Translate

quinta-feira, 31 de maio de 2018

O Templo de Deus

Refletindo a Cristo

O Templo de Deus-31 de maio 


E Ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou. II Cor. 5:15.
O homem é a obra-prima de Deus, criado para um propósito elevado e santo; e Deus deseja escrever Sua lei em cada parte do tabernáculo humano. Cada nervo e músculo, cada dom mental e físico deve ser mantido puro.
Deus deseja que o corpo seja um templo para o Seu Espírito. Quão solene é a responsabilidade que repousa sobre cada pessoa. Se profanamos o nosso corpo, causamos dano não apenas a nós próprios, mas a muitos outros. …
Cristo morreu para que a imagem moral de Deus pudesse ser restaurada na humanidade, para que homens e mulheres pudessem se tornar participantes da natureza divina, livrando-se da corrupção das paixões que há no mundo. Nenhuma faculdade de nosso ser deve ser utilizada para a satisfação do egoísmo, pois todas as nossas faculdades pertencem a Ele, e devem ser usadas para a Sua glória. …
A habitação humana, o edifício de Deus, requer vigilante proteção. Podemos exclamar com Davi: “Por modo assombrosamente maravilhoso me formaste.” Sal. 139:14. A obra das mãos de Deus deve ser preservada, para que o universo celestial e a raça apóstata possam ver que os homens e mulheres são templo do Deus vivo.
A perfeição de caráter que Deus requer é a adaptação do ser todo como templo para a habitação do Espírito Santo. O Senhor requer o serviço da pessoa toda. Ele deseja que homens e mulheres se tornem tudo o que Ele lhes tornou possível ser. Não é suficiente que apenas certas partes do organismo humano sejam usadas. Todas as partes devem ser levadas à ação, caso contrário o serviço será deficiente. …
A vida física deve ser cuidadosamente educada, cultivada e desenvolvida, para que por meio de homens e mulheres a natureza divina seja revelada em sua plenitude. Deus espera que os homens utilizem o intelecto que lhes deu. Espera que usem seu poder de raciocínio para Ele. Devem dar à consciência o lugar supremo que lhe foi designado. As faculdades mentais e físicas, bem como as emoções, devem ser cultivadas de modo a atingirem a maior eficácia. Assim Cristo é representado ao mundo. …
Agrada-Se Deus ao ver algum dos órgãos ou faculdades que deu ao homem negligenciados, mal utilizados, ou desprovidos de saúde e de eficácia que lhes é possível ter? Então cultivai o dom da fé. Sede corajosos, e vencei toda e qualquer prática que prejudique o templo da alma. Somos totalmente dependentes de Deus, e nossa fé se fortalece ao crermos, embora não possamos entender o propósito de Deus em Seu trato conosco, ou as conseqüências de tal trato. A fé aponta para frente e para o alto, para as coisas vindouras, apegando-se ao único poder que nos pode tornar completos nEle. Review and Herald, 6 de novembro de 1900.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 Pág. 157 –

Romanos 9 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 9 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 A verdade precisa ser dita, não de qualquer jeito, tipo: “Doa em quem doer”. É preciso muito cuidado, amor, sinceridade e dependência do Espírito Santo para falar. Do contrário, é melhor ficar quieto.

Paulo é sábio em sua abordagem. Warren Wiersbe divide da seguinte forma a teologia de Romanos:

• Pecado (1:18-3:20 – Justiça necessária)
• Salvação (3:21-5:21 – Justiça imputada)
• Santificação (6-8 – Justiça concedida)
• Soberania (9-11 – Justiça rejeitada)
• Serviço (12:1-15:13 – Justiça praticada).

A justiça é a essência do livro de Romanos. A teologia da justiça é o fio de ouro que atravessa todo o ensinamento desse livro de tão alto valor para o evangelho e para o pecador.

Aprecie sem moderação cada uma das lições que Paulo irá apresentar com profundidade intelectual e espiritual a partir deste capítulo. George R. Knight afirma que “Romanos 9 assinala uma mudança importante no tema que Paulo vinha tratando. Ele assegurou os pontos prévios, e agora precisa, nos capítulos 9 a 11, conectá-los com a situação de Israel”.

A forma em que Paulo introduz estes três capítulos é muito esquisita. “Por três vezes em Romanos 9:1 enfatiza que o que ele vai expressar é verdade, e está dito com toda sinceridade: (1) ‘Digo a verdade em Cristo’; (2) ‘não minto’, e (3) ‘testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência’” – observa Knight.

Paulo, cuidando para não ofender aos judeus, disposto a sacrificar-se por amor a eles (v. 3), passou a ensinar o evangelho e a lidar com assuntos bem delicados, o que em síntese temos:

• Apesar de tantas regalias e privilégios concedidos por Deus, os judeus/israelitas responderam com incredulidade (v. 4);

• A rejeição de Israel como etnia/nação não significa incompatibilidade com as promessas divinas, pois o remanescente fiel é o verdadeiro Israel – independente da hereditariedade (vs. 6-13);

• A rejeição de Israel como etnia/nação não anulou a justiça divina. Deus é justo e Sua Palavra não muda (vs. 14-18);

• Deus é soberano, faz o que sabe ser melhor, elege, e oferece inúmeras oportunidades aos pecadores desprovidos de esperança. Podemos aceitar ou rejeitar Sua oferta de salvação. Portanto, Israel como nação deve reconhecer que sua busca incorreta por justiça é de sua própria responsabilidade, e assim também as consequências: A rejeição (vs. 19-33).

E nós? Aceitaremos ou rejeitaremos ao evangelho? – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp


quarta-feira, 30 de maio de 2018

Para Frente e Para o Alto

Refletindo a Cristo

Para Frente e Para o Alto -30 de maio 

E vos renoveis no espírito do vosso entendimento, e vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade. Efés. 4:23 e 24.
Os hábitos errôneos precisam ser vencidos. Hábitos corretos precisam ser formados. Sob a disciplina do maior Mestre que o mundo já conheceu, os cristãos precisam avançar para a frente e para o alto rumo à perfeição. Esta é uma ordem divina, e ninguém pode dizer que não pode cumpri-la. Em vez disso, cada um deve dizer: “Deus quer que eu seja perfeito, e Ele me dará forças para transpor todos os obstáculos que bloqueiam o caminho da perfeição. Ele é a fonte de toda sabedoria e poder. …
Os cristãos devem ser portadores de luz, dizendo a todos com os quais entram em contato: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” João 1:29. Devem ser exemplos de religiosidade, representando a Cristo em palavra, espírito e ação. Sua conduta deve ser uma cópia da conduta do Salvador. Eles devem, assim, demonstrar a superioridade dos princípios de Cristo sobre os princípios do mundo. Devem trabalhar num plano de ação mais elevado do que aqueles que não são cristãos. Devem introduzir a enobrecedora influência do evangelho em cada fase da vida. Sua pureza e utilidade devem ser uma fonte de esclarecimento a outros.
O mundo estabeleceu um padrão que se acomode às inclinações de corações não santificados, mas esta não é a norma daqueles que amam a Cristo. O Redentor os escolheu do mundo, e lhes deixou Sua vida sem pecado como norma. Ele deseja que eles se elevem acima de toda vulgaridade de palavras ou atos. … “Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. … Segundo é santo Aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque Eu sou santo.” I Ped. 1:13 e 15.
Estas palavras devem ser cridas e praticadas. Os cristãos devem ser superiores em sabedoria, em conhecimento, em arte, pois crêem em Deus e em Seu poder. O Senhor deseja que eles atinjam o topo da escada, para que O possam glorificar. Ele possui um tesouro de sabedoria ao qual poderão recorrer. …
O verdadeiro cristão adquire uma experiência que produz santidade. A luz da verdade ilumina o seu entendimento. O brilho de seu amor pelo Redentor desfaz a nuvem que se interpôs entre sua alma e Deus. A vontade de Deus, pura, elevada, e santificada, se torna a sua vontade. Seu semblante revela a luz do Céu. Seu corpo é um templo apropriado para o Espírito Santo. A santidade adorna o seu caráter. Deus pode comungar com ele, pois a mente e o corpo se acham em harmonia com os princípios celestiais. Signs of the Times, 17 de julho de 1901.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 156 – 

Romanos 8 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 8
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Assim como árvores sem seiva continuam sendo árvores, muitos continuam se achando cristãos mesmo sem o poder do Espírito Santo agindo plenamente em sua existência.

Ainda que tenham raízes, troncos e galhos, árvores sem seiva são árvores sem folhas, sem vida. O mesmo acontece com muitos indivíduos, mesmo que frequentem o culto e tenham manias cristãs, sem o Espírito Santo não há vida espiritual.

Sobre o capítulo em pauta, William MacDonald introduz: “Observamos de imediato que os pronomes pessoais tão destacados no capítulo 7 praticamente desaparecem, e o primeiro plano passa a ser ocupado pelo Espírito Santo. Esse fato é importante para a compreensão da passagem. A vitória não está em nós, mas no Espírito Santo que habita em nós”.

Em seguida, ele cita A. J. Gordon que relaciona sete socorros do Espírito Santo para o pecador comprometido seriamente com Cristo:

1. Liberdade para servir (v. 2);
2. Força para servir (v. 11);
3. Vitória sobre o pecado (v. 13);
4. Direção no serviço (v. 14);
5. Testemunho da filiação (v. 16);
6. Auxílio no serviço (v. 26);
7. Auxílio na oração (v. 26).

Assim, uma existência, mesmo cristã, desprovida do Espírito Santo é como árvore sem seiva, arco-íris em tons cinza, ou casamento sem amor.

A vida cristã é crescimento. Dinâmica. Existem estágios para avançar. Para alcançar o estágio do capítulo 8, de pecadores condenados por seus imundos pecados imorais a “nenhuma condenação”, é imprescindível experimentar cada etapa revelada nos capítulos anteriores.

O deixar de “andar segundo a carne” para andar “segundo o Espírito” é possível, porém, precisa seguir devidamente os passos, sem ignorar nenhum detalhe revelado até o capítulo em questão.

O indivíduo verdadeiramente convertido amadurece espiritualmente, e possui privilégios:

• Direitos legais orientados (v. 14);
• Comunhão familiar (v. 15);
• Segurança (v. 16);
• Herança e resiliência diante das adversidades tendo em vista a glória celestial (vs. 17-25);
• Verá a criação liberta da ruína do pecado (vs. 20-25);
• Será revelado com Cristo em glória (v. 19);
• Esperança real (vs. 23-25);
• Santificação verdadeira pelo poder da oração (vs. 26-27), pela providência paterna de Deus (vs. 28-38), pela vitória gloriosa baseada no amor gracioso (vs. 35-39).

Ainda que o crente seja alvo do inimigo, em Cristo ele é salvo: Mais que vencedor!

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #ebiblico #rbhw

terça-feira, 29 de maio de 2018

O Progresso Contínuo Como Alvo

Refletindo a Cristo

O Progresso Contínuo Como Alvo-29 de maio


Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Prov. 4:23
Os homens realmente diligentes são poucos em nosso mundo, mas são muito necessários. O exemplo de um indivíduo enérgico é de longo alcance; ele exerce poder eletrizante sobre outros. Embora enfrente obstáculos em seu trabalho, ele possui dinamismo, e em vez de permitir que o seu caminho seja bloqueado, põe abaixo todas as barreiras. …
Há espinhos em cada caminho. Todos os que seguem a orientação do Senhor podem esperar desapontamentos, contrariedades e perdas. Mas um espírito de verdadeiro heroísmo os ajudará a superá-los. Muitos exageram aparentes dificuldades, e então começam a lamentar-se e a dar lugar ao desânimo. Tais pessoas precisam fazer uma mudança total em si próprias. Necessitam disciplinar-se a si mesmas para despender esforços e superar os sentimentos infantis. Deveriam tomar a decisão de não permitir que a vida seja gasta em trivialidades. Que resolvam realizar alguma coisa, e então o façam.
Muitos tomam boas resoluções, mas estão sempre fazendo outra coisa, e nunca chegam lá. Todas as suas resoluções se reduzem praticamente a conversa apenas. Em muitos casos, se tivessem mais energia e realizassem alguma coisa apesar dos obstáculos, teriam muito melhor saúde.
Todos devem ter um alvo, um objetivo na vida. A mente deve preparar-se para a ação, e os pensamentos devem ser exercitados a manter-se na direção certa, como a agulha ao pólo. A mente deve ser dirigida no caminho certo, de acordo com planos bem elaborados. Então, cada passo será um passo à frente. Não se perderá tempo em seguir idéias vagas e planos impensados. Deve-se manter constantemente em mira propósitos dignos, e cada pensamento e ação deve encaminhar-se para a sua realização. Que haja firmeza de propósito para a execução de tudo aquilo que é empreendido.
O sucesso ou o fracasso nesta vida depende muito da maneira como os pensamentos são disciplinados. Se forem controlados da maneira como Deus o deseja, eles se concentrarão nos temas que induzem a uma maior devoção. Se os pensamentos forem corretos, as palavras também o serão. …
O sol do entardecer da vida poderá ser mais rico e cheio de frutos do que o sol da manhã. Ele poderá continuar a aumentar em tamanho e brilho até descer por trás dos montes no ocidente. … Mantende o coração e a mente jovens através do exercício contínuo. …
A Bíblia é o melhor livro do mundo para propiciar cultura intelectual. Os grandes temas nela apresentados, a nobre simplicidade com que tais temas são tratados, a luz que ela lança sobre os mistérios do Céu, trazem força e vigor ao entendimento. Review and Herald, 6 de abril de 1886.

ROMANOS 7 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 7 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Deixar de pecar não é tão simples como parece. A luta é árdua e sobrenatural. Interpretá-la corretamente nos encherá a alma de leveza e esperança.

Estude, medite e ore...

• O transgressor, réu de morte, condenado pela Lei, ao morrer com Cristo, morre para a Lei. Antes, pecador, sujeito à condenação pela penalidade da Lei; agora convertido, assim como a morte desfaz o laço matrimonial, a morte para o pecado desfaz o laço que nos prendia ao julgo da lei, liberando o transgressor para um novo relacionamento: Com Cristo (vs. 1-6).

• A liberdade experimentada após a morte para o pecado não libera infringir a Lei; liberta para servirmos a Cristo em novidade de vida. Pois, ser livre da Lei, conforme o texto, não significa ser livre da obediência a ela, mas da sua penalidade. A Lei, na verdade, é santa, justa e boa, serve para a santificação do cristão, uma vez que o Espírito Santo quer imprimi-la e moldar nossas atitudes conforme sua regência (Romanos 3:31; 7:12, 16, 22; ver Jeremias 31:33; Ezequiel 36:26-27).

• A Lei não pode ser incorretamente interpretada para que sua função não seja mal compreendida. Entender o real propósito da Lei não nos fará desprezá-la, mas valorizá-la; pois, na Lei criada pelo Soberano do Universo não tem erros. Somos nós, pecadores, que estamos errados; portanto, pela Lei somos condenados. O problema não está na Lei, está em nosso pecado. A Lei tem função de revelar pecados. O problema do ladrão não é a Lei, mas sua má conduta. Se nosso inimigo for a Lei divina, estaremos combatendo a Deus, em vez de combater ao pecado (vs. 6-14).

• Mesmo após possuir convicção de pecado e reconhecer a importância da Lei de Deus, o pecado habita no coração humano; desta convicção resulta uma luta constante, pois a lei do pecado está constantemente guerreando contra a nossa consciência despertada para a justiça da Lei (vs. 15-22).

• Ao reconhecer a miserabilidade humana e entender o que Cristo fez, iremos agradecer pelo dom da salvação, apesar da luta diária a enfrentar entre desejos da carne e a consciência da justiça da Lei (vs. 24-25).

Profundo, não? Mergulhe mais profundamente neste capítulo e assimile seu conteúdo à tua vida! Busque a Jesus, então acharás felicidade! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico


segunda-feira, 28 de maio de 2018

O Estudo da Bíblia Produz Cultura

Refletindo a Cristo

O Estudo da Bíblia Produz Cultura-28 de maio


Pelo conhecimento se encherão as câmaras de toda sorte de bens, preciosos e deleitáveis. Prov. 24:4.
É lei de Deus que a força, tanto para o espírito e a alma como para o corpo, se adquira por meio do esforço. É o exercício que desenvolve. De acordo com essa lei, Deus proveu em Sua Palavra os meios para o desenvolvimento mental e espiritual.
A Bíblia contém todos os princípios que os homens necessitam compreender a fim de se habilitarem tanto para esta vida como para a futura. E tais princípios podem ser compreendidos por todos. Quem quer que possua espírito capaz de apreciar seus ensinos, não poderia ler uma simples passagem da Bíblia sem adquirir dela algum conceito auxiliador. Todavia, os mais valiosos ensinos da Bíblia não serão obtidos com um estudo ocasional ou fragmentado. Seu grande conjunto de verdades não é apresentado de modo a ser descoberto pelo leitor apressado ou descuidoso. … As verdades que irão perfazer o grande todo, devem ser pesquisadas e reunidas “um pouco aqui, um pouco ali”. Isa. 28:10.
Quando assim descobertas e reunidas, notar-se-á que se adaptam perfeitamente umas às outras. Cada evangelho é um suplemento dos outros, cada profecia uma explicação de outra, cada verdade um desenvolvimento de alguma outra. Os símbolos da economia judaica são esclarecidos pelo evangelho. Cada princípio tem na Palavra de Deus seu lugar, cada fato sua significação. E a estrutura completa, em seu plano e execução, dá testemunho do seu Autor. Mente alguma poderia conceber ou moldar tal estrutura, a não ser a que possui o Ente infinito.
Pesquisando as várias partes e estudando as relações entre elas existentes, são chamadas a uma intensa atividade, as mais altas faculdades da mente humana. Ninguém poderá empenhar-se em tal estudo, sem desenvolver poder mental.
E não somente na pesquisa e reunião da verdade consiste o valor mental do estudo da Bíblia. Também consiste no esforço exigido para se apreenderem os temas apresentados. O espírito ocupado unicamente com coisas comuns, torna-se acanhado e enfraquecido. Nunca trabalhando para compreender grandiosas e profundas verdades, depois de algum tempo perde a faculdade de crescer. Como salvaguarda contra esta degenerescência, e como estímulo ao desenvolvimento, nada se poderá igualar ao estudo da Palavra de Deus. Como meio para o preparo intelectual, a Bíblia é mais eficaz do que qualquer outro livro, ou todos os outros livros reunidos. … Nenhum outro estudo poderá transmitir tal poder mental como o faz o esforço para se compreenderem as verdades estupendas da revelação. A mente, elevada assim em contato com os pensamentos do Infinito, não poderá deixar de expandir-se e fortalecer-se. Educação, págs. 123 e 124.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986  Pág. 154 –

Romanos 6 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 6 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Antes de Paulo mostrar a solução da humanidade condenada, ele revirou a sujeira da alma humana; apresentou um quadro vívido de uma raça corrompida e depravada, enlameada no pecado, afogando num mar de imoralidades.

Muitos não gostam de psicólogos, tememos que revire os lixos emocionais. Se permitirmos que Deus lide conosco, precisaremos permitir que Ele mexa nas feridas purulentas e nos lixos imundos e fétidos de nosso caráter.

• Em Romanos 1:1-2:20 Paulo tratou do problema da humanidade, da doença moral que é o pecado;
• Em Romanos 3:21-5:21 Paulo tratou da providência de Deus, que é o remédio para o dente moral: A justificação pela fé em Cristo;
• A partir deste capítulo, Paulo apresentará o estilo de vida do pecador que foi justificado pela graça, mediante a fé em Cristo.

No capítulo em análise, Paulo revela o meio de reavivar o pecador morto. Aqui fica evidente que, avivamento acontece com o novo nascimento. Quem quer experimentar a nova vida em Cristo precisa morrer definitivamente para o pecado. 

Reflita:

1. Ser salvo significa liberdade, não libertinagem. Jesus não liberta o indivíduo do pecado para que este venha a pecar como antes ou mais do que antes. A graça de Cristo alcança ao pecador para libertá-lo da desgraça do pecado, não para liberá-lo a pecar. Estar debaixo da graça não significa carta branca (ou licença) para pecar.

2. O batismo bíblico é uma decisão consciente que deve acontecer quando o pecador decide tornar-se cristão e opta por morrer para a velha vida. O evangelho é um convite para viver, embora antes tenha de morrer. Quem se identifica com a morte de Cristo, morre para o pecado; porém, também com Cristo ressuscita para uma nova vida: Morto para o pecado e vivo para Deus.

3. Se somos livres da escravidão do pecado, também somos livres do poder do pecado. Ou pertencemos a Deus ou pertencemos ao pecado, não há como pertencer a ambos. Somos influenciados e súditos de quem nos entregamos. 

Sendo assim, o cristão não é indeciso: ora pende para um lado e ora para outro. Quem está em Cristo vive uma novidade de vida. A vida dupla é uma hipocrisia, uma existência cristã ilusória. Se este é o caso, é preciso rever teu cristianismo – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico



domingo, 27 de maio de 2018

A Avenida da Saúde

Refletindo a Cristo

A Avenida da Saúde- 27 de maio


Os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os Seus ouvidos estão abertos ao seu clamor. Sal. 34:15
A certeza de estar procedendo corretamente é o melhor remédio para corpo e mente enfermos. A bênção especial de Deus repousando sobre o recebedor significa saúde e força. Aquele cuja mente está calma e satisfeita em Deus, se acha no caminho da saúde. A certeza de que os olhos do Senhor estão sobre nós, e de que os Seus ouvidos estão atentos às nossas orações, é realmente uma satisfação. O fato de saber que temos um Amigo que nunca falha, e a quem podemos confiar todos os segredos do coração, é uma felicidade que as palavras jamais poderão expressar. Aqueles cujas faculdades morais se acham obscurecidas pela doença não são os que representam apropriadamente a vida cristã ou os encantos da santidade. Acham-se freqüentemente possuídos de fervoroso fanatismo, ou gélida indiferença, ou apatia.
Os que não sentem ser um dever religioso disciplinar a mente a fim de que esta se demore em temas positivos, serão geralmente encontrados num dos seguintes dois extremos: ou estarão exultantes por uma contínua sucessão de divertimentos estimulantes, condescendendo com conversas frívolas, rindo e gracejando, ou estarão deprimidos, enfrentando grandes provações e conflitos mentais que, segundo imaginam, poucos experimentaram ou podem compreender. … Trabalho apropriado, e exercício salutar de todas as suas faculdades, desviariam os seus pensamentos de si próprios. …
Se exercitassem a mente para que esta se demorasse em idéias que nada têm a ver com o eu, eles ainda poderiam ser úteis. … Sentimentos de desânimo são freqüentemente o resultado de demasiado lazer. As mãos e a mente devem estar ocupadas em trabalho útil, aliviando as cargas dos outros; e os que estiverem assim ocupados beneficiarão a si próprios também. …
A mente deve ser desviada do eu; suas faculdades devem ser exercitadas a fim de divisar meios de fazer os outros melhores e mais felizes. “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.” Tia. 1:27.
A verdadeira religião enobrece a mente, refina o gosto, santifica o raciocínio, e torna o seu possuidor participante da pureza e santidade do Céu. Ela traz para perto os anjos, e nos separa mais e mais do espírito e influência do mundo. Ela faz parte de todas as ações e relações da vida, e nos dá um espírito sadio, produzindo como consequência felicidade e paz. Signs of the Times, 23 de outubro de 1884.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 153 

Romanos 5 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 5 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Para pecadores, condenados à morte, esse capítulo de Paulo revela esperança gloriosa. Aqui, o apóstolo traça o caminho do pecador, partindo...


• ...Da justificação para a salvação (vs. 1-11);

• ...Do reino da condenação e morte ao reino da graça e vida (vs. 12-21).

Observe cuidadosamente estas citações do tema deste capítulo, escritas por Wilson Paroschi:


• “Talvez seja possível afirmar que, de acordo com Paulo, todos herdamos de Adão não apenas as consequências, mas também algum tipo de responsabilidade penal pelo seu pecado, a qual antecede a culpa que adquirimos por causa dos nossos próprios pecados conscientes e voluntários. Não há dúvida de que, por causa do pecado de Adão, todos nascemos alienados de Deus, excluídos de Sua santa presença, e com uma natureza pecaminosa propensa para o mal (Rm 7:17, 20; 8:7; 1Co 2:14; Gl 5:16). Nascemos ‘na iniquidade’, fomos concebidos ‘em pecado’ (Sl 51:5) e somos, ‘por natureza, filhos da ira’ (Ef 2:3). Isso, por si só, já seria suficiente para nos condenar, visto que o pecado, em qualquer de suas formas, é ofensivo a Deus”.


• “Note que em Romanos 5:12-19 Paulo insistiu em que a morte como condenação pelo pecado sobreveio a todos os seres humanos por causa da desobediência de Adão (cf. v. 21; 6:23). É mais ou menos como o filho de uma mãe condenada que nasce na prisão. De alguma forma, ele compartilha da condenação da mãe, e não apenas de sua alienação. A linguagem de Paulo é clara e não deixa margem para interpretações contrárias”.


• “Da mesma forma que herdamos pecado e morte de Adão, podemos herdar a justiça e a vida que Cristo nos oferece. Jesus veio como o segundo Adão (Rm 5:14; 1Co 15:45) para restaurar tudo o que foi arruinado pelo primeiro Adão. Há, porém, uma importante diferença, e é isso que impede que a salvação por Ele outorgada seja universal: ao contrário de Adão, que é o cabeça da humanidade, Cristo só me representa se eu assim o desejar. Para que Sua justiça e morte substitutiva sejam eficazes em minha vida, preciso fazer Dele meu Substituto; preciso receber voluntariamente a graça que Ele oferece (Rm 5:17)”.


Como a salvação está gratuitamente à nossa disposição, não precisamos ficar condenados e desesperados.


Apropriemo-nos desses benefícios! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

sábado, 26 de maio de 2018

Desfrutando os Reais Prazeres da Vida


Refletindo a Cristo

Desfrutando os Reais Prazeres da Vida


Espera em Deus, pois ainda O louvarei, a Ele, meu auxílio e Deus meu. Sal. 42:11.
O sábio diz que os caminhos da sabedoria “são caminhos deliciosos, e todas as suas veredas, paz”. Prov. 3:17. Muitos alimentam a idéia de que a dedicação a Deus é prejudicial à saúde e à alegria nos relacionamentos sociais da vida. Mas os que palmilham a senda da sabedoria e da santidade notam que “a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser”. I Tim. 4:8. Eles têm animação para desfrutar os reais prazeres da vida, mas não se sentem incomodados por pesares inúteis causados por horas desperdiçadas, nem por depressão mental, como os mundanos geralmente experimentam quando não se divertem com alguma coisa estimulante.
É verdade que há muitos professos cristãos que têm imaginação doentia, e não representam corretamente a religião bíblica. Estão sempre caminhando sob uma nuvem. Parecem pensar ser uma virtude reclamar de espírito deprimido, grandes provações, e severos conflitos. Este procedimento não está de acordo com as palavras do Salvador: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos Céus.” Mat. 5:16. Todos têm o dever de andar na luz e cultivar habitualmente a jovialidade, para que possam refletir luz e não melancolia e trevas.
A piedade não se choca com as leis de saúde; ao contrário, está em harmonia com as mesmas. Se os homens tivessem sempre obedecido à lei dos Dez Mandamentos, se tivessem praticado em sua vida os princípios destes dez preceitos, a maldição da doença que agora infesta o mundo, não existiria. Os homens podem ensinar que os divertimentos fúteis são necessários para manter a mente livre de desânimo. A mente pode, na verdade, ficar assim entretida por algum tempo; mas depois que a agitação passa, vem a calma reflexão. A consciência desperta e sua voz se faz ouvir dizendo: “Esta não é a maneira de obter saúde ou verdadeira felicidade.”
Há muitos divertimentos que estimulam a mente, mas a depressão seguramente se seguirá. Outras formas de recreação são inocentes e saudáveis; mas o trabalho útil que proporciona exercício físico, muitas vezes exerce uma influência mais benéfica sobre a mente, e ao mesmo tempo fortalece os músculos, melhora a circulação, e se prova um poderoso agente na recuperação da saúde.
“Quem é o homem que ama a vida e quer longevidade para ver o bem? … Clamam os justos, e o Senhor os escuta e os livra de todas as suas tribulações.” Sal. 34:12 e 17. Signs of the Times, 23 de outubro de 1884.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986 -26 de maio – Pág. 152 – 

Romanos 4 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 4 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Enquanto não entendermos bem o que é pecado, teremos dificuldades para entender o que é salvação. Paulo propõe ajudar-nos com seus escritos: Leia-os. Depois, retorne a este comentário!

O plano gracioso da salvação operada por Deus visa alcançar o miserável e condenado pecador no mais profundo abismo, para libertá-lo. Observe esta declaração proferida por John Wesley:

“Tendo provado por argumento (1) que a justificação é pela fé, e (2) que ela está livre para os gentios, ele passa a prová-la pelo exemplo... Estes dois exemplos são escolhidos e aplicados com a máxima justiça e propriedade. Abraão foi o mais ilustre modelo de piedade entre os patriarcas judeus. Davi foi o mais eminente de seus reis. Se nenhum destes foi justificado pela sua própria obediência, se os dois alcançaram aceitação por Deus, não como seres justos que poderiam reclamá-la, mas como criaturas pecaminosas, que tinham que implorar por ela, a consequência é mais que evidente. É uma consequência tal que deve impressionar cada mente aberta e falar à sensibilidade de cada pessoa individual”.

Analise atentamente detalhes de Romanos 4:

• Se a justificação é mediante obras, a glória da salvação seria antropocêntrica, não cristocêntrica (vs. 1-2);
• A justificação pelas obras contraria toda a doutrina bíblica da salvação (vs. 3-5);
• Basear a justificação em ações humanas torna o plano divino em merecimento, independente da graça divina (vs. 6-8);
• A justificação de Abraão não foi pela circuncisão (vs. 9-12), nem pela lei (vs. 13-17), nem pela confiança na fé (vs. 17-22), mas pela fé em Cristo (vs. 23-25).

Frente ao grande conflito, enfrentando nossa condenação pela transgressão da Lei, o método de Deus salvar pecadores é exatamente o mesmo, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento: Justificação pela fé. Além disso, a base dessa doutrina está no Antigo Testamento.

“Felizes são aqueles cujos pecados são cobertos pelo véu da divina misericórdia. Se de fato existir a felicidade na terra, ela é a porção daquela pessoa cujas iniquidades são perdoadas e que goza a manifestação daquele perdão. Bem pode ele suportar alegremente todas as aflições da vida e encarar a morte com conforto. Ou que não lutemos contra ela, mas honestamente orar para que tal felicidade venha a ser nossa!” (Wesley).

Você vive essa experiência de felicidade? – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Iluminado com Todo o Esplendor

Refletindo a Cristo
Iluminado com Todo o Esplendor

Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a Sua vinda é certa. Osé. 6:3.
Estamos vivendo em meio aos perigos dos últimos dias, e devemos purificar-nos de toda e qualquer mancha, e vestir o manto da justiça de Cristo. A obra de Deus deve ser levada avante com perseverança. Devemos submeter a Cristo corpo, espírito e alma. Se não fizermos isso, a saúde do corpo e da mente serão postas em perigo.
Deus deseja que Seus obreiros adquiram diariamente a compreensão de como raciocinar logicamente da causa para o efeito, chegando a conclusões sábias e seguras. Deseja que eles ajudem a fortalecer a memória. Não podemos nos dar ao luxo de cometer erros. Como as crianças, devemos assentar-nos aos pés de Cristo, aprendendo dEle a trabalhar com êxito. Devemos pedir que Deus nos dê discernimento e luz para repartir com os outros. Há necessidade do conhecimento que é fruto da experiência. Não deveríamos permitir que um dia sequer passasse sem que aumentássemos nosso conhecimento das coisas temporais e espirituais. Não devemos fincar estacas que não estejamos dispostos a arrancar e fincar de novo, mais perto da altura que almejamos atingir.
A mais elevada educação se acha no treinamento da mente para avançar dia a dia. O término do dia deve nos encontrar a um dia de marcha mais perto da recompensa do vencedor. Dia a dia nosso entendimento deve amadurecer. Dia a dia devemos tirar conclusões que tragam valiosas recompensas nesta vida e também na vida por vir. Se olharmos diariamente para Jesus, em vez de olhar para aquilo que fizemos, faremos decidido progresso no conhecimento temporal e também no espiritual.
O fim de todas as coisas está próximo. Não devemos permitir que o que fizemos ponha fim ao nosso trabalho. O Capitão de nossa salvação diz: “Avante. A noite vem, quando ninguém pode trabalhar.” Precisamos aumentar constantemente em utilidade. Nossa vida deve sempre submeter-se ao poder de Cristo. Nossas lâmpadas devem continuar ardendo com esplendor.
A oração é um meio estabelecido pelo Céu para se obter êxito. Apelos, pedidos, solicitações entre os homens, movem as pessoas e atuam em parte para controlar os negócios das nações. Mas a oração mobiliza o Céu. Unicamente o poder que vem em resposta à oração tornará os homens sábios na sabedoria celestial e os capacitará a trabalhar em união com o Espírito, ligados pelos laços da paz. Oração, fé, confiança em Deus, atraem um poder divino que dão às estimativas humanas o seu valor real – nada. …
Aquele que se coloca no lugar onde pode ser iluminado por Deus, avança, por assim dizer, da obscuridade parcial da alvorada para o pleno esplendor do meio-dia. Australian Union Conference Record, 1º de novembro de 1904. 
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.25 de maio – Pág. 151 – 

ROMANOS 3 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 3 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Paulo fundamenta sua argumentação saudável e profunda referente à salvação no Antigo Testamento. Sem a revelação antes de Cristo, qualquer doutrina estaria sobre a areia movediça; por isso Satanás empenha-se tanto para fazer cristãos desprezarem ao Antigo Testamento.

“Paulo afirma o princípio básico em Romanos 2:11. Deus não mostra parcialidade. Sua ira oferece ‘oportunidades iguais’ a todos. Tanto judeus como gentios são pecadores. Isso leva à conclusão, em Romanos 3 de que ninguém é justo. Paulo diz: ‘Já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado’ (Romanos 3:9). Após dizer isso, Paulo faz algo interessante. Volta ao Antigo Testamento e oferece uma série de citações, que apoiam esse ponto. Ao fazer isto, reúne as mais severas denúncias da pecaminosidade humana que pode encontrar. As referências incluídas neste conglomerado de textos, por ordem de aparição, são Salmo 14:1-3; 53:1-3; Eclesiastes 7:20; Salmo 5:9; 140:7; Isaías 59:7, 8; e Salmo 36:1” (John Brunt).

“Esse capítulo é a ponte entre a seção 1, ‘pecado’, e a 2, ‘salvação’. Na primeira seção (vv. 1-20), Paulo lida com a condenação e conclui que o mundo todo – judeus e gentios – está sob pecado. Na última seção (vv. 21-31), ele apresenta o tema que tratará nos dois capítulos seguintes: a justificação pela fé” – analisa Warren W. Wiersbe; o qual acrescenta que, o capítulo 3 é a base do restante do livro:

• Nos versículos 1-4, Paulo aborda a descrença de Israel, tema que retoma nos capítulos 9-11.
• No versículo 8, Paulo menciona a questão do viver em pecado, ao qual retorna nos capítulos 6-8 (observe que 3:8 relaciona-se de perto com 6:1).
• O versículo 21 traz à tona o tópico da justificação pela fé, tema dos capítulos 4-5.
• Por fim, os versículos 22-31 falam do estabelecimento da Lei e da obediência a ela, assunto desenvolvido nos capítulos 12-16 (observe 13:8-14).

Há esperança para nós, pecadores, ao sermos “justificado[s] gratuitamente” pela graça divina, “mediante a redenção que há em Cristo Jesus” que derramou Seu sangue e deu Sua vida em nosso favor (v. 24). Só assim, Deus pode salvar transgressores da Lei, condenados por causa do pecado, e ainda permanecer “justo e justificador”, não de todos, somente “daquele que tem fé em Jesus” (v. 26).

Então, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

quinta-feira, 24 de maio de 2018

A Sabedoria Segundo o Criador

Refletindo a Cristo

A Sabedoria Segundo o Criador -24 de maio 

O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência. Prov. 9:10.
Todas as variadas aptidões que os homens possuem – de espírito, alma e corpo – são-lhes por Deus dadas a fim de serem empregadas de tal maneira que atinjam o mais elevado grau possível de perfeição. Mas esta não pode ser uma cultura egoísta e exclusiva; pois o caráter de Deus, cuja semelhança devemos receber, é benevolência e amor. Cada faculdade, cada atributo de que o Criador nos dotou, deve ser empregado para a Sua glória, e para o reerguimento de nossos semelhantes. E neste emprego encontra-se o seu exercício mais puro, mais nobre e mais feliz.
Se a este princípio fosse dada a atenção que a importância do mesmo reclama, haveria uma modificação radical em alguns dos métodos usuais de educação. Em vez de apelar para o orgulho e para a ambição egoísta, acendendo um espírito de rivalidade, esforçar-se-iam os professores por despertar o amor pela bondade, verdade e beleza – por suscitar o desejo de perfeição. O estudante procuraria o desenvolvimento em si dos dons de Deus, não para sobrepujar aos outros, mas para cumprir o propósito do Criador e receber a Sua semelhança. Em lugar de ser encaminhada às meras normas terrestres, ou ser movida pelo desejo de exaltação própria, que em si mesmo atrofia e deteriora, a mente se encaminharia ao Criador, a fim de O conhecer e tornar-se semelhante a Ele. …
A grande obra da vida é a formação do caráter; e o conhecimento de Deus é o fundamento de toda a verdadeira educação. … A lei de Deus é o reflexo de Seu caráter. Daí o dizer o salmista: “Todos os Teus mandamentos são justiça”; “pelos Teus mandamentos, alcancei entendimento.” Sal. 119:172 e 104. Deus Se nos revelou, em Sua Palavra e nas obras da criação. Mediante o inspirado volume e o livro da Natureza, devemos obter o conhecimento de Deus.
É lei do espírito adaptar-se ele gradualmente aos assuntos de que é ensinado a ocupar-se. Se ele se ocupa apenas com coisas comuns, tornar-se-á definhado e enfraquecido. Se nunca lhe é exigido atracar-se com problemas difíceis, quase perderá depois de algum tempo a faculdade de crescimento. Como uma força educativa, a Bíblia é sem rival. Na Palavra de Deus a mente encontra assunto para os mais profundos pensamentos, para as mais elevadas aspirações. A Bíblia é a história mais instrutiva que os homens possuem. Ela proveio em seu frescor da fonte da verdade eterna, e uma mão divina tem preservado sua pureza através de todos os séculos. Patriarcas e Profetas, págs. 595 e 596.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 150 –

Romanos 2 Comentário Pr Heber Toth Armí

ROMANOS 2 
Comentário Pr Heber Toth Armí

O caráter de Deus tem dois aspectos, assim como a moeda tem dois lados. Há um desequilíbrio quando se enfatiza mais o amor do que a justiça de Deus. Consequentemente, o evangelho se torna incompleto, e, o impacto não será tão grande quando deveria.

A ira também faz parte do caráter de Deus. A introdução da carta de Romanos deixa isso bem evidente, pena que muitos crentes a ignoram. Observe o final do primeiro capítulo antes de entrar na análise do segundo capítulo. Deus Se ira porque...

• ...os pecadores mudaram a glória divina em idolatria; consequentemente, foram entregues à imundícia (vs. 19-23).
• ...os seres humanos substituíram a verdade divina pela mentira; consequentemente, foram entregues a grosseiras imoralidades (vs. 25-26);
• ...Suas criaturas inteligentes desprezaram o conhecimento divino; consequentemente foram entregues à vil mentalidade e conduta pervertida (vs. 28-32).

O pecado nos torna alvos da ira divina. O mal nos rouba a sabedoria, ficamos destituídos de percepção: Por isso, fazemos coisas que condenamos no próximo (Romanos 2:1). Este segundo capítulo nos revela que:

• Ao julgar o pecador, a sentença divina se baseia na verdade divina, não na mera opinião humana empapuçada de convicção, ciência e filosofia (vs. 2-5);
• O veredicto de Deus é que cada pecador recebe retribuição de seus próprios atos (vs. 6-10);
• O Tribunal Divino é imparcial em relação aos pecadores (vs. 11-15);
• O mais importante de tudo, é que a toda ação divina está em harmonia com o evangelho, as boas novas de salvação (v. 16).

O gentio ou incrédulo não é inocente por sua ignorância; nem mesmo o judeu por seu privilégio da revelação de Deus. Para que não haja diferença, Paulo argumenta:

• Não há razão para orgulhar-se de privilégios espirituais (vs. 17-20);
• A falta de transformação diante dos privilégios aumenta a condenação dos irresponsáveis (vs. 21-22);
• O mau testemunho é pedra de tropeço aos incrédulos, além de desonrar ao nome de Deus (vs. 23-24);
• O mero formalismo religioso é hipocrisia, isso pode ser considerado pior que nunca ter conhecido a revelação de Deus (vs. 25-29).

Não há como fugir, com ou sem privilégios espirituais, desprovidos do evangelho estamos todos perdidos. Contudo, o desespero se desfaz frente ao muito que Deus fez, faz e quer fazer por nós. Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis