Translate

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Malaquias 3 Comentários: Heber Toth Armí

Lições de Vida
Leitura Bíblica- Malaquias 3

Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Embora esse texto seja o foco de líderes religiosos gananciosos, o foco do texto não é dinheiro (dízimos e ofertas). Interpretação incorreta é uma deturpação que rouba ao texto seu verdadeiro significado.

Então, do que trata o texto usado para arrancar dinheiro dos fieis?
Embora fale sobre dízimos e ofertas, esses temas são periféricos. Periféricos? Sim! Deus não quer nosso dinheiro. Sendo o dono de todo ouro e toda prata, por que Ele vai querer nossos insignificantes recursos?

O capítulo fala de purificação e juízo (vs. 1-5); sem purificação todo pecador experimentará condenação (por isso, é preciso haver reavivamento e reforma). Deus conduzirá Seu amado povo a um reavivamento da primitiva piedade (vs. 3-4).

Na sequência,
1. Deus convida Seu povo à renovação espiritual, um chamado a um compromisso relacional, não financeiro, a fim de que os fieis não sejam consumidos no juízo, mas salvo pela misericórdia (vs. 6-7). Deus suplica amorosamente: “Voltem para mim, e voltarei para vocês”.

2. Deus, em Seu amor e graça, convida negligentes e rebeldes a um relacionamento sério sem nenhuma interferência financeira, sem estresse da escassa economia da sociedade (vs. 8-9). O dinheiro não deve ocupar no coração o lugar que pertence a Deus. Colocar qualquer coisa como prioridade é roubar o lugar exclusivamente dEle.

3. Deus convida Seu povo que não O tem como Deus a rever Sua religiosidade a fim de que experimente os privilégios de um relacionamento exclusivo. Deus não é vendedor de bênçãos e nem pedinte de dinheiro; Ele quer que troquemos nossa confiança, apego e interesse em riquezas por confiança, apego e interesse nEle, que serão muito maiores as vantagens (vs. 9-13).

Dizimar e ofertar só terá sentido se Deus tiver sempre em nossa vida o primeiro lugar!

O que mais precisamos aprender?

1. Que ser religioso, devolver dízimos e ofertas, frequentar a igreja, etc. sem relacionamento com Deus, resultará em grande frustração (vs. 13-15). Muitos que serviram a Deus erradamente concluem: “Inútil é servir a Deus”.

2. Que, ao ser religioso baseado num relacionamento sério com Deus, no juízo se verá “a diferença entre quem faz o que é direito e quem não faz, entre servir o Eterno e não servi-lo” (vs. 16-18).

Entendeu? Então compartilhe para ajudar os sinceros!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

Malaquias 3 Comentários de Andy Nash

Malaquias 3

Andy Nash

“Vejam, eu enviarei o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim” (Ml 3:1 NVI).

Em Malaquias 2:7, Deus disse que um sacerdote deveria ser “um mensageiro do Senhor.” (NVI). Mas os sacerdotes da época de Malaquias – e nos quatro séculos que se seguiram, agiram como mensageiros do mal. Políticos e materialistas, os líderes religiosos de Judá estavam levando as pessoas à escuridão.

Uma indicação das trevas de Israel era suas prioridades financeiras. Deus chegou a dizer que as pessoas O estavam roubando.

“E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos?’ Nos dízimos e nas ofertas. Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão me roubando; a nação toda está me roubando. Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova’, diz o Senhor dos Exércitos, ‘e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las. Impedirei que pragas devorem suas colheitas, e as videiras nos campos não perderão o seu fruto’, diz o Senhor dos Exércitos. ‘Então todas as nações os chamarão felizes, porque a terra de vocês será maravilhosa’, diz o Senhor dos Exércitos.” (Ml 2:8-12 NVI).

Aos olhos de Deus, o ato de doação financeira não era diferente do que o ato de sacrifício de um animal. Deus pede o nosso melhor, e quando damos a Ele o nosso melhor, Ele refina nossa oferta no fogo e nos concede de volta bênçãos da maneira que Ele julga mais adequadas.

Mas as pessoas não estavam aprendendo os caminhos de Deus, porque os mensageiros do povo não lhes estavam ensinando corretamente. Qual seria a resposta de Deus?

“Vejam, eu enviarei o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim. E então, de repente, o Senhor que vocês buscam virá para o seu templo” (Ml 3:1 NVI). Deus enviaria o Seu próprio mensageiro, fiel, dedicado, consagrado. O seu mensageiro foi João Batista.

E então Ele viria. Deus se fez carne na pessoa de Cristo Jesus (ver Mat. 3: 1-3).

