Translate

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Mateus 20 Comentários: Pr. Heber Toth Armí


Mateus 20
Pr. Heber Toth Armí

Verdades divinas contrariam vontades humanas. O pecado impulsiona aos sentimentos. Tais sentimentos precisam dos reajustes de Cristo a fim de que mudemos nossos pensamentos e comportamentos; do contrário, nunca experimentaremos nenhum verdadeiro reavivamento.

1. Temos facilidade de questionar coisas boas e privilégios concedidos pela graça divina; Jesus simplesmente revela que, do ponto de vista divino, os últimos serão primeiro, e os primeiros, os últimos (vs. 1-16).

2. Nem todos os que passam tempo com Jesus se salvarão: Judas é um triste, mas verdadeiro exemplo dessa fatalidade. A morte e a ressurreição de Cristo só agem em quem se entrega a Jesus mais do que fez Judas (vs. 17-18).

3. Nem todos os nossos mais nobres e sublimes anseios, nem mesmo nossas mais positivas e boas intensões são aceitáveis Àquele que conhece profundamente nosso coração; mães e filhos podem ver negadas suas orações dirigidas a Cristo caso estejam impregnadas de ambições (vs. 20-28).

Os ensinamentos de Cristo são mais valiosos que o ouro e, deveriam ser buscados mais do que se busca o salário de um mês de serviço. Na mente humana, aquilo que Deus faz pode parecer injusto se não estiver embebecida com as puras lições espirituais reveladas na Bíblia. Veja esta pergunta de Jesus aos que cobram seus “direitos”:

“Você vai se mostrar mesquinho por eu ter sido generoso?”. O autoconhecimento é importante a fim de não questionar a Bíblia e as Palavras de Jesus. Assim como os críticos revelam seu caráter mais do que o caráter de quem está criticando, quem questiona a generosidade de Deus revela mesquinhez.

Precisamos que Jesus abra nossos olhos espirituais a fim de que tenhamos discernimento e percepção da realidade. Precisamos aprender a enxergar as coisas como Deus as vê. Diante dos dois cegos que clamavam por misericórdia, “Jesus parou e chamou-os: ‘O que vocês querem de mim?’. Eles disseram: ‘Senhor, queremos ter os olhos abertos. Queremos ver’” (vs. 29-31).
O salmista suplicou: “Abre meus olhos, para que eu possa ver o que me mostrares das coisas maravilhosas que fazes” (Salmo 119:18). Se Jesus não abrir nossos olhos:

1. O acharemos injusto, não generoso;
2. Acharemos que somos mais justo do que Ele;
3. Reclamaremos “direitos” quando não temos nem mesmo direito de reclamar.

Reflita!
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos dos livros de Genesis a Malaquias  você encontra em:


Mateus 20 Comentários de Leo Van Dolson, Jr.,

Mateus  20
Leo Van Dolson, Jr.,

No capítulo anterior, Jesus começa a expor as características dos cidadãos do reino dos céus: inocência e submissão como às das crianças, o amor pelo próximo e a Deus, acima mesmo das riquezas e relacionamentos humanos. Neste capítulo Jesus complementa este tema, apresentando a parábola dos trabalhadores da vinha (v. 1-16). Nela, alguns trabalharam o dia todo e outros trabalharam apenas uma hora, mas todos receberam a mesma recompensa. Na verdade, aqueles que se comprometem com o serviço de Deus e dos outros, mesmo nas últimas horas da vida, recebem o mesmo dom da vida eterna.

Aqui, o Mestre deixa claro o conceito da salvação pela graça: a recompensa eterna é concedida não aos que trabalham a vida toda por Deus ou ao menos 51% dela; é concedida àquele que aceita o convite de maneira completa, sem restrições e decide seguir ao Senhor, não importa em que momento da vida esta decisão é tomada.

Você já foi tentado a adiar a decisão de seguir ao Senhor? Por que não desfrutar os prazeres do pecado por mais alguns temporadas e, em seguida, colocar-se ao lado de Jesus? Não é muito melhor ganhar a mesma recompensa, depois de trabalhar apenas na última hora, em vez de todo o dia?

O grande perigo de adiar essa escolha vital é não conseguir fazê-la mais tarde. Ninguém sabe por quanto tempo estará vivo. Além disso, os hábitos formados ao longo dos anos podem ser muito difíceis de quebrar. Depois de uma vida inteira dizendo “não” à liderança do Espírito Santo será que a pessoa conseguirá dizer “sim”, na última hora? Só Deus sabe o que vai no coração, mas algumas decisões no “leito de morte”, podem ser mais frutos de egoísmo ou do medo do que do amor a Deus. Agora é o dia de aceitarmos a salvação (2 Cor. 6: 2).

Na próximos versos, 17 a 19, Mateus registra a última viagem de Jesus a Jerusalém (v. 17-19) para enfrentar a sua própria execução cruel nas mãos de agentes de Satanás. Pior ainda, ele sentiria o peso esmagador dos pecados de todos os que seriam salvos e o sofrimento intenso de separação de Deus por causa do pecado. O Criador do universo tinha plena consciência do ódio e da dor que o aguardavam. Mas sabia, também, que este  era o único caminho para provisionar a salvação àqueles que decidissem aceitá-la.

Cabe a nós, hoje, escolher nos unirmos a este Deus maravilhoso que fez e continua fazendo de tudo para nos salvar. Aqueles que aceitarem o seu amor e passarem a viver para servir aos outros (v. 20-24) um dia receberão a recompensa da vida eterna e se alegrarão em Sua presença.
Leo Van Dolson, Jr.,


http://www.palavraeficaz.com

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Mateus 19 Comentários: Pr. Heber Toth Armí


Mateus 19
Pr. Heber Toth Armí

Há dois tipos de questionadores: os que querem aprender e os que não querem entender. O último está aberto para a ignorância; o segundo, para a sabedoria. Eis porque a mesma Palavra de Deus provoca reações diferentes nas pessoas. Quem é você, afinal?

Ao Jesus ensinar, “um dia os fariseus vieram provocá-lo: ‘É permitido um homem divorciar-se da esposa por qualquer razão?’. Ele respondeu: ‘Vocês não leram que o Criador, no plano original, fez o homem e a mulher um para o outro, macho e fêmea? Por causa disso, um homem deixa pai e mãe e une-se à sua esposa, tornando-se uma só carne com ela. Não mais dois, apenas um.  Deus criou uma união perfeita, que ninguém pode ter a ousadia de profaná-la’” (vs. 1-6).

Para dar certo, a vida conjugal deve ser orientada pelo plano original. Destacaremos quatro verdades:

1. Deus planejou o casamento heterossexual: Macho e fêmea, homem e mulher;
2. Deus idealizou o casamento monogâmico: Apenas um(a) parceiro(a), não mais;
3. Deus delineou o casamento monossomático: Para ser uma só carne, unidade;
4. Deus projetou o casamento para ser indissolúvel: O que Deus uniu não se pode separar.

Dor, angústia, lágrimas, mágoas, ódio, coração ferido, etc. vêm de não seguir as sábias orientações da Palavra de Deus. O divórcio não foi invenção divina, nunca; Deus não é a favor disso (vs. 7-12).

Outra coisa, Jesus mostra que todo relacionamento humano deve estar em segundo plano em relação e Ele (vs. 28-30). Quem colocar cônjuge, familiares, propriedades – qualquer coisa – no lugar que Cristo deve ocupar, se decepcionará com a religião. Questionará para não entender.

Riquezas são obstáculos ao verdadeiro cristianismo. Jesus disse ao rapaz obediente aos mandamentos que buscava uma religião mais profunda: “Se quer mesmo dar tudo de você, venda seus bens e dê tudo aos pobres. Toda a sua riqueza, então, estará no céu. DEPOIS venha me seguir” (v. 21). Abatido, apegou-se aos bens...

Lição: “É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

O amor divino não é irresistível, Deus não é coercivo. Seguir a Jesus nunca deve ser por obrigação. É questão de decisão! Decida-te!

Não deixe que nada interfira entre você e Deus! /Heber Toth Armí 

Imagens do Google 
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos dos livros de Genesis a Malaquias  você encontra em:


Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis