sexta-feira, 21 de maio de 2021

“Sede Agradecidos”

 MEDITAÇÃO DIÁRIA

21 de maio, sexta

“Sede Agradecidos”

Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração [...] e sede agradecidos. Colossenses 3:15

É possível dar graças em todas as circunstâncias da vida, inclusive nas adversas? Parece ser um tanto irracional esperar que um marido ou uma esposa enlutados agradeçam a Deus ao perder um ente querido. Podem os pais realmente dar graças a Deus quando um filho amado sofre de um tumor no cérebro? Ou podemos agradecer a Deus quando alguns adolescentes são mortos numa rodovia por um motorista embriagado? É possível agradecer no meio de uma crise financeira, com extrema pobreza e aflição?

A única maneira de sermos agradecidos em todas as circunstâncias é seguir a admoestação de Paulo sobre orar “sem cessar”. O segredo de dar graças em todas as circunstâncias é levar uma constante vida de oração. Unicamente quando o Espírito Santo entra em nossa vida por meio da oração podemos manter uma atitude de gratidão sem levar em conta as circunstâncias exteriores.

A verdade contida em nosso texto para hoje é real. Significa exatamente o que diz. Constitui uma bondosa ordem para dar graças em todas as circunstâncias e numa base constante. Obedecer a essa ordem significa ensinar o coração e os lábios a renderem louvores a Deus por Seu incomparável amor. Significa ensinar a alma a ser esperançosa e positiva. Significa ensinar a mente a pensar nas milhares de bênçãos que recebemos diariamente.

Ser agradecido nem sempre é fácil. A seguir compartilho algumas sugestões que podem ser úteis: Em vez de tremer diante da instrução, por que não meditar nas promessas? Pense nas que seguem: “Tenho lhes dito estas palavras para que a Minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa” (Jo 15:11, NVI). “Ficareis tristes, mas a vossa tristeza se converterá em alegria” (Jo 16:20). “O Senhor [...] enviou-Me a curar os quebrantados de coração [...] a consolar todos os que choram e a pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria, em vez de pranto, veste de louvor, em vez de espírito angustiado” (Is 61:1-3).

Vale a pena agir assim? O apóstolo Paulo responderia com um retumbante “sim”! Ele testemunha: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo.”

Robert Spangler, 9/9/1978

Nenhum comentário:

A Morte do Pardal

  Meditação Diária Quarta-feira, 22 de setembro A MORTE DO PARDAL Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem ...