segunda-feira, 4 de julho de 2022

Deuteronômio 19 Comentário

 Lendo a Bíblia de Gênesis a Apocalipse 

Leitura Bíblica - Deuteronômio 19

Comentário Pr Heber Toth Armí

DEUTERONÔMIO 19 – Fugir para as cidades! É disso que trata a teologia das cidades-refúgios – tema reiterado algumas vezes nas páginas sagradas. Além de encontrá-lo neste capítulo, está presente em Números 35:9-34; Deuteronômio 4:41-43; Josué 20:1-9. Tais cidades eram símbolo da graça de Cristo, oferecendo bendita segurança ao pecador (Hebreus 6:18).

A Cidade Santa vai abrigar a todo transgressor que reconhecer sua necessidade de Cristo, o Sumo Sacerdote que morreu e ressuscitou para interceder no Santuário Celestial junto ao Pai Celestial (Hebreus 4:14-16; 6:13-20; 7:26-28; 8:1-2; 11:13-16; Filipenses 3:20-21; Apocalipse 21:1-22:6).

Jesus Cristo, hoje e sempre, assim como as cidades de refúgio de antigamente, é a nossa segurança real, nosso abrigo e socorro diante de todas as vicissitudes da vida. Enquanto estamos neste mundo aguardando o dia de entrar na Nova Jerusalém da profecia apocalíptica, vivamos cientes de que “o Senhor é refúgio para os oprimidos, uma torre segura na hora da adversidade” (Salmo 9:9). “Deus é nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade” (Salmo 46:1). Por isso, “aquele que habita no abrigo do Altíssimo e descansa à sombra do Todo-poderoso pode dizer ao Senhor: ‘Tu és meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio’” (Salmo 91:1-2). 

Não significa que Deus acoberta pecadores, é que Jesus removeu a culpa dos transgressores; Ele morreu para livrá-los das consequências do pecado, representado pela morte do Sumo Sacerdote (Números 35:25).

Deuteronômio 19 revela o caráter gracioso de Deus; por outro lado, revela também quão difícil é a prática da justiça pelos seres humanos. As cidades de refúgio mostram Deus precavendo que a vingança conduza a atitudes que extrapolem a justiça. E... exigindo pelo menos duas testemunhas, Deus intenta didaticamente impedir a proliferação da mentira que pode condenar inocentes. Testemunhas fraudulentas precisavam ser radicalmente executadas visando prevenir a multiplicação da maldade (Deuteronômio 19:15-21).

A ordem para não mudar “os marcos”, proíbe o roubo sutil (Deuteronômio 19:14). A necessidade desta lei deve-se à falta de respeito pelo próximo – facilmente existente em nosso coração corrompido pelo mal. Honestidade significa respeitar a privacidade alheia. A justiça se dá quando não se explora ou rouba dos outros.

Deuteronômio 19 nos desafia a vivermos regidos pelo amor, pela verdade, pela misericórdia e pela integridade. Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

 #ebiblico #rpsp #palavraeficaz‌‌

Nenhum comentário:

O AUXILIADOR INFINITO

O AUXILIADOR INFINITO Grande é o Senhor nosso e mui poderoso; o Seu entendimento não se pode medir. Salmo 147:5 Muitos supõem que a religião...