sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011


As camas vazias de Belém

Quando Herodes percebeu que havia sido enganado pelos magos, ficou furioso e ordenou que matassem todos os meninos de dois anos para baixo, em Belém e nas proximidades, de acordo com a informação que havia obtido dos magos. Mateus 2:16 NVI

Embora nenhum documento da história romana registre a matança dos bebês de Belém ordenada por Herodes, sua ação diabólica está em plena harmonia com seus outros atos de atrocidade e crueldade dos quais temos conhecimento. Por ocasião do nascimento de Jesus esse mau rei que planejou assassinar o menino Jesus havia se tornado a encarnação do mal.

Herodes estava velho – tinha quase 70 anos – e sua morte se aproximava. Havia exercido um longo reinado sobre a Palestina – mais de 50 anos. Acostumado a perceber em que direção os ventos políticos sopravam, ele havia apoiado na sequencia, Júlio César, os assassinos de César, Marco Antônio, e por último o conquistador de Marco Antônio, Otáviano, que tornou-se o imperador Augusto. Com o apoio de Roma e uma política de brutal repressão à oposição, Herodes manteve a paz na Judéia.

Confiar nas pessoas, entretanto, não era seu forte. Na verdade, ser um "amigo" de Herodes, representava um perigo – suas suspeitas poderiam encontrar um motivo para a pessoa ser eliminada. Até mesmo os parentes aprenderam a andar com medo – ele ordenou que três dos seus filhos e uma de suas 10 esposas fossem mortos. Em um de seus últimos atos, poucos dias antes da sua própria morte, planejou ter seu filho Antipater condenado à morte.

Herodes planejou despedir-se em grande estilo! Sabendo que as pessoas do seu reino se alegrariam com a sua morte, ordenou a prisão de líderes judeus no estádio de Jericó. Eles deveriam ser mortos assim que Herodes morresse – para que pelo menos alguém estivesse chorando por ocasião de sua morte! Felizmente sua irmã Salomé e seu marido, Alexas, que foram encarregadas de executar a ordem de Herodes frustraram o seu plano. Na sua morte os nobres foram liberados e os judeus se alegraram.

Mas em Belém foi diferente. Lá algumas camas ficaram vazias, alguns berços ficaram em silêncio. Mães choraram, pais ficaram petrificados diante do ato monstruoso de seu governante demente.

"O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente", disse Lord Acton. Herodes, o Grande, tinha se tornado grande na maldade. Tornou-se agente do dragão, o antigo inimigo de Cristo e Seus seguidores. Um novo ato foi acrescentado ao drama dos séculos. O conflito que havia começado no céu irrompeu com fúria sobre a terra.

Enquanto isso, longe no Egito, o menino Jesus estava seguro. Estranha situação: Ele, que tinha vindo do céu para dar a Sua vida a favor de cada menino, deixou atrás de si, em Belém, uma fileira de sepulturas infantis.
ORAÇÃO

Meu Deus, estranho mundo este em que vivemos cheio de pessoas hostis. Ajuda-me a deixar um rastro de bondade, e não de ódio, por onde eu passar.

Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Imitando a igreja primitiva

  Devocional Diário  Vislumbres da eternidade  19 de julho https://mais.cpb.com.br/meditacao/imitando-a-igreja-primitiva/ Imitando a igreja ...