Deus queria que os mensageiros fiéis do povo de Israel, líderes e povo comum, preparassem o caminho para a vinda do Messias. Eles falharam, mas Deus não falhou. Hoje também Deus está esperando que um remanescente fiel prepare o mundo para a segunda vinda de Jesus. Aqueles que servem a Deus de coração, que colocam o Seu reino como prioridade, serão protegidos no dia do juízo e serão testemunhas vivas de que compensa servir ao Senhor!
Andy Nash


http://www.palavraeficaz.com/

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Malaquias 2 Comentários

Lições de Vida

Malaquias 2
Pr. Heber Toth Armí

Aprecio toda a Palavra divina, contudo, o livro de Malaquias é a sobremesa do Antigo Testamento. Já extrai algumas preciosíssimas verdades, reflexões, lições e princípios de vida, principalmente do segundo capítulo; veja:

1. Enquanto o povo de Deus se preocupa com orações não respondidas (1:13), Deus se preocupa com o estilo de vida errado de Seu povo (2:16). Se Deus não responde tuas orações, não O questione; questione a ti mesmo. O erro nunca está com Deus.

2. Se o casamento está por um fio, o perdão é a melhor solução para reatar a união. Se falta perdão é porque sobra orgulho; sendo assim, o fim de união sempre será o fim da discussão;

3. Quem pratica a religião equivocadamente (vs. 2-9), terá postura errada perante Deus e atitudes erradas diante das pessoas, inclusive do cônjuge (vs. 10-17);

4. O número de divórcios é tão alto na sociedade atual que muitos filhos se sentem constrangidos em dizer que seus pais são casados;

5. A falta de relacionamento sério com Deus conduz as pessoas a relacionamentos contrários aos planos do Céu: Jugo desigual, o qual Deus condena (vs. 10-12).

Este capítulo em questão foi tão forte ao povo antigo como o é ao povo moderno, isso porque com mais de 2.400 anos, ainda vivemos numa sociedade imoral e perversa. No verso 16 Deus disse que odeia duas coisas:

1. “Eu odeio o divórcio”;
2. “Eu odeio aquele que cobre de violência as suas vestes”

Tem muita gente que não dá a mínima para as máximas de Deus. A imoralidade sexual só cresce em nossa sociedade. No dia do juízo, Deus não dará a mínima para absolver da condenação estas pessoas (v. 17).

A infidelidade para com Deus (vs. 1-9) gera infidelidade no mais íntimo relacionamento (vs. 10-16). Quem tem coragem de romper com o Senhor, terá coragem de romper com qualquer amor. O jugo desigual é um rompimento com a Palavra do Senhor. Cuidado!

O divórcio com Deus gera divórcio com o cônjuge; é por isso que Deus odeia tanto (detesta) o divórcio. “Enfadais ao Senhor com vossas palavras, e ainda perguntais: Em que o enfadamos?” (v. 17).

A vida de relacionamento com Deus é percebida nos relacionamentos com as pessoas: Compromisso afetuoso

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:


Malaquias 2 Comentários de Andy Nash

Reavivados por Sua Palavra

 Malaquias 2
 Andy Nash

” ’E agora esta advertência é para vocês, ó sacerdotes. Se vocês não derem ouvidos e não se dispuserem a honrar o meu nome’, diz o Senhor dos Exércitos, ‘lançarei maldição sobre vocês, e até amaldiçoarei as suas bênçãos…’ “(Mal. 2:1-2 NVI).

Algumas vezes temos a falsa ideia de que as pessoas só sacrificavam animais quando pecavam. Isso não é verdade. Aqui estão os tipos de sacrifício oferecidos. Neles, o sangue e a gordura eram totalmente queimados e a carne era comida, exceto na oferta de expiação quando tudo era completamente queimado.

* Oferta pelo Pecado: pelo pecado individual.
* Oferta de Comunhão: para louvor.
* Oferta de grãos: para dedicação e bênção.
* Holocausto (oferta totalmente queimada): para expiação.

Vemos um princípio importante aqui: cada área da vida do adorador deveria ser oferecida a Deus. Mas na época de Malaquias, este compromisso total com Deus não estava havendo nem por parte das pessoas comuns nem por parte dos próprios sacerdotes.

As repreensões do Senhor aos líderes sacerdotais de Israel eram tão diretas quanto poderiam ser: “Por causa de vocês eu destruirei a sua descendência; esfregarei na cara de vocês os excrementos dos animais oferecidos em sacrifício em suas festas e lançarei vocês fora, com os excrementos. … Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca todos esperam a instrução na Lei, porque ele é o mensageiro do Senhor … Mas vocês se desviaram do caminho e pelo seu ensino causaram a queda de muita gente…” (Mal. 2:3, 7, 8 NVI).

A apostasia do sacerdócio israelita foi um dos processos mais tristes no Antigo Testamento. A tribo de Levi – separada como se fossem vasos consagrados ao serviço do Senhor – estava sendo representada agora por homens cujo coração tinha se afastado do Senhor.

Ao longo dos próximos 400 anos, a situação do sacerdócio só iria piorar: os políticos e mundanos saduceus distorceriam toda a função do Templo transformando-o em um covil de ladrões (Cf. Mat 21:12,13).

E quanto a nós? O que podemos dizer a respeito de nossa santidade e dedicação ao Senhor? Cristo nos constituiu sacerdotes (Apoc. 1:5-6). Por meio de nossas palavras e ações representamos aquele que nos ama e morreu por nós. Que através de nossa vida coerente e altruísta possamos inspirar outros a conhecer mais do Deus Criador e Redentor.
Andy Nash
Southern Adventist University


http://www.palavraeficaz.com/

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Malaquias 1- Comentários

Malaquias 1
Pr. Heber Toth Armí

Certa vez fiz uma viagem. Em dez dias dirigi 3.670 km. Com meu Fiat Pálio 1.0 sai de Xaxim, SC, Brasil; cruzei o estado do Rio Grande do Sul; entrei no Uruguai, visitei Montevidéu, Punta del Este e Maldonado. Subi até encontrar uma ponte para Argentina, fui a Santa Fé, na província de Paraná. Em todo trajeto não me perdi, a não ser quando estava chegando em casa. Faltavam cerca de 100 km, era noite; percorri uns 200 km a mais por causa disso.

Aprendi, com isso, uma lição espiritual: Na vida cristã a gente pode se perder na reta final. A mornidão atinge à igreja nos últimos dias. Aconteceu ao povo de Deus do passado e acontece hoje, no período laodiceano. Quando as profecias referentes ao Messias estavam à beira de cumprir-se, o povo relaxou espiritualmente.

Foi preciso entrar em cena um profeta de fibra: Malaquias. Suas mensagens foram oportunas para a primeira vinda do Messias, tanto quanto são para Seu retorno.

Malaquias não se apresenta; ele nos ensina que é mais importante falar de Deus do que de si mesmo. Ele exortou o povo que deveria ter aprendido após a disciplina de setenta anos de cativeiro na Babilônia. Embora havia reconstruído o templo, mas a fé do povo ainda estava em ruínas. É para incendiar a fé dos trôpegos espirituais que Malaquias ergueu sua voz.

Sendo que...
1. Nem sempre a disciplina divina resulta em mudanças de vida;
2. Nem sempre a operação divina em restaurar materialmente alcança o aspecto espiritual;
3. Nem sempre reforma na igreja significa reforma na vida...

...Então, é necessário reatar o compromisso de um relacionamento genuíno com Deus. Para isso, é imprescindível reconhecer que:

1. O amor de Deus por Seu povo é real, infinito e atuante (vs. 1-6);
2. O amor de Deus jamais ignora a correção de Seus filhos (vs. 7-10);
3. O amor de Deus não é irresistível; portanto, não O rejeite (vs. 11-14).

Amor é base para qualquer relacionamento, mesmo com Deus. Práticas sem amor é hipocrisia e formalismo. Somente quem ama a Deus de verdade dispõe-se a não traí-lO com o diabo, praticando o pecado.

Quando a sonolência espiritual toma conta, acorde; levante a cabeça e comprometa-se plenamente com Deus!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

Malaquias 1 Comentários de Andy Nash

Reavivados por Sua Palavra

Malaquias 1
Andy Nash

“Quando vocês trazem animais roubados, aleijados e doentes e os oferecem em sacrifício, deveria eu aceitá-los de suas mãos?”, pergunta o Senhor. (Malaquias 1:13 NVI).

Eu fui uma vez convidado a dar alguns conselhos para um grupo de estudantes de 18 anos de idade. Disse-lhes que, nesta idade, eles estavam em um momento da vida em que provavelmente começariam a ouvir um monte de conselhos como: “Siga seu coração! Sacrifique tudo por seus sonhos! Nunca, nunca, nunca desista!”

Mas eu disse a eles que o meu conselho era diferente. Eu disse aos alunos que o meu conselho era: “Desista de seus sonhos!” E eles olharam surpresos para mim.

Eu reconheço que o meu conselho foi um pouco incomum. Quando eu digo aos estudantes que devem desistir de seus sonhos, eu não quero dizer que eles não devem ter sonhos e desejos em seus corações. Eles devem. E devem trabalhar duro para realizá-los. Mas também temos de ter cuidado de não agarrar com força demais os nossos próprios planos e sonhos, porque eles podem acabar se tornando a razão de nossa vida. Eles podem se tornar um deus.

Convidei os alunos a lerem Malaquias 1 naquela noite, ao voltarem para casa. Este texto tem a ver com desistir de coisas que, com o coração natural, você deseja manter para si. Os judeus em Jerusalém deveriam trazer seus melhores animais para o sacrifício. No entanto, eles estavam oferecendo animais defeituosos ao Senhor e mantendo os animais perfeitos consigo.

Deus disse: “Na hora de trazerem animais cegos para sacrificar, vocês não veem mal algum. Na hora de trazerem animais aleijados e doentes como oferta, também não veem mal algum. Tentem oferecê-los de presente ao governador! Será que ele se agradará de vocês? Será que os atenderá?”, pergunta o Senhor dos Exércitos.” (Mal 1:8 NVI).

Por que é que Deus se importa com o tipo de animais que as pessoas ofereciam em sacrifício? Porque, ao eles Lhe oferecerem o seu melhor, eles estavam demonstrando fé em Deus e gratidão pelo perdão dos pecados.

Aqui está a parte interessante: Quando um animal era sacrificado ao Senhor, uma parte da carne ficava para o sacerdote e o próprio adorador participava dela, juntamente com sua família. Então, o adorador comia daquilo que oferecia. Espiritualmente falando, isto quer dizer que se você oferecer a Deus o que tem de melhor, receberá o melhor em paz, alegria e clareza de propósito. Se oferecer a Deus uma adoração defeituosa, colherá também uma vida defeituosa.

Quando oferecemos a Deus o melhor do nosso tempo, de nossas emoções e de nossos recursos financeiros estamos oferecendo sacrifícios dignos da grandeza de nosso Deus e trazendo alegria ao Seu coração. Aquele que aprende a adorar a Deus corretamente não perde, mas ganha em todas as áreas de sua vida e ainda recebe a vida eterna!
Andy Nash



http://www.palavraeficaz.com/

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Zacarias 14- Comentários Heber T. Armí

Zacarias 14
Pr. Heber Toth Armí

Bom dia, reavivados! Antes de aprofundarmos no estudo desta profecia, é fundamental entender alguns pontos importantíssimos:

Primeiro, o juízo investigativo iniciado em 1844 tem como objetivo classificar quem pertence a Deus e quem pertence ao diabo, antes do advento de Cristo.
Segundo, o juízo de comprovação realizado pelos salvos no Céu, durante o milênio, visa confirmar o justo, perfeito e amorável caráter do Soberano do Universo, o qual terá julgado a humanidade.

Terceiro, após essas duas fases será dada sentença final, é a última fase do juízo divino. Então, o mal, seu autor e seus agentes serão eliminados definitivamente.

Veja que no capítulo não é nítido estas fases (extraídas de Daniel e Apocalipse); mas, claramente nota-se que Deus vencerá de vez ao mal, o qual nunca mais existirá. Observe o esboço do capítulo com foco em Apocalipse 20 e 21:

1. Ao final do milênio, Satanás arrogantemente, sai com estilo de alguém triunfante, ameaçando atacar e destruir a cidade do remanescente fiel; entretanto, Deus intervirá e libertará os que Lhe devotaram integralmente a vida (vs. 1-3).

2. Ao final do milênio a cidade Santa, a Nova Jerusalém, descerá do Céu com os salvos, na companhia de Jesus; é chegada a hora de dar fim aos servos do pecado (vs. 4-7).

3. Ao final da destruição de toda corrupção, imoralidade e perversão, será estabelecido o reino de Deus e do Seu Cristo: Um Novo Céu e uma Nova Terra onde habitará a justiça e haverá harmonia plena com a vontade de Deus (vs. 8-21).

O verso 4 é único a dar informações sobre onde pousará a Cidade Santa que descerá dos Céus com os salvos com Cristo. Observe informações nele contidas:

1. Onde pousará a cidade? No monte das Oliveiras;

2. O que acontecerá quando a cidade pousar na terra? Haverá um grandioso terremoto que alterará a topografia terrestre;

3. Qual a razão desse evento? Eliminar todos os inimigos de Deus de todos os tempos. Estes ressuscitarão no final do milênio para receber sentença de suas teimosias. Após, Deus restaurará o Céu e a Terra, arruinados pelos pecados.

O bem finalmente vencerá ao mal! Então os filhos de Deus viverão eternamente seguros, sem ladrões, corrupções, imoralidades, mortes... Escreva amém, se você crê também!/ Heber Toth Armí

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

Zacarias 14 Comentários de Sook-Young Kim


Zacarias 14
Sook-Young Kim

Zacarias foi profeta de Israel logo após o retorno do povo do exílio babilônico. Eles se encontravam em uma situação triste e agonizante, porque a construção do templo havia sido interrompida devido à pressão dos povos ao redor. É neste momento que Zacarias lhes traz esperança com a mensagem apresentada neste capítulo de que a restauração seria completada. Sua mensagem lhes deu grande incentivo e também para nós, que vivemos no tempo do fim.

Os dois primeiros versos parecem-nos descrever a situação pouco antes do fechamento da porta da graça. Como bem sabemos, o conflito final envolverá uma questão econômica. Nossos bens serão tomados e divididos, não importa onde vivamos no mundo. Haverá restrição de compra e venda de bens, incluindo veículos e casas, para todos os que não receberão a marca da besta (Ap 13:16-18).

Os versos 3 e seguintes devem ser aplicados à “terceira” vinda de Cristo, que irá acontecer depois do milênio. Caso contrário, isso significaria que Jesus permaneceria na terra como Rei após Sua segunda vinda, o que é contrário a outros textos bíblicos, incluindo João 14:1-3, 1 Ts 4:16-17 e Apocalipse 20 e 21.

No final do milênio os pés de Jesus pisarão sobre o Monte das Oliveiras. Então a cidade de Nova Jerusalém descerá do céu quando a montanha se dividir para o norte e para o sul, formando uma grande planície para a cidade repousar (v. 4). Que pensamento glorioso!

Naquele momento, Jesus virá com todos os santos que habitam na Nova Jerusalém (ver também Grande Conflito 662, cap. 42). Não haverá dia nem noite, porque sempre haverá luz. Ap 21:23-24 diz que o próprio Cordeiro é a luz. Água viva brotará de Jerusalém, a partir do trono de Deus, e em ambos os lados deste rio estará a árvore da vida (Ap 22:1).

Depois de sua vinda final, Deus será o único a ser adorado. Não haverá mais idólatras ou comerciantes no templo do Senhor (vv. 9, 21). Jerusalém é chamada de nova porque terá sido completamente restaurada para o povo de Deus (v. 10). Os ímpios ressuscitados então atacarão Jerusalém, mas serão punidos e totalmente erradicados, incluindo Satanás (vs. 12-15; cf. Ap 20: 7-10). Jerusalém será um lugar seguro e nela não haverá mais maldição (Apoc 22:3). Segurança eterna existirá nela e entre seus habitantes (vs. 11).

A última parte de Zc 14 nos concede uma visão graciosa. O remanescente de todas as nações adorará o Senhor dos Exércitos. Apesar de não sermos judeus pelo sangue, se permanecermos fiéis pela Sua graça, seremos contados entre os remanescentes, tendo o privilégio de adorar ao nosso Deus eternamente! Haverá consagração completa. Zacarias nos diz que mesmo nas campainhas dos cavalos e utensílios da casa do Senhor haverá a frase “Santidade ao Senhor” (v. 20). Estas são as mesmas palavras gravadas na placa anexada à mitra dos sumos sacerdotes.

Por causa da total redenção e salvação estendida ao povo de Deus, se seguirá por parte dele a total dedicação e a santidade para o Senhor.

Ajuda-nos, Senhor, a fazermos parte desta cena gloriosa! Bendito seja o nome do Senhor para sempre! Amém!

Sook-Young Kim
Universidade Nacional de Kyungpook
Coréia do Sul

http://www.palavraeficaz.com/

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Zacarias 13 Comentários Heber Toth Armí


Zacarias 13
Pr. Heber Toth Armí

Perfeição só existe em Deus; o que Ele fez, faz e fará é perfeito. Questionar o que Ele fez, faz e fará só revelará nossa imperfeição, que olhamos as coisas pelas lentes do egoísmo, orgulho, achismo, sem contar que nossa visão é bem limitada. O que Deus fará?

1. Deus fará uma reforma total (completa, perfeita); haverá uma fonte de purificação que restaurará todos os desvios de comportamento e eliminará toda impureza sexual e religiosa (v. 1).

2. Deus fará uma purificação realizando uma remoção dos ídolos (santos, santas, imagens de esculturas, etc.) e de todos os líderes religiosos falsos (vs. 1-6).

3. Deus ferirá um pastor, cuja morte causará no povo uma diáspora, se espalharão por todos os lados (v. 7).

4. Deus ferirá o pastor que desfruta de uma posição elevada, visto que Ele está ao Seu lado (vs. 8-9).

5. Deus sabe que a morte desse pastor é necessária para causar arrependimento (Reavivamento e reforma). Assim, Deus suscitará um remanescente fiel, zeloso e de boas obras (v. 9).

Zacarias é um livro evangélico, fortemente messiânico. Os escritores do Novo Testamento viram o plano divino descrito no Antigo Testamento realizando-se em Jesus. Frequentemente eles aplicaram as referências de Zacarias a Jesus, tais como:

1. O Rei glorioso, vitorioso, mas pacífico (9:9);
2. O transpassado (12:10)
3. O pastor abatido (13:1).

No capítulo em questão, o transcorrer da história de Israel estava ligada à linhagem de Davi como obra da graça divina, tanto quanto Deus ter dado Jesus foi obra da graça. Os profetas enviados nada mais eram que manifestação de Sua graça a um povo que merecia condenação e morte.

Os profetas de Deus eram desprezados, maltratados; muitos eram mortos. Não havia nada de popular ser profeta; por isso, os falsos profetas surgiam com mensagens mais palatáveis e as multidões os aceitavam e os seguiam. Mas Deus revelará quem era dEle e quem era agente disfarçado do diabo.

O capítulo culmina com um oráculo de Deus exigindo o assassinato do Seu Pastor, o rei davídico em Israel. Devido a isso, dos habitantes do mundo, dois terços morreriam, deixando vivo um terço, o qual seria testado e purificado: O verdadeiro povo de Deus (vs. 8-9).

Reaviva-te! Reforme-se! Deus quer nos salvar!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:


Zacarias 13 Comentários de Sook-Young Kim


Zacarias 13
Sook-Young Kim

“Naquele dia uma fonte jorrará para os descendentes de Davi e para os habitantes de Jerusalém, para purificá-los do pecado e da impureza.” (v. 1 NVI). Que visão cheia de graça e encorajamento!

O capítulo 13 é uma continuação do capítulo anterior. Lá, em 12:10, encontramos a profecia sobre o Messias ser perfurado por arma [heb. daqar. Ou traspassado, que é uma expressão do NT]. Portanto, neste capítulo a expressão “Naquele dia” em 13:1 refere-se ao dia em que o Messias seria crucificado, não o “dia” do fim dos tempos. Quando o Messias morre como sacrifício de Deus e as pessoas lamentam e choram pela Sua morte, a fonte que purifica do pecado é aberta.

Nos versos 2 a 4 o Senhor dos Exércitos promete que os ídolos e os falsos profetas, assim como o espírito imundo que a tantos tem extraviado, serão, por fim, cortados da terra. Sim, Senhor, temos aguardado muito por esse dia!

Os versos 5-6 falam da vinda do Redentor. Ele é mencionando como um agricultor servo desde a Sua juventude e, em seguida, descreve o Seu sofrimento. Ele será ferido entre Seus braços, ou seja, em Suas costas. Nos Evangelhos (Mt 27:26; Mc 14:65; 15:15; Lc 22:63; Jo 19:1,18), nos é dito como Ele foi açoitado, ridicularizado e estapeado. O versículo 6 foi citado por Ellen G. White, juntamente com alguns versos de Isaías 53, para descrever a morte de Cristo como o Servo de Deus (Atos dos Apóstolos, 226 [126], cap. 22, §17º).

Tudo isso aconteceu quando Ele visitava a casa de Seus amigos, a casa de Davi e os habitantes de Jerusalém, que representam a raça humana. Como previsto no verso 7 e anunciado pelo próprio Jesus ao citar esta passagem em Mt 26:31, quando Jesus, o pastor, foi ferido, todo o rebanho de Seus discípulos se dispersou e fugiu.

Ele veio para fazer jorrar a fonte purificadora para o pecado e a rebelião da humanidade. Mas seus ouvintes estavam tão cegos por causa de sua maldade e cobiça, que o puseram à morte. Aqueles que eram encarregados pelo serviço do Templo e que por direito de nascimento eram os líderes do sistema religioso da época agiram como inimigos de Seu Senhor.

Cuidemos para não usar os privilégios que temos para nossa própria autopromoção. Tudo o que temos deve ser consagrado para exaltar o Senhor que nos criou e salvou.

É incrível ver que a maior parte das Escrituras foi escrita mais para nós, que vivemos no tempo do fim, do que para qualquer outra pessoa na história, até mais do que a audiência pública direta dos profetas. A última parte deste capítulo evidencia isso (v. 8, 9). O Senhor permitirá que o remanescente sofra provações e dificuldades, o suficiente para que desistam de seu mundanismo pecaminoso e desejo de auto-exaltação. Então eles invocarão o nome de Cristo e ansiarão pelo poder purificador de Seu sacrifício. Neste momento passaremos a ser o Seu povo e Ele será o nosso Deus. Quando isso acontecer, nós alegremente diremos: “O Senhor é o meu Deus!” (v. 9 NVI).
Sook-Young Kim



http://www.palavraeficaz.com/

domingo, 26 de outubro de 2014

Zacarias 12 Comentários


Zacarias 12
Pr. Heber Toth Armí

Armagedom, o que é isso? Este antepenúltimo capítulo de Zacarias abordará esse interessantíssimo assunto. Refere-se à profecia da maior das guerras. É um assunto que precisa ser conhecido, estudado e compartilhado.

Deus fará uma reforma geral, mundial e total. Clamamos por reavivamento e reforma porque é um alvo e uma profecia, em que temos de nos preparar. Nesse momento, o povo de Deus será purificado e reformado, e o pecado será eliminado para sempre do mundo.

1. Antes do armagedom haverá uma conversão em massa, o reavivamento e reforma mundial do povo de Deus despertará o mundo para a conversão mundial; consequentemente, isso atrairá a perseguição mundial dos agentes do mal (vs. 1-6).

2. O Armagedom será a vitória de Deus sobre os agentes do mal que se unirão para a destruição do remanescente de Deus, mas não conseguirão (v. 11); ajuntar-se-ão contra Jerusalém (o emblema do remanescente de Deus), “todas as nações da terra”; porém, todos os que se erguerem contra ela, certamente serão feridos (v. 4). “Naquele dia, diz o Senhor, ferirei de pânico a todos os cavalos, e de loucura os cavaleiros”; mas, “sobre a casa de Judá abrirei os meus olhos” – Deus olha com atenção ao Seu povo (v. 4).

3. O Armagedom é uma destruição em massa, mas uma proteção certa ao povo que buscou corretamente ao Senhor (vs. 7-9, 12-14).

4. No tempo do fim, por causa dAquele que no passado fora transpassado, gerará um derramamento do Espírito (v. 10) e uma maciça conversão da igreja e do mundo (vs. 11-14), que varrerá por completo a idolatria e o pecado do mundo todo (13:1-5, não perca amanhã a explicação desse texto).

A obra divina de purificação do planeta está ligada à oportunidade de salvação que Deus oferece a toda a população mundial; entretanto, quem decidir-se pelo mal será influenciado a combater o bem num projeto mundial; contudo, certamente Deus entrará em cena como entrou no Calvário, e o mal será derrotado.

Esse processo, simplificadamente, têm três partes: A morte de Jesus no Calvário e Sua ressurreição; o advento de Cristo em glória para retirada dos salvos a fim de protegê-los; e, no fim do milênio, acontecerá a destruição total do mal.

Prepare-se! Grandes eventos acontecerão! Reavive-se!
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:


Zacarias 12 Comentários de Sook-Young Kim

Reavivados por Sua Palavra

 Zacarias 12
 Sook-Young Kim

Nos capítulos anteriores, a ira de Deus se pronunciou pela punição de Seu povo e seus líderes por sua iniquidade. Neste capítulo, Ele promete julgar as nações que sitiam Jerusalém e destroem a casa de Judá. Jerusalém será como uma pedra pesada para eles (v. 3).

Quando se tenta carregar uma pedra pesada em cima dos ombros, as mãos e ombros sofrem. Do mesmo modo, as nações que ferissem Israel também sofreriam por isso.

Vemos aqui o nosso Deus como alguém que cuida de Seu próprio povo apesar de sua rebelião persistente, mesmo quando Ele tem de puni-los para que cheguem ao arrependimento.

Nos versos 4-9 é prometida a restauração de Jerusalém. Deus é apresentado como o Deus Criador, que criou os céus, criou a terra, e dá vida aos seres humanos (vs. 1). Jerusalém será restaurada porque o Senhor dos Exércitos, o Criador, prometeu. Ele é o Todo-Poderoso, para Quem todas as coisas são possíveis. E uma vez que Ele deu a Sua palavra de que a restauração ocorreria, isto se tornará realidade, apesar de todas as evidências em contrário.

De fato, já no tempo de Esdras, Neemias e Zorobabel, quando o povo de Israel voltou do cativeiro, Jerusalém foi reconstruída, numa sucessão de eventos que refletiam um milagre após outro, fato que deveria ter levado o povo a uma séria reflexão. Esta profecia, no entanto, aponta para o milagre maior, quando a Jerusalém celestial, que será habitada pelo remanescente fiel, descerá do Céu para a Terra, a sua morada eterna. “Naquele dia o Senhor protegerá os que vivem em Jerusalém, e assim o mais fraco dentre eles será como Davi.”(v. 8 NVI).

O versículo 10 apresenta um quadro solene. “Olharão para mim, aquele a quem traspassaram” (NVI). Esse versículo foi citado por João 19:37, na ocasião em que Jesus foi ferido por uma lança pelo soldado romano enquanto pendurava na cruz.  Além disso, Apocalipse 1:7 afirma que aqueles que traspassaram a Jesus O verão voltar, em referência à ressurreição especial na segunda vinda de Jesus. Na verdade, Jesus não foi traspassado – morto – somente pelo poder romano, por incitação dos líderes judeus, a referência primária das citações de João. Fomos nós que causamos a morte de Jesus com nossos pecados.

Todos se lamentarão pela morte de Jesus. Mas haverá dois distintos grupos. O primeiro é aquele que lamentou a morte de Jesus e chorou por seus pecados com corações arrependidos, com profundo pesar e contrição enquanto Jesus ainda estava intercedendo por eles no santuário celeste, no Santo e Lugar Santíssimo. Assim, seus pecados foram apagados e eles participarão da vinda do Reino como habitantes de Nova Jerusalém. O verdadeiro arrependimento é que fará toda a diferença.

O outro grupo de pessoas que se lamentarão o farão por causa de seus pecados não confessados e abandonados por ocasião da volta de Jesus (Mateus 24:30; cf. Apocalipse 6:15-17). Ao perceber que não estão salvos eles chorarão amargamente.

De acordo com Zc 12:12-14, todos irão chorar pelos seus pecados. Mas é nossa escolha se iremos lamentar e clamar ao Senhor pelos nossos pecados ANTES de Sua vinda, enquanto Jesus ainda está intercedendo por nós, o que levará à salvação eterna, ou vamos chorar NA sua vinda por causa da destruição condenatória.

Senhor, ajuda-nos a fazer parte do primeiro grupo! Concede-nos o verdadeiro arrependimento e reforma. Que possamos reconhecer a Ti como Criador e Redentor de nossas vidas enquanto ainda temos oportunidade. Amém.
Sook-Young Kim



http://www.palavraeficaz.com/

sábado, 25 de outubro de 2014

Zacarias 11 - Comentários


Zacarias 11
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Você sabia que muitos líderes religiosos, pastores, bispos, presbíteros, padres, diáconos, etc. de muitas denominações não querem que os membros de sua igreja conheçam verdadeiramente a Bíblia? Você sabia que muitas denominações proíbem seus membros fazerem estudos bíblicos?

Sabe por quê? Quem estuda a Bíblia descobre a verdade e abandona as religiões falsas e líderes enganadores. Em contrapartida, Deus quer que você conheça bem Sua Palavra. E, nós estamos aqui para te ajudar com o projeto mundial Reavivados por Sua Palavra.

No dia do pastor, Deus chama a atenção com uma mensagem de exortação. Claro que ser pastor é um privilégio muito grande, mas a responsabilidade é ainda maior. Muitos acham que pastorear é administrar, dominar, compelir, julgar, condenar, criticar, aproveitar-se, abusar, coagir, manipular e ameaçar. Estes terão de prestar contas a Deus.

O pastor fiel a Deus não se preocupa com aquilo que os outros pensam, mas com aquilo que Deus quer. Deus quer encorajar, cuidar, guiar, orientar, examinar, corrigir, amparar, proteger, prover, disciplinar, consolar e amar as ovelhas do rebanho do Senhor por meio de Seus pastores. Estes são Seus representantes, guiados pelo Espírito.

Sabe qual é o problema disso tudo? (vs. 1-17)

1. Da mesma forma que Israel rejeitou o bom pastor como profetizado por Zacarias, muitos religiosos rejeitam aos pastores enviados por Deus.

2. As pessoas que se dizem religiosas rejeitam a Jesus ao rejeitarem aos pastores enviados por Ele.

3. Assim como Judas vendeu Jesus por trinta moedas de pratas – o preço de um escravo –, tem muitos que não dão a mínima para os servos de Cristo que cumprem cabalmente Seu ministério.

O resultado? O Deus que quebrou os três falsos pastores revelará o verdadeiro caráter dos falsos religiosos que rejeitam aos verdadeiros pastores.
Amigos, Zacarias nos deixou uma forte mensagem: Todos nós como servos do Bom Pastor Jesus devemos representar bem Seu caráter ao mundo.

Zacarias “tornou-se um tipo do Messias, o qual foi maltratado e rejeitado por aqueles a quem veio salvar. A ação de Zacarias simbolizava a tentativa final de Deus para restaurar Seu povo desobediente”, escreveu Philip G. Samaan.

Medite: Deus sente tão triste quando alguém rejeita um pastor que Ele enviou tanto quanto ficaria se o rejeitado fosse Seu próprio Filho.

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:


Zacarias 11 Comentários de Sook-Young Kim

Leitura Bíblica  - Zacarias 11
Comentários  de  Sook-Young Kim
O pinheiro, o cedro e o carvalho (Zac 11:1-3) representam os líderes proeminentes. Continuando o pensamento do capítulo anterior, os líderes do povo são reprovados mais uma vez. Eles vendem o rebanho de Deus por dinheiro e se enriquecem, sem ter pena deles. Eles compram e matam o rebanho, mas não se sentem culpados.

Deus não teria simpatia desses habitantes da terra. Isso é mostrado nos versos seguintes (6-14). O Senhor tomou duas varas e deu a uma o nome de “Favor”, que pode ser traduzido também como doçura, graça ou beleza. Mas o Senhor quebrou este bastão, com o qual estava conduzindo o rebanho. O verso 10 diz que Deus quebrou o bastão para ilustrar que a aliança entre Ele e Seu povo estava quebrada.

No verso 14 o Senhor tomou a outra vara que tinha sido chamada de “União” (ou “Ligação”) e também a quebrou. Ao quebrá-la, Ele mostrou que a aliança de irmandade entre Judá e Israel tinha sido quebrada.

Quando a “Graça” está quebrada, nosso relacionamento vertical com Deus também se quebra. Quando a “União” se quebra, nossa relação horizontal com as pessoas ao nosso redor também se rompe. Quando você e eu deixamos o Senhor ou não O seguimos totalmente, os vários relacionamentos que mantemos são afetados e se quebram.

Os versos 12 e 13 são citados nos Evangelhos como uma profecia que se cumpriu em Judas ao ele trair Jesus por 30 moedas de prata (Mat 26:15; 27: 3-10). Deus pediu ao povo através de Zacarias que Lhe colocassem preço e eles pesaram 30 moedas de prata. Por isso, Deus diz a Zacarias que este era o valor pelo qual O valorizavam. Como lemos em Mateus 26 e 27, este foi o preço da vida de Jesus estimado por Judas e pelo sumo sacerdote, justamente o preço habitual de um escravo.

Zacarias não era bem vindo como profeta pelos líderes arrogantes e autoritários. Jesus também não foi bem vindo pelos líderes de sua época. E você? Que valor você dá para Jesus? Valorizemos ao Senhor com tudo o que temos e de todo o nosso ser, como Ele nos tem valorizado. Amemos ao Senhor acima de tudo, como Ele nos amou. A restauração do nosso relacionamento com Deus abrirá portas para melhores relacionamentos com o nosso próximo e resultará em vida eterna.

Na última parte do capítulo, os líderes recebem uma repreensão severa, sendo comparados a um pastor infiel. Ele não confortam os que estão tristes nem curam os quebrantados. Os que são fortes o suficiente para resistir, ele não as alimentam ou as fazem crescer, utilizando-os para seu benefício próprio, como um pastor que come a carne dos das suas ovelhas gordas. Eles são chamados de “pastores inúteis.” Deus está muito infeliz com eles. “Ai do pastor imprestável, que abandona o rebanho!”
Sook-Young Kim



http://www.palavraeficaz.com/

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis