Translate

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Imbuído Pelo Poder do Espírito Santo

Refletindo a Cristo

Imbuído Pelo Poder do Espírito Santo-26 de abril


Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis Minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da Terra. Atos 1:8
É privilégio nosso pregar a Palavra na demonstração do Espírito. Toda pessoa tem oportunidade de exercer fé em nosso Senhor Jesus Cristo. Mas uma vida espiritual pura tem lugar unicamente quando a pessoa se entrega à vontade de Deus por intermédio de Cristo, o Salvador Mediador. É nosso privilégio ser persuadidos pelo Espírito Santo. Através do exercício da fé somos trazidos em comunhão com Jesus Cristo, pois Cristo habita no coração de todos os que são mansos e humildes. Eles têm uma fé que opera por amor e purifica a alma, uma fé que traz paz ao coração e conduz à senda da abnegação.
A promessa é que se persistirmos em conhecer ao Senhor, saberemos que “como a alva, a Sua vinda é certa”. Osé. 6:3. É fundamental que recebamos, diariamente, a convertedora graça de Deus no coração, para que todas as nossas palavras e ações possam demonstrar que somos submissos à mente e vontade de Deus. Ao fazermos com mansidão e humildade o serviço que nos é designado, devemos revelar o poder convertedor do Espírito Santo em nossa vida. Então nos tornamos instrumentos do Senhor para fazermos o Seu trabalho.
Com humildade e mansidão, mas com grande fervor, devemos prestar nosso serviço a Deus. Cristo é o nosso Modelo, nosso Exemplo em tudo. Ele foi cheio do Espírito, e o poder do Espírito foi manifestado por meio dEle, não através de movimentos corporais, mas de zelo por boas obras.
Entre o povo de Deus há necessidade de um profundo e completo esquadrinhar do coração, para que sejamos capazes de entender o que constitui a verdadeira religião. Cristo é um maravilhoso Educador. Sua vida e palavras se baseiam em princípios sólidos. Sua maneira de ensinar era muito simples. Ele foi modelado segundo a semelhança divina, e se O seguirmos, não cometeremos erros. …
Nossa vida deve estar escondida com Cristo em Deus. Precisamos possuir conhecimento pessoal de Cristo. Unicamente então poderemos representá-Lo perante o mundo. Onde quer que estejamos, precisamos deixar nossa luz brilhar para a glória de Deus em boas obras. Esta é a grande e importante obra de nossa vida. Os que realmente se acham sob a influência do Espírito Santo, revelarão Seu poder através da aplicação prática dos eternos princípios da verdade. Demonstrarão que o santo óleo foi derramado dos dois ramos da oliveira para os recessos do templo da alma. Suas palavras estarão imbuídas do poder do Espírito Santo para abrandar e persuadir o coração. Será evidente que as palavras pronunciadas são espírito e vida. Carta 352, 1908.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.  – Pág. 122 – 

Atos 2 Comentário Pr Heber Toth Armí

ATOS 2 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Igrejas saudáveis, vivas, ativas e regidas pelo Espírito Santo crescem diariamente assim como uma floresta. Por outro lado, igrejas doentes, frias, indiferentes e inativas, morrem diariamente.

A igreja que não evangeliza, fossiliza. Membros que não são proativos, são inativos. A igreja viva depende do poder vital outorgado pelo Espírito Santo. 

A igreja sadia, poderosa e avivada impacta a sociedade, assim seu crescimento é notável. Crescimento é...

• ...Geográfico: De onde estava, a igreja deveria alcançar os confins da Terra, como de fato aconteceu não muito tempo depois (Colossenses 1).
• ...Numérico: Iniciou com 120 membros, após o primeiro sermão evangelístico, alcançou quase 3.000. Logo, passou a quase 5.000. Assim que crescia a Palavra de Deus, multiplicava-se o número de discípulos (Atos 6:7). E assim sucessivamente!
• ...Espiritual: A igreja que cresce em quantidade sem qualidade não é melhor que um movimentado circo que oferece prazeres ilusórios e ainda tira dinheiro do povo. O crescimento da igreja deve passar pela comunhão com Deus, obediência fiel à Palavra, vida consagrada à oração, e no fervor da adoração e serviço (vs. 41-42).
• ...Sobrenatural: Crescimento natural não é adesão de membros, mas conversão de pecadores. Para isso, não é a persuasão e eloquência humana que convence as pessoas a se tornarem crentes, mas Deus operando por meio de Seus representantes cheios do Espírito Santo que acrescenta os convertidos ao corpo de Cristo – a Igreja (v. 47).

A Palavra de Deus deve ser a base de todo sermão (Pedro citou profusamente o Antigo Testamento – vs. 14-36). Os discípulos aguardaram a promessa do Espírito Santo conforme a Palavra de Deus (Lucas 24:49), quando se consagraram por dez dias sob a orientação da Palavra de Cristo (Atos 1:4; 2:1-13).

Pedro citou o Antigo Testamento em seu sermão, não porque não tinha opção do Novo Testamento em seu tempo, mas porque a Palavra de Deus não tem prazo de validade (Isaías 40:7-8; I Pedro 1:25).

Outra coisa: Observe atentamente que, neste texto, a fé que recebe a Cristo precisa ser acompanhada pelo arrependimento que rejeita o pecado. Somente uma igreja que preza pela verdadeira conversão abalará o mundo com sua poderosa pregação (Atos 2:42-47; 5:14-15, 41-42; 8:4-6; 9:31; 16:5; 17:6; etc.).

Reflita: Nossa igreja hoje é o que Deus quer que ela seja? – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico


quarta-feira, 25 de abril de 2018

O Representante de Cristo

Refletindo a Cristo

O Representante de Cristo- 25 de abril

Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em Meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito. João 14:26.
O fato de que Cristo Se manifestaria a eles, e no entanto seria invisível ao mundo, era um mistério para os discípulos. Eles não podiam entender as palavras de Cristo em seu sentido espiritual. Pensavam numa manifestação externa, visível. Não podiam admitir o fato de que teriam a presença de Cristo com eles, mas Ele, no entanto, não seria visto pelo mundo. Não entendiam o significado de uma manifestação espiritual.
O grande Mestre ansiava dar aos discípulos todo o ânimo e conforto possível, pois eles seriam dolorosamente provados. Mas era difícil, para eles, compreender Suas palavras. Ainda precisavam aprender que a vida espiritual interior, perfumada com a obediência amorosa, lhes daria o poder espiritual de que careciam.
A promessa do Consolador lhes apresentava uma maravilhosa verdade. Animava-os a não perder a fé mesmo sob as mais difíceis circunstâncias. O Espírito Santo, enviado em nome de Cristo, deveria ensinar-lhes todas as coisas, e trazer tudo à memória. O Espírito Santo era o representante de Cristo, o Advogado que está constantemente pleiteando em favor da raça caída. Ele roga que o poder espiritual lhes seja concedido, que pelo poder dAquele que é mais forte do que todos os inimigos de Deus e dos homens, eles possam vencer os seus inimigos espirituais.
Aquele que conhece o fim desde o princípio tomou providências contra os ataques dos agentes satânicos. E Ele cumprirá Sua palavra, aos que Lhe forem leais, em toda e qualquer época. Esta palavra é certa e imutável; nem um jota ou til passará. Se os homens se mantiverem sob a proteção de Deus, Sua bandeira estará sobre eles como uma fortaleza inexpugnável. Ele dará provas de que Sua palavra jamais falhará. Ele será uma luz que brilha em lugar escuro até o raiar do dia. Ele, o Sol da Justiça, surgirá trazendo cura em Seus raios. …
Ele vos deixou a certeza de que o Espírito Santo foi dado a fim de permanecer convosco para sempre, a fim de ser vosso intercessor e guia. Ele pede que confieis nEle, e vos entregueis a Sua guarda. O Espírito Santo está constantemente trabalhando, ensinando, lembrando, testemunhando, e vindo ao coração como Consolador divino, e convencendo do pecado na qualidade de Juiz e Guia. …
Vosso trabalho é cooperar com Cristo, para que sejais aperfeiçoados nEle. Ao estardes unidos com Ele pela fé, crendo nEle e recebendo-O, vos tornais parte dEle. Vosso caráter é a Sua glória em vós revelada. Manuscrito 44, 1897.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 121 – 

ATOS 1 Comentário Pr Heber Toth Armí

 
ATOS 1 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Ore, depois abra tua Bíblia em Atos e escancare teu coração para a revelação que está diante de ti.

J. Sindlow Baxter exclamou: “Vinte e oito capítulos emocionantes apresentam-se a nós. Podemos ler qualquer deles várias vezes, descobrindo sua fascinação crescente a cada leitura. Pena alguma jamais escreveu um registro mais irresistível. Se esses acontecimentos memoráveis não provocarem a imaginação e nem despertarem as emoções de qualquer leitor realmente interessado, nenhum outro o fará. Todavia, até mesmo o simples interesse pelo livro fica eclipsado pela sua importância como revelação e história. Ele é a sequência dos poderosos eventos dos evangelhos e a introdução para as doutrinas das epístolas; marcando, de fato, um dos mais elevados pontos críticos da história, como em breve teremos oportunidade de ver”.

Dois pontos sobressaem de Atos 1:

• Depois de ressuscitar, Jesus passou 40 dias orientando e reorientando Seus discípulos, depois subiu ao Céu. Como eles, podemos estar focados em datas e eventos proféticos, quando, na verdade, deveríamos focar na pregação do evangelho, antes que Jesus retorne (vs. 1-11).

• Obedecer, unir-se, organizar-se e consagrar-se é essencial para receber o poder do Espírito Santo. Só depois deveríamos partir para a ação – missão! (vs. 12-26).

Steven Sheeley argumenta que, “pode-se dizer que o principal propósito de Lucas ao escrever Atos foi teológico. Ao passo que procurou informar, convencer e cativar a atenção, seu objetivo primordial foi que seus leitores aprendessem algo sobre Deus. Lucas destacou a ação do Espírito Santo. A mensagem de Lucas não é simplesmente que o evangelho se espalhou de Jerusalém até os confins da terra; sua mensagem é que Deus foi a causa dessa difusão do evangelho. A cada passo, o leitor é colocado frente a frente com a atuação de Deus no mundo”.

Através do primeiro capítulo de Atos, entendo que Deus quer que...

• ...Aprendamos que o cumprimento da missão só acontece mediante intensa consagração.
• ...Percebamos que a missão é dEle e, somos apenas Seus instrumentos no mundo.
• ...Compreendamos que Sua missão teve início de forma sobrenatural e seu final não será diferente.
• ...Sejamos motivamos à busca pelo poder que impactará o mundo com a mensagem vinda do trono de Deus.

Cristo fundou Sua igreja e Deus a conduzirá ao Céu. Sua igreja vencerá!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp


terça-feira, 24 de abril de 2018

Como Obter Força Espiritual

Refletindo a Cristo

Como Obter Força Espiritual- 24 de abril 

Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de Mim. João 5:39.
O Espírito Santo Se acha ao lado de cada verdadeiro pesquisador da Palavra de Deus, habilitando-o a descobrir as gemas escondidas da verdade. A iluminação divina lhe vem à mente fixando-lhe a verdade com uma nova e vigorosa importância. Ele se enche de uma alegria jamais experimentada antes. A paz de Deus repousa sobre ele. A preciosidade da verdade é percebida como nunca antes. Uma luz celestial resplandece sobre a Palavra, fazendo com que cada letra pareça estar tingida de ouro. O próprio Deus fala ao coração, tornando Sua Palavra espírito e vida.
A vida eterna é a recepção dos elementos vivos contidos nas Escrituras, é o fazer a vontade de Deus. Isto é o que significa o comer a carne e o beber o sangue do Filho de Deus. Todos têm a oportunidade de participar do pão do Céu estudando a Palavra de Deus, e obtendo assim força espiritual. …
Um rico banquete é preparado para os que aceitam a Cristo como seu Salvador pessoal. Dia a dia, ao participarem de Sua Palavra, são nutridos e fortalecidos.
Por que o povo de Deus não toma conhecimento das palavras do Grande Mestre? Por que se voltam para os seres humanos em busca de auxílio e conforto, quando possuem a grandiosa promessa: “Quem comer a Minha carne e beber o Meu sangue permanece em Mim, e Eu, nele. Assim como o Pai, que vive, Me enviou, e igualmente Eu vivo pelo Pai, também quem de Mim se alimenta por Mim viverá. … Quem comer este pão viverá eternamente”? João 6:56-58.
Aqueles que participam do banquete para eles preparado obterão uma experiência do mais alto valor. Verão que em comparação com a Palavra de Deus, a palavra do homem é como a palha para o trigo.
Em todo e qualquer plano que fazemos, precisamos agir com inteira dependência de Deus, ou seremos enganados pelas aparências, em vez da realidade. …
Por causa dos resíduos eliminados pelo corpo, o sangue precisa ser constantemente renovado através de alimento. Assim também com a nossa vida espiritual. A palavra precisa ser diariamente recebida, crida e transformada em ação. Cristo precisa habitar em nós, dando energia a todo o ser, e renovando o sangue vital do indivíduo. Seu exemplo deve ser nosso guia. Em nosso relacionamento uns com os outros, precisamos revelar Sua simpatia. Precisa haver prática real da graça de Cristo em nosso coração. Então poderemos dizer com o apóstolo: “Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Gál. 2:20. A vida de Cristo no coração é a razão da alegria e a garantia de nossa glória. Review and Herald, 1° de outubro de 1901.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 120 – 

João 21 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 21
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Jesus morreu e ressuscitou para restaurar-nos física, mental e espiritualmente. Sem esta restauração, Seu sacrifício não teria sentido atualmente.

Como exemplo dessa restauração, o evangelista João cita dois personagens:

• Tomé: Jesus restaurou sua fé, crença e confiança. A incredulidade deve dar lugar à credulidade (João 20:24-31; 21:24-25).
• Pedro: Jesus o restaurou da vanglória, descrédito, covardia e distração.

“Depois do café da manhã na praia [João 21:1-14], veio a entrevista que Pedro temia [João 21:15-18]. Três vezes ele havia negado a Jesus. Assim, três vezes Jesus lhe fez a mesma pergunta: ‘Você me ama?’ E três vezes Jesus o renomeou, dizendo: ‘Cuide das minhas ovelhas’ [...]. A pergunta não foi sobre o passado, mas sobre o presente; não sobre palavras ou obras, mas sobre a atitude do coração de Pedro. O amor a Cristo pressupõe prioridade, pois são pecadores perdoados os que mais amam” (John Stott).

Jesus quer restaurar-nos também:

• De nossa vanglória: Às vezes somos arrogantes. Pensamos que amamos a Jesus mais que as demais pessoas. Vangloriamo-nos de nosso cristianismo trôpego pensando que jamais negaremos a fé. Pedro, que alegava permanecer com Jesus ainda que todos O abandonassem, O negou três vezes; agora, por três vezes, Jesus perguntou-lhe sobre seu amor a fim de curar-lhe a vanglória. Jesus quer fazer o mesmo conosco.

• Do descrédito: Nossas palavras podem ser jogadas ao chão por nossas próprias ações contrárias ao que prometemos (João 18:15-27). O líder que peca tão gravemente como Pedro, que perde a credibilidade diante das pessoas, Jesus o perdoa e o restaura ao serviço. Jesus confiou a Pedro a missão de apascentar e pastorear Seu rebanho. Em vez de demiti-lo do cargo, Jesus o restaurou do descrédito. Há esperança para nós!

• Da covardia: A ousadia humana (João 13:37) pode tornar-se covardia diante da pressão da sociedade (João 18:15-27). Contudo, Jesus quer curar-nos. Curado, Pedro foi martirizado, crucificado de cabeça-para-baixo falando de Cristo.

• Da distração. Às vezes, como Pedro, somos distraídos diante da missão dada por Cristo. Podemos distrair por causa das dificuldades (Mateus 14:30), voltando à rotina antiga (João 21:3) ou focando em outra pessoa (João 21:20-23). Hoje Jesus quer dizer-nos, “quanto a ti, segue-Me”, deixe a distração!

