sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Maravilhoso Jesus - João 3:17

Cartas condenatórias


Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. João 3:17, NVI.


Eu tenho um arquivo de cartas não enviadas. Ocasionalmente me sinto compelido a escrever uma "carta condenatória" para alguém, mas o meu costume é nunca enviá-la no mesmo dia. Eu a deixo descansar por pelo menos uma noite. Na manhã seguinte, ou várias manhãs depois, decido o que fazer com ela – normalmente vai para o arquivo de cartas não enviadas!


Agora, em algumas ocasiões já enviei uma “carta condenatória”. Depois de deixá-la repousando por uma noite ou mais, decidi passá-la adiante. Normalmente, a carta foi formulada em resposta a algo que recebi por correspondência.


Estou quase concluindo que todas as cartas condenatórias seria melhor não serem enviados. Independentemente de quanto o destinatário mereça ser colocado “em seu lugar”, independentemente do que ele ou ela possa ter escrito, independentemente de todas as razões que eu possa reunir para justificar o disparo da carta “marreta”, a verdade é que uma carta condenatória contém muito do meu orgulho e muito pouco do espírito de Cristo.


Mas, você pode dizer, Jesus, por vezes, não falou asperamente? O que dizer da série de ais proferidos contra os escribas e fariseus? (Veja Mateus 23:13-36). Ele os chamou de hipócritas, guias cegos, serpentes e raça de víboras!


Sim, mas Jesus sempre repreendia com amor. Quando expunha e denunciava a falsa piedade e a hipocrisia, havia lágrimas em Sua voz. Ele odiava o pecado, mas amava o pecador.


Outro ponto, Jesus não procurava justificar-se. Ele deixava Seu caso nas mãos do Seu pai. "Aquele que me enviou está comigo; ele não me deixou sozinho, pois sempre faço o que lhe agrada" (João 8:29, NVI). E ainda: "Não estou buscando glória para mim mesmo; mas, há quem a busque e julgue" (verso 50, NIV).


Nosso papel não é condenar. Jesus veio não para condenar o mundo, mas para salvá-lo.


Nosso papel não é julgar os outros. Somos demasiado imperfeitos para essa tarefa. Ao contrário de Jesus, amamos o pecado e odiamos o pecador.


Nosso papel não é defender a nós mesmos. Se depositarmos a nossa vida totalmente nas mãos do Pai, como Jesus o fez, Ele cuidará de nós. E se temos a Sua aprovação, por que nos preocupar com o que outros dizem?


ORAÇÃO


Querido Senhor, ensina-me hoje a viver pelo poder da vida de Cristo. Entrego a minha vida a Ti. Torna-me paciente, lento para ficar magoado, lento para julgar; rápido para perdoar, rápido para esquecer.


Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Quem ri por último ri melhor

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 22 de junho Quem ri por último ri melhor Sara disse: “Deus me deu motivo de riso. E todo aquel...