terça-feira, 7 de fevereiro de 2023

A OBRA PROPICIATÓRIA DE CRISTO

A OBRA PROPICIATÓRIA DE CRISTO


Mas, se alguém pecar, temos [...] Jesus Cristo, o Justo. E Ele é a propiciação pelos nossos pecados – e não somente pelos nossos próprios, mas também pelos do mundo inteiro. 1 João 2:1, 2

O Novo Testamento declara que Cristo “é a propiciação pelos nossos pecados” (1Jo 2:2); porém, tem havido grande discussão sobre o que isso significa. Há quatro elementos essenciais em qualquer propiciação: uma pessoa ofendida que necessita ser pacificada; uma pessoa culpada de ofensa; uma ofensa para ser afastada; e um sacrifício ou algum outro meio para fazer expiação pela ofensa.

Em toda a literatura grega, propiciar significa acalmar uma pessoa que foi ofendida. Algo semelhante pode ser encontrado nos livros do Antigo Testamento. Assim, vemos Jacó buscando aplacar Esaú com presentes (Gn 32:20), na esperança de que seu irmão desistisse de se vingar pelo delito cometido 20 anos antes. Também, em Provérbios, vemos um sábio que consegue apaziguar o furor do rei (Pv 16:14).

Embora nosso Deus seja muito diferente dos deuses pagãos, a ideia de apaziguar Sua ira por meio de ofertas pode ser encontrada nas Escrituras. Nos rituais do Antigo Testamento, o sangue dos sacrifícios era interposto entre Deus e o pecador de modo a afastar deste a ira divina (2Sm 24:1-25; 2Cr 29:1-24).

Muitos teólogos entendem a propiciação como equivalente à expiação, mas esses conceitos não são idênticos. Propiciar significa aplacar a ira, enquanto expiar é corrigir erros. “Propiciação é uma palavra pessoal: propicia-se uma pessoa. Expiação é uma palavra impessoal; expia-se pecado ou crime” (Leon Morris, The Atonement: its Meaning and Significance [Leicester, Inglaterra: InterVarsity Press, 1983], p. 151). A propiciação se preocupa com a ira de Deus e não apenas com o pecado humano.

A propiciação contempla a parte ofendida, que necessita ser apaziguada, e nossa responsabilidade para com a ira de Deus. Ela é a provisão da graça pela qual nós podemos ser libertos dessa ira de maneira que Deus Se torne legalmente favorável a nós. Em vista disso, a morte de Cristo foi um sacrifício expiatório, mediante o qual nossa ofensa foi afastada, e uma propiciação, pela qual Deus foi apaziguado. Podemos, portanto, ser reconciliados com Ele.

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

7 de fevereiro
https://mais.cpb.com.br/meditacao/a-obra-propiciatoria-de-cristo/
https://youtu.be/__c4mDHp-vk
•••••

Nenhum comentário:

Jovens a serviço

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 18 de maio https://mais.cpb.com.br/meditacao/jovens-a-servico/ Jovens a serviço Expondo estas ...