Tudo o que João escreveu visa despertar nossa crença em Jesus. Reavivemo-nos intensamente! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

Compartilhe conosco tua experiência com o evangelho escrito por João...

segunda-feira, 23 de abril de 2018

A Fé Qualifica as Pessoas

Refletindo a Cristo,

A Fé Qualifica as Pessoas - 23 de abril

Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem. Heb. 11:1.
Quantas vezes os que confiavam na Palavra de Deus, embora se encontrando literalmente desamparados, têm resistido ao poder do mundo inteiro! Eis Enoque, puro de coração e de vida santa, mantendo firme a sua fé na vitória da justiça contra uma geração corrupta e escarnecedora; Noé e sua casa contra os homens de sua época, homens da maior força física e mental, e da moral mais vil; os filhos de Israel junto ao Mar Vermelho, desamparada e aterrorizada multidão de escravos contra o mais poderoso exército da mais poderosa nação do globo; Davi, como um pastorzinho, tendo de Deus a promessa do trono, em oposição a Saul, o rei estabelecido e disposto a manter firmemente o seu poder; Sadraque e seus companheiros no fogo, e Nabucodonosor no trono; Daniel entre os leões e seus inimigos nos altos postos do reino; Jesus na cruz, e os sacerdotes e principais dos judeus forçando até o governador romano a fazer a vontade deles; Paulo em grilhões, conduzido à morte de criminoso, sendo Nero o déspota de um império mundial.
Tais exemplos não se encontram somente na Bíblia. São abundantes em todo o registro do progresso humano. Os valdenses e os huguenotes, Wycliffe e Huss, Jerônimo e Lutero, Tyndale e Knox, Zinzendorf e Wesley, com multidões de outros, têm testemunhado do poder da Palavra de Deus contra o poder e astúcia humanos em apoio do mal. Tais constituem a verdadeira nobreza do mundo. Tais são a sua linhagem real. Nesta linhagem a juventude de hoje é chamada a tomar lugar.
Necessita-se de fé nas pequenas coisas da vida, tanto como nas grandes. Em todos os nossos interesses e ocupações diários, a força amparadora de Deus se nos torna real por meio de uma confiança perseverante. …
Unicamente essa percepção da presença de Deus poderá banir aquele receio que faria da vida um peso à tímida criança. Fixe ela em sua memória esta promessa: “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem, e os livra.” Sal. 34:7. Que leia a maravilhosa história de Eliseu na cidade montesina e, entre ele e os exércitos de inimigos armados, uma poderosa multidão circunjacente de anjos celestiais. Leia como a Pedro, na prisão e condenado à morte, apareceu o anjo de Deus; como, depois de passarem pelos guardas armados, pelas portas maciças e grandes portões de ferro com seus ferrolhos e travessas, o anjo guiou o servo de Deus em segurança. …
De maneira não menos assinalada do que Ele operava naquele tempo, fará hoje onde quer que haja corações de fé, que sejam os condutores de Seu poder. Educação, págs. 254-256.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 119 – 

João 20 Comentário Pr Heber Toth Armí

 JOÃO 20 
Comentário Pr Heber Toth Armí

A medicina descobriu “o valor do sangue. O sangue é o único elemento que pode combater interiormente uma infecção. Um milímetro cúbico de sangue contém 5 bilhões de glóbulos vermelhos, cinco mil glóbulos brancos e 300 plaquetas. Esses glóbulos levam nutrição às células do corpo. Diz-se que, enquanto o sangue circula nas células, o indivíduo está vivo e, quando o sangue para de circular, o indivíduo está morto. Embora a ciência tenha descoberto tudo isso nas últimas décadas, Deus revelou nas Escrituras, há mais de 3.500 anos, a vida da carne está no sangue [...]. Um cordeiro é que derrama o próprio sangue; esse cordeiro é Cristo e, porque Ele derramou o próprio sangue, não é preciso que mais ninguém morra [eternamente], basta apenas aceitar o sacrifício de Jesus” (Alejandro Bullón).

Jesus morreu para dar-nos vida! Não há vida eterna à parte do sacrifício vicário de Cristo. Sua vitória sobre a morte é concedida a nós gratuitamente. Sua ressurreição é a certeza de nossa absolvição da condenação por nossos pecados.

Destacando neste capítulo que João apresenta a “ressurreição e aparições de Jesus, e a comissão de Seus discípulos”, Andreas J. Köstemberguer fragmenta os seguintes tópicos:

1. A tumba vazia de Jesus (vs. 1-10);
2. Jesus aparece a Maria Madalena (vs. 11-18);
3. Jesus aparece a Seus discípulos (vs. 19-23);
4. Jesus aparece a Tomé (vs. 24-29).

Na última parte (vs. 30-31), Köstemberguer sintetiza a conclusão de João: “Os sinais do Messias presenciados pela nova comunidade messiânica”.

Além do que foi visto até aqui, existem mais alguns pontos que devem nos levar à reflexão:

• A morte não segurou Jesus por muito tempo na tumba porque Ele é mais forte do que a morte; consequentemente, a morte não deve mais amedrontar o crente.
• Jesus não subiu ao Céu para permanecer com o Pai enquanto não Se mostrou ressuscitado em carne e osso aos Seus seguidores.
• Banir a incredulidade é um dos objetivos primários do evangelista João, quem estuda com atenção e oração seus escritos sobre Cristo desenvolverá convicção nEle.
• O objetivo final de apresentar o Jesus real é para que os mortais tenham esperança na vida plena ao crerem no Salvador.

Leia, reflita, medite e assimile a mensagem deste capítulo! 

Ore, creia e testemunhe! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

domingo, 22 de abril de 2018

A Fé é Um Escudo

Refletindo a Cristo

A Fé é Um Escudo- 22 de abril

Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Efés. 6:16.
A fé é a confiança em Deus, ou seja, a crença de que Ele nos ama e conhece perfeitamente o que é para o nosso bem. Assim ela nos leva a escolher o Seu caminho em vez de o nosso próprio. Em lugar da nossa ignorância, ela aceita a Sua sabedoria; em lugar de nossa fraqueza, aceita a Sua força; em lugar de nossa pecaminosidade, Sua justiça. Nossa vida e nós mesmos somos já Seus; a fé reconhece essa posse e aceita as bênçãos dela. A verdade, correção e pureza, têm sido designadas como segredos do êxito da vida. É a fé que nos põe na posse destes princípios.
Todo o bom impulso ou aspiração é um dom de Deus; a fé recebe de Deus aquela vida que, somente, pode produzir o verdadeiro crescimento e eficiência.
Deve-se explicar bem como exercer a fé. Para toda promessa de Deus há condições. Se estamos dispostos a fazer a Sua vontade, toda a Sua força é nossa. Qualquer dom que Ele prometa, está na própria promessa. “A semente é a Palavra de Deus.” Luc. 8:11. Tão certo como o carvalho está no seu fruto, o dom de Deus está em Sua promessa. Se recebemos a promessa, temos o dom.
A fé que nos habilita a receber os dons de Deus é em si mesma um dom, do qual certa medida é comunicada a todo ser humano. Ela cresce quando exercitada no apropriar-se da Palavra de Deus. A fim de fortalecer a fé devemos freqüentemente trazê-la em contato com a Palavra.
No estudo da Bíblia, o estudante deve ser levado a ver o poder da Palavra de Deus. Na criação Ele “falou, e tudo se fez; mandou, e logo tudo apareceu”. Sal. 33:9. …
Encarada em seu lado humano, a vida é para todos um caminho ainda não experimentado. É uma senda em que, no que respeita às nossas mais profundas experiências, cada qual tem de andar sozinho. Nenhum outro ser humano pode penetrar completamente em nossa vida íntima. Ao iniciar a criança aquela jornada em que, mais cedo ou mais tarde, deverá escolher seu procedimento, por si decidindo para a eternidade os lances da vida, quão ardoroso deve ser o esforço para encaminhar sua confiança para o seguro Guia e Auxiliador!
Como anteparo à tentação, e inspiração à pureza e à verdade, nenhuma influência pode igualar à intuição da presença de Deus. “Todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos dAquele com quem temos de tratar.” Heb. 4:13. “Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a vexação não podes contemplar.” Hab. 1:13. Este conceito foi a proteção de José entre as corrupções do Egito. Às seduções da tentação era constante sua resposta: “Como, pois, faria eu este tamanho mal e pecaria contra Deus?” Gên. 39:9. Tal proteção será a fé a toda pessoa que a abrigue. Educação, págs. 253-255.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 118  

João 19 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 19 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Que as profundas e terríveis experiências de Cristo num extraordinário gesto de sacrifício penetrem profundamente nossa mente a tal ponto de inundar nosso coração com o amor divino até alcançar a transformação substancial de nossa existência.

1. Estude este capítulo com oração e atenção. Perceba como Pilatos intentou apaziguar à turbulenta multidão que intentava matar o inocente Jesus utilizando estratégias crudelíssimas. Observe que Jesus foi terrivelmente açoitado, torturado. Tente imaginar Jesus sofrendo a humilhação da zombaria da jocosa coroação com coroa toda de espinhos, um manto de púrpura real, e bofetadas; visando satisfazer a sede por sangue dos opositores...

• Contudo, os sedentos de sangue não se satisfizeram. Queriam mais! Tomados de ódio e fúria, líderes religiosos e guardas exigiram crucificação ao visivelmente inocente que alegava e demonstrava ser o Filho de Deus. Pilatos não sabia mais o quê fazer, senão atender à súplica por vingança (vs. 1-11).

2. Preste atenção nos argumentos dos judeus intentando convencer Pilatos a levar à crudelíssima morte de cruz ao meigo e amoroso Jesus. Imagine a cena: Era dia 14 de Nisã, de preparação da celebração nacional da Páscoa. Pilatos volta-se contra os judeus e os ridiculariza com seus argumentos: “Eis o vosso rei”. Por que ter medo de alguém arruinado e passivo como este pobre coitado?

• Depois disto, os judeus se submeteram a um rei pagão, César, para não se submeterem a Jesus. Pilatos estava inclinado a soltar Jesus, entretanto, apenas cede, dando consentimento ao veredicto judaico que se lhe oferecia. Apesar disse, Jesus cumpre a Palavra de Deus, torna-Se a realidade da profecia, é crucificado, despido e morto diante de Sua mãe (vs. 12-29).

3. Reflita profundamente em cada detalhe apresentado por João. Medite demoradamente no lado aberto de Jesus depois de morto e, em Seu enterro... (vs. 30-42).

• “A morte de Jesus certamente foi singular, e muitos supõem que foi causada por uma ruptura no coração, i.e., coração partido. O sofrimento e a pressão de Sua humanidade imaculada ao tornar-se oferta pelo pecado foi demais para seu corpo físico, que não suportou, provocando o rompimento do coração – o sangue acumulou-se no pericárdio, dividindo-se em massa aquosa e em espécie de coágulo sanguíneo” (Merril F. Unger).

Como ficar indiferente diante de cenas assim?

“Senhor, impressiona-nos!” – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

sábado, 21 de abril de 2018

O Espírito Santo – Dom Especial

Refletindo a Cristo

O Espírito Santo – Dom Especial - 28 de abril 

E a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo. Por isso, diz: Quando Ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro, e concedeu dons aos homens. Efés. 4:7 e 8.
Jesus, o Filho de Deus, humilhou-Se a Si mesmo por nós, resistiu à tentação por nós, e venceu por nós a fim de mostrar-nos como poderemos ser vencedores. …
Foi prometido que o Espírito Santo estaria com aqueles que estivessem lutando pela vitória, em demonstração de toda a grandeza, dotando o instrumento humano de poderes sobrenaturais, e instruindo o ignorante sobre os mistérios do reino de Deus. Que o Espírito Santo deva ser o grande auxiliador, é uma maravilhosa promessa. …
A concessão do Espírito Santo habilitou Seus discípulos, os apóstolos, a permanecer firmes contra toda espécie de idolatria e a exaltar unicamente ao Senhor. Quem, a não ser Jesus Cristo, por Seu Espírito e divino poder, guiou as penas dos historiadores sacros a fim de que pudesse ser apresentado ao mundo o precioso registro das palavras e obra de Jesus Cristo?
O prometido Espírito Santo, que Ele enviaria após ascender ao Pai, trabalha constantemente para atrair a atenção sobre o grande sacrifício expiatório na cruz do Calvário, e revelar ao mundo o amor de Deus pelo homem, e expor à pessoa culpada as coisas preciosas contidas nas Escrituras, e franquear às mentes obscurecidas os fulgurantes raios do Sol da Justiça, as verdades que fazem o coração arder no íntimo, com a inteligência desperta pelas verdades eternas.
Quem, senão o Espírito Santo apresenta perante a mente o padrão moral de justiça e convence do pecado, e produz piedosa tristeza, que produz arrependimento, e inspira a prática da fé nAquele que unicamente pode salvar de todo pecado? …
Deve-se meditar cuidadosamente na vida de Cristo, e estudá-la constantemente com o desejo de entender a razão por que Ele precisou vir. Podemos unicamente tirar nossas conclusões se pesquisarmos as Escrituras conforme Cristo nos recomendou, pois Ele diz que elas “testificam de Mim”. Ao examinarmos a Palavra, poderemos descobrir as virtudes da obediência em contraste com a pecaminosidade da desobediência. “Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos.” Rom. 5:19.
O jardim do Éden, com sua vil mancha de desobediência, deve ser cuidadosamente estudado e comparado com o jardim do Getsêmani, onde o Redentor do mundo sofreu agonia sobre-humana, quando os pecados do mundo todo foram lançados sobre Ele. Manuscrito 1, 1892.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 124 – 


A Fé Desenvolve Toda Boa Qualidade

Refletindo a Cristo

A Fé Desenvolve Toda Boa Qualidade-21 de abril

Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. João 3:3.
Pergunta: Que preciso fazer para ser salvo? Antes de iniciar a pesquisa, é preciso depor as opiniões preconcebidas, as idéias herdadas e cultivadas. Se examinais as Escrituras para justificar opiniões próprias, nunca alcançareis a verdade. Pesquisai para aprender o que o Senhor diz. Se vos vier a convicção ao estudardes, se virdes que vossas opiniões acariciadas não estão em harmonia com a verdade, não interpreteis mal a verdade para acomodá-la à vossa própria crença, antes aceitai a luz concedida. Abri a mente e o coração, para que possais contemplar as maravilhas da Palavra de Deus.
A fé em Cristo, como o Redentor do mundo, exige o reconhecimento de uma inteligência esclarecida, dirigida por um coração que pode discernir e avaliar o tesouro celestial. Essa fé é inseparável do arrependimento e transformação do caráter. Ter fé significa achar e aceitar o tesouro do evangelho com todos os deveres que o mesmo impõe.
“Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3. Conjeturará e imaginará, mas sem os olhos da fé, não pode ver o tesouro. Cristo deu a Sua vida para nos assegurar esse tesouro inestimável; porém sem regeneração pela fé em Seu sangue, não há remissão de pecados, nem tesouro para alguém prestes a perecer.
Necessitamos da iluminação do Espírito Santo, para discernir as verdades da Palavra de Deus. As coisas aprazíveis do mundo natural não são vistas sem que o Sol, dissipando as trevas, as inunde de luz. Assim as preciosidades da Palavra de Deus, não são apreciadas, sem serem reveladas pelos brilhantes raios do Sol da Justiça.
O Espírito Santo enviado do Céu, pela benevolência do infinito amor, toma as coisas de Deus e as revela a toda pessoa que tem fé implícita em Cristo. Por Seu poder, as verdades vitais das quais depende a salvação, são impressas na mente, e o caminho da vida torna-se tão claro, que ninguém precisa desviar-se. Estudando as Escrituras, devemos orar para que a luz do Santo Espírito de Deus ilumine a Palavra a fim de vermos e apreciarmos suas jóias. Parábolas de Jesus, págs. 112 e 113.
Por meio da fé em Cristo, toda deficiência de caráter pode ser suprida, toda contaminação removida, corrigida toda falta, e toda boa qualidade desenvolvida. Educação, págs. 257 e 258.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 117 – 

João 18 Comentário Pr Heber Toth Armí


JOÃO 18 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Os evangelistas ampliam nossa visão da pessoa e obra de Jesus. Cada ângulo em que observar mais apreciaremos a Jesus, por isso existem os quatro evangelhos.

Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas se assemelham entre si, desta forma são chamados Sinóticos. D. A. Carson, comentando sobre isso, declara o seguinte:

As diferenças mais frequentes levantadas por João e os Sinóticos são três:

1. Os romanos têm um papel mais central em João que nos Sinóticos: eles inclusive aparecem na cena da prisão (18:3), e Pilatos toma muito espaço.
2. Não só não há registro em João da agonia de Jesus no Getsêmani, mas também, em geral, há muito esforço em mostrar que Jesus está no controle. Não há menção do beijo traiçoeiro de Judas: Jesus vai em direção a Sua prisão (18:1, 4) e controla o curso dos eventos. Ele interroga Seus captores e demonstra de tal forma Sua glória que eles caem para trás no chão (18:3-8).
3. Há diversas passagens em João que não têm nenhum paralelo nos Sinóticos:
a) O ato de levar Jesus a Anás (18:12-14);
b) Sua resposta ao sumo sacerdote e o oficial que lhe bateu (18:19-24);
c) Os diálogos entre Jesus e Pilatos (18:28-37; 19:9-11);
d) Os diálogos entre Pilatos e os judeus (18:28-32; 19:4-7, 13-16);
e) A declaração de que Jesus levou Sua própria cruz (19:17);
f) Um excurso sobre o significado da inscrição na cruz (19:20-22);
g) A criação do elo entre Sua mãe e o discípulo amado (19:26-27);
h) O grito na cruz (19:30).

Merril F. Unger observa que “Jesus disse a Pilatos que Seu reino (Sl 45.3,6; Is 9.6,7; Zc 9.9) não era deste mundo, i.e., deste sistema mundial satânico baseado em princípios de orgulho, luxúria e guerra, [vs. 36]. Se Seu reino fosse assim, então Seus servos lutariam. Jesus enfatizava a verdadeira natureza do Seu reino, em gritante contraste com Roma e outros governos do mundo”.

Pergunto, ao deparar-se com o sistema de governo de Cristo como você reage?

• Como Anás?
• Como Pilatos?
• Como Pedro?
• Como o povo judeu?
• Como discípulo medroso?

Devemos trilhar o caminho da total submissão a Cristo para que pertençamos ao Reino de Deus. Envolver-se com tal reino transforma nossa conduta radicalmente desde agora! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Pela Fé, Tudo é Nosso

Refletindo a Cristo

Pela Fé, Tudo é Nosso-20 de abril

Porque tudo é vosso… e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus. I Cor. 3:21 e 23.
O Filho de Deus não foi apenas dado como sacrifício pelo culpado, e como Redentor para o perdido, mas por meio dEle todas as coisas são nossas. Os que têm fé em Cristo, os que são obedientes aos Seus preceitos, saberão por experiência própria a imensidão do poder que nos dá constante testemunho de que somos de Cristo, e de que Cristo é nosso. O Salvador nos deu o título de nossa herança, e estamos em posição de vantagem, pois escolhemos a Cristo como nosso quinhão.
Os que são obedientes a Sua Palavra podem receber esta evidência – a certeza da verdade tal e qual é em Jesus. Se habituarmos a mente a se demorar sobre as razões da fé que nos foram dadas, poderemos suportar ver Aquele que é invisível. Os que andam com Jesus podem se regozijar com alegria indizível e cheio de glória. …
Uma fé contínua e constante obediência são essenciais para permanecermos em Seu amor. … Devemos viver de conformidade com toda palavra que procede da boca de Deus. Então a verdade, como é em Jesus, a verdade que é exemplificada em Seu caráter, será expressa em nossa vida, em nosso espírito, nossas palavras, nosso temperamento. A verdade será a lei da mente. Cristo, a esperança da glória, surgirá no íntimo.
Há uma união particularmente íntima entre a pessoa transformada e Deus. É impossível encontrar palavras para descrever esta união. É um tesouro que ao verdadeiro crente vale infinitamente mais do que ouro e prata.
O cristão vê sempre o Salvador diante de si, e pelo contemplar é transformado na mesma imagem, de glória em glória. Ele ostenta a assinatura de Deus. Abandonaremos isto em troca de enganos? Nunca! A verdade está cheia de riquezas divinas. Aquele que é participante da natureza divina apegar-se-á firmemente à verdade. Ele jamais a deixará, pois a verdade o sustenta. …
Não nos esqueçamos jamais de que pelo caráter que estamos formando dia a dia, estamos decidindo nosso destino futuro. Aqueles cujo coração está cheio do amor de Cristo, terão nas cortes celestiais uma alegre recepção. …
É a espiritualidade dos filhos de Deus que constitui a glória deles aos Seus olhos. Este é o sinal distintivo que os separa do mundo. … Devemos ter fome e sede de justiça, para que possamos representar Cristo ao mundo. Se o Seu amor habita em nosso coração, ele será claramente revelado. Seremos luzes no mundo. Cristo conclama cada seguidor Seu a revelar Suas virtudes de caráter, a representá-Lo em palavras e ações, e a tornar conhecido o Seu amor. Manuscrito 84, 1905.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 116 – 

João 17 Comentário Pr Heber Toth Armí


JOÃO 17 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Orar é tão importante que Jesus, mesmo sendo divino, orou ao Pai. Se Ele, que era perfeito, precisava de oração enquanto esteve neste mundo, quanto mais nós!

Jesus era um Deus de oração para que, ao olharmos para Seu exemplo, sejamos homens e mulheres de oração. D. A. Carson sugere o seguinte esboço para o capítulo da oração de Jesus:

1. Jesus ora por Sua glorificação (vs. 1-5);
2. Jesus ora por Seus discípulos:
a) Base de Jesus para esta oração (vs. 6-11a);
b) Jesus ora para que Seus discípulos sejam protegidos (vs. 11b-16);
c) Jesus ora para que Seus discípulos sejam santificados (vs. 17-19).
3. Jesus ora por aqueles que creem (vs. 20-23);
4. Jesus ora para que todos os crentes sejam aperfeiçoados para poder ver a glória de Jesus (vs. 24-26).

Existe uma intimidade entre Jesus e o Pai que por mais profundo que penetremos nessa oração, dificilmente a entenderemos plenamente.

“A oração inteira é uma bela ilustração de intercessão de nosso amado Senhor à mão direita de Deus. Nenhuma palavra contra Seu povo; nenhuma referência às suas falhas ou deficiências... Não. Ele só fala deles segundo o propósito do Pai, como em associação com Ele, e como os recipientes da plenitude que Ele trouxe do céu para conferir a eles... Todas as petições em particular a favor do Seu povo se referem às coisas espirituais: Todas têm referência às bênçãos celestiais. O Senhor não pede riquezas para eles, nem honras, nem influência mundial, ou grandes propriedades, mas ora mui sinceramente que sejam guardados do mal, separados do mundo, qualificados para as obrigações e elevados em segurança ao lar celestial. Prosperidade da alma é a melhor prosperidade; é o índice da verdadeira prosperidade” (Marcos Rainsford).

Ao meditar nesta oração especial de Jesus realizada antes da Sua morte na cruz, você precisa...

• Entender que antes mesmo de interceder no Céu por você, Cristo intercedeu na Terra.
• Compreender a abrangência desta oração de Cristo: Ele orou por Si, pelos discípulos e pelos crentes de todos os tempos e lugares.
• Aprender a usufruir intensamente dos benefícios da intercessão de Cristo.
• Permitir que Deus responda em você a oração de Jesus em relação à união e à missão.

“Senhor, desperta-nos, reaviva-nos, restaura-nos, reforma-nos, usa-nos...” – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico


quinta-feira, 19 de abril de 2018

Fé Que Atua Por Amor

Refletindo a Cristo

Fé Que Atua Por Amor-19 de abril

Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Prov. 3:5.
Quando falamos em fé, devemos ter presente uma distinção. Existe uma espécie de crença que é inteiramente diversa da fé. A existência e poder de Deus, a veracidade de Sua palavra, são fatos que mesmo Satanás e seus exércitos não podem sinceramente negar. Diz a Bíblia que “também os demônios o crêem e estremecem” (Tia. 2:19); mas isto não é fé. Onde existe não só a crença na Palavra de Deus, mas também uma submissão à Sua vontade; onde o coração se Lhe acha rendido e as afeições nele concentradas, aí existe fé – a fé que opera por amor e purifica a alma. Por esta fé o coração é renovado à imagem de Deus. E o coração que em seu estado irregenerado não era sujeito à lei de Deus, agora se deleita em Seus santos preceitos, exclamando com o salmista: “Oh! quanto amo a Tua lei! É a minha meditação em todo o dia!” Sal. 119:97. E cumpre-se a justiça da lei em nós, os que não andamos “segundo a carne, mas segundo o espírito”. Rom. 8:1.
Há os que já experimentaram o amor perdoador de Cristo, e que desejam realmente ser filhos de Deus, contudo reconhecem que seu caráter é imperfeito, sua vida faltosa, e chegam a ponto de duvidar se seu coração foi renovado pelo Espírito Santo. A esses eu desejaria dizer: Não recueis, em desespero. Muitas vezes, teremos de prostrar-nos e chorar aos pés de Jesus, por causa de nossas faltas e erros; mas não nos devemos desanimar. Mesmo quando somos vencidos pelo inimigo, não somos repelidos, nem abandonados ou rejeitados por Deus. Não; Cristo está à destra de Deus, fazendo intercessão por nós. Diz o amado João: “Estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo.” I João 2:1. E não esqueçais as palavras de Cristo: “O mesmo Pai vos ama.” João 16:27. Ele deseja atrair-vos de novo a Si, e ver refletidas em vós Sua pureza e santidade. E se tão-somente vos renderdes a Ele, Aquele que em vós começou a boa obra há de continuá-la até o dia de Jesus Cristo. Orai com mais fervor; crede mais plenamente. …
Quanto menos virmos em nós mesmos digno de estima, tanto mais havemos de ver digno de estima na infinita pureza e amabilidade de nosso Salvador. A vista de nossa pecaminosidade impele-nos para Ele, que é capaz de perdoar; e quando a alma, reconhecendo o seu desamparo, anseia por Cristo, Ele Se revelará em poder. Quanto mais a sensação de nossa necessidade nos impelir para Ele e para a Palavra de Deus, tanto mais exaltada visão teremos de Seu caráter, e tanto mais plenamente refletiremos a Sua imagem. Caminho a Cristo, págs. 63-65.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 115 – 

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis