terça-feira, 1 de novembro de 2011

Maravilhoso Jesus Lucas 22:44



Getsêmani

Estando angustiado, ele orou ainda mais intensamente; e o seu suor era como gotas de sangue que caíam no chão. Lucas 22:44, NVI.

Uma ocasião Satanás veio até Jesus no deserto. No início da missão do Salvador, ele ofereceu-lhe um atalho diabólico para o reino. Mas Jesus se apegou à Palavra de Deus e venceu o antigo inimigo, e então, conforme dizem as Escrituras, "o diabo o deixou até ocasião oportuna." (Lucas 4:13, NVI).

Agora Satanás retorna. A batalha final e decisiva na história de nossa redenção chegou – o momento para o qual o tentador estivera se preparando por três anos. O que estava em jogo? O futuro da raça humana.

Por que Jesus ficou tão perturbado por essa luta? Porque lá no Jardim do Getsêmani, Ele sentiu a agonia da separação do Seu pai. Aquele que tinha desfrutado experiências de comunhão ininterrupta com o Pai na atmosfera do amor puro e desinteressado do céu sentiu-se, pela primeira vez, desconectado e sozinho.

Jesus se tornou nosso substituto – Ele tomou o nosso lugar. Aquele que não conheceu pecado sentiu o horror do desagrado de Deus para com o pecado . "Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21, NVI). Ele experimentou a morte – não apenas provou o amargo cálice , mas bebeu-o até o final – a favor de cada um de nós (Hebreus 2:9).

"Contemplai-O considerando o preço a ser pago pela alma humana. Em Sua agonia, apega-Se ao solo frio, como a impedir de ser levado para longe de Deus. O enregelante orvalho da noite cai-Lhe sobre o corpo curvado, mas não atenta para isso. De Seus pálidos lábios irrompe o amargo brado: "Meu Pai, se é possível, passe de Mim este cálice." Mas mesmo então acrescenta: "Todavia não como Eu quero, mas como Tu queres." (Mateus 26:39).

"A humanidade do Filho de Deus tremia naquela probante hora. Não orava agora pelos discípulos, para que a fé deles não desfalecesse, mas por Sua própria alma assediada de tentação e angústia. O tremendo momento chegara – aquele momento que decidiria o destino do mundo. Na balança oscilava a sorte da humanidade. Cristo ainda podia, mesmo então, recusar beber o cálice reservado ao homem culpado. Ainda não era demasiado tarde. Poderia enxugar da fronte o suor de sangue, e deixar perecer o homem em sua iniqüidade. Poderia dizer: Receba o pecador o castigo de seu pecado, e Eu voltarei a Meu Pai. Beberá o Filho de Deus o amargo cálice da humilhação e da agonia? Sofrerá o Inocente as conseqüências da maldição do pecado, para salvar o criminoso? Trêmulas caem as palavras dos pálidos lábios de Jesus: "Pai Meu, se este cálice não pode passar de Mim sem Eu o beber, faça-se a Tua vontade." (Mat. 26:42). (Ellen White, O Desejado de Todas as Nações , pp. 687, 690).

Ele sofreu sozinho. Em seu momento de maior necessidade procurou a companhia de amigos, mas não encontrou ninguém. Enquanto a salvação deles e a nossa pendia na balança Eles dormiam. "O lagar, eu o pisei sozinho, e dos povos nenhum homem se achava comigo" (Isaías 63:3, ARA).

ORAÇÃO

Ó Divino Redentor que obteve a minha liberdade pela Tua dor, ensina-me quão terrível é o pecado e quão grande é o poder do Teu amor.

Autor: William G. Johnsson

Nenhum comentário:

Hotel Abraão

  Devocional Diário Hotel Abraão Abraão plantou uma tamargueira em Berseba e invocou ali o nome do Senhor, o Deus Eterno. Gênesis 21:33 Um c...