Translate

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Ciddão do Céu -Salmos 15:1

Meditação Diária
Qualidades do Cidadão dos Céus 
“Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo”? “Quem há de morar no teu santo monte”?Salmos 15:1

11 qualidades que indicam o perfil do verdadeiro cidadão dos céus.

Qualificações diante de Deus (v. 2)

1-Anda em sinceridade: Esta é uma qualidade do verdadeiro cidadão dos céus, demonstrada, primordialmente, diante de Deus. Em Gênesis 17:1, Deus ordenou a Abraão: “...anda na minha presença e sê perfeito”. Isso equivale a ser íntegro diante do Senhor. A palavra hebraica para integridade é tamin, significando que o indivíduo íntegro é aquele que diz o que faz e faz o que diz (Tg 2:12). O Apóstolo Paulo faz idêntica exortação: “Procura apresentar-se diante de Deus aprovado” ( 2 Tm 2:15).

2-Pratica a justiça: A justiça emana de Deus. O cristão só consegue viver bem diante do Senhor, se tiver a justiça divina. Noé foi um exemplo de homem que pratica a justiça e a retidão ( Gn 6:9). Davi conhecia a Deus como o verdadeiro Pastor, pois somente Ele ( Deus) pode nos guiar pelas veredas da justiça ( Sl 23:3b).

3- Qualificações diante dos homens:
Estas qualificações referem-se ao comportamento, ou conduta ética, do cidadão dos céus diante dos homens, sejam estes salvos ou não. Refletem o caráter ideal dos filhos de Deus. Tais qualidades podem servir de parâmetro para nossa auto-avaliação.

4-Fala a verdade
o cidadão dos céus chegou a essa condição porque, um dia, creu na verdade ( Jo 14.6b).  Ele (a) foi liberto (a) pela verdade ( Jo 8:32). Passou a adorar a Deus “em espírito e em verdade” (Jo 4:24). Foi santificado pela presença de Deus em sua vida. Em conseqüência, tem como característica básica ser pessoa que só fala “verazmente segundo o seu coração” (v. 2b).

5-Não difama o próximo (v. 3 a): Difamar vem do Latim (diffamare), significando “tirar a boa fama ou o crédito”, falar mal de alguém. O filho de Deus, os chamados por Deus, os eleitos de Deus, não agem assim. Se ele não puder falar bem do seu próximo, não há de falar mal. Tiago exorta a que não falemos mal uns dos outros ( Tg 4:11).

6-Não faz mal ao próximo ( v. 3b): Fazer mal é próprio dos malignos, dos maldosos, dos ímpios, que “...não dormem, se não fizerem o mal, e foge deles o sono se não fizerem tropeçar alguém” (Pv 4:16). O cristão demonstra, em todos os aspectos de sua vida, cultivar a benignidade, qualidade daquele que só faz o bem. Fazer o mal, no texto, tem um sentido amplo: refere-se a qualquer tipo de atitude que venha a prejudicar o próximo em qualquer circunstância, quer no aspecto moral, quer no social, quer no espiritual ou físico. Quem faz o mal colherá o fruto do que anda semeando (Gl 6:7).

7-Não aceita afronta contra o seu próximo (v. 3c): Afronta quer dizer ofensa, ultraje, humilhação, de modo agressivo, de uma pessoa contra outra. O cristão é capaz de suportar a afronta contra si mesmo, demonstrando o fruto do Espírito – a longanimidade, mas “não aceita nenhuma afronta contra o seu próximo”.

8-Despreza o réprobo (v. 4): Réprobo é sinônimo de reprovado, mal, perverso. O cidadão dos céus não pode aprovar, por ação ou omissão, o comportamento dos ímpios. Deve amá-los, espiritualmente, como Cristo os ama, mas desprezar suas práticas pecaminosas.

Neemias, ouvindo o falso convite de Sambalate, Tobias e Gesém, logo os desprezou: “Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer” (Ne 6:2-3). Jesus, diante da ameaça de Herodes, um governante réprobo, desprezou-o de imediato, chamando-o de raposa (Lc 13:32).

9-Honra aos que temem a Deus (v. 4b): Os que temem a Deus, de modo geral, estão entre os que são considerados “como lixo deste mundo e como escória de todos” (I Co 4:23). Desse modo, só quem está em condições de honrar aos que temem a Deus são os verdadeiros cidadãos do céu. Os pais crentes devem amar e honrar a seus filhos; estes devem honrar a seus pais; os esposos devem honrar as esposas e vice-versa; os fiéis devem honrar os pastores e estes aos fiéis.

10-Cumpre os seus compromissos (v. 4c): O texto do Salmo diz: “aquele que, mesmo que jure com dano seu, não muda”. No Antigo Testamento, as pessoas faziam juramento diante de contratos e acordos. No Novo Testamento, vemos que Jesus nos ensinou a não jurar nem pelo céu nem pela terra (Mt 5:34). Ele exortou seus seguidores a serem pessoas íntegras no cumprimento da palavra, dizendo: “Seja, porém, o vosso falar: sim, sim; não, não, por que o que passa disso é de procedência maligna” (Mt 5:37).   

11-a)Não empresta seu dinheiro com usura (v. 5): Pedir dinheiro emprestado não é coisa boa (ver Pv 22:7). As vezes, porém, certas circunstâncias obrigam o cristão a fazê-lo. Se tivermos condições de ajudar alguém, concedendo-lhe um empréstimo, devemos fazê-lo de modo cristão e compassivo (Sl 37:26), sem explorar o próximo.

b)Não aceita suborno (v. 5b): Suborno quer dizer peita, corrupção. Subornar é dar dinheiro para conseguir alguma coisa que vá de encontro à moral e aos princípios cristãos. O cidadão do céu jamais aceita tal prática seja contra o culpado e muito menos contra o inocente. No mundo sem Deus, a prática do suborno é comum. Mas, como cristãos, devemos condenar esta prática.

Seis palavras apenas são usadas, no final do salmo, para descrever o galardão do verdadeiro cidadão do céu: “quem faz isto nunca será abalado”. Isto é, quem age de acordo com as qualidades do verdadeiro cidadão do céu, jamais sofrerá qualquer abalo.  

Pr. Elias Lombardi
Adaptado para esta meditação
Imagens do Google editado por Palavra Eficaz


Comentários
2 Comentários

2 comentários:

Unknown disse...

Muito boa a explicação da palavra de salmos ...Deus seja louvado!!!

Elisangela Medeiros disse...

Muito boa a explicação da palavra de salmos ...Deus seja louvado!!!

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis