que meramente fazer declarações teóricas da fé, sem demonstração prática da obediência aos Seus requerimentos.

Deus espera obediência estrita de Seu povo. Tanto é que Ele apresenta a graça da obediência e a desgraça da desobediência em Sua Palavra a fim de despertar nosso coração. Trilhar o caminho da bênção ou o caminho da maldição é questão de opção, podemos livremente escolher um ou o outro, exceto as consequências. Poder escolher é um dom concedido por Deus à humanidade para agir com responsabilidade; ser irresponsável nesse quesito implica em grandes perdas pessoas, familiares e eclesiásticas.

Gerizim e Ebal, dois montes usados didaticamente para mostrar ao remanescente o que Deus espera e tem a oferecer aos que optarem por obediência ou por desobediência. Deuteronômio 27 revela o caminho das maldições; evite-o, pois:

• Heresias e práticas espirituais espúrias atraem maldições;

• Desrespeitar aos pais acarreta em maldições;

• Tirar vantagem ou explorar ao próximo resultam em maldições;

• Humilhar, zombar e ridicularizar deficientes convidam maldições;

• Injustiças contra estrangeiros, órfãos e viúvas chamam maldições;

• Relações sexuais fora dos padrões divinos desembocam em maldições;

• Assassinar secretamente ou por dinheiro promovem maldições;

• Ignorar, relativizar ou descumprir as palavras da Lei (Torá) levam indivíduos, famílias, igrejas e nações às profundezas das desgraças das maldições.

Deus não Se satisfaz em observar Seu amado povo sofrendo nas desgraças resultantes do pecado; nem fica feliz ao ver Seu precioso povo amargando o caminho da desobediência que reduz a paz e nobreza do coração e conduz o remanescente à destruição. 

Pensando no bem-estar de Seu povo especial, Deus apresenta boas propostas. Seus alertas devem surtir efeito em quem não deseja a dor terrível do sofrimento.

Deus não quer a indiferença do povo; Ele apela com o coração para que Seus ouvintes não fiquem na apatia. Se atendermos a Seus apelos fervorosos, nada poderá privar-nos de Suas preciosas bênçãos. É só na presença dEle, submetendo-se a Sua graciosa vontade, que poderemos desfrutar da plenitude da alegria verdadeira.

Deuteronômio 27 confirma a premissa que, “quem avisa, amigo é”. Deus é nosso amigo, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz‌‌

Nenhum comentário:

O AUXILIADOR INFINITO

O AUXILIADOR INFINITO Grande é o Senhor nosso e mui poderoso; o Seu entendimento não se pode medir. Salmo 147:5 Muitos supõem que a religião...