Translate

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Lucas 15:1-2

Amigo dos pecadores

Todos os publicanos e pecadores estavam se reunindo para ouvi-lo. Mas os fariseus e os mestres da lei o criticavam: “Este homem recebe pecadores e come com eles”. Lucas 15:1, 2, NVI.

Julho chegou – e nos voltamos agora para o evangelho de Lucas.

Lucas difere dos demais escritores dos evangelhos em dois aspectos importantes: ele não era judeu, e era médico. Sabemos pouco sobre ele, exceto que era um amigo de Paulo, o qual o acompanhou em algumas de suas viagens. Lucas aparece de repente no relato de Atos conforme a narrativa muda de "eles" para "nós" (Atos 16:10). Paulo o chamou de "o médico amado" (Col. 4:14).

Mateus e João foram apóstolos e incluíram informações de primeira mão em seus escritos. Marcos não foi um dos doze, mas de acordo com antigas tradições, ele ouviu Pedro pregar sobre Jesus e baseou seu Evangelho nessas recordações. Lucas diz-nos que, ao escrever, tinha diante de si outros relatos da vida e ministério de Jesus (Lucas 1:1, 2). O Espírito Santo guiou-o na seleção do material.

Diferentemente dos demais escritores dos evangelhos, Lucas escreveu a sua história de Jesus para uma pessoa notável, Teófilo (Lucas 1:5, Atos 1:1).

Obviamente Lucas queria que o seu evangelho circulasse pelo mundo romano – e esta era uma maneira de recomendá-lo a outros.

Que retrato de Jesus surge da mão deste médico gentio? Um Cristo que, como Salvador do mundo, traz esperança e vida nova para todos, independentemente do status social.

Talvez as experiências de vida do médico Lucas o tenham tornado sensível para com aqueles que tiveram menos sorte na sociedade. Talvez o fato de ser um gentio o tenha ajudado a apreciar a universalidade da mensagem de Jesus – talvez ele tenha sofrido por conta da exclusividade e do preconceito dos Judeus. De qualquer forma, seu Evangelho destaca-se dos demais por sua preocupação com os oprimidos, os humildes, os desprezados e os marginalizados. Aqui Jesus não é apenas o "filho de Davi", ou o "filho de Abraão" (Mateus 1:1) – Ele é o Filho de Adão (Lucas 3:38), amigo de todos.

"Amigo de pecadores!" essa foi a acusação que lançaram contra ele. Mas, na verdade, foi um elogio! Como ninguém era indigno demais, ou impotente demais ou pobre demais para Jesus, temos esperança e nova vida nEle!

ORAÇÃO

Jesus, amigo dos pecadores, seja meu amigo hoje.

Autor: William G. Johnsson

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 9:2


Ele foi Transfigurado

Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e os levou a um alto monte, onde ficaram a sós. Ali ele foi transfigurado diante deles. Marcos 9:2, NVI.

Olhando para Jesus, quem teria pensado que este carpinteiro de Nazaré era o Filho de Deus? Este homem em trajes de camponeses, que não havia frequentado escolas – como poderia Ele ser Deus em carne?

No entanto, Ele era. Velando Sua divindade, Ele tornou-se um conosco, nascido como nascemos, criado como somos criados, sujeito a sua parcela humana de sofrimento, dor e provações.

Quando você ouve a palavra "Deus", o que vem à sua mente? Uma luz ofuscante? Milhares e milhares de anjos cantando? Trovões do Sinai? Relâmpagos de retribuição?

Jesus falou muito sobre Deus, mas quase nada sobre esse lado de poder e majestade que associamos à divindade. Em vez disso, Jesus revelou o caráter de Deus – a Sua compaixão e cuidado por nós, o Seu grande amor que anseia por nos receber de volta em casa.

Portanto, se as pessoas apenas tivessem olhado a Jesus mais de perto, se apenas tivessem deixado de lado seus preconceitos, elas teriam reconhecido um caráter absolutamente extraordinário neste homem da Galiléia. Tal pureza de vida, tal amor, tal altruísmo – só podia ser Deus!

Ocasionalmente, no entanto, a luz da divindade transpareceu através da humanidade de Cristo. A manifestação suprema de sua divindade foi revelada a apenas três dos doze – a Pedro, Tiago e João – em uma montanha solitária na Galiléia. Lá, enquanto passava a noite em oração, ele foi momentaneamente transformado na glória ofuscante de seu lar celestial. “Suas roupas se tornaram brancas, de um branco resplandecente, como nenhum lavandeiro no mundo seria capaz de branqueá-las” (Marcos 9:6, NVI). E Moisés e Elias deixaram o céu para falar com ele acerca de sua morte que se aproximava.

Era uma antecipação do triunfo de Jesus. Depois dEle lutar e ganhar a batalha decisiva contra o inimigo em Jerusalém, quando a milenar controvérsia entre o bem eo mal estivesse solucionada, Ele seria cercado pelos remidos na glória do céu. Elias representava Seus seguidores, que seriam trasladados em Sua segunda vinda, sem nunca terem experimentado a morte; Moisés representava aqueles fiéis que morreram nEle e que serão ressuscitados para a vida eterna por ocasião da Sua vinda.

A glória logo desapareceu, mas Jesus não era menos Filho de Deus quando o esplendor se desfez. Nós também podemos podemos trazer a glória do caráter do Salvador para as tarefas comuns do dia-a-dia.

ORAÇÃO

Senhor da glória. Dá-me o privilégio de possuir hoje a beleza do Teu caráter. E que na Tua vinda eu esteja entre os que irão Te aclamar com alegria.

Autor: William G. Johnsson

terça-feira, 28 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 12:37


O Cristo do Homem Comum

E a grande multidão o ouvia com prazer. Marcos 12:37, NVI.

Vivemos na era do homem comum. Do homem em sua individualidade, em sua singularidade, independentemente da linhagem ou título ou raça – este é um dos principais movimentos sociais do nosso tempo, ainda que pouco tenha alcançado.

Há 200 anos compositores como Bach e Mozart buscaram patronos para suas artes e dedicaram suas músicas para reis e condes, em nossos dias Aaron Copland escreve Fanfarra para o Homem Comum.

Na verdade, Jesus sempre foi o Cristo do homem comum. Em seus dias o povo comum o ouvia com prazer, enquanto os fariseus e saduceus o ignoravam ou olhavam para ele com desprezo.
Depois de Sua morte e ressurreição a nova fé em Seu nome espalhou-se rapidamente – mas em grande parte entre as pessoas comuns. "Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados,", escreveu Paulo aos crentes de Corinto "Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento". (1 Cor 1:26, NVI) O Cristianismo se espalhou rapidamente entre os escravos – assim como aconteceu em tempos modernos.

O pagão Celso, um crítico de Cristo e dos primeiros cristãos, tentou denegrir Jesus. “Ele é o mais estranho dos professores”, disse Celso, “pois... enquanto todos os outros dizem,'Vinde a mim, vocês que são limpos e dignos,' esse extranho mestre, afirma 'Vinde a mim, vocês que estão abatidos e feridos pela vida', e assim, tomado ao pé da letra por essas pessoas sem futuro, ele é seguido de perto pelos trapos e farrapos da humanidade que correm atrás dele”.

O estudioso cristão Orígenes respondeu: “Sim, mas Ele não lhes deixa como trapos e farrapos da humanidade; mas com o material que você teria jogado fora como inútil Ele forja homens, devolvendo-lhes a dignidade, permitindo-lhes ficarem de pé e olharem a Deus nos olhos. Eles eram considerados inúteis, desnecessários e sem valor. Mas o Filho os libertou!”

E Jesus ainda liberta homens e mulheres. Ele é o Cristo do homem comum, não porque deixe de lado os ricos, os orgulhosos, e os poderosos, mas porque eles o deixam de lado.

Mas todo aquele que sente a sua necessidade e vem a Jesus, lançando a vida sobre Ele, perceberá que Ele é o Cristo. Esse simples carpinteiro galileu é o Salvador e Senhor, em quem encontramos perdão e novidade de vida.

ORAÇÃO

Obrigado querido Jesus porque me aceitas com minhas fragilidades, devolves minha dignidade e fazes de mim um novo homem.

Autor: William G. Johnsson

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 10:51


Bartimeu

O que você quer que eu lhe faça?”, perguntou-lhe Jesus. O cego respondeu: “Mestre, eu quero ver!” Marcos 10:51, NVI.

Por quanto tempo ele havia estado alí, sentado, mendigando? Quando cada dia é noite porque você é cego e você nunca vê o sol nascer e se por, um dia se mistura com o outro até que outro ano se passa. Tudo o que você sabe é que você ainda está sozinho e que a vida consiste em encontrar o seu lugar na estrada de Jericó a fim de pedir esmolas do povo que passa, dia após dia, dia após dia.

Um dia, Bartimeu, o mendigo cego de Jericó, ouve o som de muitos pés. Quem está vindo? Será que o governador chegou para uma visita oficial? Ou é uma procissão religiosa? Logo ele descobrirá.

Alguém lhe diz: "Jesus de Nazaré está passando" (Lucas 18:37, NVI). Jesus de Nazaré! O operador de milagres do norte do país! Dizem que ele alimentou uma multidão de milhares de pessoas com apenas cinco pães e dois peixes. Dizem que quando Ele fala, até mesmo as tempestades desaparecem. Dizem que Ele pode ressuscitar os mortos. Dizem que – Ele pode até abrir os olhos de um cego de nascença!

"Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!" (Verso 38, NIV). Tenha misericórdia de mim, o pobre cego Bartimeu. Se você deu vista a pessoas cegas na Galiléia faça isso também em Jericó – e faça isso por mim!

"Fique quieto seu velho!" "Segura a língua!" "Sente-se e cale a boca!"

Mas ele gritava ainda mais alto, com insistência, em tom queixoso: "Filho de Davi, tem misericórdia de mim" (verso 39, NVI).

E acima das vozes que o repreendiam, ele ouve outra voz, doce, compassiva: "Chamem-no".
Bartimeu lança fora os trapos que o cobrem e se lança em direção aquela voz convidativa. De má vontade, o povo o deixa passar.

"O que você quer que eu lhe faça?" É aquela voz novamente.

"Senhor, eu quero ver."

"Recupere a visão! A sua fé o curou" (versículos 41, 42, NVI).

E imediatamente Bartimeu recebe a capacidade de enxergar e segue a Jesus pelo caminho.

ORAÇÃO

Ó Mestre, estamos sentados sozinhos com nossos trapos. Passe perto de nós agora e nos convide para irmos até você, pois clamamos: "Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim."

Autor: William G. Johnsson

domingo, 26 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 7:20


O Puro e o Impuro

E continuou: O que sai do homem é que o torna impuro. Marcos 7:20, NVI.

Os fariseus eram fanáticos por limpeza. Para eles, a limpeza não era apenas parte da piedade – era a piedade.

Marcos nos fala de seus escrúpulos no capítulo 7, versículos 1-4. Quando eles chegavam do mercado, não tocavam em nenhuma comida, a menos que primeiro passassem por uma lavagem cerimonial. A tradição exigia uma série de detalhes: "A lavagem aqui referida era estritamente ritualística, e não sanitária. É dito que este rito consistia em derramar uma pequena quantidade de água sobre os dedos e a palma, primeiro de uma mão e depois da outra, com a mão inclinada de tal maneira que a água corresse da palma para o pulso, mas não além deste (cuidando o tempo todo para que a água não escorresse de volta para a palma), e depois alternadamente esfregando uma mão com a palma da outra mão. A quantidade mínima de água prescrita era a que pudesse caber em uma casca e meia de ovo "(SDA Bible Commentary, vol. 5, p. 622).

Não admira que Jesus tenha protestado contra tal banalização da religião. Ele se recusou a obedecer às tradicionais leis de purificação, e também encorajou seus discípulos a ignorá-las. Quando os fariseus e os advogados acusaram os discípulos de transgredirem a lei, Jesus respondeu: "Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens" (versículo 8, NVI).

Mais tarde, Jesus explicou a verdadeira diferença entre o puro e o impuro: "O que sai do homem é que o torna impuro. Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças..."(versos 20-22, NVI).

É claro que as pessoas hoje não cairiam num pensamento tão distorcido, como esse dos fariseus. Ou cairiam?
Os americanos têm uma paixão por limpeza. O banheiro se tornou a principal atração das novas casas – grandes, elaborados, caros (podem vir equipados com TV, telefone e outros aparatos eletrônicos!). Gastamos anualmente bilhões em shampoos, loções, perfumes, desodorantes, pós e cremes desenvolvidos para fazerem com que nos sintamos limpos e pareçamos limpos aos olhos de outros. Desprezamos "o colarinho sujo" e qualquer resquicio de odor corporal.

Mas de dentro do nosso corpo ensaboado e lavado saem as mesmas coisas que Jesus repreendeu na fariseus. Uma boca bonita, limpa, escovada e enxaguada, profere palavras de ódio, orgulho, egoísmo e imoralidade.

Que bom se dedicássemos tanto tempo a limpeza do homem interior, como dedicamos ao exterior!

ORAÇÃO

Senhor. Reconheço que meus pensamentos e motivos são impuros. Purifica o meu interior para que eu possa refletir a beleza do Seu caráter.

Autor: William G. Johnsson

sábado, 25 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 6:56


O Doador

E aonde quer que ele fosse – povoados, cidades ou campos – levavam os doentes para as praças. Suplicavam-lhe que pudessem pelo menos tocar na borda do seu manto; e todos os que nele tocavam eram curados. Marcos 6:56, NVI

Jesus viveu para abençoar a outros. Sua vida foi um constante fluir de misericórdia e compaixão. Imagine! Depois que Ele passava por uma aldeia, não restava nenhuma pessoa doente, não se ouvia mais nenhum pranto de dor. Se Jesus estivesse aqui hoje, os hospitais e as funerárias teriam que mudar de ramo.

Mas tudo parece tão longínquo, o Seu ministério de incessante amor parece tão distante de nós. O que podemos fazer hoje?

Greg estava prestes a completar 16 anos. Por dois anos ele não havia recebido presente de aniversário – sua mãe lutava com dificuldade para sustentar Greg e sua jovem irmã, Linda, por conta própria. Mas, finalmente ela havia conseguido reunir algum dinheiro este ano. Greg iria ganhar um presente.

Greg, entretanto, teve uma idéia diferente. Ele tinha percebido o olhar no rosto de Linda toda vez que as crianças passeavam de bicicleta pela rua. Linda simplesmente sentava na varanda e observava. Ela não tinha uma bicicleta e não havia dinheiro para comprar uma.

Então Greg foi até a sua mãe e disse: "Mãe, meu presente este ano será doar o dinheiro para ajudar a comprar uma bicicleta para Linda." Mãe e filho compraram a bicicleta, e Greg ficou até tarde da noite montando-a. No seu aniversário, ele recebeu seu presente – uma bicicleta para Linda!

Era difícil dizer quem estava mais feliz naquele dia, Linda pedalando sua bicicleta nova para lá e para cá na rua, ou Greg observando a irmã.

A vida diária pode ser banhada de beleza conforme o amor do Mestre aviva nossos corações. Independentemente da idade, podemos abençoar a outras pessoas. Nossa vida pode ser um hino ininterrupto de louvor a Deus.

E este é o maior poder para a transformação da sociedade hoje. Mais do que dinheiro, educação, poder, ou título, vidas fazem a diferença.

ORAÇÃO

Ó divino Redentor, conduze-me hoje no caminho do Seu amor altruísta. Que eu também possa viver para abençoar a outros.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 3:34,35

A Conexão Familiar

Então olhou para os que estavam assentados ao seu redor e disse: Aqui estão minha mãe e meus irmãos! Quem faz a vontade de Deus, este é meu irmão, minha irmã e minha mãe. Marcos 3:34, 35, NVI.

Alguns anos atrás visitei a penitenciária estadual em Nashville, Tennessee. É uma estrutura sombria, proibida, semelhante a um castelo, onde homens condenados por assassinato e outros crimes estão presos sob segurança máxima, alguns à espera da execução. Drogas, estupro homossexual, e assassinatos são comuns.

No entanto, os Adventistas do Sétimo Dia têm uma igreja dentro dos muros da prisão. Iniciado por Conn Arnold quando era diretor de jovens na Associação de Kentucky, Tennessee, a igreja agora se reúne sob a direção de leigos da Primeira Igreja Adventista do Sétimo Dia de Nashville.

Como a minha visita foi organizada com pouca antecedência, apenas cerca de 20 detentos, em vez dos habituais 70 ou mais, puderam participar. Nos reunimos em uma sala austera, completamente sem janelas. Tínhamos exatamente uma hora para a reunião.

Os presos queriam falar, fazer perguntas. Após cerca de 40 minutos um homem alto e magro que tinha estado a me olhar atentamente falou.

“Sr. Johnsson, eu queria ter conhecido alguém como você há muito tempo.

Primeiro conheci Conn, e ele era diferente de qualquer outro que eu conhecia. Então, veio o Doug [um dos anciãos da igreja], e ele era diferente também, mas de alguma forma ele era parecido com Conn. Eu costumava me perguntar: O que eles tem de diferente? Eu costumava me perguntar: Se um adventista do sétimo dia viesse de outro lugar – da Califórnia, por exemplo, ou de Nova York – teria esse mesmo tipo de diferença?

“E então, conheci você hoje. Você veio de muito longe, de Washington, D.C. Você é diferente de Conn e Doug, e contudo, de alguma forma, você é exatamente como eles.”
Ele fez uma pausa. Seus olhos me fitavam diretamente nos olhos. E eu me senti ao mesmo tempo orgulhoso e humilde. Ele me fez um dos maiores elogios que já recebi.

Há uma conexão familiar. Embora a pele, os rostos, as pessoas sejam diferentes, estamos conectados uns aos outros. Somos irmãos e irmãs de Jesus.

Que família!

ORAÇÃO

Senhor. Possam todos que me cercam ver Jesus em mim.

Autor: William G. Johnsson

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Maravilhoso Jesus - Marcos 6:45


O Rei Relutante

Logo depois, Jesus ordenou aos discípulos que subissem no barco e fossem na frente para o povoado de Betsaida, no lado leste do lago, enquanto ele mandava o povo embora. Marcos 6:45, NTLH.

Depois de uma refeição saudável, os convidados se levantam e abençoam o anfitrião. E após o anfitrião ter criado comida para eles, multiplicando cinco pães e dois peixes para alimentar milhares, os convidados estão prontos para acariciarem sonhos de grandeza.

Este camponês de Nazaré – poderia Ele ser o tão esperado Libertador?

Poderia Ele ser realmente o Messias, e não o haviamos reconhecido? Se Ele pode fornecer alimento para tantas pessoas, os seus exércitos não terão falta de comida. Os soldados também não precisarão ter medo, porque Ele pode curar os feridos e até mesmo ressuscitar os mortos. Ele vai conduzir o país à libertação da odiada força de ocupação Romana. Seremos livres!

Interessante – Jesus havia dado provas claras de Sua divindade. Ele havia curado milhares; Suas palavras haviam trazido paz, perdão e esperança, as pessoas tinham encontrado nova vida Nele, Seu caráter não tinha mancha ou defeito. Os homens da Galiléia haviam visto tudo isso, mas ainda duvidavam.

Eles não podiam enxergar mais do que sua origem humilde, Seu porte despretensioso, Sua abordagem gentil. Somente quando suas barrigas ficaram cheias com o alimento providenciado por Ele, é que eles decidiram aclamá-lo rei.

A Escritura nos diz que Jesus "ordenou" aos discípulos para que entrassem no barco e saissem dalí. A linguagem do texto é forte – o Mestre obrigou-os a deixarem o local. Eles também haviam captado o espírito da multidão. Eles aplaudiram o movimento popular para coroar Jesus. Jesus como rei?

Fantástico! E eles seriam os principais oficiais no governo do Messias.

Mas Jesus disse não. Firmemente, decididamente, despediu a multidão e ordenou aos discípulos que saíssem rapidamente dali de barco. Ele não deu atenção aos argumentos deles, jogou água fria em seu entusiasmo.

Foi um momento decisivo. Aquela montanha na Galiléia foi o ponto alto da popularidade do Salvador, o momento em que tudo conduzia a um movimento de massas, a um levante popular. Mas o rei recusou a coroa, e as expectativas nunca chegariam a tal ápice novamente. Seus seguidores iriam diminuir gradualmente, até que um dia, no monte do Calvário, Ele ficaria totalmente sozinho.

Jesus escolheu a cruz naquele dia. Escolheu a cruz quando a coroa estava tão próxima.
Devemos fazer o mesmo.

ORAÇÃO

Rei sábio e poderoso. Coloca em meu coração o firme desejo de seguir a Tua agenda e não as preferências da multidão.

Autor: William G. Johnsson

Receba em seu e-mail nossas mensagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis