Translate

domingo, 28 de agosto de 2016

Neemias 1 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Neemias 1

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

A oração é o meio de atingir alvos impossíveis, por conectar seres limitados ao Deus todo-poderoso. Oração é uma forma simples de se comunicar com o maior Soberano do Universo.

O livro de Esdras terminou com oração, e, na sequência, o de Neemias começou com oração. Certamente, Deus usa pessoas que oram, dependem dEle e agem conforme Seus planos.

• Neemias tornou-se instrumento de Deus ao orar e jejuar intensa e sinceramente (vs. 1-4);

• Os primeiros passos de Neemias na realização de algo foram orações intencionais e fervorosas, avançou dedicando-se à oração e chegou ao topo de seus planos pautados pela oração: “Ele inicia o livro com a transição completa de uma súplica pelo povo da aliança (1.5-11), finalizando-a com quatro petições ‘lembra-te de mim’, das quais a última é sua assinatura (13.14,22,29,31), e, no curso da narrativa, sai um pouco do rumo para registrar várias outras orações (J. I. Packer).

Horas dispensadas em oração e jejum, clamor e súplica em prol de um alvo que exige ação não é desperdício de tempo; pelo contrário, é o único meio de obter verdadeiro sucesso na obra de Deus num mundo tomado por inimigos do Seu eterno reino.

O exemplo de Neemias, sua intenção e planos, sua forma de agir e decidir demonstram serem corretas as palavras de Rick Warren: “As pessoas podem recusar o nosso amor ou rejeitar nossas palavras, mas não têm defesas contra nossas orações” (Rick Warren). Neemias lidaria com pessoas, tanto seu chefe (v. 11) como os membros de seu povo – que estava em péssimas condições após retornarem do exílio para Jerusalém (v. 3).

É certo o que disse Bill Rybels que, “quando nós temos o hábito de orar, nós ficamos constantemente sintonizados na presença de Deus e abertos a receber Suas bênçãos”. A bênção que Deus derramou sobre Neemias devido a sua vida de oração foi tão grande que, como veremos, abençoou imensamente ao remanescente de Deus.

A oração de Neemias revelou seu conhecimento e grande compromisso com a Palavra de Deus (vs. 7-9, conf. Dt. 28:14; 30:1-4). Realmente, conhecimento bíblico é essencial para que nossa oração tenha foco certo!

Tudo o que fizermos precisa ser pautado pela Palavra de Deus! Até mesmo nossas orações em prol de nossas ações! – Heber Toth Armí /


sábado, 27 de agosto de 2016

Esdras 10 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Esdras 10

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Carecemos de pessoas verdadeiramente consagradas que estejam realmente interessadas em nossa salvação. Precisamos aprender dos grandes ícones espirituais a fim de experimentar o reavivamento que estes líderes contemplaram.
Esdras, no versículo 1...
1. Chorou,
2. Curvou-se,
3. Orou, e
4. Confessou.

Consequentemente, o povo em pecado, nos versículos 2-3...
1. Aproximou-se,
2. Confessou os pecados,
3. Dispôs-se a abandonar o pecado: Dispensar as esposas pagãs.
Influenciados pela oração e exemplo de contrição de Esdras, o povo reconheceu seus pecados e pediu-lhe que liderasse uma reforma; então, ele continuou...
• Jejuando, e
• Chorando por causa do povo (vs. 4-6).

“Os propósitos de Esdras eram altos e santos; em tudo o que fizera fora movido por um profundo amor pelas almas. A compaixão e bondade que revelava para com os que haviam pecado, fosse em plena função da vontade, fosse por ignorância, deveria ser uma lição objetiva a todos os que procurassem promover reformas. Os servos de Deus devem ser tão firmes como a rocha onde retos princípios estiverem envolvidos; mas do mesmo modo devem manifestar simpatia e longanimidade” (Ellen G. White).

• O povo deu a sugestão, não foi imposição de Esdras. Os transgressores abandonariam radicalmente seus pecados de jugo desigual, despediriam a esposa pagã. Um tribunal ficou responsável por resolver essa questão de forma legal mesmo em época de chuva. Foram três meses de burocracia, mas os princípios bíblicos prevaleceram (vs. 7-14).
• Um número insignificante opôs-se à solução ao problema (vs. 15-17). Tem gente que não larga o problema, ainda quer que os outros se apeguem também a ele. Porém, a democracia, às vezes, é positiva.
• O livro termina com um tom negativo, falando dos casamentos mistos, a razão da depravação do povo de Deus. Desta forma, o livro mostra o quanto o remanescente ainda precisa amadurecer espiritualmente (vs. 18-44).

“O livro de Esdras é um estudo sobre reavivamento. Quando as pessoas aplicarem a verdade da Palavra de Deus em sua vida, quando os santos orarem, intercederem e houver confissão seguida do afastamento de pecados reconhecidos, a igreja receberá poder para realizar coisas grandiosas para Deus” (William MacDonald).

A Palavra de Deus precisa ser central na vida de todo povo de Deus – creio ser essa a ênfase do livro de Esdras para nós.
Reavivemo-nos! Heber Toth Armí /



sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Esdras 9 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Esdras 9

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Quem se dispõe a colocar Deus em primeiro lugar e no centro de tudo decidirá e fará somente aquilo que é da Sua vontade, seja na igreja ou no trabalho, no namoro e no casamento. O alvo diário não será os próprios interesses, mas sempre os de Deus.

Contudo, o povo de Esdras colocou seus próprios interesses acima dos interesses divinos; então, o destino dos judeus rumou-se para o plano do diabo. Observe a sequência:

1. Líderes e oficiais do povo de Deus uniram-se a mulheres pagãs e enveredaram para práticas perversas/imorais dos povos pagãos (vs. 1-2);

2. Note a atitude de Esdras diante destes fatos, em suas palavras: “rasguei minha roupa – até minha túnica – arranquei cabelo da cabeça e da barba e me joguei no chão, desesperado” (v. 3).

3. No sacrifício da tarde, Esdras criou coragem e com as vestes rasgadas não se levantou para condenar e/ou acusar o povo transgressor, mesmo sabendo que os mesmos pecados praticados levaram os pais dos ex-exilados ao cativeiro. Ele assumiu a culpa do povo baseando-se no caráter incomparavelmente misericordioso de Deus e pôs-se a orar, interceder perante Deus, pelo povo. (vs. 4-15).

Casamentos com pessoas que não têm as mesmas crenças na Bíblia, certamente trarão mais males que bênçãos. O dilúvio foi necessário porque tais casamentos enfraqueceram tanto o povo de Deus que resultou na multiplicação da maldade e no aumento da imoralidade. Por isso, Deus precisou tomar atitudes drásticas (Gênesis 6:1-6).

Visando preservar a espiritualidade das famílias de Seus filhos e o processo de desenvolvimento da fé no ambiente familiar, Deus foi categórico em proibir casamentos com quem não tinha compromisso com Ele (Êxodo 34:14-16), pois enfraqueceria e desviaria a nação/igreja inteira dos trilhos que levam ao Céu (Deuteronômio 7:1-6; Josué 23:11-13).

Apesar dessa terrível transgressão, Esdras fez o que muitos reformadores espirituais ignoram: Interceder com compaixão pelos transgressores.

• Diante de qualquer problema do povo de Deus não podemos nos precipitar com atitudes drásticas para inibir ou resolver a situação;
• Os transgressores precisam de intercessores mais do que os santos;
• Os acusadores dos transgressores são agentes do destruidor, não do Salvador.

Duas lições: 1) Case para a glória de Deus; e, 2) interceda por quem casou para sua própria glória.
Vamos orar?


          http://moracao.blogspot.com.br/

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis