Translate

sábado, 21 de abril de 2018

A Fé Desenvolve Toda Boa Qualidade

Refletindo a Cristo

A Fé Desenvolve Toda Boa Qualidade-21 de abril

Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. João 3:3.
Pergunta: Que preciso fazer para ser salvo? Antes de iniciar a pesquisa, é preciso depor as opiniões preconcebidas, as idéias herdadas e cultivadas. Se examinais as Escrituras para justificar opiniões próprias, nunca alcançareis a verdade. Pesquisai para aprender o que o Senhor diz. Se vos vier a convicção ao estudardes, se virdes que vossas opiniões acariciadas não estão em harmonia com a verdade, não interpreteis mal a verdade para acomodá-la à vossa própria crença, antes aceitai a luz concedida. Abri a mente e o coração, para que possais contemplar as maravilhas da Palavra de Deus.
A fé em Cristo, como o Redentor do mundo, exige o reconhecimento de uma inteligência esclarecida, dirigida por um coração que pode discernir e avaliar o tesouro celestial. Essa fé é inseparável do arrependimento e transformação do caráter. Ter fé significa achar e aceitar o tesouro do evangelho com todos os deveres que o mesmo impõe.
“Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3. Conjeturará e imaginará, mas sem os olhos da fé, não pode ver o tesouro. Cristo deu a Sua vida para nos assegurar esse tesouro inestimável; porém sem regeneração pela fé em Seu sangue, não há remissão de pecados, nem tesouro para alguém prestes a perecer.
Necessitamos da iluminação do Espírito Santo, para discernir as verdades da Palavra de Deus. As coisas aprazíveis do mundo natural não são vistas sem que o Sol, dissipando as trevas, as inunde de luz. Assim as preciosidades da Palavra de Deus, não são apreciadas, sem serem reveladas pelos brilhantes raios do Sol da Justiça.
O Espírito Santo enviado do Céu, pela benevolência do infinito amor, toma as coisas de Deus e as revela a toda pessoa que tem fé implícita em Cristo. Por Seu poder, as verdades vitais das quais depende a salvação, são impressas na mente, e o caminho da vida torna-se tão claro, que ninguém precisa desviar-se. Estudando as Escrituras, devemos orar para que a luz do Santo Espírito de Deus ilumine a Palavra a fim de vermos e apreciarmos suas jóias. Parábolas de Jesus, págs. 112 e 113.
Por meio da fé em Cristo, toda deficiência de caráter pode ser suprida, toda contaminação removida, corrigida toda falta, e toda boa qualidade desenvolvida. Educação, págs. 257 e 258.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 117 – 

João 18 Comentário Pr Heber Toth Armí


JOÃO 18 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Os evangelistas ampliam nossa visão da pessoa e obra de Jesus. Cada ângulo em que observar mais apreciaremos a Jesus, por isso existem os quatro evangelhos.

Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas se assemelham entre si, desta forma são chamados Sinóticos. D. A. Carson, comentando sobre isso, declara o seguinte:

As diferenças mais frequentes levantadas por João e os Sinóticos são três:

1. Os romanos têm um papel mais central em João que nos Sinóticos: eles inclusive aparecem na cena da prisão (18:3), e Pilatos toma muito espaço.
2. Não só não há registro em João da agonia de Jesus no Getsêmani, mas também, em geral, há muito esforço em mostrar que Jesus está no controle. Não há menção do beijo traiçoeiro de Judas: Jesus vai em direção a Sua prisão (18:1, 4) e controla o curso dos eventos. Ele interroga Seus captores e demonstra de tal forma Sua glória que eles caem para trás no chão (18:3-8).
3. Há diversas passagens em João que não têm nenhum paralelo nos Sinóticos:
a) O ato de levar Jesus a Anás (18:12-14);
b) Sua resposta ao sumo sacerdote e o oficial que lhe bateu (18:19-24);
c) Os diálogos entre Jesus e Pilatos (18:28-37; 19:9-11);
d) Os diálogos entre Pilatos e os judeus (18:28-32; 19:4-7, 13-16);
e) A declaração de que Jesus levou Sua própria cruz (19:17);
f) Um excurso sobre o significado da inscrição na cruz (19:20-22);
g) A criação do elo entre Sua mãe e o discípulo amado (19:26-27);
h) O grito na cruz (19:30).

Merril F. Unger observa que “Jesus disse a Pilatos que Seu reino (Sl 45.3,6; Is 9.6,7; Zc 9.9) não era deste mundo, i.e., deste sistema mundial satânico baseado em princípios de orgulho, luxúria e guerra, [vs. 36]. Se Seu reino fosse assim, então Seus servos lutariam. Jesus enfatizava a verdadeira natureza do Seu reino, em gritante contraste com Roma e outros governos do mundo”.

Pergunto, ao deparar-se com o sistema de governo de Cristo como você reage?

• Como Anás?
• Como Pilatos?
• Como Pedro?
• Como o povo judeu?
• Como discípulo medroso?

Devemos trilhar o caminho da total submissão a Cristo para que pertençamos ao Reino de Deus. Envolver-se com tal reino transforma nossa conduta radicalmente desde agora! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Pela Fé, Tudo é Nosso

Refletindo a Cristo

Pela Fé, Tudo é Nosso-20 de abril

Porque tudo é vosso… e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus. I Cor. 3:21 e 23.
O Filho de Deus não foi apenas dado como sacrifício pelo culpado, e como Redentor para o perdido, mas por meio dEle todas as coisas são nossas. Os que têm fé em Cristo, os que são obedientes aos Seus preceitos, saberão por experiência própria a imensidão do poder que nos dá constante testemunho de que somos de Cristo, e de que Cristo é nosso. O Salvador nos deu o título de nossa herança, e estamos em posição de vantagem, pois escolhemos a Cristo como nosso quinhão.
Os que são obedientes a Sua Palavra podem receber esta evidência – a certeza da verdade tal e qual é em Jesus. Se habituarmos a mente a se demorar sobre as razões da fé que nos foram dadas, poderemos suportar ver Aquele que é invisível. Os que andam com Jesus podem se regozijar com alegria indizível e cheio de glória. …
Uma fé contínua e constante obediência são essenciais para permanecermos em Seu amor. … Devemos viver de conformidade com toda palavra que procede da boca de Deus. Então a verdade, como é em Jesus, a verdade que é exemplificada em Seu caráter, será expressa em nossa vida, em nosso espírito, nossas palavras, nosso temperamento. A verdade será a lei da mente. Cristo, a esperança da glória, surgirá no íntimo.
Há uma união particularmente íntima entre a pessoa transformada e Deus. É impossível encontrar palavras para descrever esta união. É um tesouro que ao verdadeiro crente vale infinitamente mais do que ouro e prata.
O cristão vê sempre o Salvador diante de si, e pelo contemplar é transformado na mesma imagem, de glória em glória. Ele ostenta a assinatura de Deus. Abandonaremos isto em troca de enganos? Nunca! A verdade está cheia de riquezas divinas. Aquele que é participante da natureza divina apegar-se-á firmemente à verdade. Ele jamais a deixará, pois a verdade o sustenta. …
Não nos esqueçamos jamais de que pelo caráter que estamos formando dia a dia, estamos decidindo nosso destino futuro. Aqueles cujo coração está cheio do amor de Cristo, terão nas cortes celestiais uma alegre recepção. …
É a espiritualidade dos filhos de Deus que constitui a glória deles aos Seus olhos. Este é o sinal distintivo que os separa do mundo. … Devemos ter fome e sede de justiça, para que possamos representar Cristo ao mundo. Se o Seu amor habita em nosso coração, ele será claramente revelado. Seremos luzes no mundo. Cristo conclama cada seguidor Seu a revelar Suas virtudes de caráter, a representá-Lo em palavras e ações, e a tornar conhecido o Seu amor. Manuscrito 84, 1905.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 116 – 

João 17 Comentário Pr Heber Toth Armí


JOÃO 17 
Comentário Pr Heber Toth Armí

Orar é tão importante que Jesus, mesmo sendo divino, orou ao Pai. Se Ele, que era perfeito, precisava de oração enquanto esteve neste mundo, quanto mais nós!

Jesus era um Deus de oração para que, ao olharmos para Seu exemplo, sejamos homens e mulheres de oração. D. A. Carson sugere o seguinte esboço para o capítulo da oração de Jesus:

1. Jesus ora por Sua glorificação (vs. 1-5);
2. Jesus ora por Seus discípulos:
a) Base de Jesus para esta oração (vs. 6-11a);
b) Jesus ora para que Seus discípulos sejam protegidos (vs. 11b-16);
c) Jesus ora para que Seus discípulos sejam santificados (vs. 17-19).
3. Jesus ora por aqueles que creem (vs. 20-23);
4. Jesus ora para que todos os crentes sejam aperfeiçoados para poder ver a glória de Jesus (vs. 24-26).

Existe uma intimidade entre Jesus e o Pai que por mais profundo que penetremos nessa oração, dificilmente a entenderemos plenamente.

“A oração inteira é uma bela ilustração de intercessão de nosso amado Senhor à mão direita de Deus. Nenhuma palavra contra Seu povo; nenhuma referência às suas falhas ou deficiências... Não. Ele só fala deles segundo o propósito do Pai, como em associação com Ele, e como os recipientes da plenitude que Ele trouxe do céu para conferir a eles... Todas as petições em particular a favor do Seu povo se referem às coisas espirituais: Todas têm referência às bênçãos celestiais. O Senhor não pede riquezas para eles, nem honras, nem influência mundial, ou grandes propriedades, mas ora mui sinceramente que sejam guardados do mal, separados do mundo, qualificados para as obrigações e elevados em segurança ao lar celestial. Prosperidade da alma é a melhor prosperidade; é o índice da verdadeira prosperidade” (Marcos Rainsford).

Ao meditar nesta oração especial de Jesus realizada antes da Sua morte na cruz, você precisa...

• Entender que antes mesmo de interceder no Céu por você, Cristo intercedeu na Terra.
• Compreender a abrangência desta oração de Cristo: Ele orou por Si, pelos discípulos e pelos crentes de todos os tempos e lugares.
• Aprender a usufruir intensamente dos benefícios da intercessão de Cristo.
• Permitir que Deus responda em você a oração de Jesus em relação à união e à missão.

“Senhor, desperta-nos, reaviva-nos, restaura-nos, reforma-nos, usa-nos...” – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico


quinta-feira, 19 de abril de 2018

Fé Que Atua Por Amor

Refletindo a Cristo

Fé Que Atua Por Amor-19 de abril

Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Prov. 3:5.
Quando falamos em fé, devemos ter presente uma distinção. Existe uma espécie de crença que é inteiramente diversa da fé. A existência e poder de Deus, a veracidade de Sua palavra, são fatos que mesmo Satanás e seus exércitos não podem sinceramente negar. Diz a Bíblia que “também os demônios o crêem e estremecem” (Tia. 2:19); mas isto não é fé. Onde existe não só a crença na Palavra de Deus, mas também uma submissão à Sua vontade; onde o coração se Lhe acha rendido e as afeições nele concentradas, aí existe fé – a fé que opera por amor e purifica a alma. Por esta fé o coração é renovado à imagem de Deus. E o coração que em seu estado irregenerado não era sujeito à lei de Deus, agora se deleita em Seus santos preceitos, exclamando com o salmista: “Oh! quanto amo a Tua lei! É a minha meditação em todo o dia!” Sal. 119:97. E cumpre-se a justiça da lei em nós, os que não andamos “segundo a carne, mas segundo o espírito”. Rom. 8:1.
Há os que já experimentaram o amor perdoador de Cristo, e que desejam realmente ser filhos de Deus, contudo reconhecem que seu caráter é imperfeito, sua vida faltosa, e chegam a ponto de duvidar se seu coração foi renovado pelo Espírito Santo. A esses eu desejaria dizer: Não recueis, em desespero. Muitas vezes, teremos de prostrar-nos e chorar aos pés de Jesus, por causa de nossas faltas e erros; mas não nos devemos desanimar. Mesmo quando somos vencidos pelo inimigo, não somos repelidos, nem abandonados ou rejeitados por Deus. Não; Cristo está à destra de Deus, fazendo intercessão por nós. Diz o amado João: “Estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo.” I João 2:1. E não esqueçais as palavras de Cristo: “O mesmo Pai vos ama.” João 16:27. Ele deseja atrair-vos de novo a Si, e ver refletidas em vós Sua pureza e santidade. E se tão-somente vos renderdes a Ele, Aquele que em vós começou a boa obra há de continuá-la até o dia de Jesus Cristo. Orai com mais fervor; crede mais plenamente. …
Quanto menos virmos em nós mesmos digno de estima, tanto mais havemos de ver digno de estima na infinita pureza e amabilidade de nosso Salvador. A vista de nossa pecaminosidade impele-nos para Ele, que é capaz de perdoar; e quando a alma, reconhecendo o seu desamparo, anseia por Cristo, Ele Se revelará em poder. Quanto mais a sensação de nossa necessidade nos impelir para Ele e para a Palavra de Deus, tanto mais exaltada visão teremos de Seu caráter, e tanto mais plenamente refletiremos a Sua imagem. Caminho a Cristo, págs. 63-65.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 115 – 

JOÃO 16 Comentário Pr Heber Toth Armí

 JOÃO 16 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 A profundidade dos discursos de Jesus exige nosso tempo e habilidade para entender suas importantes verdades espirituais.

Note bem que, “os capítulos 14, 15, 15 e 17 têm, cada um, um tema central [...]. Mesmo assim, num estudo mais detalhado, fica claro que uma conexão orgânica e lógica percorre todos estes capítulos: a nota predominante do capítulo 14 é de conforto (‘Que o coração de vocês não fique mais perturbado’); do capítulo 15 é de admoestação (‘permaneçam em mim... amem uns aos outros... também testemunhem’); e do capítulo 16, de profecia (‘Eles os expulsarão das sinagogas’), enquanto o capítulo 17 contém a Oração Sacerdotal, famosa por sua simplicidade e ternura” (William Hendriksen).

O capítulo oferece-nos os seguintes pontos:

• Enquanto os discípulos pregassem com paixão da verdade do amor divino, ódio brotaria do coração de muitos a tal ponto de promoverem uma perseguição, iludidos com suas crenças equivocadas (vs. 1-4);
• Jesus enviaria o Consolador para os capacitar, encorajar, ensinar e torná-lO real mesmo após a Sua partida (vs. 4-15);
• Jesus promete transformar tristezas em alegrias aos crentes que O amam e esperam encontrá-lO pessoalmente (vs. 16-22);
• A oração feita em nome de Jesus é o meio para conectar-se ao Pai diante das adversidades provocadas pelas pessoas perversas. Orações respondidas geram alegria sem medida (vs. 23-28);
• Jesus, mesmo sendo divino, enfrentaria a morte a fim de promover a paz no coração dos discípulos em meio ao grande conflito entre o bem e o mal existente no mundo (vs. 29-33).

Existe uma sequência do capítulo 15 para o 16, e uma ampliação dos temas proclamados por Jesus. “Enquanto no capítulo 15 os discípulos foram informados sobre o que eles deviam fazer, no capítulo 16 Jesus prediz o que o Deus Triúno iria fazer pelos discípulos em vista desse espírito de ódio e perseguição. Algo desse teor já fora dito em 15.26. Agora se expande o tema. O Espírito Santo condenará o mundo, e guiará a Igreja a toda a verdade. O Filho dará alegria ao coração dos discípulos (por meio de Sua gloriosa ressurreição e pelo envio do Espírito). O Pai continuará a amá-los. Portanto, a vitória é certa” (Hendriksen).

Temos inúmeras razões para reavivamo-nos espiritualmente! Por que permanecer apáticos?

Aprofundemo-nos nas Palavras de Cristo! – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp


quarta-feira, 18 de abril de 2018

A Oração é Sempre Apropriada

Refletindo a Cristo

A Oração é Sempre Apropriada -18 de abril

Se Me pedirdes alguma coisa em Meu nome, Eu o farei. João 14:14.
Não há tempo nem lugar impróprios para erguer a Deus uma prece. Nada há que nos possa impedir de alçar o coração no espírito de oração sincera. Entre as turbas de transeuntes na rua, em meio de uma transação comercial, podemos elevar a Deus um pedido, rogando a direção divina, como fez Neemias quando apresentou seu pedido perante o rei Artaxerxes. Onde quer que nos encontremos podemos entreter comunhão íntima com Deus. Devemos ter constantemente aberta a porta do coração, erguendo sempre a Jesus o convite para vir habitar nossa alma, como hóspede celestial.
Ainda que nos achemos numa atmosfera maculada e corrupta, não lhe somos forçados a respirar os miasmas, mas podemos viver no puro ambiente do Céu. Podemos cerrar todas as portas a imaginações impuras e pensamentos profanos, erguendo nossa alma à presença de Deus por meio de sincera oração. Aquele cujo coração se acha aberto para receber o auxílio e a bênção de Deus, há de viver numa atmosfera mais santa que a da Terra, tendo constante comunhão com o Céu.
Precisamos ter acerca de Jesus uma visão mais nítida, bem como mais ampla compreensão do valor das realidades eternas. O coração dos filhos de Deus se tem de encher de beleza e santidade; e para que assim seja devemos procurar a divina revelação das coisas celestiais.
Que nossa alma se dilate e eleve, a fim de que Deus nos possa proporcionar um hausto da atmosfera celeste. Podemo-nos conservar tão achegados a Deus que, em cada inesperada provação, nossos pensamentos para Ele se volvam tão naturalmente como a flor se volta para o Sol.
Exponde continuamente ao Senhor vossas necessidades, alegrias, pesares, cuidados e temores. Não O podeis sobrecarregar; não O podeis fatigar. Aquele que conta os cabelos de vossa cabeça, não é indiferente as necessidades de Seus filhos. “Porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso.” Tia. 5:11. Seu coração amorável se comove ante as nossas tristezas, ante a nossa expressão delas. Levai-Lhe tudo quanto vos causa perplexidade. Coisa alguma é demasiado grande para Ele, pois sustém os mundos e rege o Universo. Nada do que de algum modo se relacione com a nossa paz é tão insignificante que o não observe. Não há em nossa vida nenhum capítulo demasiado obscuro que não o possa ler; perplexidade alguma por demais intrincada que não a possa resolver. … As relações entre Deus e cada pessoa são tão particulares e íntimas, como se não existisse nenhuma outra por quem Ele houvesse dado Seu bem-amado Filho. Caminho a Cristo, págs. 99 e 100.
Meditação Matinal de Ellen White – , 1986 – Pág. 114 – 

João 15 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 15 
Comentário Pr Heber Toth Armí 

Estar ligado a Jesus significa desligar-se do mundo; isso resulta em ser estranho e perseguido no mundo.

O capítulo em pauta pode ser assim dividido, como sugere o Comentário Bíblico Adventista:

1. A consolação e o amor mútuos entre Cristo e Seus seguidores, representados na parábola da videira (vs. 1-17);
2. Conforto em meio ao ódio e à perseguição do mundo (vs. 18-25);
3. O trabalho do Espírito Santo e dos apóstolos (vs. 26-27).

Cristianismo é relacionamento íntimo com Cristo. É ligação constante a Ele em toda situação. “O propósito fundamental da analogia da vara da videira era descrever um relacionamento permanente entre Cristo e o crente, semelhante ao firmado entre Israel e Yahveh, para que desse muito fruto (cf. Is. 5:2; Os 10:1)” (William E. Hull).

• Sem relacionamento íntimo entre o pecador perdoado e o Cristo encarnado não existe cristianismo verdadeiro.
• Os cristãos falsos serão descartados como imprestáveis, inúteis, indignos do Céu.
• Os frutos evidenciam os verdadeiros cristãos em relação aos falsos, sem frutos.
• Deus opera, através da poda, o amadurecimento do cristão genuíno.

“Por todo o discurso de despedida o objetivo básico era definir o modo como os discípulos, após a partida de Jesus, deviam reproduzir, em sua vida comunitária, e então ampliar, através da história, estas realidades centrais da vida terrena de seu Senhor. Depois de reunir Seus seguidores no círculo de amor que compartilhava com o Pai (15:1-7), Jesus agora os convida a entrar na arena da luta que travariam com o mundo. Ironicamente, receberiam o privilégio de se identificarem com Jesus não somente por darem muito fruto, mas também por terem que enfrentar muita perseguição” (Hull).

• Permanência na Palavra e a perseverança na oração produzem o sucesso na existência cristã.
• Frequência na obediência do discípulo de Cristo resulta da consciência de sua dependência.
• Amor é a essência do discípulo persistentemente ligado a Cristo.
• Dificuldades provocadas pelo mundo devem gerar paciência e confiança no crente, ciente de que o Espírito Santo atuará para seu bem em toda circunstância.

Os verdadeiros e fervorosos crentes na década de 1870 reconheceram: “Tínhamos inimigos implacáveis na cidade que vigiavam cada passo que dávamos e estavam prontos a usar qualquer ação imprudente para nos prejudicar” (J. N. Loughborough).

Apesar dos desafios, reavivemo-nos biblicamente! – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

terça-feira, 17 de abril de 2018

Circundar O Mundo

Refletindo a Cristo

Circundar O Mundo-17 de abril

Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer. Luc. 18:1.
Que nossos irmãos e irmãs se lembrem de que estamos vivendo no limiar do mundo eterno. Os casos de todos estão sendo examinados nas cortes celestiais, e é alto tempo de pôr de lado o pecado, e trabalhar zelosamente para salvar o maior número possível.
Entre o povo de Deus deveria haver, neste tempo, freqüentes períodos de sincera, ardente oração. A mente deve estar constantemente em atitude de oração. No lar e na igreja, façam-se orações fervorosas em favor daqueles que se entregaram à pregação da Palavra. Que os crentes orem como os discípulos o fizeram após a ascensão de Cristo.
Os membros de nossas igrejas precisam ser convertidos, precisam voltar-se mais para as coisas espirituais. Uma corrente de crentes piedosos deve circundar o mundo. Que todos orem com humildade. Alguns vizinhos poderão reunir-se a fim de orar pedindo o Espírito Santo. E os que não podem sair de casa, que juntem os filhos e se unam para aprender a orar juntos. Eles poderão reivindicar a promessa do Salvador: “Onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, ali estou no meio deles”. Mat. 18:20. …
Em resposta às orações do povo de Deus, são enviados anjos com as bênçãos celestiais. O Senhor deseja que tenhamos muito mais sucesso em nossos esforços missionários. Através de oração diária e consagração todos podem de tal modo relacionar-se com seu Pai Celestial, que Ele poderá conceder-lhes ricas bênçãos.
Especialmente os que são novos na fé precisam estar bem despertos, e em guarda contra as estratégias de Satanás. Devem aderir firmemente a uma fé inabalável no grande sacrifício expiatório. Eles não precisam continuar em pecado. Por meio da oração poderão receber a graça que os habilitará a vencer. …
Quanto mais não poderia ter sido realizado se o tempo gasto pelo povo de Deus em censuras tivesse sido empregado para animar-se mutuamente, e em serviço ativo! Quão melhor é que as vozes se unam em oração, em santa harmonia, do que em descobrir faltas! Review and Herald, 3 de janeiro de 1907.
As maiores vitórias da igreja de Cristo, ou do cristão em particular… São as vitórias ganhas na sala de audiência de Deus, quando uma fé cheia de ardor e agonia lança mão do braço forte da oração. Patriarcas e Profetas, pág. 203.
O que mais necessitamos é… capacidade para amar, e orar a Deus pedindo o Seu poder convertedor. … Não é capacidade mental ou monetária que o povo necessita agora, e sim capacidade para amar. Carta 20, 1890.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 113 – 

João 14 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 14 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Só vai morar com Cristo no Céu (v. 3) aquele que, aqui na Terra, permite que Cristo e o Pai façam morada em seu interior mediante a atuação do Espírito Santo (vs. 17-23).

Guardar a Palavra e os mandamentos divinos são evidências de alguém que permitiu que a Trindade fizesse morada em seu coração (vs. 15, 20-24).

Até chegar o momento de ir à Casa do Pai o crente enfrentará muitos desafios no mundo. Contudo, visando cuidar dos que são Seus, Jesus conforta-os com a promessa de Sua segunda vinda (vs. 1-3) e com a vinda e presença constante do Espírito Santo, chamado por Ele de Consolador (vs. 16-19; 25-26).

Por conseguinte, essa ligação íntima com os três seres da Divindade dá ao crente a possibilidade de fazer grandes obras (vs. 10-12) e recebe o privilégio de orar e ser atendido sobrenaturalmente (vs. 13-14).

Jesus veio ao mundo morrer numa cruz a fim de abrir caminho para que o aflito pecador, condenado por seus pecados, tivesse, não apenas vida, mas também indescritível alegria, paz, felicidade e esperança (vs. 4-9, 27-31).

Além dessas verdades importantes, ainda te convido a ampliar tua visão espiritual:

A teologia de João apresenta Jesus como Divino, por isso citou sete frases de Jesus contendo EU SOU, ligadas...

1. ...ao pão da vida (6:35, 41, 48, 51);
2. ...à luz do mundo (8:12; 9:5);
3. ...à porta das ovelhas (10:7, 9);
4. ...ao bom Pastor (10:11, 14)
5. ...à ressurreição e a vida (11:25-26);
6. ...ao Caminho, à Verdade e à Vida (14:6);
7. ...à Videira Verdadeira (15:1).

Desta forma, quem não está em Jesus não é nada, nem será ou terá nada, nem mesmo fé. Para tornar possível nossa entrega a Cristo, João enfatizou/focou o Espírito Santo, em cinco textos: Ele...

• ...é outro Ser, porém, da mesma espécie de Cristo (14:16-17);
• ...relembrará e ensinará o que Jesus ensinou (14:25-26);
• ...testemunhará de Jesus através dos crentes (15:26-27);
• ...trabalhará pela conversão da humanidade (16:8-11);
• ...ampliará/complementará a revelação dada por Cristo (16:12-13).

Pela intervenção de Cristo, a graça do Pai e, a operação sobrenatural do Espírito Santo “devemos volver-nos com fé a Jesus Cristo e mostrar nosso amor a Deus mediante a obediência a Seus mandamentos” (Ellen G. White). 

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #rpsp #ebiblico #rbhw

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Lutar Com Deus e Com os Homens

Refletindo a Cristo

Lutar Com Deus e Com os Homens-16 de abril

Vi a Deus face a face, e a minha vida foi salva. Gên. 32:30.
Os que agora exercem pouca fé, correm maior perigo de cair sob o poder dos enganos de Satanás, e do decreto que violentará a consciência. E mesmo resistindo à prova, serão, imersos em uma agonia e aflição mais profundas no tempo de angústia, porque nunca adquiriram o hábito de confiar em Deus. As lições da fé as quais negligenciaram, serão obrigados a aprender sob a pressão terrível do desânimo.
Devemos familiarizar-nos agora com Deus, provando as Suas promessas. Os anjos registram toda oração fervorosa e sincera. Devemos de preferência dispensar as satisfações egoístas a negligenciar a comunhão com Deus. A maior pobreza, a máxima abnegação, tendo Sua aprovação, é melhor do que as riquezas, honras, comodidades e amizade, sem Ele. Devemos tomar tempo para orar. Se consentirmos que a mente se absorva com os interesses mundanos, o Senhor talvez nos dê esse tempo removendo nossos ídolos, sejam estes o ouro, sejam casas ou terras férteis.
Os jovens não seriam seduzidos pelo pecado se se recusassem a entrar por qualquer caminho, a não ser que pudessem rogar a bênção de Deus sobre o mesmo. Se os mensageiros que levam a última e solene advertência ao mundo orassem rogando a bênção de Deus, não de maneira fria, descuidada, ociosa, mas fervorosamente e com fé, como fez Jacó, encontrariam muitos lugares onde poderiam dizer: “Vi a Deus face a face, e a minha vida foi salva.” Gên. 32:30. Seriam tidos pelo Céu na conta de príncipes, com poder para prevalecer com Deus e com os homens. …
Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. … Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Se aproxima o príncipe deste mundo e nada tem em Mim.” João 14:30. …
Não foram operados milagres por Cristo e por Seus apóstolos? O mesmo compassivo Salvador vive hoje, e está tão disposto a escutar a oração da fé, como quando andava visivelmente entre os homens. O natural coopera com o sobrenatural. Faz parte do plano de Deus conceder-nos, em resposta à oração da fé, aquilo que Ele não outorgaria se o não pedíssemos assim. …
Ninguém, sem oração, se encontra livre de perigo durante um dia ou uma hora que seja. … Ao mesmo tempo em que nos devemos guardar constantemente contra os ardis de Satanás, cumpre com fé orar sempre: “Não nos deixes cair em tentação.” Mat. 6:13. O Grande Conflito, págs. 620, 621, 525 e 530.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 112 – 

João 13 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 13 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 Todos os que têm parte com Cristo devem participar da Santa Ceia (ilustrado no caso de Pedro), embora nem todos os que participam tem parte com Cristo (ilustrado no caso de Judas).

Assim como Jesus fez, Seus servos devem tratar os Pedros e os Judas com bondade, não com indiferença. Jesus conhecia o coração de ambos, mas não impediu nenhum deles de participar da cerimônia tão sagrada como é Ceia instituída para relembrar Sua morte.

Humildade e serviço pautados pelo amor genuíno formam a característica basilar do cristianismo. Sem amor real regendo nossas ações o cristianismo perde sua essência. 

• De que adianta cumprir todas as práticas religiosas sendo uma pessoa egoísta, avarenta, orgulhosa, arrogante, ambiciosa, fraudulenta e traidora?

O amor transcende aos erros alheios, trata os Judas da igreja assim como trata os Pedros, sempre com amor. Em outras palavras, assim como Jesus amou, também devemos amar uns aos outros. Jesus deu Sua vida por pecadores de todos os tipos (inclusive a nós), Ele não os evitou nem os desprezou. Devemos agir da mesma forma!

Discípulos sem amor são como carros velozes sem motor. Ou como potentes aviões sem combustível.

Reflita nestes pontos:

• Em relação ao que parece natural à natureza humana referente à grandeza, Jesus mostrou uma direção oposta: Em vez de riqueza, fama e poder é necessário viver a humildade e o serviço à humanidade, apesar de suas mazelas (vs. 1-11).

• Em relação ao que parece natural à alma da liderança, Jesus apontou um caminho contrário: O líder verdadeiro não é aquele que está acima dos liderados ou que manda mais, é aquele que ama e serve mais, inclusive pessoas indignas desse amor e serviço (vs. 12-38).

“Na Santa Ceia, quando Jesus ‘tomando uma toalha, cingiu-Se com ela’ para lavar os pés dos discípulos (João 13:4-15), Ele ensinou repetidamente que a realização não vem do poder mas do serviço. Foi por isso que Ele ordenou [o que temos nos versículos 14-15]. ‘Sejam como Eu’, Jesus está dizendo. 'Sirvam como Eu. Amem como Eu. Vivam como Eu’. Não é suficiente tomar o título de diácono ou diaconisa, ancião ou pastor, bispo ou presidente. Ao contrário, tome a toalha. Sem tornar-se um servo, não pode haver liderança no ministério” (Jon Paulien).

Reflita! – Heber Toth Armí #ebiblico #rbhw #rpsp

domingo, 15 de abril de 2018

Esperar, Vigiar, e Orar

Refletindo a Cristo

Esperar, Vigiar, e Orar-15 de abril

Espera pelo Senhor, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo Senhor. Sal. 27:14.
Espera pelo Senhor, e novamente digo, espera pelo Senhor. Podemos pedir a instrumentos humanos e não receber. Podemos pedir a Deus, e Ele diz: “Recebereis.” Sabeis, portanto, a quem buscar; sabeis em quem confiar. Não deveis confiar no homem, nem fazer da humanidade a vossa força. Confiai o quanto quiserdes no Todo-poderoso, o qual disse: “Que homens se apoderem da Minha força e façam paz comigo; sim, que façam paz comigo”. Isa. 27:5. Então esperai, vigiai, orai e trabalhai, mantendo vosso rosto constantemente voltado para o Sol da Justiça.
Que os brilhantes raios da face de Jesus brilhem em vosso coração, a fim de que por vosso intermédio sejam refletidos sobre outros. “Vós sois a luz do mundo. … Assim resplandeça também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos Céus.” Mat. 5:14 e 16. Precisamos exaltar a Jesus perante o povo. …
Com a mesma certeza com que confiais no homem para serdes apreciados e apoiados, sereis desapontados. Vossa animação e apoio não virá mesmo dos melhores homens. O Senhor tem uma lição a ensinar-vos: a depender unicamente dEle, pois Ele é vosso Redentor. Sois Sua propriedade – tanto pela criação como pela redenção. O caminho do Senhor deve ser escolhido, a vontade do Senhor deve ser a vossa vontade. …
O santo Deus nos deu preceitos para orientar-nos a todos. Estes preceitos formam a norma da qual não podemos apartar-nos. Os princípios de santidade ainda precisam ser aprendidos diariamente, e então a vontade de Deus se tornará soberana. Em Deus podeis resistir, em Deus podeis combater agressivamente, apresentando a verdade como é em Jesus.
Não vos sintais envergonhados de que o coração se abrande sob a ação do Espírito Santo. Deixai Jesus entrar ao bater, e então apreciai-O, exultai no coração, incentivai uma constante gratidão pelo fato de que quando pensáveis não haver salvação, o Seu braço trouxe salvação, e Seu amor foi manifestado a vós. Então, quando com plena alegria desse amor apresentardes Jesus a outros, o Espírito Santo atuará por vosso intermédio… a fim de abençoar a outros… É privilégio de todo o que recebe o Espírito da verdade, representar a verdade em sua simplicidade, a fim de alcançar o coração das pessoas confusas e trêmulas, que se acham realmente desorientadas. … Ele sabe como aplicar o bálsamo. …
Confiai inteiramente em Deus. Orai e orai com fé. Então confiai a guarda de vossa vida a Deus. Ele guardará o que Lhe for confiado até aquele dia. … Confiai de modo resoluto e total em Deus. Carta 126, 1895.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986. – Pág. 111 – 

João 12 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 12 
Comentário Pr Heber Toth Armí

 As festas judaicas se cumpriram em, e com Cristo. As festas bíblicas ensinam. Elas foram instituições divinas para servirem pedagogicamente ao Evangelho no Antigo Testamento.

No capítulo em pauta revela que a Páscoa se aproximava, quando Jesus, o Cordeiro de Deus, Se tornaria a Páscoa do crente (João 1:29; I Coríntios 5:7).

Observe estes pontos no texto inspirado:

• O convívio de Jesus com Seus amigos: Além dos doze discípulos, Jesus tinha três amigos em Betânia: Marta, a trabalhadeira; Maria, uma ex-prostituta; e, Lázaro, um ex-morto. Ao ser ungido e ter os pés massageados por Maria, Judas questionou o inadequado gasto em produtos de valor, mas fez isso porque era ambicioso e ladrão. Ele logo estaria vendendo Jesus por preço de escravo. Jesus Se relacionava amigavelmente com diversos tipos de pessoas (vs. 1-12).

• O relacionamento de Jesus com os gentios: Além dos judeus que vinham para a festa da Páscoa, para ver Lázaro e homenagear a Jesus, alguns gregos quiseram ter um encontro com Cristo. Jesus, então, reconhece ter chegado a sua hora, a hora de ser glorificado, através de Seu sacrifício. Seu objetivo não era atrair apenas os gregos, mas todas as nações, quando Ele fosse erguido na cruz; além dos judeus, todos os gentios também (vs. 13-36).

• A relação de Jesus com os judeus: Chegou a hora de Jesus Se esconder dos judeus. Todo tipo de oportunidade lhes fora dadas. Contudo, a todas, eles rejeitaram. Crendo no que queriam, demonstraram preferência pela incredulidade. Por desprezarem a Palavra de Deus, preferiram as trevas antes que a luz. Por rejeitarem a Jesus, estavam optando pela rejeição no dia do juízo, automaticamente escolhiam o caminho da morte em vez da vida (vs. 37-50).

Reflita:

Como André, devemos crer em Jesus, aceitá-lO como Salvador e tornar-se seu discípulo. Com André devemos aprender o método mais eficaz e simples da evangelização. Geralmente, quando André é mencionado pelo evangelista João, ele está conduzindo pessoas a Jesus (estude João 1:40-42; 6:8-9; 12:22).

O convite para seguir a Jesus é para mim e para você: “Se qualquer um de vocês quiser me servir, seja meu seguidor. Aí vocês estarão onde eu estiver, prontos para servir. O Pai honrará e recompensará quem me servir” (v. 26).

“Senhor, ajuda-nos a servir-Te” – Heber Toth Armí #rpsp #rbhw #ebiblico

sábado, 14 de abril de 2018

Poder Divino por Meio da Oração

Refletindo a Cristo

Poder Divino por Meio da Oração-14 de abril

Tendo-Se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava. Mar. 1:35.
Nenhuma outra vida já foi tão assoberbada de trabalho e responsabilidade como a de Jesus; todavia, quantas vezes estava Ele em oração! Quão constante, Sua comunhão com o Pai! Repetidamente, na história de Sua vida terrestre, se encontram registros como esses: … “Ajuntava-se muita gente para O ouvir e para ser por Ele curada das suas enfermidades. Porém Ele retirava-Se para os desertos e ali orava.” Luc. 5:15 e 16. “E aconteceu que, naqueles dias, subiu ao monte a orar e passou a noite em oração a Deus.” Luc. 6:12.
Numa vida toda dedicada ao bem dos outros, o Salvador achou necessário afastar-Se dos lugares movimentados e da multidão que O acompanhava, dia a dia. Precisava retirar-Se de uma vida de incessante atividade e contato com as necessidades humanas, para buscar sossego e ininterrupta comunhão com o Pai. Como uma pessoa identificada conosco, participante de nossas necessidades e fraquezas, dependia inteiramente de Deus, e no lugar oculto de oração buscava força divina, a fim de poder sair fortalecido para o dever e provação. Num mundo de pecado, Jesus suportou lutas e torturas de alma. Em comunhão com Deus, podia aliviar as dores que O esmagavam. Ali encontrava conforto e alegria.
Em Cristo, o grito da raça humana chegava até ao Pai de infinita piedade. Como homem, suplicava ao trono de Deus, até que Sua humanidade fosse de tal modo carregada com a corrente celestial, que pudesse estabelecer ligação entre a humanidade e a divindade. Mediante contínua comunhão recebia vida de Deus, de maneira a poder comunicar vida ao mundo. Sua experiência deve ser a nossa.
“Vinde vós, aqui à parte”, convida-nos Ele. Mar. 6:31. Déssemos nós ouvidos às Suas palavras, e seríamos mais fortes e mais úteis. …
Em todos quantos se acham sob a direção de Deus, deve-se ver uma vida que não se harmonize com o mundo, seus costumes ou práticas; e todos têm de ter experiência pessoal na obtenção do conhecimento da vontade divina. Precisamos ouvir individualmente Sua voz a nos falar ao coração. Quando todas as outras vozes silenciam e em sossego esperamos perante Ele, o silêncio da alma torna mais distinta a voz de Deus. Ele nos manda: “Aquietai-vos e sabei que Eu Sou Deus.” Sal. 46:10. Somente assim se pode encontrar o verdadeiro descanso. E é essa a preparação eficaz para todo trabalho que se faz para Deus. Por entre a turba apressada e a tensão das febris atividades da vida, a alma que assim se refrigera será circundada por uma atmosfera de luz e paz. A vida exalará fragrância, e há de revelar um divino poder que atinge o coração dos homens. O Desejado de Todas as Nações, págs. 362 e 363.
Meditação Matinal de Ellen White – Refletindo a Cristo, 1986.– Pág. 110 –

João 11 Comentário Pr Heber Toth Armí

JOÃO 11
Comentário Pr Heber Toth Armí 

 Temas espirituais são importantes e relevantes para todas as pessoas. A revelação bíblica deve ser a base da cosmovisão de todo ser humano. Sem ela, o conceito de antropologia será equivocado.

É muito fácil endeusar conceitos próprios e atacar/desprezar verdadeiros conceitos, tratando-os com preconceitos. 

Por que os judeus rejeitaram Jesus? Observe que, na parábola do rico e Lázaro, o rico sugere que, se alguém dos mortos voltasse à vida, os vivos creriam em Jesus (Lucas 16:30).

Em João 11, Lázaro morreu, ficou quatro dias morto, Jesus chegou para ressuscitá-lo e trouxe-o de volta à vida. Os mesmos líderes religiosos que ouviram os relatos de Cristo em Lucas 15:2 e 16:14 quando contou a parábola do rico e Lázaro, souberam do magnifico milagre da ressurreição literal de Lázaro (João 11:46). 

Como reagiram os líderes espirituais? Movidos de inveja pelo fato de Cristo atrair a atenção do povo, começaram a cogitar de matar “o homem que fazia muitos milagres” (vs. 47-57).

Para quem não quer crer, nem mesmo a ressurreição de defuntos é capaz de convencer. Note que, em João 12:9-11, ao invés de crerem em Jesus que deu vida a Lázaro, os líderes religiosos queriam tirar novamente a vida de Lázaro. Eis o fruto da incredulidade! A ignorância é cruel!

Sobre certos temas espirituais, Deus não nos quer ignorantes. Um deles é o tema da morte (II Tessalonicenses 4:13-17). Na ressurreição de Lázaro, Jesus intentará corrigir os distúrbios teológicos dos discípulos de outrora e dos de agora (João 11:1-45).

• Morte não é vida no espaço, no céu nem no inferno. 
• Morte é um estado plenamente inconsciente, semelhante ao sono.
• Morte é cessação da vida, consequência do pecado, não um meio de salvação.
• Morte é o fim da vida, mas será destruída pela ressurreição operada por Cristo.
• Morte será aniquilada quando Cristo a matar no último dia.
• A morte encontra limite no poder do Autor da vida.
• A morte não vencerá nenhum crente, mas Cristo vencerá a morte para o crente.
• Morte não tem a palavra final, é Cristo que tem. Aleluia!

Por que muitos rejeitam o conceito bíblico de morte? Devido à sua cosmovisão baseada no paganismo.

Aprofunde-se na verdadeira antropologia bíblica para não enredar-se com filosofias espúrias sobre “vida” e “morte”! 

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí #ebiblico #rpsp #rbhw

sexta-feira, 13 de abril de 2018

A Recompensa da Pesquisa

Refletindo a Cristo

A Recompensa da Pesquisa-13 de abril

E, se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a voz, se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, então, entenderás o temor do Senhor e acharás o conhecimento de Deus. Prov. 2:3-5.
Deve, porém, haver estudo sincero e exame minucioso. Percepções vivas e claras da verdade jamais serão a recompensa da indolência. Sem paciente, fervoroso e constante esforço não se pode conseguir sucesso terreno. Para que os homens alcancem bom êxito nos negócios, precisam ter determinação e fé para esperar os resultados. E não podemos esperar obter conhecimento espiritual sem esforço veemente. Os que desejam achar os tesouros da verdade, precisam cavar em busca deles como o faz o mineiro, em busca do tesouro oculto na terra. Não adiantará um trabalho de um coração desinteressado e indiferente. É essencial tanto a adultos como a jovens, não somente ler a Palavra de Deus, como também estudá-la com fervor sincero, oração e investigação da verdade como se buscassem um tesouro escondido. Os que assim procederem serão recompensados; pois Cristo avivará o entendimento. …
Ninguém pode esquadrinhar as Escrituras no Espírito de Cristo sem ser recompensado. Quando o homem consente em ser instruído como uma criancinha, quando se submete inteiramente a Deus, achará a verdade em Sua Palavra. Se os homens fossem obedientes compreenderiam o plano do governo de Deus. O mundo celestial abriria os seus mistérios de graça e glória à pesquisa. Os seres humanos seriam totalmente diferentes do que agora são: porque, explorando as minas da verdade, os homens seriam enobrecidos. O mistério da salvação, a encarnação de Cristo, Seu sacrifício expiatório não seriam, como o são agora, noções vagas em nossa mente. Não somente seriam mais bem compreendidos, como infinitamente mais apreciados.
Em Sua oração ao Pai, deu Cristo ao mundo uma lição que deve ser gravada na mente e na alma. “A vida eterna”, disse, “é esta: que conheçam a Ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3. Isto é verdadeira educação. Comunica-nos poder. O conhecimento experimental de Deus e de Jesus Cristo, a quem Ele enviou, transforma o homem na semelhança de Deus. Dá ao homem o domínio próprio, submetendo todos os impulsos e paixões da natureza inferior ao domínio das faculdades superiores da mente. Faz de seu possuidor filho de Deus e herdeiro do Céu. Leva-o à comunhão com a mente do Infinito e lhe abre os ricos segredos do Universo.
Esse é o conhecimento obtido pelo estudo da Palavra de Deus. Esse tesouro pode ser encontrado por toda pessoa que der tudo para alcançá-lo. Parábolas de Jesus, págs. 111 e 114.

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis