sábado, 29 de janeiro de 2011

Maravilhoso Jesus- Daniel 9:26


O Príncipe Messias

Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará. Daniel 9:26

Quando pensamos nas visões do livro de Daniel geralmente lembramos das bestas ferozes que representam os reinos deste mundo. Alguns cristãos dedicam bastante tempo ao estudo da “ponta pequena”, aquele poder político e religioso mencionado nos capítulos 7 e 8 de Daniel. Mas a ímpia “ponta pequena” não é a figura central das profecias de Daniel.

Na verdade, cada seqüência profética de Daniel aponta para Cristo. Ele é a pedra cortada sem auxílio de mãos no capítulo 2. Ele é aquele “ser parecido com um homem” que recebe o reino após o julgamento no capítulo 7 (versos 13, 14). É contra Ele que se levanta a insolente ponta pequena no capítulo 8 (versos 10-14, 23-26). Ele se levanta no capítulo 12 a favor do povo de Deus (versos 1 e 2).

A profecia das 70 semanas (Daniel 9:24-27), acima de tudo, aponta para o Príncipe Messias. Esta surpreendente passagem é o coração do livro de Daniel, tanto pela estrutura literária como pelo desenvolvimento do tema. Ao profeta agonizante em oração, preocupado com a cidade arruinada e o templo destruído, vem, da parte de Deus, uma palavra de esperança: a cidade será reconstruída e o Messias virá. Ele é o verdadeiro príncipe ou governante de Israel, aquele para quem todos os monarcas da nação escolhida tinham apenas vagamente apontado.

Mas, surpresa das surpresas, o Messias será “morto”. Daniel deve ter ficado atordoado.

Primeiro vem a alegre revelação do breve aparecimento do Messias, e agora isto! Como poderia o Messias ser “morto”? Como poderia o tão esperado Rei de Israel sofrer a rejeição esboçada nestas palavras? Com certeza a nação iria aclamá-Lo e não repudiá-Lo.

À luz da primeira vinda de Jesus compreendemos o paradoxo das predições de Daniel. Agora entendemos que a profecia das 70 semanas já continha a resposta: através da sua morte, o Príncipe Messias iria “dar fim aos pecados...expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna” (verso 24). A sua morte garantiu a nossa vida.



ORAÇÃO

Querido Deus, ao contemplar o Teu imenso amor por mim, disposto a entregar tudo, até a vida do Teu Filho, em meu favor, me encho de gratidão. Ajuda-me a ter o Messias como o Rei da minha vida. Amém.
Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Imagens da igreja

  Devocional Diário  Vislumbres da eternidade  17 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/imagens-da-igreja/ Imagens da igreja Ele é como...