terça-feira, 22 de fevereiro de 2011


Quando o tempo pára

E aconteceu que um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor resplandeceu ao redor deles; e ficaram aterrorizados. Lucas 2:9 NVI

Alguns momentos parecem que ficam congelados no tempo. Podemos olhar novamente para eles e relembrar exatamente as circunstâncias em que o tempo parou.

Num dia de Janeiro em que havia muita neve, segurei fortemente a mão de minha esposa Noelene ao ela juntar forças para dar à luz ao nosso primogênito - um garoto. Posso lhes dizer exatamente como era aquela fria sala de parto nas montanhas da Índia e relatar as conversas das enfermeiras durante aquelas longas horas de dor e contrações.

Aproximadamente seis anos depois, novamente na Índia – recebi um telegrama. "Sinto informar que seu pai faleceu esta manhã. Mamãe." Relembro como se fosse hoje o choque, os amigos chegando para consolar e os esforços desesperados para telefonar para a Austrália. Finalmente a operadora consegue efetuar a chamada via Londres, e ouço a voz de minha mãe. Mas não há diálogo - eu posso ouví-la, mas ela não me ouve.

Nunca esquecerei aquele dia.

Casamentos. Formaturas. Funerais. Natais. Férias na praia. Dias marcados indelevelmente na mente.

Outro dia inesquecível está chegando. Em que os céus irão se abrir e o Filho do Homem virá à terra com trombetas e coros angelicais. Relembraremos esse momento pelas eras futuras.
Mas a primeira vinda do Filho foi completamente diferente. Quando o Salvador nasceu o povo de Israel dormia. Os sacerdotes não viram nada diferente no filho de Maria e José – para eles era apenas um pobre filho de um pobre casal. Escribas e fariseus discutiam detalhes insignificantes da lei rabínica, divergências entre a escola de Hillel (liberal) e a escola de Shammai (conservadora).

No céu o tempo parou. Na terra, todas as coisas continuaram.

Bom, nem todas. As pessoas mais distantes da elite religiosa de Israel - os iletrados, os estrangeiros, os pastores - sabiam que alguma coisa grande, alguma coisa inesquecível, estava acontecendo naquele momento. Deixando de lado os grandes, os estudados, os privilegiados, Deus revelou aos que estavam receptivos, o significado daquele momento em que o tempo parou.

ORAÇÃO

Senhor, faze de mim uma pessoa sensível para compreender e apreciar osmomentos chaves da existência. Quero estar receptivo à voz do Teu Espírito.

Autor: William G. Johnsson


Nenhum comentário:

Ser ou usar

  Devocional Diário Vislumbres da eternidade 21 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/ser-ou-usar/ Ser ou usar Cuidemos também de nos ...